Da Champions #21

Jogo na Baviera, que opôs Bayern Munique de Guardiola, o campeão em título da Champions e o já renovado campeão da Bundesliga, ao Manchester United da Premier League. Na primeira mão em Old Trafford aconteceu o que não era esperado, o Bayern a jogar no estilo característico de Guardiola não conseguiu sair de Inglaterra com a vitória, apesar de ter dominado o jogo a seu bel prazer e reduziu-se a apenas um empate a uma bola. O golo fora era bom, mas não bastava para o que poderia ser uma revanche do Manchester na Baviera.

No entanto o jogo de hoje foi um jogo em tudo diferente. O Bayern entrou a acusar algum nervosismo, parecia que Guardiola teria pedido aos seus comandados para decidirem o jogo rapidamente e poderem relaxar depois, ou então entrou a acusar a pressão dos últimos resultados pós confirmação do campeonato (empatou a 3 com o Hertha e perdeu com o Augsburgo). Isto revelou-se sobretudo na atitude de alguns jogadores. Robben parecia querer decidir o jogo só por si e Dante foi acumulando alguns erros, chegando mesmo a permitir que Rooney chega-se com perigo à baliza de Neuer, no entanto o Inglês desperdiçou aquela que pode ter sido a oportunidade da primeira parte para ambos os lados.

Nas estatisticas e como é característica das equipas de Guardiola, o Bayern goleou de longe, desde os abismais 63% contra 37% da posse de bola às 14 bolas metidas na direcção da baliza contra as 4 do Manchester, simplesmente se viu Bayern, o problema é que quem ganha jogos não é a estatística, mas sim a eficácia e nisso o Manchester esteve por cima.

Que o diga Evra, que logo perto do reatar da partida conseguiu num estrondoso remate colocar os red devils em vantagem, depois de um grande trabalho de Valencia na direita, a passar por três jogadores do Bayern e a evitar que a bola saísse, este coloca a bola tensa para a entrada da área, sobre o lado esquerdo, onde apareceu Evra, que com um remate portentoso e cheio de colocação colocou a bola indefensável no fundo das redes. Nesta fase Moyes respirou de alívio, os próprios adeptos do Manchester pensaram que o jogo estaria bem encaminhado para um bom fim e que bastaria gerir o resultado, mas quem assim pensou caiu no erro, pois imediatamente na jogada seguinte Mandzukic apareceu na frente a finalizar de cabeça uma boa bola colocada por Ribery, após boa combinação com Lahm. Estava assim relançado o resultado, o jogo e a eliminatória. No entanto depois deste rude golpe, o Manchester claramente foi abaixo e pouco mais se viu, sendo que o Bayern aproveitou, meteu o pé no acelerador e só parou aos 3-1, fechando a eliminatória e conseguindo carimbar a passagem às meias com facilidade.

O segundo golo é conseguido por Muller depois de assistência de Robben e onde Vidic fica mal na fotografia (De Gea também não fica isento de culpas) uma vez que deixa Muller praticamente solto sem marcação e antecipa-se mal à bola, sendo que o Alemão apenas tem de empurrar para o fim da baliza. O último golo pertence a Robben, ele que tanto queria decidir o jogo na primeira parte e que na segunda explanou todo o seu perfume de futebol sobre a relva e conseguiu assistir e ainda vir a marcar, num golo em que finta 3 defesas do United, insiste, flecte para o meio e finaliza, colocando a bola rente ao poste, sem hipótese para De Gea (aqui sim se viu o Robben egoísta e individualista).

Se o Manchester e David Moyes tinham ganho o balão de oxigénio na primeira mão desta eliminatória e se achavam que a época ainda podia ser salva, apesar de dificilmente tal acontecer, agora essa ideia parte totalmente para fora da mente de qualquer um. Numa equipa em reconstrução e que está já a pensar mais na próxima época que na presente, já pouco se pode fazer, resta aos homens de Manchester fechar o livro, tomar como exemplo (mau) aquilo que se passou e melhorar bastante para o ano seguinte. O Manchester tem capacidade de reverter a situação, De Gea, Welbeck, Fletcher, Kagawa, Januzasj e mesmo Chicharito têm capacidade de fazer e dar muito mais, mas definitivamente este não foi o seu ano (talvez David Moyes não saiba potenciar todo o seu talento).

Do lado do Bayern, Pep Guardiola é um homem feliz, está nas meias finais da Champions, tem já o campeonato arrumado, tem uma equipa que se pode dar ao luxo de montar um meio campo com Gotze, Muller, Kroos, Robben e Ribery, que dificilmente são jogadores que no seu conjunto perderão para qualquer meio campo de outra equipa. Neste momento é uma incógnita, porque nas meias-finais estarão equipas bastante fortes, mas este Bayern pode ter aqui palavra mais forte a dizer sobre uma eventual repetição do que se viu na final do ano passado.

 

Sorteio da Champions e da Liga Europa

CL

Quartos-de-final

Nesta fase da prova pode-se dizer que quem chegou até aqui, tem capacidades para eliminar qualquer adversário. Os quartos-de-final desta prova são, na minha opinião, a eliminatória mais espectacular da mesma. Basta recordar por exemplo a espectacularidade que eliminatórias como Galatasaray vs Real Madrid ou Borussia de Dortmund vs Málaga deram na edição do ano passado, com reviravoltas quase imprevisíveis, uma delas consumada, no caso do Dortmund.

road to lisbon

Com a final de 24 de Maio no horizonte, no Estádio da Luz, os quartos-de-final trazem-nos 4 excitantes eliminatórias:

  • Barcelona vs Atlético de Madrid
  • Real Madrid vs Borussia de Dortmund
  • Paris Saint Germain vs Chelsea
  • Manchester United vs Bayern de Munique

Exceptuando a eliminatória que vai opor os Red Devils ao Bayern de Munique (não creio que o United tenha de todo bagagem suficiente para eliminar a equipa bávara), todos os restantes jogos são jogos de tripla.

Barcelona vs Atlético de Madrid

Missão espinhola para os catalães. As duas equipas espanholas, respectivamente 2ª e 3ª na actual classificação da La Liga (o Barcelona poderá recuperar a 2ª posição amanhã caso vença o Real no Bernabeu e caso o Atlético escorregue frente ao Bétis no Benito Villamarin ou o Atlético poderá ser o maior beneficiário de uma vitória culé em Madrid, ascendendo à 1ª posição em igualdade de pontos com a equipa de Cristiano Ronaldo) farão, para a Champions, o 4º e 5º embate da temporada. Faltando um jogo por disputar (na 38ª e última jornada da Liga Espanhola, jogo que poderá ser decisivo para as aspirações ao título de ambas as equipas se ali chegarem em condições de se sagrarem campeãs), o saldo de confrontos realizados por estas duas equipas augura bastante equilíbrio para a eliminatória europeia. Nos dois jogos realizados para a Supertaça Espanhola em Agosto, ambas as partidas redundaram em empate (1-1 no Vicente Calderón e 0-0 em Nou Camp), acabando por vencer o troféu a equipa de Tata Martino em virtude do golo marcado em Madrid. Nessa altura, as fantásticas exibições demonstradas pela equipa de Simeone, os primeiros jogos sem Falcão, anunciavam, ao contrário do que previa com a saída do colombiano para o Mónaco, um Atlético de Madrid diferente, capaz, em muitos anos de lutar pelo campeonato espanhol. Para o campeonato, no Vicente Calderón, um novo empate a zero bolas na 19ª jornada confirmou novamente o equilíbrio.

Dois estilos diferentes. O tiki-taka do Barcelona (bastante mais atacante e com menos contenção de bola, na era Tata Martino) frente à retranca inteligente de Simeone. Uma equipa que gosta de circular bola e capitalizar todos os erros defensivos das equipas contrárias, apostando ora nos desequilíbrios que Messi consegue efectuar pelo centro do terreno, conseguindo jogar sempre no limite (ou tira o adversário com um toque subtil quando este está perto de desarmar ou fazer falta, ou consegue enfiar as bolas para as costas da defesa no limite do desarme), ora pelos desequilíbrios que Iniesta e Neymar conseguem fazer pelas alas\alas-centro do terreno no caso de Andrés Iniesta. Se o brasileiro consegue trocar as voltas aos adversários com o seu drible desconcertante, o centrocampista titular da selecção espanhol é um 10 em 1 ao nível de soluções de jogo, graças ao seu poder de aceleração, ao seu drible rasgado, às movimentações que habitualmente faz para o interior da área de forma a aparecer em zona de finalização e à fantástica visão de jogo que possui. Iniesta é para mim o médio mais completo da actualidade do futebol mundial.

Já o Atlético de Madrid possui 3 características muito preciosas que podem irritar a equipa catalã:

  • O seu equilíbrio, organização e posicionamento defensivo. Uma equipa tendencialmente a defender com 9 atrás da linha da bola, bem organizada, com linhas muito juntas, a não dar espaços para jogar e com uma dupla de centrais (Miranda e Godin) quase sempre irrepreensível no desarme tanto pelo chão como pelo ar.
  • Se há coisa que os jogadores do Barcelona odeiam é não ter bola nos pés. A inteligência do meio-campo de Simeone (Gabi, Koke, Arda Turan, Raul Garcia) é capaz de retirar a posse a qualquer equipa e irritá-la profundamente com a sua contemporização de jogo quando a equipa necessita de travar o ímpeto do adversário e acelerar o jogo quando convém (o Atlético é a equipa com melhor contragolpe na Europa neste momento).
  • Um autêntico quebra cabeças na frente. Diego Costa “come o cérebro a qualquer central” – Piqué e Mascherano terão muitas dificuldades para travar o brasileiro. Este deverá “picar-se” com o argentino para “lhe fazer saltar a tampa” – com alguns, o brasileiro agora naturalizado espanhol conseguiu tirar os devidos frutos das picardias armadas. Com outros, como o caso de Pepe e Arbeloa, o “colchonero” saiu muito mal na fotografia.

Aposto numa eliminatória muito equilibrada, com direito a prolongamento no jogo da 2ª mão.

Real Madrid vs Borussia de Dortmund

lewandowski

Reedição da eliminatória das meias-finais da edição da temporada passada.

As condições estruturais actuais das equipas inverteram-se em relação às condições estruturais existentes em Abril do ano passado. Enquanto por um lado, o Borussia de Dortmund vivia o expoente da era Klopp, em Madrid, o egocentrismo de José Mourinho, com o treinador português já planear a fuga antecipada ao contrato assinado com Florentino Perez, minava por completo o balneário merengue (as tricas com Sérgio Ramos e Iker Casillas; a conturbada relação do setubalense com a imprensa espanhola) e a equipa, no rectângulo de jogo, não correspondia minimamente ao seu talento, vivendo quasi dos momentos de génio de CR7. Nas meias-finais da prova, o futebol objectivo do Dortmund, bem construído por Reus e Gotze (entretanto vendido ao Bayern) e bem finalizado por Robert Lewandowski (o primeiro reforço dos Bávaros para a próxima época) redundou numa derrota copiosa de Mourinho na eliminatória, com o polaco a assumir o papel de carrasco no jogo da primeira mão no Westfallen Stadium com um fantástico póquer na vitória por 4-1 dos germânicos. O tardio 2-0 dos espanhóis na 2ª mão foi insuficiente para sonegar a final à equipa de Jurgen Kloop.

Hodiernamente, os papéis inverteram-se. Carlo Ancelotti venceu o desafio Madrid e a equipa respira uma suprema confiança. Lidera a Liga com 4 pontos de vantagem e pode até, amanhã, arredar definitivamente o seu maior rival (Barcelona) da luta pelo título caso vença a equipa de Tata Martino no jogo do Santiago Bernabéu. O target-man do futebol merengue continua e continuará a ser (enquanto permanecer em Madrid) Cristiano Ronaldo. Contudo, a equipa ganhou colectivo e inteligência com Ancelotti. É indiscutível negar neste momento que o italiano não tenha devolvido a Madrid o bom futebol e a ambição que a história do clube, per se, exige a quem o representa. Com um meio campo extremamente inteligente e talentoso (Modric, Xabi Alonso, Isco, o lesionado Khédira) e com um ataque poderosíssimo e em excelente forma (Di Maria, Gareth Bale, Cristiano Ronaldo, Benzema, Morata, o lesionado Jesé Rodriguez) a equipa de Madrid, consegue, ofensivamente, praticar um futebol total com um leque vastíssimo de soluções e mecanismos de jogo, com epicentro na construção de Modric e Alonso, objectivo na finalização ora por parte de Ronaldo ou Benzema e meio na criatividade de Isco, Di Maria e Gareth Bale (o primeiro pelo centro, os segundos tanto pelo centro como pelas alas) através de processos muito simples e objectivos.

Em Dortmund, chegou ao fim a 1ª era Klopp. Creio que com a saída de Lewandowski no Verão, outros que tem acompanhado Jurgen Klopp nestes últimos 4 anos lhe irão seguir os passos. O futebol alemão é mesmo assim. Tirando o Bayern (a equipa mais regular nos últimos 20 anos de Bundesliga), os restantes grandes do futebol alemão (Estugarda, Hamburgo, Borussia de Dortmund, Schalke 04) vão vivendo fases boas e fases menos boas. As fases dependem de muitos factores: do dinheiro existente para investir numa equipa competitiva (relembro que na Alemanha todas as transferências tem que ser pagas a pronto), dos talentos que vem da formação dos clubes, das apostas que os clubes vão fazendo na sua política de transferências e nas apostas feitas com determinados treinadores. Relembro por exemplo que quando Jurgen Klopp foi contratado em 2008\2009, a meio de mais uma crise financeira do clube, os responsáveis do Dortmund estavam longe de imaginar que Klopp, um indivíduo com uma modesta carreira enquanto futebolista e até então treinador de um modesto clube da Bundesliga 2, o FC Mainz (clube que agora tem aspirações europeias na Bundesliga) seria capaz de pegar em meia dúzia de veteranos e meia dúzia de jovens com algum talento (Schmelzer, Grosskreutz, Hummels, Subotic, posteriormente Mario Gotze, Lewandowski, Lukasz Piszczek, Sven Bender, Nuri Sahin) e tornar a equipa bicampeã alemã em 2010\2011 e 2011\2012 e finalista europeia em 2013.

Com a saída de Gotze a equipa tornou-se bastante irregular. A batuta mudou para o criativo da equipa, de nome Marco Reus. É dos pés do antigo jogador do Borussia de Moenchagladbach que sai grande parte do perigo ofensivo desta equipa. O Dortmund joga a época nestes quartos-de-final. A continuidade na Champions poderá devolver o sonho europeu aos adeptos do clube e poderá salvar uma época desastrosa na Bundesliga. O dinheiro da Champions poderá garantir à equipa alemã um poderio financeiro capaz de relançar internamente a equipa na próxima temporada através da contratação de 2 ou 3 reforços de qualidade para as posições chave onde a equipa apresenta alguma carência (as alas e a frente do ataque com a saída de Lewandowski; Pierre Aubemeyang é um jogador talentoso mas não correspondeu minimamente às expectativas fantasiadas pela estrutura do clube aquando da sua contratação).

Uma eliminatória de encaixe homem-a-homem

  • Hummels e Subotic terão a missão de travar as movimentações de área de CR7. Cristiano Ronaldo não poderia ter melhor desafio pela frente visto que a dupla de Dortmund é uma das melhores duplas de centrais da Europa.
  • Schmelzer irá travar um excelente confronto com Gareth Bale. O lateral alemão adora atacar. O galês não pára de atacar. É com esta dupla missão que o alemão entrará em campo: ser profícuo a travar o galês e ser capaz de ir lá à frente executar os seus venenosos cruzamentos.
  • Marcelo vs Kuba – A ofensividade total do brasileiro contra a ofensividade total do polaco.
  • Na batalha de meio-campo, um churrilho de estrelas: Gundogan e Henrik Mkhitaryan contra Luka Modric e Xabi Alonso. 4 grandes tecnicistas. O turco é o único músculo de meio-campo destes se bem que o Croata está sempre em alta-rotação.
  • Lewandowski vs Pepe – O internacional português sabe o quão é difícil parar o polaco quando este embala em drible ou quando este consegue desmarcar-se na área. Não lhe poderá dar nenhum espaço. Com 1 centimetro de espaço, Lewandowski faz estragos.
  • Marco Reus – O joker. É um dos jogadores que mais adoro na actualidade. Completíssimo: capacidade de passe, visão de jogo, fantástico remate de meia distância, inteligência, poderoso no contragolpe. Em dia sim, vence um jogo sozinho.

Prevejo uma eliminatória equilibrada e uma vitória madrilena no final.

PSG vs Chelsea

O Cavalão vs O Cavalinho

Mourinho é o cavalinho. Blanc é o cavalão.

Mourinho entra sem pressão (já a retirou toda a pressão da equipa no que a esta época concerne quando afirmou que estava a construir uma equipa para vencer tudo no próximo ano) mas o que é certo é que apesar das suas constantes declarações, este Chelsea arrisca-se a vencer o campeonato e a Champions.

Laurent Blanc entra com pressão. O proprietário do clube parisiense dotou o antigo seleccionador francês de um plantel de sonho, bem recheado em todas as posições do terreno, para, dominar de forma avassaladora a Ligue 1 e conquistar o título europeu nesta ou na próxima época. ” O Nosso projeto ainda está em construção, mas a nossa ambição é ganhar a Champions League” – afirmou Blanc. Uma construção desmedida, um onze de sonho e muitas soluções no banco de suplentes: de Yohan Cabaye ao mago Lucas Moura, passando pelo rapidíssimo Lavezzi ou pelo tecnicista Verrati.

Batalha de meio-campo – Muito talento em ambos os conjuntos – Matic, Hazard, William, Lampard, Mikel, Oscar, Ramires de um lado. Thiago Motta, Marco Verrati, Cabaye, Matuidi, Pastore do outro. Todas estas soluções garantem força, pulmão, assertividade no passe, inteligência, visão de jogo e criatividade, muita criatividade, em particular, quando falamos de Eden Hazard, o verdadeiro mago desta equipa do Chelsea. Se bem que Oscar é um jogador que me agrada pela simplicidade de processos, pela rapidez que incute na equipa atráves do seu rápido pensamento de jogo e pela rapidez com que, recebendo a bola no meio-campo, não inventa, não engonha e quase sempre consegue descobrir uma excelente solução para dar continuidade à jogada.

Referências de ataque de sonho – Maior pendente para o PSG com Cavani e Ibra. Dois killers. Samuel Eto´o aparece em grande forma nesta temporada, tendo sido decisivo no jogo contra o Galatasaray e noutros desafios domésticos da equipa de Mourinho. Fernando Torres tem por seu turno a estrelinha de campeão. Quando entra, nos minutos finais, costuma ser decisivo. Assim o foi contra o Barcelona há 2 anos e contra o Benfica na final da Liga Europa do ano passado.

O duelo entre PSG e Chelsea será para mim o mais espectacular, futebolisticamente falando.

Manchester United vs Bayern de Munique

champions

O confronto mais desequilibrado destes quartos-de-final. Em breves palavras: à passagem da meia-hora da primeira mão tudo poderá estar decidido. A equipa de Guardiola decide, esmaga, humilha e no final sorri e agradece ao generoso público afecto. David Moyes deverá ter visto o purgatório e o inferno nas bolinhas do sorteio quando se apercebeu que irá defrontar o campeão europeu. Com um plantel desequilibrado, com a moral em baixa, e com uma equipa que neste momento pratica um futebol sem nexo, desligado entre sectores, pouco pressionante defensivamente, as hipóteses deste Manchester eliminar o campeão europeu são quase nulas. Os laivos de genialidade de Robin Van Persie atenuaram por completo uma eliminatória em que os gregos do Olympiacos mereceram mais mas foram muito perdulários no jogo de Old Traford. O mesmo não se irá passar nesta eliminatória: a equipa de Guardiola é absolutamente letal. Cada tiro, cada melro.

 

Liga Europa

Carlos Bacca

Porto vs Sevilla

Ainda no rescaldo de Napoli. Nunca pensei que este Porto fosse capaz de tamanha proeza. Mérito de Luis Castro, demérito da equipa Napolitana. O Porto segue para a casa de partida. Ou melhor, para um das casas de partida: Sevilla. Sanchez Pizjuan, o mítico estádio da capital Andaluz onde o Porto de Mourinho conseguiu o seu primeiro triunfo na competição, na altura, ainda denominada como Taça UEFA, naquele jogo de loucos frente ao Celtic de Glasgow de Henrik Larsson.

O Sevilla não era a equipa mais forte a sorteio. A Juventus e o Benfica seriam adversários muito mais fortes que a equipa sevilhana.

Vinda de uma eliminatória difícil contra o rival Bétis (derrota em casa por 2-0, vitória mesmo ao lado no Benito Villamarin por 2-0 com o triunfo na eliminatória a ser obtido na marcação de grandes penalidades) o Sevilla, actual 7º classificado da Liga Espanhola é uma equipa, no mínimo, inconstante. É uma capaz do pior e do melhor num curto espaço de tempo.

O Porto irá reencontrar Beto. O português é o titular da baliza sevillana e está na equipa andaluz em definitivo depois de ter cumprido a segunda metade de 2012\2013 por empréstimo do FC Porto. À sua frente Beto tem uma defensiva agressiva mas bastante inconstante. Tanto Federico Fazio, como Javi Navarro como Dani Pareja são centrais que conseguem executar uma boa marcação (a Jackson e Ghilas) usando e abusando do físico. Contudo são dois centrais muito instáveis ao nível exibicional, cometendo bastantes falhas. Nas alas jogará o português Diogo Figueiras (o tal desconhecido que o Sevilla veio buscar ao Paços de Ferreira). O português é um lateral bastante ofensivo e faz boas combinações com os jogadores que actuam na direita (Reyes, Perotti). Na esquerda estará Alberto Moreno, uma das estrelas da equipa. Equilibrado, é certinho a defender e a atacar. Se Luis Castro colocar Quaresma na direita, Moreno tem capacidade para estancar aquele que neste momento é o jogador que cria mais perigo na equipa do Porto.

No meio-campo Unay Emery tem apostado mais (quando digo apostado mais, quero com isto dizer que Emery não costuma apresentar um onze base e por norma faz rodar imenso o plantel) num meio-campo composto por Carriço a trinco (esse mítico) Ivan Rakitic na construção de jogo (é o cérebro da equipa) José António Reyes numa ala, Perotti na outra, Marko Marin ora no centro na criação de jogo ora no flanco direito, e um ataque composto ou por Carlos Bacca (sozinho) e Kevin Gameiro ou por Carlos Bacca e Jairo Samperio mais recuado nas suas costas, ou por Carlos Bacca e Vitolo nas suas costas, papel onde se sente claramente mais à vontade como tecnicista que é.

De onde é que vem o perigo deste Sevilla?

  • De Rakitic. É o motor desta equipa espanhola. Joga e faz jogar. Sem o croata, os sevilhanos não conseguem ser objectivos no seu jogo ofensivo.
  • De Carlos Bacca. Jackson conhece-o bem porque são companheiros de selecção. Mortífero. Acrobático. Fortíssimo nas movimentações de área. Mangala, Maicon, Reyes ou Abdoulaye não lhe poderão dar um milímetro. Transforma uma bola morta em golo.
  • De Kevin Gameiro. Menos efectivo que Bacca mas o luso-francês também é um homem de área.
  • De Reyes. Numa bola parada, num cruzamento, espeta a bola na área e assiste com pinta um dos seus companheiros
  • De Marco Marin. O alemão está a subir de rendimento nesta parte final de temporada. Quando mete o turbo, é menino para individualizar, sacar 2 ou 3 adversários da frente e construir uma situação de perigo.

Benfica vs AZ Alkmaar

Dick Advocaat

Ao Benfica saiu a lotaria. Ao AZ a fava que ninguém neste momento queria.

O treinador do AZ, Dick Advocaat pode dizer que sabe o que é vencer esta competição. O treinador de 66 anos, um dos globetrotters da actualidade do futebol mundial (já treinou em 7 países diferentes) leva no seu extenso currículo, para além do título holandês conquistado em 1996\1997 ao serviço do PSV, das 2 ligas escocesas conquistas pelo Rangers entre 1998 e 2000 e do título russo conquistado em 2007 ao serviço do Zenit, uma vitória na competição na época 2007\2008 precisamente ao serviço da equipa de São Petersburgo. No ano em que os semi-desconhecidos do Petrovski (Arshavin, Anyukov, Fayzulin, Denisov, Konstantin Zyryanov, Pavel Pogrebnyak) se deram a conhecer à europa e catapultaram o Zenit para um estatuto europeu até então nunca detido pelo clube da antiga Leninegrado.

A equipa que orienta é neste momento 7ª classificada da Eredivisie, lugar que para já lhe garante a participação no playoff final disputado entre todas as equipas que se classificarem entre o 3º e o 8º lugar (apuramento para as competições europeias). Pelo menos, a coisa na Liga Holandesa é decidida assim.

Pontos fracos deste AZ:

  • A sua inconsistência. É uma equipa capaz de ganhar 3 ou 4 jogos seguidos e perder outros 3 ou 4 seguidos.
  • Dois centrais duros de rins (Nick Vergiever e Jeffrey Gouweleeuw) fortes no jogo áereo mas com muitas dificuldades para travar avançados rápidos, caso de Lima e Rodrigo.

Pontos fortes:

  • Muita rapidez na frente de ataque – O extremo Roy Beerens é um jogador rapidinho e com uma capacidade de cruzamento fantástica. É a estrela da companhia. Em conjunto com…
  • A dupla de médios centro – Viktor Elm, um conhecido nosso. Alinhou contra a selecção portuguesa no passado mês de Novembro e Nemanja Gudelj, um conhecido dos sérvios que alinham na equipa encarnada. Este sérvio de 22 anos, contratado no verão passado ao NAC Breda, é o grande maestro desta equipa.

Outros jogos da liga europa:

Lyon vs Juventus – O Olympique Lyonnais será presa fácil para a equipa de Turim. Apesar de Alexandre Lacazette estar em grande forma e da dupla de centrocampistas da equipa lionesa ser do melhor que se encontra pela Ligue 1 (Grenier e Gourcouff), a defensiva do Lyon tem jogos em que é como passar a faca na manteiga.

Basel vs Valência – A equipa suiça será um adversário tenebroso para a equipa de Pizzi. É uma equipa bastante segura defensivamente (destaque para o sueco Behrang Safari na direita e para o central Fabian Schar), com um meio campo muito activo (David Degen, Marcelo Dias, Valentin Stocker, Fabian Frei) com um jogo orientado para a grande referência ofensiva da equipa, o veteraníssimo Marco Streller.

Superbock! Fresquinha! #76

William Carvalho

William Carvalho 2

Noticia do Gazzetta Dello Sport. 40 milhões: fruta a mais para clubes italianos. O Manchester United destacou vários dos seus observadores para acompanhar o trinco em todas as partidas que disputam. O Real Madrid não tem sido o mais assíduo dos espanhóis a observar: o Barcelona já veio observar o internacional português por meia dúzia de vezes. Assim como meio batalhão da Premier League e da Bundesliga: Newcastle, West Bromwich Albion, Cardiff, Swansea, Estugarda, Borussia de Dortmund.

Bruno de Carvalho afirmou recentemente que, caso não apresentem uma proposta de acordo com os valores previstos para a venda dos atletas, os clubes estrangeiros podem vir a Alvalade observar os jogadores do Sporting que quiserem mas não terão feed da SAD do Sporting. O que é certo é que o nome de William Carvalho começa a aparecer com maior frequência nas paragonas dos grandes diários estrangeiros: Daily Mail, Marca, Gazzetta. Confesso que o melhor para o jogador seria continuar a evoluir no Sporting pelo menos por mais uma época. Poderá ser titular na selecção no Mundial (embora ache que a teimosia de Paulo Bento irá levá-lo a prosseguir a aposta em Miguel Veloso) e tal facto poderá valorizar imenso o jogador. No entanto, com a hipótese pendente do clube jogar na Liga dos Campeões na próxima temporada, uma boa prestação na Champions pode valorizar ainda mais o seu passe. Claro que pelo meio, o Sporting terá forçosamente que renovar contrato com o jogador para poder aumentar a sua cláusula de rescisão

Sondagem #4

sondagem 11sondagem 12

Na pole em que tentámos saber as apostas dos nossos leitores para a vitória na presente edição da Champions, após o apuramento de 42 votos, o campeão europeu em título Bayern de Munique foi a equipa mais votada com 14 votos. Os bávaros superaram o Real Madrid com 12 votos e o Barcelona com 4. PSG e Chelsea recolheram 3 votos, o Atlético de Madrid de Simeone 2, e várias equipas (as de Manchester, o Galatasaray e o Schalke 04 recolheram 1; decerto que o Schalke não sairá vencedor depois de ter sido esmagado em casa pelo Real Madrid por claros 6-1). Olympiacos (tem tudo para eliminar o United) Milan, Dortmund (apuramento praticamente garantido) Arsenal, Bayer Leverkusen e Zenit não tiveram qualquer voto.

Dentro de minutos serão colocadas duas novas polls.

Da Champions #13

O Olympiacos ganhou ontem meio bilhete para os oitavos-de-final da Champions depois de derrotar o Manchester United por 2-0 no Piraeu. A equipa grega aproveitou mais uma exibição muito desapontante da equipa de David Moyes nesta temporada para conseguir uma vantagem confortável para o jogo da 2ª mão em Old Trafford. A equipa de David Moyes terá 15 dias para mudar a sua atitude se quiser passar aos oitavos-de-final.

As duas equipas defrontaram-se pela 5ª vez na prova. Nos 4 primeiros confrontos, a contar para a fase-de-grupos das temporadas 2001\2002 e 2002\2003, o Manchester United de Sir Alex Ferguson venceu as 4 partidas.

Na antevisão feita para a partida, o treinador do Olympiacos, o espanhol Michel avisou que apesar de não ser favorita na eliminatória, a sua equipa ia fazer tudo o que estivesse ao seu alcance para levar de vencido o United de David Moyes. Realçando que a Liga dos Campeões é uma prova imprevisível onde tudo pode acontecer e desvalorizando o mau momento actual da equipa inglesa, Michel alertou que a equipa orientada pelo treinador escocês poderá vislumbar a competição como a tábua de salvação de uma época que está, a ser até ao momento, desatrosa. Como a equipa grega lidera de forma destacada a liga grega (já é praticamente campeã), Michel poderá apostar as fichas todas na Champions.

No primeiro jogo na prova sem uma das revelações da prova, o avançado Kostas Mitroglou (vendido ao Fulham no mês de Janeiro) Michel também não pode contar com o argentino Javier Saviola, o autor do apuramento dos gregos para a fase final da prova no jogo disputado contra o Benfica na Grécia.

Os treinadores entraram em campo com um sistema de jogo exactamente igual: 4x5x1. Do lado do Olympiacos, Michel fez alinhar o seu quarteto defensivo habitual, reforçando o meio-campo com Maniatis e Delvin Ndinga (esteve exibiu-se de forma exemplar, ganhando todas as batalhas do meio-campo), Choro Dominguez nas costas do nigeriano Michael Oleité, com o primeiro a deter a tarefa de construir o jogo do Olympiacos pelo miolo e o segundo como um ponta-de-lança móvel. Nas alas, o técnico espanhol colocou o paraguaio Hernan Perez, reforço da equipa no mês de Janeiro, na esquerda e este em conjunto com o lateral José Holebas moeu a cabeça a Chris Smalling. Na direita, Michel deu a titularidade ao costa-riquenho emprestado pelo Arsenal Joel Campbell. O costa-riquenho haveria de aproveitar uma excelente combinação no miolo com Oleité para fazer o 2-o com um certeiro remate em arco que DiGea não conseguiu defender.

David Moyes voltou a apresentar a defesa tipo do último mês com Smalling à direita, Vidic e Ferdinand no centro e Evra à esquerda. Smalling teve um dia para esquecer. Defensivamente não deu uma para a caixa no confronto com Perez. Ofensivamente não conseguiu acrescentar nada à equipa e ficou muito aquém das exibições de Rafael da Silva. E aqui se vêem as lacunas existentes no plantel da equipa de Manchester: não tem um lateral direito capaz de cumprir as tarefas defensivas e ofensivas com um certo equilíbrio. Rio Ferdinand mostra que já não tem andamento para jogar ao mais alto nível.
Carrick e Cleverley assumiram as posições do Miolo. Moyes tentou dar alguma velocidade ao flanco esquerdo com a inserção de Ashley Young no onze até porque do outro lado Leandro Salino é um jogador, como bem sabemos, combativo. Na direita jogou o equatoriano Antonio Valência. Wayne Rooney voltou a jogar no meio-campo com a função de construir o jogo do United e apoiar Robin Van Persie, a referência de ataque dos Red Devils. Nesta temporada, o holandês está muito aquém daquilo que realizou na temporada 2012\2013.

O jogo começou numa toada lenta e com as equipas a adoptarem uma postura cautelosa. Este ritmo de jogo haveria de ser mantido durante os 90 minutos de jogo. O Olympiacos foi controlando os acontecimentos perante uma equipa de Manchester muito apática, muito desligada, pouco pressionante, pouco agressiva, sem grandes rasgos individuais, pouco interligada entre sectores, com uma construção de jogo bastante incipiente e acima de tudo, com muita pressão nos pés. Por várias vezes Smalling e Ferdinand perderam bolas em zonas recuadas e permitiram ao Olympiacos acelerar o jogo e construir jogadas de perigo. Prova disso foi quando aos 8″ Smalling tentou sair a jogar pela direita, complicou e o argentino Choro Dominguez recuperou o esférico, galgou o meio-campo dos ingleses sem que nenhum jogador do United saísse a seu encontro, entrou na área, rematou e viu o seu remate bloqueado por um espectacular carrinho de Nemanja Vidic. Se não fosse o acto heróico do central sérvio, o Olympiacos poderia ter inaugurado aqui o marcador.

O Manchester United tentava circular bola a toda a largura do terreno de forma a solicitar uma atitude mais interventiva de Ashley Young na esquerda e Valência na direita. O primeiro optou quase sempre por tentar puxar a bola para o centro do terreno de modo a poder aplicar o seu remate ou servir Van Persie na área. O segundo tentou ganhar a linha a Holebas mas o lateral da equipa grega não permitiu muitas veleidades ao extremo equatoriano.

Aos 25″ o paraguaio Hernan Perez sacudiu um jogo que estava a ser, a bom da verdade, secante. Recebendo a bola no flanco, encarou Chris Smalling olhos nos olhos, entrou na área e atirou às malhas laterais da baliza de David De Gea. Tanto o paraguaio como o costa-riquenho Joel Campbell conseguiram aproveitar muito bem o facto de Michael Oleité estar constantemente a arrastar a defesa do United com as suas movimentações erráticas pelo último terço do terreno. Até aos 25″ o melhor que o United conseguiu fazer na partida foi um remate muito torto de Tom Cleverley por cima da baliza de Roberto Jimenez.

Aos 37″ aconteceu o primeiro momento do jogo: Joel Campbell tenta centrar da direita, a bola acaba por ser cortada por um jogador do Manchester United para a entrada da área onde apareceu o centrocampista Giannis Maniatis a rematar rasteiro e Choro Dominguez a desviar a bola do alcance de David De Gea para o primeiro golo dos visitados, a única equipa nesta ronda que conseguiu vencer o seu encontro nessa condição.

Ao intervalo, a diferença no marcador aceitava-se visto que no marasmo realizado, os gregos tentaram fazer mais pela vida que a turma inglesa.

Na segunda parte, pouco daquilo que se tinha visto no primeiro tempo se alterou. O jogo continuou com uma toada lenta e a atitude dos homens de Moyes continuou exactamente a mesma.

O jogo partiu logo no início do 2º tempo, facto que permitiu Choro Dominguez fazer aquilo que mais gosta: meter velocidade no contra-ataque do Olympiacos. A equipa de Manchester não conseguiu re-equilibrar a partida e haveria de sofrer o 2º golo aos 54″ através de Joel Campbell numa jogada em que Oleité recebeu no miolo, combinou com o costa riquenho e este, com classe disferiu um remate em arco para o fundo da baliza de David De Gea.

David Moyes tentou modificar a falta de velocidade do United na manobra ofensiva, colocando o japonês Shinji Kagawa e o avançado Danny Welbeck. Os dois deram alguma velocidade ao jogo do United mas a equipa inglesa haveria de confirmar até ao final da partida uma exibição muito descolorida que não perspectiva uma 2ª mão fácil. Depois do 2º golo, a equipa do Olympiacos, satisfeita com o resultado limitou-se a controlar a partida e para isso contribuiu a entrada do português Paulo Machado.

A única jogada interessante da última meia hora resultou num remate de Oleitan aos 66″. O nigeriano poderia ter feito o 3º golo da equipa grega. Se a bola tivesse entrada, a eliminatória estaria praticamente resolvida.

Na 2ª mão creio que o Manchester vai tentar provar que não é este tipo de equipa. O Olympiacos deverá ir a Old Trafford defender a vantagem obtida nesta partida através de um estilo de jogo defensivamente organizado e baseado no contragolpe quando a equipa do Manchester der azo a tal. De resto, a equipa grega consegue desempenhar muito bem esta filosofia de jogo, já o tendo feito por exemplo nos dois jogos realizados contra o Benfica. A equipa de Manchester terá que fazer pela vida caso queira levar de vencida esta equipa grega. Ou seja, a equipa de Manchester terá que ser rápida na circulação, acutilante e fantasista no jogo da 2ª mão visto que o Olympiacos irá encarar o jogo de Manchester com uma defesa muito baixa e com muita articulação entre linhas de forma a não oferecer espaços à equipa inglesa.

Pré-Champions

Hoje o cartaz traz-nos um Zenit – Dortmund e logo de seguida um Olimpyacos – Manchester United.

Zenit – Dortmund

Diria de antemão que o Dortmund teria tudo a seu favor para passar a eliminatória com relativa facilidade e digo relativa apenas e só devido às ausências forçadas a que Jurgen Klopp se vê obrigado. Kuba, Gundogan e Subotic são peças fulcrais que têm estado lesionados e a juntar a estes há os problemas com Reus, e Bender que no último jogo com o Hamburgo sofreu uma rotura no músculo da virilha o que lhe garante uma ausência até final de Abril. Por outro lado o Zenit está sem competir a alto nível desde 6 de Dezembro, quando jogou o último jogo para o campeonato Russo, desde essa data que apenas jogou jogos amigáveis (torneios no Qatar, Israel e Turquia) devido à paragem de Inverno do campeonato Russo. Além disso o Zenit não é equipa com tradição na Liga dos Campeões e o melhor resultado que obteve foi mesmo o alcance dos oitavos de final frente ao Benfica em 2011/2012. Como se isto não bastasse o Zenit vê-se também privado de Danny e Ansaldi lesionados e Shirokov ainda estava em dúvida devido a problemas num calcanhar. O único ponto que o Zenit pode ter a seu favor, eventualmente serão os maus resultados dos alemães, especialmente esta última derrota frente ao Hamburgo (3-0), ainda assim reforço a ideia que prevejo que o Dortmund tenha uma tarefa complicada na Rússia, mas que a resolva com alguma facilidade dado o nível e ritmo da equipa serem outros que este Zenit não tem.

Olympiakos – Manchester

Este é um jogo que pode dar algum espectáculo e qualquer resultado dos três possíveis, mas sinceramente acho que o que vai acontecer será um empate entre as duas equipas. O Olympiacos em casa é uma equipa bastante forte não só no campeonato, mas também nas competições europeias e o Manchester United como todos têm assitido este ano não está  propriamente a jogar ao nível que o nome exige. Sendo uma deslocação difícil e dado o estatuto dos ingleses acredito mais num empate que numa vitória de qualquer das equipas, no entanto até aos 90 minutos não digo que o jogo não possa pender para qualquer um dos lados. Ambas as equipas vêm de vitórias fora para o campeonato que acabam por ser um factor de motivação para os jogadores (apesar de para o Olympiacos já ser um habitué ganhar quase sempre e bem). Um dado curioso é que Manchester e Olympiacos já se cruzaram quatro vezes anteriormente e Ryan Giggs esteve presente em todas, contribuindo com 3 golos que ajudaram sempre à vitória do Manchester United.

o novo contrato de Wayne Rooney

rooney

300 mil libras por semana. não, o daily mail não está equivocado nos valores. O que não vale um jogador dizer que está insatisfeito e querer trocar o clube onde joga por um rival! O acordo prevê que o jogador se torne embaixador do clube quando terminar contrato. Cargo que actualmente é ocupado por Sir. Bobby Charlton. As percentagens dos direitos de imagem do jogador também foram revistas assim como foi incluída uma cláusula no contrato que obriga o jogador a participar num número indeterminado de spots publicitários.

O mesmo Daily Mail afirma hoje que os proprietários do Manchester United estão dispostos a oferecer o mesmo contrato a Toni Kroos caso esteja se mostre interessado em jogar no United. O clube de Manchester está disposto a oferecer os 36 milhões de euros que o Bayern pede pelo jogador.

God Save The Queen (or at least try to…) #13

Sempre a castigar os tristes… Grande vitória do Stoke frente ao United por 2-1 com um grande golo do escocês Charlie Adam na 2ª parte. Com Mata em campo, ficou bem assente que a contratação do espanhol ajuda mas não resolve todos os problemas existentes na equipa de Moyes. Problemas esses que são de resto bem visíveis: os péssimos processos colectivos na circulação de bola (quando Rooney é o número 8 da equipa penso que isso diz tudo sobre este departamento de jogo) a falta de um jogador que crie desequilíbrios em perimetros curtos e o habitual défice defensivo que a equipa apresenta em virtude da inexistência de um central em condições capaz de secar os avançados contrários na área.

Continuo portanto a crer que os 45 milhões gastos em Mata seriam melhor empregues na compra de um box-to-box, de um defesa central mandão, de um lateral-direito melhor que o que a equipa de Moyes apresenta (Rafael) e de um extremo capaz de desequilibrar na ala no 1×1 e servir com eficácia os homens da frente.

cenas de um futebol doente

Não venham dizer que são os valores de mercado ou que empresários mexem-se bem junto de clubes para conseguir tais valores de transferência. Os 95 milhões que alegadamente o Barcelona terá pago por Neymar (segundo o relatório apresentado pelo sócio do Barcelona que motivou a abertura de um processo de investigação por parte das autoridades espanholas à transferência) são imorais. A imprensa espanhola afirma que Sandro Rosell deverá ter pedido a sua demissão durante o dia de hoje.

Rosell cai vítima do seu próprio veneno. Quando Juan Laporta ainda era presidente do clube, na campanha eleitoral para a presidência do clube em 2010, perante um cenário catastrófico de perdas financeiras previstas nesse exercício económico de 79.6 milhões de euros, valor que se veio a confirmar em Outubro desse ano, o então candidato à presidência do clube afirmou publicamente que o Barcelona não tinha um euro que se pudesse dizer seu. Uma das primeiras medidas de Rosell enquanto presidente foi cancelar o patrocínio não-oneroso que a UNICEF tinha nas camisolas do clube catalão, procurar dinheiro nas árabias (Qatar Foundation – 35 milhões\anuais) e adjudicar um empréstimo para o clube aos bancos Santander e La Caixa no valor de 150 milhões de euros para o clube fazer face às despesas estruturais do clube (salários, pagamento a fornecedores, manutenção do Nou Camp, da Academia do clube e do mini-estadio). Ironia das ironias, para quem advogava enquanto candidato a catástrofe financeira do mandato Laporta, Rosell não se coibiu de dispender de uma assentada a módica quantia de 60 milhões de euros pelos passes de Cesc Fabrègas e Alexis Sanchez.

O esforço de amortização do passivo do clube tornou-se eficaz. O clube tem vindo a verificar uma diminuição da receita ano após ano, culminada na última época com uma descida de 1% em relação à receita verificada em 2012. Vejamos portanto este gráfico:

barcelona

despesas:

barça 2

Em tendência inversa, o relatório de contas do clube em 2013, revelou um aumento de 2 milhões de euros de euros nos custos estruturais a suportar pelo clube. Nesta rúbrica, os custos com salários de jogadores subiram 8 milhões de euros enquanto os custos com staff técnico desceram 5 milhões. Curiosa é a gestão do presidente do Barcelona neste cenário: com um esforço tremendo do clube para fazer descerem as despesas e fazer aumentar as receitas, com os limites do fair play financeiro da UEFA cumpridos a ferro e fogo (491 milhões de receita, 491 milhões de despesa), com o pesado empréstimo que o clube começou a pagar em 2012 ao La Caixa e ao Santander (11 milhões anuais) Rosell avançou para a contratação de Neymar por 57 milhões de euros, 95 segundo o relatório apresentado à justiça espanhola pelo sócio do clube.

A 30 de Junho, o vice-presidente para a área financeira Juan Faus afirmou: ““For the first time in the club’s history we are following a path of stabilizing revenue against total sporting wages. From an economical point of view, it’s much more important to control and stabilize wages as opposed to transfer fees”.  – Perante estas palavras onde é que se encaixa a transferência de Neymar?

As interrogações que meia Espanha faz hoje são: para onde foram os 38 milhões da diferença entre o que foi declarado pelo Barça e o que realmente poderá ter sido pago pela contratação do internacional brasileiro? Rosell lucrou pessoalmente com a transferência? Se não lucrou, quem lucrou com essa transferência? – o mais provável é termos que esperar pelo desenrolar dos próximos capítulos (na justiça espanhola) para perceber os meandros da coisa.

Parece-me também claro que este incidente irá reabrir novamente o dossier do acontecimento protagonizado pelos Messi no caso dos direitos de imagem onde pai e filho deverão ter fugido ao fisco espanhol.

Noutro prisma, mais uma vez, a banca espanhola é apanhada em fora-de-jogo. Depois do Bankia (banco nacionalizado com 23 mil milhões de euros, credor em cerca de 400 milhões do Valência) é o La Caixa (outro dos bancos nacionalizados em espanha) que se vê a braços com mais um possível escândalo em virtude de ser o maior credor do Barcelona.

Meanwhile,

Em Inglaterra, os 45 milhões que serão pagos pelo Manchester United pelo passe de Juan Mata ao Chelsea são super inflaccionados. Não vejo mais talento em Juan Mata do que a capacidade que o espanhol tem em centrar bolas para a área e bater bolas paradas. O que é, na minha opinião, muito escasso para os 45 milhões que clube da cidade de manchester vai pagar ao clube da capital. Por outro lado, creio que o United deveria procurar gastar esses 45 milhões de euros nas posições onde realmente tem carência de talento, caso do eixo da defesa, da lateral-direita e da posição 6, posição onde Michael Carrick não dá conta do recado (há anos) e onde a contratação de verão do clube (Marrouane Fellaini) pura e simplesmente não encaixa porque o Belga não é trinco sim um 8.

God save the queen (or at least try to…) #9

a imprensa portuguesa, emprenhada pelos ouvidos pelas sentences do Guardian e do Independent. Há um mes atrás o que era fixe era “correr com o Moyes no pior período da história do Manchester” – uma série vitoriosa e “Moyes já é o grande treinador de um United em ascenção”

Começo a desconfiar que Mourinho vai até lá cima pé ante pé. Não creio ainda que os Wenger Boys tenham esforço para manter a regularidade que apresentaram nesta metade de temporada. O Liverpool de Rodgers está a construir uma boa equipa para o fruto mas ainda vive dos fogachos de Suarez. O United pode recuperar a diferença e tudo pode acontecer de um dia para o outro. Não será a primeira nem a última vez que a equipa de Manchester nos irá brindar com o fantástico. Resta o brilhante City de Pellegrini perante um Chelsea que, a jogar mal, vai andando pelos lugares cimeiros aos repolões.

a confirmar (movimentações de mercado)

vamos ter um mês de Janeiro muito animado ao nível de transferências. senão vejamos os rumores que circulam por essa europa:

Guarín é pretendido pelo Manchester United. O Inter poderá abrir mão do colombiano por um valor aproximado de 15 milhões de libras mais o passe de Chicharito Hernández (em baixo). O Tottenham também já enviou um emissário a Milão para negociar o jogador. É um rumor com algum fundo de verdade dado que o colombiano catapultou-se para o futebol europeu sob o comando de AVB no Porto. O último rumor dá conta do interesse do Chelsea (o director desportivo do Inter Marco Branca poderá estar reunido neste momento com responsáveis Blues) no colombiano por uma verba que permitirá aos nerazzurri atacar Ezequiel Lavezzi em Janeiro.

guarin

A possível saída do colombiano já motivou um recado interno de Walter Mazzarri ao novo proprietário dos milaneses, o indonésio Erick Thorir: “precisamos de reforços”.

O Gazetta afirma que Erik Lamella na mira do Inter, Milan e Fiorentina – o Tottenham pagou 30 milhões à Roma no passado verão.

– O mesmo artigo afirma que Casillas está muito próximo de rumar ao Arsenal já em Janeiro. O City também está de olho no titular da selecção espanhola. O mesmo Arsenal já deverá ter feito chegar a San Siro uma proposta pelo avançado de 18 anos Mbaye Niang.

– O marroquino Adel Taarabt pode estar a caminho de Málaga por empréstimo do Fulham.

– A Roma poderá estar interessada em Dzeko do Manchester City.

O defesa central do Saint Ettiène Kurt Zouma (grande centralão) está a ser cobiçado por Manchester City, Chelsea, Mónaco e Liverpool. – O mesmo Mónaco encontra-se actualmente com um problema interno – a nova lei fiscal de Sarkozy ameaça retirar mais alguns milhões ao salário de Falcão. Especula-se que a nova carga fiscal está a por em risco a continuidade do Colombiano no clube monegasco, pese embora este tenha afirmado ontem que não tem jogado as últimas partidas porque está lesionado. Outras fontes em Inglaterra afirmam que Ranieri e Radamel estão de costas voltadas.

Falcão

Newcastle, Arsenal e Southampton estão de olho no médio centro do Anderlecht Cheick Kouyaté – os belgas estão a pedir 5.5 milhões de libras pelo seu activo.

– Outro dos destaques do dia é o interesse do Liverpool em Javier Pastore.

– O Daily Star afirma que Chelsea e Manchester United poderão apresentar proposta em Janeiro ou no final da época com Xabi Alonso, em fim de contrato com o Real e sem proposta de renovação desencadeada por nenhuma das partes. O Liverpool também pode estar de olho na possibilidade de regresso do médio a Anfield Road.

alonso

– Sem espaço no Real Madrid, Jesé poderá ser emprestado na 2ª metade da época.

Jesé Rodriguez

 

moyes

Moyes continua o seu périplo pela europa. Presença (indirectamente) em Alvalade para ver William Carvalho (já mandou observar o médio em 6 jogos da Liga), foi agora a Madrid observar Koke e Mangala no jogo entre Atlético e Porto.

 

God save the queen (or at least try to…) #4

Memória curta.

Não sei qual é a lógica que a imprensa tem em apontar um momento crítico ao United só porque o clube está em 9º lugar na tabela da Premier no início da era Moyes.

Porventura deverão estar esquecidos que o mítico Fergie não cheirou nada nos primeiros 3 anos à frente do clube e apenas conseguiu vencer a Premier à 6ª temporada no clube. Foi posto em causa em alguma dessas épocas? A resposta é óbvia.