NBA 2013\2014 #37

Tardio. Para quem não tenha visto em directo na madrugada de domingo para segunda, aqui fica.

2. Passado que está o all-star game, vem aí o deadline day. O “mercado” de trocas fecha no dia 21. Nos últimos dias, a liga tem assistido à plantação de vários rumores e às declarações de interesses de várias equipas. Algumas tentam desfazer-se de jogadores que terminam contrato no verão para poderem ganhar alguma coisa com eles ou poderem livrar salários do seu cap de forma a poderem atacar jogadores livres em Julho enquanto outras ainda procuram uma mais-valia para o seu plantel. Eis a análise aos rumores que tenho visto nos últimos dias:

2.1 O Hangtime publicou há minutos que Sacramento Kings e Brooklyn Nets estão em negociações avançadas tendo em vista a troca do base Marcus Thornton pelo SG Jason Terry e pelo poste Reggie Evans.
A mesma fonte referiu que a equipa de Sacramento também está a negociar Jimmer Fredette com várias equipas.

2.2 – Regresso a Nova Iorque?

Lin

Jeremy Lin poderá voltar à casa que o viu despontar para a liga na época 2011-2012. O Hangtime não afirma para já se os Knicks apresentaram alguma oferta aos Houston Rockets para fazer regressar o base. Durante esta temporada, foi notória a ausência de um base organizador de jogo na equipa de Nova Iorque. Lin encaixa bem no perfil desejado para a posição pela equipa de Nova Iorque. Poderão estar aqui a preparar o futuro, já que esta temporada está irremediavelmente perdida.

2.3 – Utah gostaria de contar com Rajon Rondo quando o base regressar de lesão. Os Celtics estão interessado em Gordon Hayward. O base dos Jazz é insuficiente para os Celtics. Há um rumor que afirma que os Celtics ofereceram Jeff Green aos Celtics na troca por Hayward e escolhas de draft, proposta que foi rejeitada pelos Jazz pelo simples facto de não estarem interessados no extremo da equipa de Boston.

2.4 Dalton Russell escreve na Yahoo Sports (sports.yahoo.com/news/chicago-bulls-eyes-thunder-39-russell-westbrook-derrick-163900222–nba.html) a possibilidade de Chicago avançar para a contratação de Russell Westbrook enquanto Derrick Rose recupera de lesão. Este rumor não tem fundamento porque:

  • Depois da troca de Luol Deng, as contas de Chicago estão a ser feitas ao cêntimo para a equipa poder evitar o 2º ano consecutivo a pagar luxury tax. Pagando luxury tax nesta e na próxima época, a equipa de Chicago seria penalizada com mais impostos. O motivo que levou à troca com os Cavs foi precisamente a necessidade de salvaguardar a possibilidade de não pagar luxury tax esta época para poder limpar o “histórico” na próxima e, assim poder ultrapassar o tecto salarial máximo imposto pela liga nas próximas 2 épocas sem haver direito a penalização. Creio portanto que a possível contratação de Russell Westbrook por um pacote salarial nunca inferior a 100 milhões de dólares por 5 temporadas ou 80 milhões por 4 temporadas iria anular por completo a estratégia delineada na troca de Deng.
  • Derrick Rose continua a ser a aposta da equipa apesar das lesões. Não faria sentido nenhum contratar Russell Westbrook para jogar apenas por uns meses na equipa. DJ Augustin entrou muito bem na equipa. Perante a possibilidade da equipa não renovar com Kirk Hinrich no final da temporada, o base deverá ser brindado com uma proposta de renovação até 8 milhões de dólares por 2 temporadas (4M\época) para ser o titular da equipa na próxima temporada até à re-inserção de Rose e 6th man quando o #1 reassumir a sua posição. Resta saber que se alguém na liga estará na disposição de lhe dar melhores condições salariais e o estatuto de titular.
  • Os Thunder não irão abdicar de uma das suas maiores estrelas por tuta e meia. Se existir algum interesse da equipa de Oklahoma num jogador de Chicago, só poderá ser em Joakim Noah visto que seria a master pièce no 5 base de Oklahoma City. O francês é neste momento inegociável para Chicago.

love

2.5 – Os Dallas Mavericks poderão estar a preparar uma investida sobre Kevin Love dos Minnesota Timberwolves. Vários rumores tem afirmado que o poste poderá juntar-se aos Lakers no final do seu contrato com os Wolves ou seja, em 2015\2016. Os Lakers poderão antecipar esse cenário caso apresentem uma boa proposta à equipa do Estado de Minnesota na próxima época. Até lá, não dispõe de qualquer elemento sob contrato capaz de satisfazer as pretensões dos Timberwolves. O dinheiro não parece ser problema para Mark Cuban. O problema põe-se quanto ao pacote de jogadores que Dallas poderá oferecer aos Wolves sabendo que estes não irão querer a ficar a perder no negócio. Se Vince Carter e Shaun Marion são demasiado velhos para encaixar no “modelo jovem” composto pela equipa de Mineapolis, outros jogadores que poderão ser oferecidos como Monta Ellis ou o base Calderón não interessam à equipa visto que seriam jogadores demasiado caros para estarem tapados pelos titulares da equipa (Kevin Martin e Ricky Rúbio respectivamente).

2.6 – O Bleacher Report avança que, mês e meio depois de ter sido contrato pelos Cavs, Luol Deng poderá ser trocado ou mesmo dispensado pela equipa de Cleveland.Como Luol Deng se irá tornar free-agent no final da temporada, os Cleveland Cavaliers temem não ter capacidade financeira para segurar o extremo em Cleveland. Como tal, poderão testar já as ofertas de eventuais interessados no jogador.

3. Análise

Bleacher Report – Adam Fromal sobre o rookie de Milwaukee Gianni Antetokounmpo. Facto incrível mencionado sobre a evolução do jovem de 19 anos na equipa de Milwaukee foi o crescimento (em altura) obtido nos meses em que está com a equipa.

4. Injury Depot

4.1 Tony Parker – San Antonio Spurs – 2 jogos – lesão no queixoApesar da ausência do base, os Spurs venceram os Los Angeles Clippers esta madrugada no Stapples Center num jogo em que Tim Duncan fez 17 pontos, 7 assistências e 13 ressaltos e o italiano Marco Belinelli voltou a confirmar o seu melhor momento da temporada com 20 pontos.

4.2 LaMarcus Aldridge – Portland Trail Blazers – 1 semana.

4.3 – Isaiah Thomas – Sacramento Kings – indeterminado.

4.4 Dion Waiters – Cleveland Cavaliers – indeterminado.

5. Extra-NBA.

A TNT colocou um dos seus actuais comentadores, o antigo basquetebolista Charles Barkley a entrevistar o presidente Norte-Americano Barack Obama. Aqui fica um excerto da entrevista na qual o comentador e o presidente falaram sobre Basquetebol e Política.

Anúncios

NBA 2013\2014 #35

All-Star Weekend

Sexta-Feira – Rising Stars Challenge

Não sendo um natural entusiasta deste tipo de eventos, opto por não escrever qualquer comentário sobre o jogo de exibição realizado entre os rookies e os sophomores da liga.

andre drummond

O poste dos Detroit Pistons Andre Drummond sucedeu a Kenneth Farried (Denver Nuggets) como o MVP da partida de exibição. O poste dos Pistons coroa com exito o seu ano de afirmação dentro da liga. Aos 20 anos tem todo o potencial para se tornar uma das grandes referências históricas da liga na sua posição específica. Na partida somou 30 pontos e 25 ressaltos.

Aqui ficam as habituais fotos da praxe:

rookies 1

rookies 2

Lillard

Damien Lillard (Portland Trail Blazers)

Miles Plumlee

Miles Plumlee (Phoenix Suns) – facto curioso do jogo foi a presença dos irmãos Plumlee nos dois lados da contenda. Miles de um lado, Mason (Brooklyn Nets) do outro.

mason plumlee

Mason Plumlee.

Sábado

Slam Dunk Contest

este

Terence Ross (Toronto Raptors) Paul George (Indiana Pacers) e John Wall (Washington Wizards) venceram a primeira edição do concurso de afundanços (por equipas) pela conferência este.

3 points contest

O italiano Marco Belinelli (San Antonio Spurs) levou para a casa o prémio relativo ao concurso de triplos.

Skills Challenge

Damien Lillard (Portland Trail Blazers) e Trey Burke (Utah Jazz) venceram o desafio de perícia individual destinado aos bases. Na final derrotaram a dupla de rookies da conferência este composta por Michael Carter-Williams e Victor “the singer” Oladipo.

No concurso de shooting stars, a equipa de Chris Bosh deu a vitória à conferência este.

Outros eventos:

cares 1

Como é tradição no evento, o programa social da NBA (NBA Cares) realizou algumas actividades de cariz social junto da comunidade de New Orleans. Aqui ficam algumas das imagens do evento realizado junto da população juvenil da cidade do Estado do Louisiana na qual participaram (na construção de um parque infantil) algumas das antigas e actuais estrelas da liga como Dwight Howard (Houston Rockets) Dikembe Mutombo, Kyrie Irving (Cleveland Cavaliers), o frontman da casa Anthony Davis (New Orleans Pelicans), Kelly Olynyk (Boston Celtics), Michael Carter Williams (Philadelphia 76ers), John Wall (Washington Wizards) ou Kevin Love (Minesota Timberwolves).

carter williams 2

carmelo 2

Carmelo, o rebarbado.

kevin love 2

Kevin Love demonstra que apertar parafusos é tão fácil como fazer 30 pontos, 6 triplos e 15 ressaltos por jogo.

D-League All-Star Game

No jogo entre os melhores da D-League não há lugar para exibições. À procura do seu espaço na principal divisão organizada pela National Basketball Association, toda a gente se esforça para ser visto.

E.J Singler (Idaho Stampede) venceu o concurso de 3 pontos da D-League. O jogador alinha na equipa afiliada dos Portland Trail Blazers.

Tony Michell venceu pela segunda vez o concurso de afundanços da D-League. Os direitos do jogador pertencem aos Milwaukee Bucks.

NBA 2013\2014 #35 (All-Star Weekend)

all-star

Realiza-se este fim-de-semana em New Orleans no Smothie King Center o All-Star Weekend, a festa que a NBA oferece todos os anos aos seus fãs a meio da temporada. O programa oficial do evento contempla o jogo entre personalidades famosas (neste momento estou a ver esse jogo), o jogo entre rookies e sophomores da liga (hoje às 2 da manhã com transmissão na Sporttv), a noite de skills (bases, 3 pts, shooting stars e afundanços; amanhã à 1 da manhã) e o all-star à meia noite de domingo para segunda-feira. O evento também terá outros eventos menores como as festas que alguns jogadores dão durante o fim-de-semana, o jogo entre os all-star da D-League ou as inúmeras iniciativas do NBA Cares junto da comunidade de New Orleans.

Passo às apresentações dos eventos:

1. Rising Stars Challenge – dentro de momentos.

No jogo que põe frente-a-frente duas equipas constituídas por jogadores que actuam pelo primeiro e segundo ano na liga, formaram-se duas equipas: a equipa Hill e a equipa Webber, orientadas precisamente por Grant Hill e Chris Webber.

A equipa Hill é composta por:

  1. Damian Lillard (Portland, Soph)
  2. Bradley Beal (Washington, Soph.)
  3. Andre Drummond (Detroit, Soph.)
  4. Harrison Barnes (Golden State, Soph.)
  5. Terrence Jones (Houston, Soph.)
  6. Giannis Antetokounmpo (Milwaukee, Rookie)
  7. Jonas Valanciunas (Toronto, Soph.)
  8. Dion Waiters (Cleveland, Soph.)
  9. Miles Plumlee** (Phoenix, Soph.) – este substitui o lesionado Pero Antic de Atlanta.

A equipa de Chris Webber por sua vez é composta por:

  1. Anthony Davis (New Orleans, Soph.)
  2. Michael Carter-Williams (Philadelphia, Rookie)
  3. Tim Hardaway Jr. (New York, Rookie)
  4. Trey Burke (Utah, Rookie)
  5. Jared Sullinger (Boston, Soph.)
  6. Mason Plumlee (Brooklyn, Rookie)
  7. Victor Oladipo (Orlando, Rookie)
  8. Steven Adams (OKC, Rookie)
  9. Kelly Olynyk (Boston, Rookie)

2. Sábado

2.1 Shooting Stars

Cada conferência tem duas equipas. As equipas são compostas por um jogador que actualmente alinha numa equipa da respectiva conferência, um antigo jogador e uma jogadora da WBNA nas mesmas circunstâncias.

  • O objectivo do jogo obriga os 3 atletas a conseguirem lançar com eficácia de 4 posições marcadas no terreno (termina com um lançamento do meio-campo).
  • Até ao último lançamento cada atleta lança da posição no terreno que lhe for designada.
  • No último lançamento, todos podem tentar marcar do meio-campo. O relógio só para quando a equipa marcar os 4 lançamentos.

Equipas:

Conferência Este:

> Team 1: Tim Hardaway Jr. (NYK); Tim Hardaway Sr. (Legend); Elena Delle Donne (Chicago Sky)
> Team 2: Chris Bosh (MIA); Dominique Wilkins (Legend); Swin Cash (Chicago Sky)

Conferência Oeste:

> Team 1: Stephen Curry (GS); Dell Curry (Legend); Becky Hammon (San Antonio Stars)
> Team 2: Kevin Durant (OKC); Karl Malone (Legend); Skylar Diggins (Tulsa Shock)

As equipas de cada conferência jogam uma contra a outra na 1ª fase, sendo a final disputada entre as vencedoras de cada conferência.

3. Taco Bell Skills Challenge

goran dragic

O esloveno Goran Dragic (Phoenix Suns) é um dos grandes candidatos à vitória no duelo entre bases.

EASTERN CONFERENCE:
> Team 1: Giannis Antetokounmpo, Milwaukee; DeMar DeRozan, Toronto
> Team 2: Michael Carter-Williams, Philadelphia; Victor Oladipo, Orlando

WESTERN CONFERENCE:
> Team 1: Trey Burke, Utah Damian Lillard, Portland
> Team 2: Goran Dragic, Phoenix; Reggie Jackson, Oklahoma City

O Challenge de habilidades procura descobrir o base com mais perícia da liga. Pela frente, os atletas terão um circuito de obstáculos onde terão que arrancar em velocidade, executar um slalom, fazer 2 tipos de passe (picado e passe de peito) e lançar ao cesto, isto tudo, no menor tempo possível. Até este ano a competição era disputada individualmente. Em New Orleans, os jogadores irão fazer equipas de 2, sendo que o tempo acumulado diz respeito às 2 voltas realizadas pelos atletas. A equipa vencedora de cada conferência disputa a final. Na minha opinião, esta alteração tirou metade da piada à prova.

4. three-point contest

Os atiradores desta liga serão postos à prova.

  • 5 racks.
  • 4 deles contem 4 bolas laranjas e uma bola às cores.
  • Cada bola laranja vale 1 ponto.
  • Cada multicolor vale 2 pontos.
  • O 5º rack é composto por 5 bolas multicolores.
  • Cada atleta pode colocar o 5º rack numa das 5 posições designadas pela organização.
  • Cada atleta tem 1 minuto para atirar as 25 bolas.

EASTERN CONFERENCE:
> Arron Afflalo, Orlando
> Bradley Beal, Washington
> Kyrie Irving, Cleveland
> Joe Johnson, Brooklyn

WESTERN CONFERENCE:
> Marco Belinelli, San Antonio
> Stephen Curry, Golden State
> Damian Lillard, Portland
> Kevin Love, Minnesota

Os atiradores do Este competem entre si enquanto os do Oeste fazem exactamente o mesmo. Os vencedores de cada conferência disputam a final. Em caso de empate nas eliminatórias, há lugar a um desempate de 24 segundos.

5. Slam Dunk

Sprite Slam Dunk

EASTERN CONERENCE:
> Paul George, Indiana Pacers
> Terrence Ross, Toronto Raptors
> John Wall, Washington Wizards

WESTERN CONERENCE:
> Harrison Barnes, Golden State Warriors
> Damian Lillard, Portland Trail Blazers
> Ben McLemore, Sacramento Kings

Em relação ao tradicional modelo que regulamentava esta competição, existem algumas diferenças a salientar. Até à edição deste ano, cada atleta tinha direito a dois ensaios, vencendo aquele que obtivesse a maior pontuação do juri. Na edição deste ano a organização decidiu baralhar as contas do concurso de afundanços com um sistema assente em duas rondas: uma ronda freestyle e uma ronda de batalha.

  • Na ronda freestyle, os 3 participantes de cada conferência tem 90 segundos para mostrarem o que prepararam em casa. Cada um dos participantes por conferência tem que afundar pelo menos uma vez. Depois de realizados os afundanços, um painel de 3 juízes vota na melhor prestação realizada, ou seja, nos atletas do Este ou Oeste. A conferência mais votada tem direito a escolher a ordem de saída da ronda de batalha.
  • Na ronda de batalha, existe um duelo individual 1×1 entre os atletas de ambas as conferências. Cada um executa um afundanço. Os juízes escolhem aquele que acharam melhor. Quem reunir mais votos, marca um ponto. A conferência vencedora será aquela que marcar 3 pontos

Estas novas regras foram criadas com o intuito de proporcionar uma maior espectacularidade ao concurso. Haverão mais afundanços do que aqueles que haviam nos concursos realizados até aqui. A meu ver, este novo modelo também retira piada à prova. Pela primeira vez na história da liga, o lendário prémio relativo ao rei dos afundanços não será atribuído a um só jogador.

Nota: Abusiva também se deve considerar a presença de Damien Lillard em praticamente todas as provas. O base de Portland é de facto um jogador fantástico com um futuro promissor à frente mas penso que a liga (à semelhança do que fez há uns anos atrás com Kevin Durant, Dwight Howard ou Blake Griffin) não tem necessidade nenhuma de praticar estes excessos de hype em volta do jovem jogador da equipa detida pelo co-fundador da Microsoft Paul Allen.

No domingo irei apresentar o All-Star Game quando já tiver disponíveis as tradicionais fotos dos atletas que irão participar.

 

NBA 2013\2014 #16

Da vitória de Houston pouco há a dizer. Vitória fácil para uma equipa que nunca teve de subir o ritmo para fazer sucumbir os mortiços Bulls. Tecnicamente, Beverley e James Harden fizeram ponta e mola de Marquis Teague e DJ Augustin (se bem que o segundo voltou a demonstrar que quer agarrar um contrato com os Bulls nesta fase em que se encontra apenas com contrato a 10 dias) e Dwight Howard trocou as voltas a um desinpirado Joakim Noah que só entrou para distribuir pancada. Com Boozer e Gibson na marcação, o poste ex-Lakers piou mais fino. Ofensivamente, foi mais uma péssima exibição a juntar à colecção de más exibições que Chicago leva este ano. A equipa tem momentos em que para no marcador, não tem qualquer critério no ataque, em particular no lançamento, não tem fio de jogo e isso por si leva a que hajam ataques iniciados pelos postes, continua com muitos turnovers (maior parte deles cometidos por erros de amador) e é, portanto, uma presa fácil para qualquer adversário até porque não está a defender bem.

O impasse continua em Chicago. Juntei-me aqueles que proclamam a saída de Tom Thibodeau. Os Bulls foram de facto apanhados psicologicamente pela lesão de Derrick Rose. Volto ao passado. A direcção no ano passado conseguiu formar uma equipa competitiva na ausência do seu melhor jogador. Para além de se ter construído um colectivo, haviam soluções que permitiam outros voos (Nate Robinson; Marco Belinelli) não sendo positivo pedir a Kirk Hinrich ou Mike Dunleavy truques fora do seu reportório (Hinrich será um bom organizador que lança de vez em quando e Dunleavy é um lançador catch and shoot) para igualar as incursões ao cesto que tanto o base como o shooting guard italiano faziam bem como o poderoso jogo exterior que faziam acrescentar à equipa. No Verão, Nate foi dispensado. Para além de questões salariais, os responsáveis dos Bulls pensaram que o base não tinha lugar na equipa com a entrada de Rose. De nada valeu a Nate Robinson a evidência de ter levado a equipa às costas nos momentos decisivos da época como os jogos contra Brooklyn na primeira ronda dos playoffs. Derrick Rose voltou e os responsáveis de Chicago pensaram que a sua estrela estaria em condições de voltar a entrar na dinâmica da Liga. Até ao momento em que o base se lesionou e com a época em risco, abateu-se a melancolia nos jogadores de Chicago na medida em que se lhes vai ser exigido todo o sacrífico que fizeram na temporada passada. Ocorre porém que a resposta dos jogadores não está (para já) a ser à altura do desafio, ainda para mais quando existem situações no plantel por clarificar como as de Luol Deng e Carlos Boozer.

Deng ainda não o renovou e não é esperado que o faça até ao deadline de Fevereiro. Até lá qualquer cenário poderá acontecer, inclusive a de uma troca. No entanto, avaliando pelo que vai acontecendo noutras equipas da liga, o seu poder de troca está incurtado e não existem candidatos (para já) dispostos a avançar pelo jogador até porque o seu salário é pesado. Do ponto de vista financeiro da equipa de Chicago, a renovação com Deng irá implicar obrigatoriamente a saída de Carlos Boozer visto que a equipa arrisca-se a levar com uma dura penalidade fiscal caso mantenha os seus gastos acima do tecto salarial pelo 3º ano consecutivo. A direcção dos Bulls já afirmou que não quer trocar o extremo.

A equipa não reage aos parcos estímulos de um Tom Thibodeau que está efectivamente a passar pelo seu pior período em Chicago. O energético treinador é no banco o espelho de uma equipa triste. Ao invés dos constantes berros vemos um Thibodeau calado, impotente e sem soluções para dar a volta à situação. O despedimento do treinador parece-me certo se os Bulls ainda quiserem fazer alguma coisa desta época. Lionel Hollins, Doug Collins e George Karl são alguns dos treinadores que se encontram à espera de um possível desfecho desta história. Estou certo que se Hollins e Karl pegarem nestes Bulls com os recursos que a equipa apresenta (muito superiores aos que tinham em Memphis e Denver) poderão fazer milagres maiores do que aqueles que fizeram nas equipas do estado do Tennessee e do Colorado.

Como um mal nunca vem só, Luol Deng está novamente lesionado e junta-se a Kirk Hinrich no lote dos indisponíveis. O plantel dos Bulls é curto e como se isso só não bastasse, Thibodeau tem um amontado de jogadores que não utiliza no banco como Tony Snell, Mike James, Erik Murphy e Marquis Teague.

Do outro lado da Liga:

Mais seis semanas para paragem para Kobe. As lesões não estão a deixar a humilde equipa dos Lakers ir mais longe.

Em Houston, Omer Asik só sairá no momento em que a equipa encontrar o jogador que necessita para reforçar a equipa.

NA NCAA:

ncaa

Já quem lhes chame o fab three do futuro da liga. Os 3 rookies do campeonato universitário (da esquerda para a direita Jabari Parker da Universidade de Duke, Andrew Wiggins de Kansas e Aaron Gordon da Universidade do Arizona) + Julius Randle de Kentucky e Tyler Ennis de Syracuse estão a dar que falar na imprensa norte-americana pela qualidade dos seus números no seu ano de estreia no campeonato universitário e já existe quem os aponte lugar específico na NBA: o primeiro em Chicago em 2015 por via da troca que está prometida com Charlotte caso Derrick Rose não volte na condição que lhe reconhecemos, o segundo em Toronto também em 2015 visto que é o próximo wannabe vindo do Canadá, o terceiro em Sacramento já no próximo ano caso a equipa troque Cousins.

A ler:

NBA 2013\2014 #2

O Sr. Tom Thibodeau berra tanto e tem a voz tão rouca que qualquer dia só é ouvido com recurso a um amplificador de voz. Ou então, com recurso a uma cassette gravada em bom tempo.

Perdoem-me os Bulleanos mais fanáticos: esta equipa não joga nada. Repito. Esta equipa não joga nada. Não sei o que é que o Sr. Gar Forman faz no gabinete. Coisa boa não é. A equipa é desiquilibradíssima. Em Chicago continua a ilusão de que o 5 base da equipa é capaz de ser a fonte de resolução de todos os problemas da equipa. Não o é. A NBA não funciona nesses moldes. Ou se tem uma equipa com soluções para as mais variadas posições e para os mais variados departamentos de jogo ou então não se anda por aí a apregoar uma equipa capaz de lutar pelos anéis. É inadmissível que uma equipa com 5 jogadores iniciais com talento e 3 soluções de banco credíveis gaste nada mais nada menos que 81 milhões de dólares e esteja a gastar, segundo as minhas contas, algo como 25 milhões de dólares em luxury tax.

Como se isso não bastasse, ainda existem dois dossiers para decidir até ao final do mês: Luol Deng termina contrato no final da época. Se os Bulls assinarem uma extensão com o extremo, poderão aumentar o seu salário de 14 para 17 ou 18 milhões de dólares. Kirk Hinrich também termina contrato. Ganha 4 milhões de dólares. Não creio que exista outra opção senão baixar drasticamente o salário ao base. Richard Hamilton não é visto há anos no court. E ainda recebe 1 milhão de dólares, quase tanto como o valor que Ron Artest (Metta World Peace ou Metta War Peace, como queiram 🙂 recebe em Nova Iorque, ou por exemplo, pouco mais do que o “dispensado” Nate Robinson aufere em Denver. Para não ser mauzinho, um pouco menos do que Marco Belinelli recebe em San Antonio.

Resumindo e baralhando: no último verão, um dos motivos que levou à não-renovação dos contratos de Belinelli e Nate foi, segundo Forman, o facto dos Bulls não terem possibilidades de continuar a pagar o que pagavam a estes jogadores. Falamos de Nate Robinson, aquele que na ausência de Rose levou literalmente com a equipa às costas. Mike Dunleavy foi contratado. Nada contra. Preencheu uma das carências da equipa, o tiro exterior. Engulo o argumento dado por Chicago. Os números de Dunleavy falam por si. Nada que Nate ou Belinelli já não o fizessem. Nate e Belinelli ainda tinham a particularidade de ir debaixo do cesto com garra. Dunleavy não é feito para incursões ao jogo interior. Dunleavy é feito para catch and shoot. Só. Fazendo bem as contas, Nate e Marco recebem 4,7 milhões nas suas novas equipas. Dunleavy, Hinrich e Hamilton recebem juntos algo como 8 milhões de euros. Não havia dinheiro…

Deixo a parte economicista da gestão financeira da equipa e passo ao court. Irregulares. Defensivamente tem dias. Ofensivamente não tem um único dia. Com Rose ou sem Rose. A equipa é capaz de estar a vencer por 20 no 3º período e perder o jogo. A rotação by the book de Tom Thibodeau enoja. É prejudicial. É descabida. Perde jogos. Rose ainda não está nos seus melhores dias. Perde muitas bolas. Poderá ter que parar devido a um problema físico contraído no jogo de ontem (vitória frente aos Cavs). Deng é instável. Quando existe Rose, não existe Deng. Deng reaparece quando não existe Rose. Noah joga cheio de dores. Compreensível. Boozer ainda é o único que está a fazer pela vida. Finalmente. Está a fazer pela vida porque como se sabe termina o contrato no ano de 2016 e como fa restricted deverá ser o primeiro a rolar no próximo verão. Trocado ou amnistiado. Há um senhor em linha de espera para a posição. Um grande senhor do basket europeu que dá pelo nome de Nikola Mirotic.

Do banco dos Bulls, posso aplicar aquele célebre ditado que os portugueses aplicam aos espanhóis: “nem bom vento nem bom casamento”. Hinrich (às vezes) Gibson e Dunleavy. É escasso para uma equipa com pretensões. O resto (Snell, James, Nazr, Teague, Murphy e Hamilton) ou não joga, ou joga pouco ou é gente demasiado jovem para meter neste momento. Basta só lembrar os pobres minutos que Snell teve em campo contra Miami, tremendo como varas verdes quando teve que defender LeBron. Interrogo-me às vezes o que é o Nazr anda por ali a fazer quando já tem idade para estar em casa a tomar conta dos netos. Ter Nazr como suplente de poste alto com um Joakim Noah que vai parar bastantes vezes ao longo da época, é algo que não cabe na cabeça de ninguém. Quando olhamos aos postes que estiveram disponíveis no verão que recebem tanto como o poste de Chicago percebemos que Forman não tem jeito para a coisa: DeJuan Blair (Dallas; 941 mil dólares esta temporada) Byron Mullens (Clippers; 947 mil dólares esta temporada) Fab Melo (Memphis Grizzlies; 1,3 milhões de dólares). Não sei que tipo de contratos é que os Bulls fazem ou qual é o critério usado nas negociações mas creio que estes 3 tem muito mais talento para fazer descansar Noah mais minutos dos que descansar habitual. Isto sem contar que Kenneth Faried quer sair de Denver e está disponível por um valor acima dos 1,4 milhões de dólares, valor actual do seu salário na equipa do estado do Colorado.

Para finalizar, parece que existem outros com opiniões identicas à minha.