foto do dia

foto do dia

As acções assassinas de Sergio Busquets. Cada vez mais me convenço que o trinco só tem lugar nesta equipa do Barcelona pela capacidade notória que tem de dar pau, provocar adversários e agir da maneira porca como age. Não é que Pepe seja um santo, porque não o é. A pisadela de Busquets ao internacional português é simplesmente vergonhosa e vergonhosa também se deve considerar a passividade de Alberto Undiano neste lance, admoestando Pepe e Fabrègas com o amarelo. O trinco do Barcelona conseguiu ultrapassar a expulsão em mais um clássico.

Momentos-chave da partida:

    A espantosa exibição de Di Maria na primeira meia hora da partida. Slaloms geniais nos quais levou meia defesa do Barcelona. 2 assistências perfeitas para Benzema, precisamente pelo lado de Daniel Alves. O brasileiro não costuma dar abévias do género mas, ontem, foi literalmente comido de cebolada pelo argentino naqueles dois lances. Foi o único capaz de colocar velocidade, rapidez e criatividade no futebol ofensivo do Real Madrid durante toda a partida. Gastou as balas todas na primeira parte (nos festejos do golo do empate sentiu-se sem fôlego) e na segunda, eclipsou-se em virtude do enorme esforço dispendido no primeiro tempo.
  • Se DiMaria construiu, Benzema bem finalizou. 2 espantosos movimentos de área para 2 golos muito interessantes. No primeiro ganhou no ar a Mascherano. No 2º, abriu para o lado e desmarcou-se sem que o argentino ou Piqué estivessem com atenção às suas movimentações. Poderia ter apimentado ainda mais a noite quando minutos depois do 2-1 conseguiu tirar 2 jogadores do Barça do caminho na pequena área com uma recepção orientada a cruzamento de DiMaria na direita. Valeu Piqué nesse lance ao conseguir cortar na linha-de-golo.
  • Lionel Messi e a falta de pressão do meio-campo do Real. Fabrègas e Neymar entalaram a defesa. Xabi Alonso e Luka Modric foram pouco pressionantes. O argentino recebeu a bola como quis no seu spot e no primeiro golo executou a jogada típica do Barcelona recebendo no centro, atraíndo para si toda a defesa madridista para depois libertar no tempo certo para a entrada de Iniesta pela esquerda. Quem fez a pressão a Messi foi Pepe. Ténue. Para travar o argentino só vejo uma hipótese: colocar um excelente central na posição de trinco para seguir o argentino tal e qual Mourinho fazia no ano passado com Pepe. Qualquer treinador que coloque um dos centrais a vigiar directamente o argentino e tentar jogar na antecipação ao jogo que chega ao argentino (como fez Pellegrini no jogo da primeira mão dos oitavos da Champions com Martin Demichellis) arrisca-se a que o argentino brilhe e ainda tire a expulsão ao dito jogador.
  • Sérgio Ramos e Xabi Alonso – Não consigo acreditar como jogadores tão experientes foram capazes de cair em tamanho conto do vigário. No penalty cometido pelo central, as imagens mostram que Neymar isola-se mas ainda tem que driblar Diego Lopez, podendo atirar para a baliza deserta ou para a baliza com a cobertura de Marcelo porque o brasileiro vinha em recuperação. Mesmo que Neymar fosse rapido o suficiente para chegar à bola, tirar o guardião merengue da jogada e rematar antes de Marcelo conseguir recuperar ao ponto de poder cobrir a baliza a um eventual remate do seu compatriota, sabendo que um golo de Neymar faria apenas o empate (resultado favorável em certa maneira aos interesses da equipa de Ancelotti) – com a expulsão e respectivo penalty, ofereceu a vitória de bandeja aos blaugrana. O mesmo se deve referir do penalty cometido por Xabi Alonso. Com 2 jogadores a tapar o caminho a Iniesta, o médio espanhol só tinha que entalar o seu colega de selecção no lance em vez de o ceifar no pé de apoio à descarada.
  • Cristiano Ronaldo e Gareth Bale – se alguém conseguir descobrir nem que seja o ego destes dois no relvado do Santiago Bernabéu, a malta agradece. Em tamanho espectáculo de futebol, foram duas autênticas almas penadas.
  • A necessidade de um trinco – Busquets não faz pressão, raramente se insere na movimentação ofensiva da equipa mas dá pau, muito pau. De mau o menos, o catalão não deixa ninguém jogar. Modric e Alonso tiveram várias vezes de ir às alas ajudar Carvajal ou Marcelo a lidar com Iniesta\Alba (quando lá caiu; na 2ª parte optou por um posicionamento mais central) e Neymar\Alves, descurando a zona central, ou compensar a subida dos laterais. Numa equipa na qual Gareth Bale e CR7 pouco ou nada colaboram nos processos defensivos, as movimentações defensivas destes dois jogadores da dupla de centrocampistas do Real acabou por ser um autêntico pau de dois bicos: se iam às laterais ajudar os seus laterais perante a superioridade numérica manifesta pelos Catalães nos flancos, Xavi e Messi apareciam tranquilamente sem blocos de pressão no centro do terreno. Se pressionavam no centro, nas alas era literalmente um “ai jesus” – Khédira está lesionado, Illarramendi ainda não é aposta para este tipo de jogos. O velhinho Essien pela capacidade que tem de ajudar a estancar os flancos dava cá um jeito…

 

Anúncios

Da Champions #7

Coube em sorteio ao City of Manchester (Etihad Stadium depois do patrocínio celebrado entre o clube e a companhia aérea cujo proprietário é o mesmo) receber o primeiro jogo dos oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Manchester City e Barcelona disputaram aquele que era, logo ao início, o mais esperado duelo da ronda. Com uma exibição bastante inteligente, o Barcelona soube capitalizar os erros defensivos cometidos pela equipa de Manuel Pellegrini e saiu de Manchester com um resultado que lhe pode desde já garantir a passagem para a próxima fase da prova.

As duas equipas entraram em campo com a moral em alta, fruto das vitórias obtidas durante o fim-de-semana. O City venceu de forma categórica o Chelsea de Mourinho por 2-0 para a Taça de Inglaterra neste mesmo terreno enquanto o Barcelona, no seu reduto, goleou o Rayo Vallecano por 6-0 num autêntico vendaval ofensivo.

Das respectivas partidas a contar para competições domésticas, poucas alterações ao onze foram realizadas por parte de Manuel Pellegrini e Tata Martino. O primeiro optou por colocar o argentino Martin Demichelis no eixo defensivo ao lado do belga Vincent Kompany. Antevendo a opção de Tata Martino na colocação de Lionel Messi como falso ponta-de-lança, com a inserção do argentino no onze, Pellegrini tentou tirar partido do profundo conhecimento que o veteraníssimo central tem das movimentações que são executadas pelo seu compatriota e companheiro de selecção. Na esquerda do seu ataque, o chileno optou por colocar o sérvio Kolarov. Cabia portanto ao lateral-esquerdo habituado a fazer toda a ala nos tempos em que alinhava na Lazio, controlar as súbidas de Daniel Alves pelo flanco direito e, tentar ser um jogador vertical, isto é, um jogador capaz de ganhar a linha e central para a principal referência de ataque da equipa, o espanhol Alvaro Negredo. No lado direito, Pellegrini optou também pelo vertical Jesus Navas, colocando um trio no miolo composto por Yaya Touré e Fernandinho (com tarefas mais defensivas) e David Silva com a missão de organizar o jogo do Manchester City.Já Tata Martino fez 2 alterações em relação ao onze que tinha apresentado para o jogo do passado fim-de-semana. Mascherano recuperou o lugar no eixo da defesa ao lado de Piqué em virtude dos problemas físicos apresentados por Carles Puyol na 2ª parte do jogo contra o Rayo e Cesc Fabrègas entrou para o onze no lugar de Pedro Rodríguez. Neymar ficou no banco. Regressado de lesão, o brasileiro seria utilizado pelo técnico argentino na 2ª parte do jogo contra o Rayo Vallecano. O mesmo viria a acontecer na partida desta noite.
O treinador argentino optou por dispor a equipa no habitual 4x3x3 com o trio do meio-campo composto por Sergio Busquets, Xavi e Cesc Fabrègas, optando por colocar Alexis Sanchez na direita, Iniesta na esquerda e Messi como falso ponta-de-lança. Acossado por Demichelis na primeira parte, o astro argentino viria a recuar bastante no terreno para vir buscar jogo.

Nos primeiros minutos da partida do City of Manchester, a equipa catalã tratou de colocar a sua imagem de marca: a circulação de bola. Os visitados dispuseram-se em campo com um bloco bastante baixo, com uma atitude bastante expectante (deixando o Barça executar o seu jogo de circulação a seu belo prazer no meio-campo) e com as linhas muito unidas de forma a não dar espaços à equipa adversária. Desde logo se denotou que a equipa catalã iria tentar explorar qualquer erro defensivo da equipa de Manchester através de lançamentos longos para as costas da defesa. Por várias vezes Messi veio buscar jogo atrás de forma a arrastar consigo o implacável Demichelis (esteve soberbo na marcação ao seu colega de selecção na primeira parte; por 3 ou 4 vezes quando a bola era passada para Messi, antecipou-se e não permitiu que o seu compatriota pudesse receber e tocar a bola para as contas da defesa inglesa onde apareciam em rápidas diagonais Alexis Sanchez, Iniesta ou Fabrègas).
Recorrendo à sua letal pressão alta, os catalães não deixaram os jogadores da casa ter posse de bola: sempre que recuperavam a bola, os Citizens tentaram sair em transição rápida, modelo que lhes foi categoricamente negado pelos culés nos primeiros minutos de jogo. Sem grandes soluções de jogo, os pellegrini boys acabaram invariavelmente por praticar um jogo directo para Alvaro Negredo. O ponta-de-lança esteve muito combativo na primeira parte, causando até algumas dores de cabeça à dupla de centrais do Barcelona. Na 2ª parte, com a expulsão de Demichelis, com o recuo da equipa em situação de inferioridade númerica, o espanhol não iria receber tanto jogo, sendo substituído pelo internacional bósnio Erin Dzeko.

Para os caros leitores, terem noção do domínio exercido pelo Barcelona nos primeiros 13 minutos, uma estatística lançada pela transmissão da UEFA dava conta de uma posse de bola de 73% (141 passes) para o Barcelona contra 27% (41 passes) do Manchester City.

A partir deste preciso momento, o City libertou-se das amarras que o jogo de posse do Barcelona estava a criar. Com bastante participação no jogo do construtor de jogo de serviço (David Silva) a equipa foi tentando explorar hipóteses nas alas. Com o crescimento da equipa no jogo, a primeira oportunidade de golo iria pertencer aos visitados quando aos 18″ Kompany fez um passe entre linhas para David Silva e o antigo jogador do valência fez um passe a rasgar pela zona central para a desmarcação do seu compatriota Alvaro Negredo. Pressionado por Piqué, o antigo avançado do Sevilla entrou na área, tirou o seu colega de selecção do caminho e já com pouco ângulo tentou bater Victor Valdés com um remate picado. A bola acabaria por tomar o efeito contrário da baliza até ao alívio da Dani Alves junto ao poste contrário. A equipa de Pellegrini dava aqui o primeiro sinal que não estaria disposta a passar uma partida inteira a ver o Barcelona circular bola no seu meio-campo.

O lance de Negredo abriu o jogo. A circulação de bola executada pelos jogadores do Barça tornou-se mais rápida e mais objectiva. As linhas do City subiram e os médios defensivos Yaya Touré e Fernandinho tentaram pressionar mais alto e obrigar o meio-campo do Barça a jogar mal. Uma das grandes conquistas que o City tinha para este jogo já estava mais ou menos concretizada: com bola, a equipa ia conseguíndo superar o suplício montado pela tradicional pressão alta executada pelos catalães. O jogo tornou-se mais faltoso. Aos 22″ Clichy conseguiu arrancar o primeiro amarelo da partida para Daniel Alves. O brasileiro foi obrigado a recorrer várias vezes à falta para travar as investidas do lateral e do seu companheiro de flanco Kolarov. Aos 24″, após nova falta do brasileiro no flanco, David Silva levantou para a área onde apareceu Kompany a tentar cabecear. Pouco lesto a sair dos postes, Valdés não conseguiu socar a bola e o belga conseguiu dar um toque para as imediações da baliza. Corajoso depois do erro, seria o guarda-redes espanhol a emendar o erro cometido aquando da saída dos postes. No entanto, Jonas Eriksson já tinha assinalado falta do central belga sobre o guarda-redes.

O City vivia, entre os 20 e os 30 minutos, o seu melhor momento na partida. Silva e Negredo tentavam combinar em vários lances. Com fantásticas trocas de bola, o trio do meio-campo dos citizens colocava os jogadores do Barça a cheirar a bola, situação bastante inconfortável para o jogo da equipa catalã. Apesar da posse de bola demonstrada no primeiro parcial da partida, o Barcelona não efectuou qualquer remate à baliza defendida por Joe Hart na primeira meia-hora de jogo e o melhor que conseguiu até então foi uma combinação entre Iniesta (na esquerda) e Cesc Fabrègas em zona central com o primeiro a ser demasiado lesto dentro da área. O talentoso médio ofensivo do Barcelona tentou adornar o lance e acabou saneado com um impiedoso corte de Kompany. Pelo meio, os homens de Tata Martino reclamaram uma bola no braço de Clichy em cuja repetição oferecida pelo realizador da transmissão televisiva não consegui descortinar o nível de intencionalidade. O primeiro remate do Barcelona seria executado aos 31″ por Lionel Messi à entrada da área, sem grande perigo para a baliza de Joe Hart. No minuto seguida, Xavi apareceu bem a rematar de meia distância para defesa a dois tempos do internacional inglês. A bola disferida do maquinal pé direito do centrocampista espanhol levava bastante efeito.

Sem ala direita – Até à primeira meia-hora de jogo as equipas funcionaram muito pouco pela ala direita. Zabaleta limitava-se a defender as investidas de Iniesta pelo flanco esquerdo enquanto Jesus Navas passava por completo ao lado do jogo. Do outro lado, Kolarov e Clichy cumpriam os propósitos incutidos por Pellegrini ao dar muito trabalho defensivo a Daniel Alves. À semelhança de Navas, Alexis Sanchez também passava ao lado da partida.

Cerebrais – David Silva de um lado, Iniesta do outro. O primeiro fez uma exibição fenomenal durante toda a partida. Rápido de processos, simples pensou, simples executou. Foi ele que fez girar todas as investidas dos citizens na partida. O segundo tentou neste primeiro tempo acelerar o jogo do Barcelona. Quando o fez, conseguiu desequilibrar. Tentou por várias vezes solicitar Messi no centro do terreno. Martin Demichelis podia dizer que na primeira parte meteu la pulga completamente no bolso. Na segunda parte, borrou a pintura toda com a grande penalidade cometida sobre o argentino. Nas raras vezes em que o argentino pegou a bola no centro como gosta e conseguiu executar as suas rápidas arrancadas, preferiu jogar para as alas em vez de tentar o remate. Não conseguiu acrescentar valor ao jogo ofensivo da equipa.

Ao intervalo o 0-0 justificava-se apesar da única oportunidade de golo ter pertencido ao Manchester City.

Nos balneários, Pellegrini deverá ter pedido mais (e mais rápida) circulação de bola aos seus jogadores. Nos primeiros 3 minutos da segunda parte, os citizens aceleraram a circulação de bola e não deixaram os jogadores culés tocar na redondinha. O jogo transversal de flanco a flanco que os citizens tentaram fazer no arranque da 2ª parte estava a ser interessante pelo prisma da circulação, mas, em contrapartida, estava a ser pouco vertical e pouco objectivo.

messi

Cansados de ver a equipa de Manchester circular de flanco a flanco, os catalães trataram de recuperar o esférico e ensinar como se faz: Messi pegou na batuta na zona central e acelerou o jogo. Aos 49″ serviu Cesc Fabrègas na esquerda (rodou posicionalmente com Iniesta no início do 2º tempo) mas o seu colega de equipa não conseguiu dominar bem a bola.
Aos 52″ iria dar-se um dos momentos do jogo: Jesus Navas perdeu para Sérgio Busquets no meio-campo ficando a reclamar falta junto do sueco Jonas Erikson. Andrés Iniesta pegou na bola, acelerou, viu Messi a ganhar as costas de Demichelis pela primeira vez na partida e colocou a bola na perfeição para a desmarcação do seu colega de equipa. Tendo perdido em velocidade para o seu compatriota, o antigo central do Bayern de Munique e Málaga não teve outra acção senão rasteirar o jogador do Barcelona. Jonas Erikson viu e apontou para a marca de grande penalidade. De seguida, dirigiu-se a Demichelis e expulsou justamente o argentino. Na repetição da jogada, apercebi-me que Navas tinha razão: Busquets atingiu o extremo espanhol com o joelho.
Na marca de onze metros, o argentino esperou que Joe Hart se balanceasse para o lado esquerdo para aplicar um subtil remate para a zona central. Estava inaugurado o marcador no City of Manchester.

A perder por 1-0, Pellegrini viu-se obrigado a colocar temporariamente Fernandinho a central. 5 minutos depois haveria de efectuar as primeiras substituições do jogo ao tirar Kolarov para a entrada de Joleon Lescott e Navas para a entrada de Nasri. A entrada do jogador francês iria dar mais velocidade e objectividade ao jogo dos citizens.

A ganhar por 1-0, a equipa de Tata Martino tentou de congelar o ritmo de jogo com o seu habitual jogo de contenção. A equipa de Manchester acusou o golo nos minutos que se seguiram. Com alguns passes falhados em zonas proibidas, os citizens não conseguiam articular de forma adequada as suas transições. Seria sol de pouca dura. Aos 61″ David Silva solicitou Nasri na direita. Com o seu toque de classe, o francês tirou Jordi Alba do caminho, deu para Alvaro Negredo na zona central e foi receber o toque de calcanhar do avançado à entrada da área. Tentou o remate de primeira mas a bola seria bloqueada por Mascherano. Na repetição, vi que Fernandinho aparecia desmarcado a pedir bola dentro da área. Se o francês tivesse agido com mais calma e tivesse endossado a bola ao seu colega de equipa, poderia estar aqui a escrever a jogada do golo do empate do Manchester City. Na rapidez do lance, optou pela tentativa de remate.

Depois desta investida do Manchester City, apercebendo-se do risco que corriam caso os citizens tentassem partir o jogo e subir no terreno, os jogadores do Barça voltaram a congelar o jogo. Aos 66″ Daniel Alves deu para o meio onde apareceu Xavi a rematar novamente, desta vez por cima da baliza de Joe Hart. No minuto seguinte, os dois voltaram a tabelar no flanco direito com o veteraníssimo centrocampista a desmarcar o brasileiro na cara do guardião inglês. Dani Alves chutou cruzado com a bola a rasar o poste da baliza de Hart.
O jogo estava aberto. Aos 69″ ao receber no miolo, David Silva viu que não tinha grandes linhas de passe. Vindo num enorme pique de velocidade pela esquerda, Clichy recebeu o passe, arrancou pela esquerda mas não conseguiu melhor do que um cruzamento para as mãos de Valdés.

73″ – Entra Neymar para o lugar de Alexis Sanchez. Ao princípio, o brasileiro vai-se posicionar na direita do ataque do Barcelona. Pellegrini coloca Dzeko em campo no lugar de Negredo de forma a poder autorizar a equipa a efectuar um jogo mais directo. A equipa de Manchester voltou a cerrar os dentes quando aos 76″ a bola vai do flanco esquerdo ao flanco direito. Zabaleta dá de primeira para a entrada de David Silva na área na zona central e o jogador espanhol mata a bola no peito e remata forte para defesa de Victor Valdés. Lance belíssimo de futebol. Nesta fase do jogo, o empate justificava-se pelo empenho demonstrado pelos jogadores de Pellegrini em inferioridade númerica, em particular de Fernandinho, um autêntico pulmão no meio-campo dos homens de Manchester.
O remate de Silva seria o último suspiro da equipa inglesa na partida.

O Barça voltaria a puxar os cordelinhos e a aplicar a sua receita: a equipa culé ameaçou quando Messi se desmarcou novamente nas costas dos centrais do City e pecou na cara de Joe Hart ao passar a bola para… Gerard Piqué, o novo 9 da equipa catalã! O assistente de Jonas Erikson haveria de assinalar (mal) offside ao argentino. Nos minutos finais, da ameaça, a equipa catalã concretizou quando Daniel Alves sentenciou a partida (e quiçá a eliminatória) para gaudio dos milhares de adeptos blaugrana que viajaram de Barcelona até terras de Sua Majestade.

Como diz o povão, vai ser necessário ao Manchester City suar as estopinhas todas no jogo de Nou Camp para conseguir a remontada.

 

 

não estou contra o Borba #1

Eu e o João Borba temos conversas bastante profundas. Sobre gajas, carros e futebol. Entre outras cenas que não lembram ao diabo como a discussão que tivemos acerca das razões que levaram à morte do filosofo Calígula.

Na conversa de hoje chegámos à conclusão que não percebemos o que é que Sérgio Busquets anda a fazer em campo: Se o Barcelona tratou de despachar Yayá Touré com o argumento de que o costa-marfinense não ia encaixar no sistema de jogo, facto que se constitui desde já como uma falácia. Se Pep Guardiola encostou Javier Mascherano a central com o argumento de que o argentino iria perder resistencia com o avançar da idade e de que teria outras características adequadas aquilo que se pretendia da posição de central como a sua capacidade de desarme e a facilidade com que, a partir da defesa pode sair a jogar e assim iniciar a transição ofensiva da equipa. Se Busquets é o trinco da equipa e não participa de forma regular nos processos ofensivos da equipa, limitando-se a passar a bola a Xavi quando participa. Se Mascherano é efectivamente o primeiro jogador a sair ao portador da bola quando a equipa contrária se encontra a jogar em contra-golpe, que raio é que Busquets anda a fazer dentro de campo?