blatter diz

blatter

A coisa está feia no Futebol Uruguaio. O presidente do país José Mujica ordenou a ausência das forças de segurança em todos os jogos do Peñarol e do Nacional de Montevideo, os dois maiores emblemas do pequeno país da América do Sul, em virtude da forte onda de violência protagonizada pelos seus hinchas nos últimos jogos. A decisão sucedeu à inexistência de um acordo de pacificação tentado pelo presidente uruguaio junto dos presidentes dos dois clubes numa reunião realizada durante esta semana.

A COMNEBOL já anunciou que a federação uruguaia poderá ser sancionada em virtude da acção decretada pelo seu presidente. A sanção poderá inclusive passar pela exclusão da selecção uruguaia e dos clubes uruguaios das competições organizadas sobre a sua égide. Não é um acto isolado na história do futebol: os clubes britânicos estiveram vários anos sem competir nas competições europeias devido ao hooliganismov (pouco depois do parlamento britânico ter legislado um conjunto de normas que ainda hoje proibem a existência de claques organizadas) assim como a antiga Jugoslávia foi excluída do Euro 1992 (em detrimento da entrada da surpreendentemente vitoriosa Dinamarca) por causa da guerra dos balcãs.

Em teoria a decisão de Mujica não violou as mais elementares regras da FIFA: os organismos que gerem o futebol do país, ou seja, as federações, devidamente representadas no organismo que tutela o futebol mundial, não poderão sofrer quaisquer tipos de pressões ou interferências governamentais na sua gestão. Na prática, Mujica não limitou qualquer poder da UFA (Federação Uruguaia). Apenas ordenou a ausência de forças de segurança pagas pelos contribuíntes uruguaios dos jogos dos dois clubes, tentando com a decisão, deixar de aplicar os recursos estatais na trivialidade dos actos cometidos por milhares de desordeiros num estádio de futebol. Ao contrário da Tunísia, selecção que marcará presença no Brasil (qualificada com a tamanha injustiça aplicada a Cabo-Verde pela utilização de jogadores alegadamente castigados, cujo trânsito em julgado do castigo não foi comunicado pela Federação Africana à Federação Cabo-Verdiana no timing correcto) na qual a federação nacional foi dissolvida pelo novo governo daquele país, passando a tutela do futebol nacional para o Ministério do Desporto Tunisino.

2.

Estranho considero o facto de ainda não termos ouvido recentemente da boca de Sepp Blatter qualquer comentário sobre o extensivo atraso nas obras dos estádios que servirão de palco ao próximo campeonato do mundo. Faltam 69 dias para o início da prova. Metade dos estádios que servirão de palco ao torneio ainda não estão finalizados. Os casos mais crassos são o estádio de Manaus, o de Coritiba e o Arena Corinthians. As mortes nas obras sucedem-se. A 69 dias do arranque do campeonato do mundo, não só os estádios não estão finalizados como ainda não estão testados ao nível de infra-estruturas, relvado e dispositivo de segurança. Com a agravante do torneio poder ser jogado perante um cenário altamente caótico de convulsão social do povo brasileiro. O Brasil, a terra da prosperidade, a 5ª maior economia do mundo, poderá receber milhares de estrangeiros a ferro e fogo, em estádios construídos às três pancadas e sem qualquer tipo de prevenção ao nível de segurança para todos os cenários sociais e infraestruturais que são neste momento previstos pela comissão organizadora, pelo organismo promotor e por todos os parceiros sociais e privados da prova. A situação é no mínimo assustadora. Sepp Blatter e o secretário-geral da FIFA Jerome Valcke saem novamente muito mal na figura. O escandalo trazido a lume aquando da eleição do Qatar como sede do mundial de 2022 deu águas pelas barbas. O Mundial do Qatar, a realizar dentro de 4 anos, é, neste momento, uma conjuntura que ainda está a ser analisada ao pormenor, podendo ainda existir espaço para mudanças drásticas. O Mundial do Brasil é neste momento inalterável. Mas o que é certo é que como disse e bem Rivaldo: “o brasil pode passar vergonha”.

Anúncios

Portugal x Camarões

Um jogo pobre na primeira parte, mais interessante na segunda. Esta equipa dos Camarões, ou muito me engano, ou saí do Brasil sem uma única vitória. Tirando a dupla de centrais, o Song e o Eto’o (que hoje deve ter tido as ordens do costume do Mourinho para não jogar um chavo), o resto são alguns jogadores com excesso de velocidade e pouca técnica, e lá pelo meio está um sarrafeiro à antiga (Ekotto).

Relativamente à Selecção, bom jogo na segunda parte, onde aproveitámos bem o potencial que temos em jogar nas transições. Todos os jogadores subiram de produção na segunda metade, e o resultado foi-se avolumando naturalmente. De realçar o facto de Ronaldo passar a ser o melhor marcador da selecção, superando Pauleta. Ronaldo já conta com 49 e a tendência é continuar a marcar.

Também deu para aferir outras coisas importantes:

– Está visto que o Ivan Cavaleiro ser convocado e jogar foi uma manobra para aumentar o seu valor de mercado com uma internacionalização. É a única explicação possível. Ainda não tem qualidade para ser sequer terceira opção nos AA. De realçar, contudo, o belo pormenor para o 3-1 de Portugal.
– Estreia de Rafa deixa bons indicadores, mas precisa de continuar a jogar e evoluir no Braga. Parece-me que poderá ir ao Brasil, mas dificlmente terá oportunidades para ser titular ou suplente utilizado, a não ser que tenhamos a qualificação para os oitavos assegurada no último jogo (altamente improvável).
– O William Carvalho ainda tem de melhorar muito defensivamente, principalmente no tempo de entrada. Fez demasiadas faltas, e terá de ter cuidado com isso no Mundial, caso seja o titular. Aumentou de produção na segunda parte, algo que se tem verificado muito quando joga no Sporting, nesta segunda volta do campeonato. Fez um passe fantástico na segunda parte para o Ronaldo. O William que só lateraliza, não é?
– Apesar de alguns jogadores estarem a fazer uma temporada abaixo das expectativas, seja por falta de ritmo ou por não estarem numa equipa que corresponda à sua qualidade, quem sabe não esquece. Bons jogos de Moutinho e Coentrão, possivelmente os melhores em campo por parte de Portugal. A juntar a Ronaldo, obviamente.
– Gostei muito do Neto. Parece-me estar mais evoluído enquanto jogador, principalmente na antecipação e leitura dos lances. O Rolando pareceu-me a acusar um pouco a responsabilidade de vestir a camisola. Acusou a pressão do Paulo Bento estar entre ele e o Ricardo Costa?
– O Edinho não tem qualidade para a equipa A, mas teve lá um pormenor para meter no DVD do empresário.

Descubram as diferenças

record 4

Sim, estão a ler bem – A Comissão Europeia, entidade que nos exige um estricto cumprimento orçamental, acabou de aprovar as ajudas públicas francesas no valor de 1,05 mil milhões de euros à organização do Euro´16.

Para todos aqueles que acham que a administração central dispendeu rios de dinheiro nos estádios do Euro 2004, vejam este estudo realizado pelo ISEG. 13% do custo total dos estádios. Foi a percentagem de dinheiros públicos utilizados na comparticipação dos mesmos. Como o estudo indica, muito menos que o mundial realizado 2 anos depois na Alemanha, quase 4 vezes menos que Polónia e Ucrânia, quase 3 do que os franceses orçaram para o evento em 2016.

Apenas gastámos mais do que Suiços e Áustriacos, que, como sabem, não construíram qualquer estádio de raiz, limitando-se a modernizar (de forma racional) as estruturas existentes.

Infinitamente menos do que gastaram as organizações do mundiais na África do Sul, Coreia\Japão e Brasil.

podia ter sido pior

estivemos a um passo (doble) de encontrar a Espanha ou o Chile ou um grupo muito difícil com Argentina, Nigéria e México. Imaginem o fandango (internacional) que dava um duelo Messi vs Ronaldo a abrir ou o sururu de um Portugal vs Carlos Queiroz a fechar com possibilidades de apuramento para as duas selecções.

temos portanto todas as condições para passar este grupo. mesmo que não entremos bem frente aos alemães, tanto ganeses como norte-americanos tem selecções ao nosso alcance. bom também se pode considerar o cruzamento possível para os oitavos-de-final. para ser perfeito, devemos ganhar o grupo visto que os belgas deverão facilmente ganhar o seu grupo.

A seu tempo terei mais tempo para esmiuçar a fundo este sorteio.

fernanda lima

para mim o melhor do sorteio foi a presença desta beldade. fernanda lima. colei-me ali maluco beleza a ver aquelas bolas a entrar e a sair dos potes. o nosso amigo blatter também deve ter ficado meio coiso. com a idade dele nem o ciagra ajuda neste casos.

Superbock! Fresquinha! #12

Tudo ao Molho! –

quaresma

atenção: ele quer ir ao mundial… mas não é jogador do Jorge Mendes!

Uma paródia. Quaresma andou a oferecer-se a meio mundo nos últimos meses. Gorada a contratação de Bernard no verão passado e dado o fraco rendimento de Licá e Ricardo e a inconsistência de Varela, facto que obriga Paulo Fonseca a ter que encostar Josué e Quintero nas alas, o Porto precisa de um extremo. Imaginemos a seguinte cena:

Quaresma: “Ei malta, estou sem clube e tenho um acordo para rescindir com os árabes. Vocês precisam de um portento como eu a meter bolas pró Jackson. Mas aviso já que estou abaixo de forma e nos últimos meses apenas tenho feito umas caminhadas na feira de Carcavelos.”

Pinto da Costa: “ó Antero, há guito para este man? O gajo tem 30 anos, não joga há ano e meio mas sabes como é, se um dia o consegui meter a renovar no dia seguinte ao dia em que ele disse que queria sair do Porto, facilmente o endireitamos novamente.”

Antero Henrique:Patrão você sabe que o dinheiro não abunda aqui. Depois do balúrdio que a gente pagou pelo Ghilas, ficamos assim meio que depenados.”

Na mesma sala está Paulo Fonseca e Fernando Madureira. Madureira vai levantando a mão a Fonseca como quem ameaça um calduço e Fonseca, medroso, vai-se escondendo na sombra do capote do presidente.

Fernando Madureira: “cala-te e mete essa cambada toda a jogar. Queremos o Quaresma e queremos o marreco do Herrera, o manso do Defour e o gadelhas do Licá co caralho”

Paulo Fonseca encolhe os ombros e pede a todos os santinhos uma vitória frente ao Braga.

Resumindo e concluíndo: a contratação de Quaresma por parte do Porto é a mais pura falta de dinheiro. Um Porto à Porto trataria de arranjar uma vedeta no Brasil ou na Argentina. A reunião que juntou estrutura de futebol, treinador e claque foi efectivamente mais uma manobra que serviu para dar alguma tranquilidade à equipa e mascarar alguns dos problemas pelo qual o clube atravessa.

Esta cerveja enfeitiçou-me! – Dentro de momentos teremos o sorteio do mundial. Vamos ver o que as bolas ditam à selecção portuguesa.

O que eu ando a ver #5

Depois de um 5-0 na 1ª mão, os Jordanos foram ao Centenário de Montvideo fazer aquele que, seguramente, será relembrado por muitos anos como o melhor jogo da história do seu futebol.

Grande atitude defensiva por parte da selecção Jordana, em particular na primeira parte. É certo que os Jordanos usaram e abusaram de um estilo de jogo viril (a roçar a violência) para travar os principais craques uruguaios, virilidade que não foi devidamente travada no campo disciplinar pelo árbitro da partida, o Sueco Jonas Erikson. Contudo, fica na retina a excelente atitude da selecção asiática neste 2º jogo ao contrário do que tinha acontecido no jogo da primeira mão na capital Jordana Amã.

Recordo que esta selecção, treinada é a 70ª classificada do ranking FIFA (6ª asiática) e é treinada pelo mítico ex-internacional Egipcio Hossam Hassan.Ao nível dos seus jogadores, é uma selecção que apresenta pouca experiência ao nível internacional, tendo apenas 1 jogador a actuar na europa (o avançado Tha´er Bawab joga no Gaz Metan Médias da 1ª liga romena) e 5 jogadores a actuar em clubes Sauditas.

Quanto ao Uruguay, pode-se dizer que esta ronda de qualificação foi muito sofrida para a equipa orientada pelo eterno seleccionador Oscar Tabarez. Na janela de Junho, aquando do jogo em Caracas contra a Venezuela, se a equipa Uruguaia perdesse esse jogo estava praticamente fora do campeonato do mundo e a equipa Venezuelana garantia, pelo menos, uma vaga nestes playoffs. Num jogo muito difícil para a selecção Uruguaia, em que a selecção Venezuelana encostou a campeã sul-americana às cordas em vários momentos da partida, os Uruguaios tiveram uma pontinha de sorte no final, conseguindo ganhar o jogo aos 89″. Com uma recta final de qualificação fantástica (que não disfarça uma primeira volta de qualificação miserável; fica por exemplo na rotina o massacre que os Uruguaios levaram nos jogos contra a Argentina) a equipa de Tabarez conseguiu a qualificação para os playoffs e para o campeonato do mundo. Em muito contribuíram as exibições de Cavani, Suarez, Maxi Pereira (um cavalo à solta pela ala direita em grande parte dos jogos), Diego Forlán, Arevalo Rios, Diego Godín, Diego Lugano, Gaston Ramirez e Abel Hernandez.

Pertinências

Pouco destaque na imprensa internacional. Enquanto o Zlatan diz que o mundial sem ele não merece ser visto e a Pepsi diverte-se a fazer vodus ao Ronaldo, o roubo voltou a marcar presença no Saint Denis, como de resto, eu esperava e aqui insinuei no sábado.

Voltemos atrás para ajudar à compreensão dos pensamentos mais profundos do líder da UEFA Michel Platini:

– Michel Platini, Presidente da UEFA, revelou a ideia de se gravarem as conversas entre os cinco árbitros nos jogos da Liga dos Campeões e Liga Europa na próxima época. Michel Platini, que continua contra o recurso a imagens televisivas, não acredita que não “tenha havido um árbitro que não tenha visto a falta de Muller do Bayern de Munique sobre Jordi Alba, do Barcelona, nas meias-finais da Champions” – o timing das declarações do líder da UEFA são só por si reveladores de terceiras intenções, visto que, na eliminatória anterior à que foi visada pelas mesmas, o Borússia de Dortmund conseguiu eliminar o Málaga com a ajudinha do Sr. do apito. Nessa eliminatória, mesmo perante as acusações do proprietário do Málaga Abdullah bin Nasser bin Al Thani de “racismo” por parte do organismo, Platini não abriu a boca para afirmar o quer que fosse.

benzema

Apesar do jogo de ontem entre a França e a Ucrânia ser da tutela da FIFA, como Platini teve oportunidade de dizer ao L´Equipe, e do mesmo não conhecer o árbitro da partida (o esloveno Damir Skomina). Tomando como ponto de partida as palavras do líder da UEFA, não consigo perceber como tantas almas não conseguiram ver o acampamento montado por Benzema na área ucraniana, o penalty na área francesa e o fora-de-jogo de Valbuena na jogada que antecede o 3º golo francês. Em contrapartida, foram lestos em expulsar o central Khacheridi num timing perfeito, tão perfeito como os relógios suiços, aos 47 minutos, com 2-0 para os franceses. Está claro que meia imprensa jornalística francesa calou-se, semelhando a postura tida aquando do golo de Thierry Henry que eliminou os Irlandeses de Old Trap do último campeonato do Mundo. Postura essa que até agora teve a sua réplica no líder da UEFA, facto que à luz do que escrevi ali em cima parece soar novamente de forma estranha e tendenciosa.

arbitragem 3.0

os vícios da liga portuguesa tem a sua repercussão nos jogos internacionais assim como os ditames de “não vi” – o melhor árbitro do mundo Pedro Proença está a ser contestado pela imprensa Romena pelo fora-de-jogo descarado que não tirou a Mitroglou no primeiro golo dos Gregos em Atenas contra a selecção Romena.

ficamos à espera do habitual corporativismo vigente na arbitragem portuguesa. Pelo menos no que toca à união de interesses quando em causa está um jogo do Sporting Clube de Portugal. Está na hora de Duarte Gomes confortar o colega, retribuíndo o jeitinho dado por Proença a meio da semana no que diz respeito à arbitragem do derby.

A não esquecer

Aqui está o exemplo que deverá estar depreendido na cabeça do nosso seleccionador. Terça-feira teremos a Suécia a iniciar o jogo da mesma forma como a Dinamarca iniciou esta partida contra Portugal. Creio que os 15 minutos iniciais serão decisivos. Não tenho a menor dúvida que a Suécia irá iniciar a partida a todo o gás com pressão muito alta (à saída da área) linhas subidas e um futebol directo à procura de Ibrahimovic e Elmander. Caberá aos nossos jogadores contrariar as armadilhas, saíndo a jogar com qualidade e bola no pé. Se conseguirmos travar o ímpecto inicial dos suecos, creio que até poderemos marcar primeiro em Estocolmo. Caso contrário, os Suecos poderão facilmente chegar a um 2-0 na primeira meia-hora.

Superbock! Fresquinha #4

Que raio de cerveja é esta? – Momento hilariante de ouro na televisão Portuguesa. Ontem. RTP Informação. Na habitual conferência de imprensa da Selecção, o jornalista da RTP destacado para cobrir o acontecimento fartou-se de elogiar o “crescido cabelo” de Pepe, chegando mesmo a dizer que o seu novo corte (normalíssimo, como bem sabemos) fazia confundir o jogador com outros como Willian (Chelsea) ou Axel Witsel (Zenit).

Quando Pepe chegou à sala de imprensa, a primeira pergunta desse mesmo jornalista foi: “Pepe, explique-me lá o porquê desse corte de cabelo?”, ao que Pepe respondeu algo como “Deixei crescer o cabelo porque a minha filha gosta de tocar-me nos caracóis” – elucidativo!

Tudo ao Molho! – Sem desrespeito algum pela classe jornalística. Os comentadores desportivos de ambos os lados da barricada andam a dar excessiva importância ao jogo entre Zlatan e Ibrahimovic. Como se a vaga para o mundial fosse decidida por duelo real de FIFA Street Soccer entre os dois craques. Em Portugal, Zlatan é uma espécie de anti-cristo. Um demónio a exorcizar. Nunca vi tanto medo transparecido no comentário desportivo acerca da prestação de um único jogador contra a nossa Selecção. Contudo não é um medo descabido. O que aconteceu aqui à Alemanha, poderá facilmente acontecer à Selecção Portuguesa nos jogos que se avizinham. Contudo não posso deixar de constatar que a maior ameaça da Selecção Sueca vem do seu fortíssimo colectivo. Colectivo que Portugal infelizmente não tem. Já devíamos saber, por experiência própria, pelo conhecimento adquirido que temos do estilo de jogo das equipas nórdicas (afinal de contas, já jogámos vezes sem contas contra as 5 selecções nórdicas nos últimos anos) que estas fazem do colectivo a sua maior arma. São selecções cuja arma individual reside sempre nos avançados. Tirando essa individualidade, colectivamente, apresentam um meio-campo recheado de jogadores com bom toque de bola, boa qualidade de passe e rigor táctico e uma defesa com jogadores muito altos, bons no jogo aéreo e muito pragmáticos ao nível de decisão, ou melhor, dito por outras palavras, que não tem pejo nenhum em atirar a bola para as bancadas as vezes que for preciso.

Esta selecção Sueca é exemplo disso. Dois talentos individuais na frente (Zlatan e Toivonen) um meio-campo cheio de elegantes armadores de jogo que não descuram a vertente táctica (Kallstrom, Wernbloom, Anders Svensson) e uma defesa composta por jogadores altos e eficázes nas tarefas defensivas (Granqvist, Jonas Olsson, Per Nilsson). Ocorre porém que esta selecção tem algum veneno nas laterais. Tanto o lateral-esquerdo do Celtic Glasgow Mickael Lustig como os alas Sebastien Larsson e Rasmus Elm são jogadores com inegáveis capacidades de cruzar com qualidade para a área.

Na imprensa Sueca, destaca-se a fotografia de primeira página que a direcção Editorial do jornal diário “Aftonbladet” publicou ontem. Uma forma de colocar pressão em Cristiano Ronaldo que decerto não irá causar grande mossa na moral do jogador e, que, por outro lado, revela que os suecos temem o internacional português numa escala superior ao temor que sentimos por Zlatan.

Esta cerveja enfeitiçou-me… – Enquanto Mário Figueiredo já está a arrumar a sua secretária e o duelo de palavras entre os grandes da capital continuará até Setembro de 2017, processei com alguma calma as palavras do árbitro Madeirense Marco Ferreira à RTP Madeira. Fiquei espantado com a posição do juiz madeirense em relação a alguns pontos críticos da arbitragem portuguesa, concordando com algumas das opiniões expressadas. Vejo com bons olhos a exposição pública dos relatórios de observação dos árbitros assim como a possibilidade destes prestarem declarações públicas com maior frequência. Duas ideias muito válidas para aplicar no quadro de profissionalização instaurado pela FPF e pela APAF.