Ciclismo 2014 #31

fabien cancellara

Ronde Van Vlaanderen – Volta à Flandres, Bélgica – Ontem

O magnífico Fabian Cancellara escreveu ontem mais uma página de história na sua carreira ao ser pela 3ª vez vencedor da prova belga, 5º vitória suiça na prova. Cancellara junta-se assim a um lote de vencedores por 3 vezes no qual estão ciclistas como Johan Museeuw ou Tom Boonen. Boonen esteve presente na prova e ainda tentou dar um arzinho da sua graça.

259 km a separar Osteende e Blankenberg. Pelo meio, dezenas de corridas, segmentos em pavé e uma loucura de corrida, cheia de nervosismo e de aparatosas quedas.

Foi precisamente uma queda que pautou as primeiras das 6 horas de corrida disputadas na clássica Belga, clássica que serve de antecâmara para a clássica dos heróis, para o Inferno do Norte, o Paris-Roubaix, clássica que se irá disputar no próximo domingo. Para todos os leigos em ciclismo passo a explicar: a Paris-Roubaix é uma clássica disputada entre a capital francesa e o mítico velódromo da pequena cidade da região de Pas de Calais (o mais antigo velódromo ciclístico francês) na qual os ciclistas tem que superar cerca de 2 dezenas de segmentos de estrada em pavê (barro e paralelo). A prova contém um nível de espectacularidade enorme pela sua extrema dureza, pelas dezenas de quedas que acontecem e pela diabólica situação de corrida decorrente, com ataques e mudanças de posições constantes ao longo da prova. É uma daquelas clássicas que merece ser vista do princípio ao fim. Para não me alongar mais, voltando à Volta à Flandres…

Foi este o momento mais negativo da corrida. Protagonizado precisamente por um dos vencedores da Paris-Roubaix, o belga Johan VanSummeren da Garmin, um dos candidatos à vitória na prova de ontem. Numa altura em que o pelotão rolava a alta velocidade (km 60), o belga embateu violentamente contra uma idosa que se encontrava sentada à beira da estrada. A senhora está hospitalizada em estado muito grave. O ciclista afirma que o corredor que está traumatizado com o sucedido. Não é para menos.

No momento em que Van Summeren bateu contra a espectadora, na frente, rolava a primeira fuga do dia. 11 ciclistas foram os primeiros a evadir-se à aventura na dura prova belga, quase todos de equipas belgas menos cotadas. O mais cotados na fuga eram o sul-africano Daryl Impey da Orica e o norte-americano Taylor Phinney da BMC. Nas primeiras horas de corrida, sucederam-se várias quedas.  Luke Durbridge (Orica), Yaroslav Popovich (Trek), o duas vezes vencedor da prova Stijn Devolder (Trek) ou Step Vanmarcke (homem que depois viria a atacar na fase decisiva da prova) protagonizaram as quedas mais feias da prova. O experiente ucraniano da Trek também foi literalmente cuspido da bicicleta contra um espectador na beira da estrada.

As quedas foram partido o pelotão em vários grupos. Aproveitando a confusão, Peter Sagan decidiu sair do pelotão, obrigando os Omega (Boonen, Stybar e Terpstra) a trabalhar para o apanhar. À espreita encontravam-se nesse grupo homens como Edvald Boasson Hagen (também tentou atacar a 40 km da meta), Alexander Kristoff (Katusha) Fabien Cancellara, Anulado Sagan, os Omega conseguiram controlar o grupo principal até às mexidas que aconteceram após a colina de Kruisberg, uma das pendentes mais inclinadas do percuso, quando, na sua descida, Greg Van Avermaet (BMC) e Stijn Vandenberg (um dos altões da Omega) atacaram. Resposta imediata de Step Vanmarck e Peter Sagan. Na resposta de Sagan, quem viu a transmissão televisiva da prova pode apreciar as informações que o director desportivo da Cannondale ia dando ao eslovaco, pedindo-lhe que se mantesse em posição intermédia até 18 km da meta, altura em que os corredores iam subir a última grande inclinação do dia, a lendária Oude-Kwaremont. Nessa inclinação, pedia o director da Cannondale para Sagan fazer um dos seus ataques demolidores. Os dois ciclistas rodaram muito bem na frente. Boonen e Terpstra abandonaram a frente da corrida. O primeiro teve inclusive dificuldades em acompanhar o ritmo do grupo principal, cuja perseguição estava entregue a Kristoff e a Cancellara.

Foi precisamente na Oude-Kwaremont que Cancellara viu o cenário perfeito para atacar e colar-se aos da frente. O suiço atacou, Sagan não conseguiu acompanhar, Vanmarcke conseguiu aguentar o ataque do suiço e os dois corredores acabariam por colar-se a Van Avermaet e Vanderbergh nos últimos quilómetros.

Habitual nestas corridas, a constituição do quarteto provocou as habituais danças tácticas com os ciclistas a esboçarem ataques e contra-ataques para poderem vencer a prova. Só a 300 metros do fim, em posição privilegiada para sprintar (na cauda do grupo), Cancellara lançou o sprint e venceu um estafado Greg Van Avermaet em cima da linha de meta. O Belga voltou a falhar o objectivo de vencer uma das 5 maravilhas das clássicas da primavera (Flandres, Roubaix, Liège, Amstel Gold Race, Milão-São Remo) apesar de ter merecido claramente a vitória. Valeu novamente a enorme ponta final de Cancellara. O suiço soube resguardar-se e ler muito bem a corrida, respondendo e atacando no timing correcto aos ciclistas correctos. No final, a excelente posição na cauda do grupo aliada à sua habitual frieza na finalização de etapas, garantiu ao suiço de 33 anos a 3ª vitória na prova e 7ª nas 5 maravilhas da primavera (em 25 participações; 14 pódios).

 

GP Miguel Indurain valverde 4

Neste fim de semana, correu-se em Espanha a edição deste ano do GP Miguel Induraín. Tendo como pano de fundo a Volta ao País Basco (começou hoje), Alejandro Valverde conseguiu a sua 6ª vitória da temporada (depois das vitórias em Murcia, Roma Máxima, geral da Andaluzia e 2 etapas na prova andaluz) depois de bater Tom Jelte Slagter da Garmin. O holandês da equipa Norte-Americana voltou a mostrar a sua apetência para as clássicas. Acredito que o holandês será um das maiores figuras deste tipo de provas a partir da próxima temporada.

Da prova espanhol ficou o excelente resultado obtido por André Cardoso. O português da Garmin foi 4º classificado a 1 minuto e 2 segundos do ciclista da Movistar.

Vuelta a La Rioja

Em Espanha também se correu a Volta a La Rioja. A 54ª edição da prova foi encurtada apenas a 1 etapa, à semelhança daquilo que aconteceu com a Volta a Murcia por exemplo. Marcaram presença na prova espanhola nomes como o sprinter Brett Lancaster (Orica), Igor Antón (Movistar), Michael Albasini (Orica) e as equipas portuguesas da Louletano-Dunas Douradas e Boavista Radio Popular.

Michael Matthews da equipa australiana venceu a prova, batendo ao sprint Francesco Lasca da Caja Rural e Carlos Barbero da Euskadi. O melhor português foi Federico Figueiredo da Radio Popular na 14ª posição.

Volta a Limburg

Moreno Hofland

Vitória para o sprinter da Belkin Moreno Hofland. O Holandês, vencedor de uma etapa no Paris-Nice, 2º na Kuurne-Brussels-Kuurne, bateu Simone Colbrelli da Bardiani e Mauro Finetto da Neri na linha de meta.

Volta ao País Basco – 1ª etapa

contador 3

Alberto Contador começou a ganhar no País Basco. Em Ordizia, pleno coração do País Basco, o espanhol da Tinkoff voltou a provar que está embalado para uma grande temporada. Contador atacou com Valverde na última passagem pela 2ª categoria categorizada entre os 10 e os 7,5 km para a meta, deixou o ciclista da Movistar para trás, aguentou a vantagem obtida na descida e venceu isolado na pequena localidade de 10 mil habitantes.

Péssimo dia para Rui Costa. O português desapareceu das imagens antes da última passagem pela subida de Gaintza, acumulando mais de 4 minutos para o líder. Se por um lado o resultado é péssimo (o Rui fica irremediavelmente afastado pela luta da geral), por outro lado, a péssima classificação justifica-se pelo uso da bicicleta suplente (apesar de ter a medida do ciclista, foi pouco utilizada pelo ciclista; a bicicleta principal do português desenvolvida pela Mérida não chegou a tempo da primeira etapa) e pelo cansaço acumulado no terrível dia de espera ontem vivido pelo português no aeroporto na viagem para o País Basco com atraso de 10 horas no voo. Este resultado irá permitir uma maior liberdade de ataque ao ciclista português nas próximas etapas visto que 4 minutos de atraso para a liderança deverão permitir uma maior probabilidade de ataque sem resposta directa dos favoritos à geral da prova. No entanto, também me parece assertivo afirmar que dentro do pelotão ninguém deixa sair de ânimo leve o campeão do mundo. Quem sabe se poderemos ter o ciclista da Póvoa do Varzim ao ataque já amanhã numa etapa que tem um perfil do seu agrado.

Corrida dominada do início ao fim pela Movistar e pela Tinkoff. Uma fuga com Matteo Montaguti (AG25) foi anulada a tempo do momento das decisões (a última passagem pela 2ª categoria de Gaintza, um autêntico muro com pendentes de 15% e 20% em alguns pontos, em particular nos primeiros 500 metros). Tanto a equipa espanhola como a equipa dinamarquesa colocaram muita gente na frente do pelotão de forma a fazer uma selecção dos candidatos logo nesta primeira etapa. Recordo que esta prova só tem chegada em alto na 4ª etapa na quinta-feira. Mikel Nieve (Sky), Damiano Cunego (Lampre), Cadel Evans (BMC), Michal Kwiatkowski (Omega-Pharma-Quickstep), Yuri Trofimov (Katusha; excelente etapa deste ciclista russo) e Jean-Christophe Perraud (afirmou ontem ter algumas ambições na prova; 1 semana depois de ter vencido a geral do Criterium da Córsega) aguentaram o máximo que puderam. Excelente trabalho da Movistar na aproximação à última dificuldade do dia com um grande trabalho de Benat Inxausti a endurecer a corrida. Até ao momento em que Valverde tentou o ataque logo no início da subida e Contador não só o acompanhou como o ultrapassou com um ataque demolidor.

O espanhol conseguiu 13 segundos de vantagem no Alto da Gaintza para Valverde e 30 para o grupo formado pelos nomes supra-citados, diferenças que se mantiveram aquando da chegada dos ciclistas à meta. Contador sobe defender a vantagem na descida e com a vitória nesta 1ª etapa, ascendeu à liderança da prova.

pais basco

André Cardoso chegou integrado no grupo de Frank Schleck (Trek), Samuel Sanchez (BMC), Robert Gesink (Belkin), Simon Spilak (Katusha) e Tejay Van Garderen (BMC) a 58 segundos de Contador. Os ciclistas da BMC Racing Team foram as maiores desilusões do dia. Pela forma apresentada por Van Garderen na Catalunha, esperava-se que o all-rounder Norte-Americano fosse capaz de acompanhar Contador. O basco, a correr em casa, também esteve um furo abaixo daquilo que costuma fazer na prova.

A etapa de amanhã tem um perfil duríssimo. Os ciclistas costumam catalogar este tipo de etapas de “rasga pernas” pela quantidade de descidas e subidas que o traçado apresenta. Apesar das 4 contagens de montanha estarem posicionadas longe da meta (a de 1ª é a última), após a última contagem de montanha, o percurso é um sobe e desce constante, existindo uma subida de 4 km não categorizada a 5 km da meta.

Anúncios

Ciclismo 2014 #16

Tour de Langwaki – Malária – UCI Asia

Tour de Langwaki

Desde 27 de Fevereiro (até domingo) está a ser disputado o Tour de Langwaki, ou como quem diz, a Volta à Malásia, prova da UCI Continental Asia que reune naquele país algumas das fortes equipas do pelotão internacional. Esta competição ainda é encarada por algumas equipas, em particular as de World Tour como uma prova de preparação para o mês de Março, esse sim já a doer com o Paris-Nice ou o Tirreno-Adriático, provas que se irão disputar na próxima semana. Também é de referir que estas provas pagam a peso de ouro a presença de alguns ciclistas. Para as equipas asiáticas, a prova da Malásia serve para estas poderem ganhar pontos para a classificação UCI Continental Asia, 3 ª divisão mundial, rampa de lançamento para a Pro Continental e para a World Tour.

6 equipas da UCI World Tour marcaram presença na prova asiática, entre as quais Belkin, Astana, Orica, Katusha, Saxo-Tinkoff e Team Europcar. 6 profissionais Continentais também marcaram presença: a Colombia (projecto nacional colombiano de ciclismo), Androni-Venezuela (projecto italo-venezuelano de ciclismo), MTN-Qubeka, United Healt Care (EUA) e Neri (Itália). Entre as asiáticas da divisão Continental presentes, destaque para a local Terengganu, para a Tabriz Petrochemical Team (equipa da cidade do Traktor de Toni) e para a Giant, recém-formada equipa chinesa que almeja ascender ao World Tour nas próximas 3 temporadas.

Entre o lote de ciclistas que está a correr a prova estão nomes como o sprinters Theo Bos e Graeme Brown (Belkin), o sprinter australiano Brett Lancaster (Orica), Alexander Ribakov (Katusha), Christophe Kern (Europcar) o trepador Fabio Duarte e o sprinter Leonardo Duque (Colombia), o trepador venezuelano José Ochoa (Androni), os famoso John-Lee Augustin da MTN-Qubeka e Jonathan Clarke da United Healt Care (vencedores de etapas nas últimas edições da Volta a Portugal) o italiano Francesco Chicchi (Neri) ou Zhi Jiang, aquele que é apontado como a maior promessa do ciclismo chinês. À excepção de Bos, Lancaster e Fabio Duarte, nenhum dos outros nomes faz parte da “nata”, digamos assim, do ciclismo mundial. Contudo, a organização da prova paga milhares de euros pela presença de segundas linhas do ciclismo mundial.

1ª etapa

quintero 2

Na primeira etapa, disputada em circuito fechado em Langwaki, na distância de 101 km, o recentemente profissionalizado Duber Quintero de 23 anos (Colombia) logrou bater ao sprint Matt Brettmaier da Sinergy Baku do Azerbeijão e Jonathan Clarke depois de uma fuga nos quilómetros finais Quintero conseguiu a sua primeira vitória enquanto profissional e tornou-se lider da prova com 11 segundos de vantagem para o corredor australiano da equipa azeri e para o corredor norte-americano.O pelotão chegou a 1.08 minutos do ciclista colombiano.

2ª etapa

Theo Bos

Na etapa que ligou Petani a Taiping, Theo Bos mostrou que é o melhor sprinter em prova. Dobradinha para a Rabobank. Graeme Brown lançou o antigo campeão mundial de pista e conseguiu a 2ª posição na etapa. Marco Haller da Katusha foi 3º. A liderança continuou na posse de Quintero.

3ª etapa

guardini

A 3ª etapa viria a pertencer a Andrea Guardini também ao sprint. Guardini já é um repetente na Volta a Malásia, prova na qual já venceu 12 etapas e por 2 vezes a camisola dos pontos. Para além das vitórias na prova da Malásia, o sprinter de 25 anos que a Astana foi recrutar à Vini-Farnese em 2013, já leva no seu currículos vitórias em etapa na Volta à Turquia, na Volta a Portugal (2011) no Giro e na Volta ao Qatar.
No sprint final da etapa que ligou Kampar à capital Kuala Lumpur, Guardini superiorizou-se a Theo Bos e Yannick Martinez da Europcar.

4ª etapa

Primeira etapa de montanha da prova. Chegada em alto nas Gentings Highlands. Vitória o iraniano Mirsamad Pourseyedigolakhour com 4 segundos de vantagem sobre o ciclista da Eritreia Merhawi Kudus da MTN-Qubeka e 5 sobre Isaac Bolivar da United Health Care. Duber Quintero perdeu a camisola amarela para o ciclista do irão visto que chegou com 6 minutos de atraso para o vencedor da etapa.

5ª etapa

Mais uma fuga sucedida. O Norte-Americano Bradley White da United Health Care cruzou a meta na primeira posição em Rembau, vingando uma fuga de quase 60 km. O pelotão chegou a 1 minuto e 5 segundos de diferença.

6ª etapa

van hummel

Vitória para o sprinter holandês Kenny Van Hummel sobre Aidis Kuopis da Orica GreenEdge e Ken Hanson da United Health Care

7ª etapa

Disputada hoje. Mais uma vitória para Theo Bos na prova e mais um 2º lugar para Aidis Kruopis. Leonardo Duque, sprinter da Colombia foi 3º.