Superbock! Fresquinha! #94

Continuo a acreditar que as suspensões do Conselho de Disciplina da FPF a presidentes de clubes por declarações ofensivas valem o que valem: um balde de pipocas e mais uns euros para os cofres da FPF. Não é o caso da suspensão aplicada ao presidente do FC Porto. Falou e falou muito bem. A arbitragem de Rui Costa no jogo contra o Estoril na amoreira foi do mais nojento que vimos durante esta temporada.

Anúncios

Superbock! Fresquinha! #91

Agora finalmente consigo compreender as declarações de Pinto da Costa quando este afirmava que Ricardo Quaresma “Tem é de aprender que há gente no futebol que é indigna de lá estar e tenta perturbar o adversário com insultos dos mais soezes”

1.Os indignos contradizem-se. Se bem que metade do que o dito senhor diz é algo imperceptível. Se há intenção, há dolo. O dolo é indissociável da intenção. Vamos a um caso prático: se eu tiver intenção de assassinar alguém, tenho intenção de causar dolo a terceiros. A intenção é tão punível quanto o dolo. Chama-se homícidio culposo, estando o crime previsto na lei. A analogia não é forçada, é realista.

2. O interessante das declarações: aumentaram o número de Unidades de Conta na multa aplicada. Realmente, tal sanção aplicada é de facto “o mais interessante” da decisão do Conselho de Justiça da FPF. Vai de encontro à estratégia geral do presidente da FPF para o organismo e para o futebol português: aumentar a receita, encher os cofres da federação. Nada mais, nada menos que isso. O que equivale por outro lado a dizer que a partir de hoje existem regras diferentes daquelas que estão estabelecidas, servindo os regulamentos para limpar o cú quando não há papel higiénico nos estádios.

Superbock! Fresquinha! #90

1. Notícia de Última hora: O Conselho de Justiça da FPF deu razão parcial ao Sporting no recurso apresentado quanto à decisão do Conselho de Disciplina na FPF no caso do atraso do FC Porto no jogo da Taça da Liga contra o Marítimo mas manteve a decisão desportiva tomada pela câmara baixa jurisdicional do referido órgão. O FC Porto passa às meias-finais da prova. A multa foi aumentada para cerca de 3 mil euros. Nada que não fosse esperado em Alvalade. O próprio presidente do Sporting já tinha declarado publicamente que não esperava que a decisão revertesse a favor dos argumentos apresentados pelo emblema leonino.

Creio que não preciso de adicionar mais nenhum comentário aqueles que teci nesta mesma série de posts sobre o caso.

 

2. A tal senilidade que o presidente do Sporting falava na semana passada.

Pinto da Costa 4

Nos últimos meses temos vindo a constatar que algo mudou no reino do Dragão. E não, a mudança não foi executada apenas ao nível da administração com a saída do incompetente Angelino Ferreira. As artimanhas, os esquemas de comunicação, de intimidação e de chantagem para usufruto e defesa dos interesses colectivos da entidade e até as piadas contra o presidente do Benfica mudaram. Subitamente. Se antigamente, no dito poiso de biltres do calíbre mais ordinário da história do futebol português, para se chegar ao objectivo A, usavam-se B e C, ou seja, para se atingirem certos objectivos necessários à defesa dos interesses do clube, utilizavam-se uma data de esquemas para a prossecução desse mesmo objectivo, actualmente, no seio de Dom Jorge Nuno e seus pares, reside uma tal de senilidade, chata, bacoca, ridícula.

Trocando por miúdos: se o Deco era castigado, plantava-se uma notícia no Jogo a afirmar que o Deco renunciava automaticamente à convocatória para o Euro 2004 caso fosse castigado. Se o árbitro era x, pedia-se ao Valentim para dar um toque à arbitragem para vir o árbitro y. Se certo jogador de clube rival não era castigado pela arbitragem pela atitude z, c fazia questão de mandar uns berros ao Valentim para se mexer de maneira a instaurar imediatamente um sumaríssimo. Se o Mourinho rasgava camisolas, a culpa era do roupeiro, do atrasado mental do Paulinho (com todo o respeito pela enorme dignidade que o nosso roupeiro tem). Se o Benfica perdia campeonatos em casa e tratava de ligar o sistema de rega para evitar os festejos dos jogadores do Porto, o Benfica precisava de contratar um canalizador para descobrir o furo… e por aí adiante. Sempre que Jorge Nuno Pinto da Costa ia às casas do clube, a cabeça do presidente do Benfica inchava que nem um melão.

Volto ao início: algo mudou. A desculpa esfarrapada do atraso provocado por Fernando no jogo contra o Marítimo colou porque o sistema domina os órgãos federativos. Bruno de Carvalho apelou aos sócios e adeptos do Sporting para se insurgirem e como bom filho de gente que sente decidiu queixar-se à UEFA e à FIFA sobre as arbitragens realizadas nos jogos do Sporting bem como instaurar um processo judicial junto das entidades judiciais civis (direito que a lei confere a todas as pessoas singulares e colectivas quando se sentem lesadas por algo ou por alguém). Para as “esburacadas” contas no Reino do Dragão (necessitadas da qualificação para a Champions da próxima temporada pelos motivos óbvios) tais movimentações protagonizadas pelo presidente do Sporting em benefício dos interesses do clube que dirige (se bem que o presidente do Sporting já foi altruísta o suficiente para apresentar propostas que visam a alteração de alguns dos pressupostos basilares do futebol português de forma a torná-lo efectivamente mais justo, mais equalitário e mais atractivo) soaram como uma forma de “coacção factual e coacção na sua forma tentada”.

A prova dos 9 em relação a tudo aquilo que escrevi nas últimas linhas veio da boca do presidente do Porto hoje a propósito da cena lamentável protagonizada por Quaresma no domingo. Jorge Nuno Pinto da Costa teve a nojice (desculpem mas não encontro outro termo) de relacionar a cena protagonizada pelo extremo no domingo com meia dúzia de suposições vindas do reino da teoria da conspiração que em nada abonam para justificar a falha humana protagonizada pelo jogador.

“Sou contra todo e qualquer ato racista e sei o que levou o Quaresma a momentaneamente ficar muito exaltado. Qualquer um ficaria nas mesmas condições. Tive o cuidado de ver pela televisão, que acompanhou sempre o Quaresma, de verificar que ele não agrediu ninguém e apenas quis responder a quem o insultou e portanto dou aqui a minha solidariedade ao Ricardo Quaresma. Tem é de aprender que há gente no futebol que é indigna de lá estar e tenta perturbar o adversário com insultos dos mais soezes”

Vamos por partes.

Em primeiro lugar, será que o egípcio Gomaa, residente em Portugal há cerca de 3 meses, já aprendeu de forma substantiva a língua e a cultura futebolísta portuguesa para, num laivo de loucura, insultar pejorativamente Ricardo Quaresma de “cigano”?

Segundo, se efectivamente Gomaa utilizou o termo “cigano” para provocar o extremo do Porto, pode-se dizer que o jogador está a ser insultado quase diariamente visto que toda a imprensa da especialidade (desde o comum redator do jornal diário até ao comum relatador radiofónico) escreve\diz constantemente a alcunha pela qual é conhecido nos meandros do futebolês o jogador do FC Porto.

Terceiro: Quaresma não agrediu ninguém. Porque um batalhão de gente impediu que agredisse. Nestes casos, a lei não pune o acto consumado. Pune quem tem intenta agredir.

Quarto : para que é que a selecção tem que ser chamada para a conversa? Na minha opinião, Ricardo Quaresma está a jogar o suficiente para ser convocado para a selecção. Está a fazer uma excelente 2ª metade da época. É indiscutivelmente o único jogador do Porto capaz de desequilibrar ofensivamente. Mas não foi chamado à selecção. Porque o seleccionador nacional não teve a mesma opinião que eu. Quer Pinto da Costa queira, quer não queira, quem tem o poder de convocar o jogador é o seleccionador nacional.

Quinto: A quem se refere o presidente do Porto com esta frase: “Tem é de aprender que há gente no futebol que é indigna de lá estar e tenta perturbar o adversário com insultos dos mais soezes” – será que o presidente do FC Porto se refere ao pobre jogador Gomaa do Nacional, recentemente chegado à Liga Portuguesa?

Sexto: Por muitos contentes se deviam ter dado os dirigentes do FC Porto. Que eu saiba, as regras do jogo mandam o árbitro sancionar com o cartão vermelho durante o tempo útil de jogo todo o jogador que tenha intenção de agredir outro jogador ou um agente devidamente identificado assim como sancionar esse mesmo jogador quando este consume ou manifeste intenção de agredir terceiros nos minutos posteriores ao fim do jogo bem como mencionar a ocorrência no relatório de jogo. Se os relatórios dos árbitros fossem tornados públicos, saberíamos se João Capela o fez. Se não o fez, a Comissão de Análise de Arbitragem do Conselho de Arbitragem da FPF tem por ofício lançar um processo de avaliação à omissão do árbitro em questão.

frase do dia

FUTEBOL - Bruno de Carvvalho Presidente do Sporting Clube de Portugal

«Há pessoas que não deixam de me surpreender. Por vezes damos uma conotação negativa mas a senilidade, quanto mais a conheço, mais abrangente e maravilhosa é. Não deixa de ser altamente frutuosa na sua imaginação» – Bruno de Carvalho, em reacção à queixa entreposta pelo FC Porto junto do Comité de Instrução e Inquéritos da Liga.

Superbock! Fresquinha! #87

superbock

Se assim o é, a lógicas perguntas que faço são: onde é que foi gasto tanto dinheiro? Porque é que o FC Porto SAD continua a apresentar um passivo acima dos 3 digitos de milhões de euros se, teoricamente, com orçamentos anuais de 60 milhões de euros desde a contabilização destas receitas, só as receitas das transferências chegavam para custear os orçamentos anuais da SAD? Se por um lado a esse valor deverão subtrair-se os valores liquidos pagos a empresários, a terceiras partes detentoras de passes de jogadores, a empresários e a bancos que intermediaram negócios, caso do BMG, por outro lado a receita do Porto não se cinge apenas à venda de jogadores (direitos televisivos, receitas da UEFA, receitas de bilhética, merchandizing, sponsorship, quotização de associados, outras receitas que renderam nos últimos exercícios declarados cerca de 35 a 40 milhões de euros) assim como se deve considerar que o orçamento anual estabelecido poderá ter desvios.

Existem muitas mas mesmo muitas rubricas muito dúbias nos relatórios de contas que são apresentados pela SAD portista. Mais dúvidas tenho quando tento aferir a veracidade de algumas. Não considero possível que um clube que teve tudo nos últimos anos para ser um dos mais ricos do mundo, não só tenha um passivo consolidado de 212 milhões de euros por abater como ainda apresente resultados semestrais (primeiro semestre da temporada 2013\2014) negativos de 30 milhões de euros.

Há uns meses atrás, levantou-se um celeuma na comunicação social relativmente à mentira de Godinho acerca do real valor dispendido nas aquisições de Elias e Labyad. Mais milhão, menos milhão, mais um pai-observador (no caso do holandês) menos um pai-observador (fícticio) a Godinho Lopes pode ser imputada a culpa por omissão: inseriu as rubricas nos relatórios de contas mas mentiu aos associados do Sporting da forma mais descarada possível. Porém, quem analisar estes relatórios de contas do FC Porto fica claramente com a sensação que existe mais vida para além da Torre das Antas. Boas vidas!

Superbock! Fresquinha! #85

1. O golo de Bebé na vitória do Paços sobre o Arouca na Mata Real.

2. Não sei se é impressão minha ou se foi mesmo uma realidade: à 24ª jornada tivemos uma jornada quase perfeita ao nível da arbitragem. Ou seja, sem que um único jogo da jornada tivesse a influência directa da arbitragem no desfecho final da partida. Até ao penúltimo jogo da ronda no Dragão e aos momentos concretos nos quais Mangala deu a fruta que deu na primeira parte do jogo frente ao Belenenses (chegando a agredir um adversário com uma barbara cotovelada) sem que Carlos Xistra tenha visto. Creio mais que Carlos Xistra viu mas fingiu não ver… Sei que anda por aí um estratagema…

Sorteio da Champions e da Liga Europa

CL

Quartos-de-final

Nesta fase da prova pode-se dizer que quem chegou até aqui, tem capacidades para eliminar qualquer adversário. Os quartos-de-final desta prova são, na minha opinião, a eliminatória mais espectacular da mesma. Basta recordar por exemplo a espectacularidade que eliminatórias como Galatasaray vs Real Madrid ou Borussia de Dortmund vs Málaga deram na edição do ano passado, com reviravoltas quase imprevisíveis, uma delas consumada, no caso do Dortmund.

road to lisbon

Com a final de 24 de Maio no horizonte, no Estádio da Luz, os quartos-de-final trazem-nos 4 excitantes eliminatórias:

  • Barcelona vs Atlético de Madrid
  • Real Madrid vs Borussia de Dortmund
  • Paris Saint Germain vs Chelsea
  • Manchester United vs Bayern de Munique

Exceptuando a eliminatória que vai opor os Red Devils ao Bayern de Munique (não creio que o United tenha de todo bagagem suficiente para eliminar a equipa bávara), todos os restantes jogos são jogos de tripla.

Barcelona vs Atlético de Madrid

Missão espinhola para os catalães. As duas equipas espanholas, respectivamente 2ª e 3ª na actual classificação da La Liga (o Barcelona poderá recuperar a 2ª posição amanhã caso vença o Real no Bernabeu e caso o Atlético escorregue frente ao Bétis no Benito Villamarin ou o Atlético poderá ser o maior beneficiário de uma vitória culé em Madrid, ascendendo à 1ª posição em igualdade de pontos com a equipa de Cristiano Ronaldo) farão, para a Champions, o 4º e 5º embate da temporada. Faltando um jogo por disputar (na 38ª e última jornada da Liga Espanhola, jogo que poderá ser decisivo para as aspirações ao título de ambas as equipas se ali chegarem em condições de se sagrarem campeãs), o saldo de confrontos realizados por estas duas equipas augura bastante equilíbrio para a eliminatória europeia. Nos dois jogos realizados para a Supertaça Espanhola em Agosto, ambas as partidas redundaram em empate (1-1 no Vicente Calderón e 0-0 em Nou Camp), acabando por vencer o troféu a equipa de Tata Martino em virtude do golo marcado em Madrid. Nessa altura, as fantásticas exibições demonstradas pela equipa de Simeone, os primeiros jogos sem Falcão, anunciavam, ao contrário do que previa com a saída do colombiano para o Mónaco, um Atlético de Madrid diferente, capaz, em muitos anos de lutar pelo campeonato espanhol. Para o campeonato, no Vicente Calderón, um novo empate a zero bolas na 19ª jornada confirmou novamente o equilíbrio.

Dois estilos diferentes. O tiki-taka do Barcelona (bastante mais atacante e com menos contenção de bola, na era Tata Martino) frente à retranca inteligente de Simeone. Uma equipa que gosta de circular bola e capitalizar todos os erros defensivos das equipas contrárias, apostando ora nos desequilíbrios que Messi consegue efectuar pelo centro do terreno, conseguindo jogar sempre no limite (ou tira o adversário com um toque subtil quando este está perto de desarmar ou fazer falta, ou consegue enfiar as bolas para as costas da defesa no limite do desarme), ora pelos desequilíbrios que Iniesta e Neymar conseguem fazer pelas alas\alas-centro do terreno no caso de Andrés Iniesta. Se o brasileiro consegue trocar as voltas aos adversários com o seu drible desconcertante, o centrocampista titular da selecção espanhol é um 10 em 1 ao nível de soluções de jogo, graças ao seu poder de aceleração, ao seu drible rasgado, às movimentações que habitualmente faz para o interior da área de forma a aparecer em zona de finalização e à fantástica visão de jogo que possui. Iniesta é para mim o médio mais completo da actualidade do futebol mundial.

Já o Atlético de Madrid possui 3 características muito preciosas que podem irritar a equipa catalã:

  • O seu equilíbrio, organização e posicionamento defensivo. Uma equipa tendencialmente a defender com 9 atrás da linha da bola, bem organizada, com linhas muito juntas, a não dar espaços para jogar e com uma dupla de centrais (Miranda e Godin) quase sempre irrepreensível no desarme tanto pelo chão como pelo ar.
  • Se há coisa que os jogadores do Barcelona odeiam é não ter bola nos pés. A inteligência do meio-campo de Simeone (Gabi, Koke, Arda Turan, Raul Garcia) é capaz de retirar a posse a qualquer equipa e irritá-la profundamente com a sua contemporização de jogo quando a equipa necessita de travar o ímpeto do adversário e acelerar o jogo quando convém (o Atlético é a equipa com melhor contragolpe na Europa neste momento).
  • Um autêntico quebra cabeças na frente. Diego Costa “come o cérebro a qualquer central” – Piqué e Mascherano terão muitas dificuldades para travar o brasileiro. Este deverá “picar-se” com o argentino para “lhe fazer saltar a tampa” – com alguns, o brasileiro agora naturalizado espanhol conseguiu tirar os devidos frutos das picardias armadas. Com outros, como o caso de Pepe e Arbeloa, o “colchonero” saiu muito mal na fotografia.

Aposto numa eliminatória muito equilibrada, com direito a prolongamento no jogo da 2ª mão.

Real Madrid vs Borussia de Dortmund

lewandowski

Reedição da eliminatória das meias-finais da edição da temporada passada.

As condições estruturais actuais das equipas inverteram-se em relação às condições estruturais existentes em Abril do ano passado. Enquanto por um lado, o Borussia de Dortmund vivia o expoente da era Klopp, em Madrid, o egocentrismo de José Mourinho, com o treinador português já planear a fuga antecipada ao contrato assinado com Florentino Perez, minava por completo o balneário merengue (as tricas com Sérgio Ramos e Iker Casillas; a conturbada relação do setubalense com a imprensa espanhola) e a equipa, no rectângulo de jogo, não correspondia minimamente ao seu talento, vivendo quasi dos momentos de génio de CR7. Nas meias-finais da prova, o futebol objectivo do Dortmund, bem construído por Reus e Gotze (entretanto vendido ao Bayern) e bem finalizado por Robert Lewandowski (o primeiro reforço dos Bávaros para a próxima época) redundou numa derrota copiosa de Mourinho na eliminatória, com o polaco a assumir o papel de carrasco no jogo da primeira mão no Westfallen Stadium com um fantástico póquer na vitória por 4-1 dos germânicos. O tardio 2-0 dos espanhóis na 2ª mão foi insuficiente para sonegar a final à equipa de Jurgen Kloop.

Hodiernamente, os papéis inverteram-se. Carlo Ancelotti venceu o desafio Madrid e a equipa respira uma suprema confiança. Lidera a Liga com 4 pontos de vantagem e pode até, amanhã, arredar definitivamente o seu maior rival (Barcelona) da luta pelo título caso vença a equipa de Tata Martino no jogo do Santiago Bernabéu. O target-man do futebol merengue continua e continuará a ser (enquanto permanecer em Madrid) Cristiano Ronaldo. Contudo, a equipa ganhou colectivo e inteligência com Ancelotti. É indiscutível negar neste momento que o italiano não tenha devolvido a Madrid o bom futebol e a ambição que a história do clube, per se, exige a quem o representa. Com um meio campo extremamente inteligente e talentoso (Modric, Xabi Alonso, Isco, o lesionado Khédira) e com um ataque poderosíssimo e em excelente forma (Di Maria, Gareth Bale, Cristiano Ronaldo, Benzema, Morata, o lesionado Jesé Rodriguez) a equipa de Madrid, consegue, ofensivamente, praticar um futebol total com um leque vastíssimo de soluções e mecanismos de jogo, com epicentro na construção de Modric e Alonso, objectivo na finalização ora por parte de Ronaldo ou Benzema e meio na criatividade de Isco, Di Maria e Gareth Bale (o primeiro pelo centro, os segundos tanto pelo centro como pelas alas) através de processos muito simples e objectivos.

Em Dortmund, chegou ao fim a 1ª era Klopp. Creio que com a saída de Lewandowski no Verão, outros que tem acompanhado Jurgen Klopp nestes últimos 4 anos lhe irão seguir os passos. O futebol alemão é mesmo assim. Tirando o Bayern (a equipa mais regular nos últimos 20 anos de Bundesliga), os restantes grandes do futebol alemão (Estugarda, Hamburgo, Borussia de Dortmund, Schalke 04) vão vivendo fases boas e fases menos boas. As fases dependem de muitos factores: do dinheiro existente para investir numa equipa competitiva (relembro que na Alemanha todas as transferências tem que ser pagas a pronto), dos talentos que vem da formação dos clubes, das apostas que os clubes vão fazendo na sua política de transferências e nas apostas feitas com determinados treinadores. Relembro por exemplo que quando Jurgen Klopp foi contratado em 2008\2009, a meio de mais uma crise financeira do clube, os responsáveis do Dortmund estavam longe de imaginar que Klopp, um indivíduo com uma modesta carreira enquanto futebolista e até então treinador de um modesto clube da Bundesliga 2, o FC Mainz (clube que agora tem aspirações europeias na Bundesliga) seria capaz de pegar em meia dúzia de veteranos e meia dúzia de jovens com algum talento (Schmelzer, Grosskreutz, Hummels, Subotic, posteriormente Mario Gotze, Lewandowski, Lukasz Piszczek, Sven Bender, Nuri Sahin) e tornar a equipa bicampeã alemã em 2010\2011 e 2011\2012 e finalista europeia em 2013.

Com a saída de Gotze a equipa tornou-se bastante irregular. A batuta mudou para o criativo da equipa, de nome Marco Reus. É dos pés do antigo jogador do Borussia de Moenchagladbach que sai grande parte do perigo ofensivo desta equipa. O Dortmund joga a época nestes quartos-de-final. A continuidade na Champions poderá devolver o sonho europeu aos adeptos do clube e poderá salvar uma época desastrosa na Bundesliga. O dinheiro da Champions poderá garantir à equipa alemã um poderio financeiro capaz de relançar internamente a equipa na próxima temporada através da contratação de 2 ou 3 reforços de qualidade para as posições chave onde a equipa apresenta alguma carência (as alas e a frente do ataque com a saída de Lewandowski; Pierre Aubemeyang é um jogador talentoso mas não correspondeu minimamente às expectativas fantasiadas pela estrutura do clube aquando da sua contratação).

Uma eliminatória de encaixe homem-a-homem

  • Hummels e Subotic terão a missão de travar as movimentações de área de CR7. Cristiano Ronaldo não poderia ter melhor desafio pela frente visto que a dupla de Dortmund é uma das melhores duplas de centrais da Europa.
  • Schmelzer irá travar um excelente confronto com Gareth Bale. O lateral alemão adora atacar. O galês não pára de atacar. É com esta dupla missão que o alemão entrará em campo: ser profícuo a travar o galês e ser capaz de ir lá à frente executar os seus venenosos cruzamentos.
  • Marcelo vs Kuba – A ofensividade total do brasileiro contra a ofensividade total do polaco.
  • Na batalha de meio-campo, um churrilho de estrelas: Gundogan e Henrik Mkhitaryan contra Luka Modric e Xabi Alonso. 4 grandes tecnicistas. O turco é o único músculo de meio-campo destes se bem que o Croata está sempre em alta-rotação.
  • Lewandowski vs Pepe – O internacional português sabe o quão é difícil parar o polaco quando este embala em drible ou quando este consegue desmarcar-se na área. Não lhe poderá dar nenhum espaço. Com 1 centimetro de espaço, Lewandowski faz estragos.
  • Marco Reus – O joker. É um dos jogadores que mais adoro na actualidade. Completíssimo: capacidade de passe, visão de jogo, fantástico remate de meia distância, inteligência, poderoso no contragolpe. Em dia sim, vence um jogo sozinho.

Prevejo uma eliminatória equilibrada e uma vitória madrilena no final.

PSG vs Chelsea

O Cavalão vs O Cavalinho

Mourinho é o cavalinho. Blanc é o cavalão.

Mourinho entra sem pressão (já a retirou toda a pressão da equipa no que a esta época concerne quando afirmou que estava a construir uma equipa para vencer tudo no próximo ano) mas o que é certo é que apesar das suas constantes declarações, este Chelsea arrisca-se a vencer o campeonato e a Champions.

Laurent Blanc entra com pressão. O proprietário do clube parisiense dotou o antigo seleccionador francês de um plantel de sonho, bem recheado em todas as posições do terreno, para, dominar de forma avassaladora a Ligue 1 e conquistar o título europeu nesta ou na próxima época. ” O Nosso projeto ainda está em construção, mas a nossa ambição é ganhar a Champions League” – afirmou Blanc. Uma construção desmedida, um onze de sonho e muitas soluções no banco de suplentes: de Yohan Cabaye ao mago Lucas Moura, passando pelo rapidíssimo Lavezzi ou pelo tecnicista Verrati.

Batalha de meio-campo – Muito talento em ambos os conjuntos – Matic, Hazard, William, Lampard, Mikel, Oscar, Ramires de um lado. Thiago Motta, Marco Verrati, Cabaye, Matuidi, Pastore do outro. Todas estas soluções garantem força, pulmão, assertividade no passe, inteligência, visão de jogo e criatividade, muita criatividade, em particular, quando falamos de Eden Hazard, o verdadeiro mago desta equipa do Chelsea. Se bem que Oscar é um jogador que me agrada pela simplicidade de processos, pela rapidez que incute na equipa atráves do seu rápido pensamento de jogo e pela rapidez com que, recebendo a bola no meio-campo, não inventa, não engonha e quase sempre consegue descobrir uma excelente solução para dar continuidade à jogada.

Referências de ataque de sonho – Maior pendente para o PSG com Cavani e Ibra. Dois killers. Samuel Eto´o aparece em grande forma nesta temporada, tendo sido decisivo no jogo contra o Galatasaray e noutros desafios domésticos da equipa de Mourinho. Fernando Torres tem por seu turno a estrelinha de campeão. Quando entra, nos minutos finais, costuma ser decisivo. Assim o foi contra o Barcelona há 2 anos e contra o Benfica na final da Liga Europa do ano passado.

O duelo entre PSG e Chelsea será para mim o mais espectacular, futebolisticamente falando.

Manchester United vs Bayern de Munique

champions

O confronto mais desequilibrado destes quartos-de-final. Em breves palavras: à passagem da meia-hora da primeira mão tudo poderá estar decidido. A equipa de Guardiola decide, esmaga, humilha e no final sorri e agradece ao generoso público afecto. David Moyes deverá ter visto o purgatório e o inferno nas bolinhas do sorteio quando se apercebeu que irá defrontar o campeão europeu. Com um plantel desequilibrado, com a moral em baixa, e com uma equipa que neste momento pratica um futebol sem nexo, desligado entre sectores, pouco pressionante defensivamente, as hipóteses deste Manchester eliminar o campeão europeu são quase nulas. Os laivos de genialidade de Robin Van Persie atenuaram por completo uma eliminatória em que os gregos do Olympiacos mereceram mais mas foram muito perdulários no jogo de Old Traford. O mesmo não se irá passar nesta eliminatória: a equipa de Guardiola é absolutamente letal. Cada tiro, cada melro.

 

Liga Europa

Carlos Bacca

Porto vs Sevilla

Ainda no rescaldo de Napoli. Nunca pensei que este Porto fosse capaz de tamanha proeza. Mérito de Luis Castro, demérito da equipa Napolitana. O Porto segue para a casa de partida. Ou melhor, para um das casas de partida: Sevilla. Sanchez Pizjuan, o mítico estádio da capital Andaluz onde o Porto de Mourinho conseguiu o seu primeiro triunfo na competição, na altura, ainda denominada como Taça UEFA, naquele jogo de loucos frente ao Celtic de Glasgow de Henrik Larsson.

O Sevilla não era a equipa mais forte a sorteio. A Juventus e o Benfica seriam adversários muito mais fortes que a equipa sevilhana.

Vinda de uma eliminatória difícil contra o rival Bétis (derrota em casa por 2-0, vitória mesmo ao lado no Benito Villamarin por 2-0 com o triunfo na eliminatória a ser obtido na marcação de grandes penalidades) o Sevilla, actual 7º classificado da Liga Espanhola é uma equipa, no mínimo, inconstante. É uma capaz do pior e do melhor num curto espaço de tempo.

O Porto irá reencontrar Beto. O português é o titular da baliza sevillana e está na equipa andaluz em definitivo depois de ter cumprido a segunda metade de 2012\2013 por empréstimo do FC Porto. À sua frente Beto tem uma defensiva agressiva mas bastante inconstante. Tanto Federico Fazio, como Javi Navarro como Dani Pareja são centrais que conseguem executar uma boa marcação (a Jackson e Ghilas) usando e abusando do físico. Contudo são dois centrais muito instáveis ao nível exibicional, cometendo bastantes falhas. Nas alas jogará o português Diogo Figueiras (o tal desconhecido que o Sevilla veio buscar ao Paços de Ferreira). O português é um lateral bastante ofensivo e faz boas combinações com os jogadores que actuam na direita (Reyes, Perotti). Na esquerda estará Alberto Moreno, uma das estrelas da equipa. Equilibrado, é certinho a defender e a atacar. Se Luis Castro colocar Quaresma na direita, Moreno tem capacidade para estancar aquele que neste momento é o jogador que cria mais perigo na equipa do Porto.

No meio-campo Unay Emery tem apostado mais (quando digo apostado mais, quero com isto dizer que Emery não costuma apresentar um onze base e por norma faz rodar imenso o plantel) num meio-campo composto por Carriço a trinco (esse mítico) Ivan Rakitic na construção de jogo (é o cérebro da equipa) José António Reyes numa ala, Perotti na outra, Marko Marin ora no centro na criação de jogo ora no flanco direito, e um ataque composto ou por Carlos Bacca (sozinho) e Kevin Gameiro ou por Carlos Bacca e Jairo Samperio mais recuado nas suas costas, ou por Carlos Bacca e Vitolo nas suas costas, papel onde se sente claramente mais à vontade como tecnicista que é.

De onde é que vem o perigo deste Sevilla?

  • De Rakitic. É o motor desta equipa espanhola. Joga e faz jogar. Sem o croata, os sevilhanos não conseguem ser objectivos no seu jogo ofensivo.
  • De Carlos Bacca. Jackson conhece-o bem porque são companheiros de selecção. Mortífero. Acrobático. Fortíssimo nas movimentações de área. Mangala, Maicon, Reyes ou Abdoulaye não lhe poderão dar um milímetro. Transforma uma bola morta em golo.
  • De Kevin Gameiro. Menos efectivo que Bacca mas o luso-francês também é um homem de área.
  • De Reyes. Numa bola parada, num cruzamento, espeta a bola na área e assiste com pinta um dos seus companheiros
  • De Marco Marin. O alemão está a subir de rendimento nesta parte final de temporada. Quando mete o turbo, é menino para individualizar, sacar 2 ou 3 adversários da frente e construir uma situação de perigo.

Benfica vs AZ Alkmaar

Dick Advocaat

Ao Benfica saiu a lotaria. Ao AZ a fava que ninguém neste momento queria.

O treinador do AZ, Dick Advocaat pode dizer que sabe o que é vencer esta competição. O treinador de 66 anos, um dos globetrotters da actualidade do futebol mundial (já treinou em 7 países diferentes) leva no seu extenso currículo, para além do título holandês conquistado em 1996\1997 ao serviço do PSV, das 2 ligas escocesas conquistas pelo Rangers entre 1998 e 2000 e do título russo conquistado em 2007 ao serviço do Zenit, uma vitória na competição na época 2007\2008 precisamente ao serviço da equipa de São Petersburgo. No ano em que os semi-desconhecidos do Petrovski (Arshavin, Anyukov, Fayzulin, Denisov, Konstantin Zyryanov, Pavel Pogrebnyak) se deram a conhecer à europa e catapultaram o Zenit para um estatuto europeu até então nunca detido pelo clube da antiga Leninegrado.

A equipa que orienta é neste momento 7ª classificada da Eredivisie, lugar que para já lhe garante a participação no playoff final disputado entre todas as equipas que se classificarem entre o 3º e o 8º lugar (apuramento para as competições europeias). Pelo menos, a coisa na Liga Holandesa é decidida assim.

Pontos fracos deste AZ:

  • A sua inconsistência. É uma equipa capaz de ganhar 3 ou 4 jogos seguidos e perder outros 3 ou 4 seguidos.
  • Dois centrais duros de rins (Nick Vergiever e Jeffrey Gouweleeuw) fortes no jogo áereo mas com muitas dificuldades para travar avançados rápidos, caso de Lima e Rodrigo.

Pontos fortes:

  • Muita rapidez na frente de ataque – O extremo Roy Beerens é um jogador rapidinho e com uma capacidade de cruzamento fantástica. É a estrela da companhia. Em conjunto com…
  • A dupla de médios centro – Viktor Elm, um conhecido nosso. Alinhou contra a selecção portuguesa no passado mês de Novembro e Nemanja Gudelj, um conhecido dos sérvios que alinham na equipa encarnada. Este sérvio de 22 anos, contratado no verão passado ao NAC Breda, é o grande maestro desta equipa.

Outros jogos da liga europa:

Lyon vs Juventus – O Olympique Lyonnais será presa fácil para a equipa de Turim. Apesar de Alexandre Lacazette estar em grande forma e da dupla de centrocampistas da equipa lionesa ser do melhor que se encontra pela Ligue 1 (Grenier e Gourcouff), a defensiva do Lyon tem jogos em que é como passar a faca na manteiga.

Basel vs Valência – A equipa suiça será um adversário tenebroso para a equipa de Pizzi. É uma equipa bastante segura defensivamente (destaque para o sueco Behrang Safari na direita e para o central Fabian Schar), com um meio campo muito activo (David Degen, Marcelo Dias, Valentin Stocker, Fabian Frei) com um jogo orientado para a grande referência ofensiva da equipa, o veteraníssimo Marco Streller.

O que eu ando a ver #50

Da fantástica exibição do FC Porto no San Paolo:

  • A monumental exibição de Fabiano. Helton não poderia ter melhor substituto. Fulcral para o apuramento do Porto. Fez meia dúzia de defesas de alto nível, destacando uma aos pés de Insigne na primeira parte e outra na 2ª a cabeceamento de Callejón.
  • A fantástica exibição de Danilo. O bom Danilo. Rápido a subir pelo flanco, assertivo a defender. É dos seus pés (e dos pés de Josué, muito bem entrado na partida) que surge metade do espantoso golo de Ricardo Quaresma. Tanto a jogada como a finalização do mustang são do melhor que a Liga Europa viu este ano.
  • O talento de Ricardo Quaresma. Na primeira parte foi vigiado directamente por Henrique na esquerda. Rafa Benitez ganhou claramente a aposta feita no central brasileiro, recentemente contratado ao Palmeiras. Com o brasileiro, Quaresma não teve muita sorte. Quando Luis Castro o colocou na direita, foi o resultado que se viu.
  • Luis Castro ganhou as substituições. Josué deu maior rapidez de execução ao meio-campo do Porto. Ghilas entrou, marcou e fechou a eliminatória.

P.S: A análise aos sorteios da Champions e da Liga Europa fica para amanhã.

 

lembrete

o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu. o guarda abel nunca existiu.

Quando repetimos muito uma frase, mesmo que seja mentira, chegamos ao ponto em que finalmente nos convencemos da sua veracidade. Tudo não passou de uma quantidade desmedida de boatos. De inverdades. De mal querer ao FC Porto. Tudo isto é mentira (aqui, aqui) – entre outras que entretanto foram retiradas da internet por medo dos jornalistas.

Toda esta história da coacção (por parte de Bruno de Carvalho) e do artigo 66º do Regulamento Disciplinar da Liga faz-me lembrar todas as patranhas de contra-informação manipuladas por alguém para tentar negar o rasgão que Mourinho deu à camisola de Rui Jorge num célebre clássico de Alvalade, precisamente, num dos anos em que se cingiu a investigação feita pelo Ministério Público ao arquivado caso Apito Dourado.

Fiquemos com os “atrasados mentais do futebol português”

Isto sim é coacção! A bomba atómica! O momento em que o individuo mais sujo no mundo do futebol teve a coragem de chamar “atrasado mental” à pessoa mais digna dentro do futebol português.

Superbock! Fresquinha! #84

Lê-se no site do FC Porto:

“O Conselho de Administração da FC Porto – Futebol, SAD, reunido hoje, face aos acontecimentos que precederam e ocorreram durante o jogo Sporting-FC Porto, deliberou solicitar ao departamento jurídico efectuar uma participação disciplinar junto da Comissão de Instrução e Inquéritos da Liga Portuguesa de Futebol Profissional contra o Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD e o seu presidente.

​A campanha de condicionamento da arbitragem, com o anúncio da interposição de acções judiciais aos árbitros desta época e da anterior, extensível aos membros dos órgãos jurisdicionais do Conselho de Disciplina e do Conselho de Justiça, a que se juntou a ameaça de acções com pedidos indemnizatórios contra os árbitros dos jogos futuros, como era o caso do Sporting-FC Porto, configuram uma intolerável violência moral com a intenção de constranger os agentes desportivos, resultado do presente no artigo 66 do Regulamento Disciplinar da Liga Portuguesa de Futebol Profissional.”

É uma das ironias do nosso futebol. Fazendo a devida distinção entre as funções e as competências atribuídas pelos regulamentos e estatutos do organismo ao seu presidente e ao seu Comite de Instrução e Inquéritos, não deixa de ser delicioso o FC Porto tratar de fazer queixinhas ao organismo cujo interesse manifesto pelo FC Porto nas últimas semanas prende-se apenas com a destituição do seu actual presidente. Com o Herculano Lima a coisa até pode pegar. Com este Comité, penso que não. Até porque o dito artigo 66º…

artigo 66

Estamos num estado de direito democrático ou no fim da macacada? Somos ou não civilizados? Todas as pessoas singulares ou colectivas tem ou não tem o direito (constitucionalmente protegido) de aceder à justiça quando sintam que outros lesam os seus interesses? Será que o direito à justiça? Todas as pessoas singulares ou colectivas deste país tem ou não tem direito a exprimir as suas ideias, pensamentos e opiniões?

Ou estará o FC Porto esquecido dos tempos em que jornalistas eram agredidos nas Antas? Ou estará a direcção do FC Porto esquecida do mítico guarda Abel, aquele antigo agente da Polícia de Segurança Pública que entrava com armas em zonas restritas das Antas para ameaçar árbitros e jogadores adversários? Isso sim era coacção física, verbal e psicológica a agentes desportivos!

Superbock! Fresquinha! #82

Momentos-chave para a compreensão e análise do jogo:

  • A primeira parte foi efectivamente dominada pelo Porto. Os portistas tem no primeiro tempo as três grandes ocasiões de golo da partida. No remate de Ricardo Quaresma ao poste e nas investidas onde “cegou” literalmente Cedric. Na deliciosa jogada que construiu para Silvestre Varela, dando um nó em Cedric seguido de um brilhante e certeiro cruzamento de letra para a entrada do seu companheiro no coração da área. No lance que Jackson desperdiçou na cara de Patrício.
  • A primeira parte trouxe novamente o melhor de Quaresma. Ao seu estilo, cheio de fantasia e objectividade. Cedric viu-se muito mal com as investidas do cigano e preferiu não subir no terreno.
  • Perante um Sporting alto robótico nos seus processos de jogo. Bola na área e cruzamento à procura de Slimani.
  • A fantástica pressão alta exercida pelo Sporting nos primeiros 15 minutos da 2ª parte, obrigando o Porto a jogar mal.
  • O lance do golo. Fora-de-jogo claro de André Martins. Se não tivesse resultado em golo, seria considerado agora um erro grostesco de arbitragem?
  • As enormes falhas dos centrais do Porto. Jogar para as costas dos centrais do Porto é neste momento o melhor estrategema ofensivo a utilizar pelos seus adversários. Luis Castro voltou a experimentar um esquema de defesa subida de forma a colocar sistematicamente os homens mais avançados do Sporting em fora-de-jogo. O objectivo foi por vezes conseguido. Noutras, obrigou Helton e Fabiano a saídas arrojadas fora da área aos pés do argelino. Slimani foi muito combativo na primeira parte. Na 2ª parte, na primeira vez em que o deixaram à solta na área aproveitou uma defesa de Helton para atirar por cima. Na segunda vez em que Abdoulaye falhou a marcação, não perdoou. Para além disso, os centrais voltaram a mostrar muita intranquilidade quando chamados a iniciar as jogadas do FC Porto. Ambos falharam muitos passes em zonas onde jamais deverão falhar.
  • Capel e Jefferson. Nas suas acções individuais, o espanhol voltou a usar e abusar da sua velocidade. Contudo nem sempre foi um jogador esclarecido nas suas acções. Nas acções com o lateral conseguiram criar bastantes desequilíbrios pelas alas mas o brasileiro em quase todos os lances não conseguiu centrar bem.
  • Mais uma espantosa exibição de William Carvalho no meio-campo do Sporting. Não só secou por completo o meio-campo do Porto quando Juan Fer Quintero tentava trazer alguma criatividade ao mesmo como voltou a demonstrar muita classe a descongestionar o jogo em situações de aperto e a iniciar as transições do emblema de Alvalade. É muito mas mesmo muito difícil ganhar uma dividida com o 14 do Sporting a meio-campo.
  • A intranquilidade de Rui Patrício em dois lances: no lance em que se desentendeu com Dier e Jackson só não marcou porque o inglês conseguiu travar in-extremis o remate do colombiano e num lance ocorrido poucos minutos depois quando num canto largou a bola e colocou novamente a sua baliza em risco.
  • Juan Fernando Quintero e Carlos Mané – O primeiro é indiscutivelmente o único pensador de jogo presente neste plantel do FC Porto. O segundo foi um mouro de trabalho. O miúdo está a crescer a olhos vistos. É raçudo, agressivo, nunca dá um lance como perdido, tem um drible rapidíssimo, desconcertante, desequilibrador.
  • Uma exibição monumental de Eric Dier e Marcos Rojo. Entalaram Jackson no seu meio e não permitiram grandes veleidades ao colombiano. Estiveram simplesmente impecáveis no desarme. O primeiro roubou um golo a Jackson na sua parte enquanto o 2º fez dois excelentes desarmes a Ricardo Quaresma quando o “Harry Potter” ameaçava por em perigo a baliza de Patrício.
  • A lesão de Helton. Esperemos que não seja motivo para Helton terminar a carreira. Fala-se que esta temporada terminou para o guarda-redes brasileiro. Helton não merece este desfecho para a sua carreira. Clubismos à parte, é um autêntico senhor dentro do futebol português. Por isso é que a massa associativa de Alvalade decidiu ovacioná-lo de pé.
  • A arbitragem de Pedro Proença. Dois erros. Um do seu assistente no golo do Sporting. Outro quando decidiu dar o amarelo a Abdoulaye num lance em que o vermelho era a cor mais adequada para a falta do senegalês pois Carlos Mané ficaria isolado na cara de Fabiano.
  • A expulsão de Fernando. Montero atrasou a reposição de bola e levou um amarelo justíssimo. Fernando tem intenção de agredir. Segundo as leis do jogo, o cartão vermelho não se aplica apenas à consumação do acto mas também à intenção da sua prática. Expulsão justíssima.
  • Os 10 minutos finais. 4\5 iniciativas em contragolpe por parte do Sporting poderiam ter matado o jogo. Faltou objectividade a Montero e a Jefferson em dois lances. No primeiro, o colombiano quis fazer o bonito sobre Abdoulaye. No segundo, o brasileiro deslumbrou-se com tantas facilidades.
  • O golo de Slimani, precedido ou não de fora-de-jogo, deu justiça a uma grande 2ª parte do Sporting. Mais pressionante, mais rápido, mais lutador nas batalhas de meio-campo, mais construtor, mais assertivo defensivamente e sobretudo, mais eficaz que o FC Porto na 2ª parte.

Homem do jogo: William Carvalho. De longe o melhor em campo. O meio-campo na 2ª parte foi dele. Desvastou, ganhou todas as 2ªs bolas, descongestionou, construiu, arrancou, decidiu sempre bem em todos os lances em que teve a bola nos pés, mesmo naquele que conseguiu desenvencilhar-se no meio de 4 adversários do FC Porto. Estamos perante o nascimento de um jogador de classe mundial.

Superbock! Fresquinha! #81

Na antecamara do clássico.

Não consigo compreender tamanha indignação pelo facto do Sporting ter encaminhado queixas sobre a arbitragem para a UEFA e FIFA e ter processado alguns dos agentes pelos danos cometidos pela má-fé dos senhores dos apitos.

Em Portugal, infelizmente, as mentes perversas de alguns adeptos do Benfica e do Porto estão anasarcadas, irrigadas, inchadas com tanta hipocrisia. Porque é o Sporting Clube de Portugal. Qual é então o problema? É porque somos pequenos? Ou será motivado pelo facto de praticarmos uma enorme grandeza de espírito e de um enorme senso de fair-play?

Os primeiros porque lideram a liga e porque utilizam como argumento (único) os benefícios obtidos pelo sporting (não omitidos pelo presidente do clube na conferência de imprensa dada na segunda-feira) nos golos (e passes; e passes para golo; e passes para assistências para golo de Fredy Montero; veja-se lá ao cúmulo a que isto chegou) de Freddy Montero. Os adeptos do Benfica falam, gozam, porque a lideram a liga. Se o prejuízo tivesse sido cometido contra si e estivesse hoje o Benfica a 7 pontos do Sporting, aqui d´el rey que seria um roubo profundo, grotesco e incomensuravelmente digno de revolução. Não vi até hoje, nenhum dos adeptos benfiquistas que conheço a falar sobre o jogo de Belém, sobre o jogo de Barcelos, sobre o jogo da Grécia contra o PAOK, sobre o penalty de Sulejmani frente ao Arouca, sobre o fora-de-jogo de Cardozo no jogo da Taça contra o Sporting, sobre os dois penaltys, sobre a atitude branda que os árbitros tem perante o caceteiro de nome Maxi Pereira ou, se queremos mesmo discutir até ao osso sobre a falta inexistente que motivou o golo do Benfica no jogo de Alvalade, sobre o castigo de 30 dias aplicado a Jorge Jesus por ter batido num agente da autoridade em Guimarães ou sobre o facto de Jesus ter ido ao balneário aquando castigado em Vila do Conde. Vamos mesmo falar sobre isso?

Os segundos porque lhes interessa. O clube mais beneficiado pela arbitragem nos últimos 20 anos. Há salários em atraso e a Champions é a única solução que tem para se salvarem de um futuro muito mas mesmo muito negro não é, caros amigos portistas? Pois é.

Recordo aquilo que fui lendo quando o Porto foi escandalosamente gamado na Amoreira frente ao Estoril. A memória é mesmo curta ou existe por aí alguma memória selectiva na cabeça de milhares de adeptos? Se existir memória selectiva, estamos perante um case study interessante para a sub-disciplina da neurologia.

Vamos finalmente ao que interessa: há uma estranha mania do português criticar quando o acontecimento atinge terceiros. Se roubou a nosso favor, assobiamos para o lado e “no pasa nada” – se nos roubou, é um grande filho da… certo! Se se deixou assaltar é manso, se assaltou quem não gostamos, foi muito bem feito!Eu cresci numa educação que me impele a considerar o que é justo e o que é injusto. O que é bom para mim e o que é nocivo. Cada vez me afasto mais das redes sociais porque estão cheias de imbecis altamente tendenciosos, cheios de argumentos furados e muito muito cinismo (on-line). Eu cá sou Sportinguista, nunca o escondi. Sócio. Doente. Fanático. Fervoroso. Esta rubrica é composta por crónicas, nas quais, não tenho qualquer pejo em dar a minha opinião em defesa da instituição Sporting Clube de Portugal. Custe a quem custar. Basta só reparar no seu título “Superbock” – S de Sporting. Superbock – um dos patrocinadores do Sporting Clube de Portugal. Só não o percebe quem é tapadinho de todo. No entanto, sou capaz de dar mérito a quem o tem. Essa é uma falhas graves do país, a inexistência de uma ordem hierarquizada por factores meritocráticos. Aos bons, o melhor. Aos reles, a porcaria. Infelizmente, este país é composto maioritariamente por gente reles, de pensamento curto e acção diminuta. Cheio de cunhas, de más vontades e de atitudes mesquinhas e pequeninas. Rasteiras.
Eu cá também fui educado numa ordem (civil) que me garante o direito à justiça quando os interesses são prejudicados por dolo ou má-fé. Se as pessoas singulares ou colectivas não tivessem essa garantia, não haveria Direito e viveríamos todos numa anarquia, no caos, no excessivo individualismo permissivo a todo o tipo de atrocidades. No futebol, são as regras do jogo que ditam essa mesma ordem. Quando não são cumpridas e resvalam para o campo da viciação absoluta de resultados, será natural que os prejudicados se sintam motivados a corrigir as injustiças de que são vítimas. Até porque os resultados financeiros dos clubes dependem em muito dos seus resultados e milhares de famílias neste país dependem (profissionalmente) destas últimas duas variáveis. Não estão portanto a vilpendiar a Instituição Sporting Clube de Portugal per se. Estão a vilpendiar todos os seus trabalhadores, todos os seus atletas, todas as pessoas que abdicam do seu suor para a manter governada, governável e cheia de exitos. E isso meus caros, é para mim, enquanto sócio do Sporting Clube de Portugal, inadmissível.

P.S

Outra vergonha deste nosso futebol trigueiro, mesquinho, é aquilo que passou na Liga de Clubes. O orçamento do organismo para esta temporada foi rejeitado pelo Movimento Stop-Figueiredo, ou como quem diz, pelos capachos do Futebol Clube do Porto. Mário Figueiredo será mesmo destituído antes do seu mandato terminar em Junho. No final da reunião, aparece um tal de Tiago Ribeiro, cidadão brasileiro, presidente do Estoril, mercador de jogadores, de escravos do futebol, talhante de tráfico humano (Traffic, topam?) a afirmar que “a Liga tem que voltar a ter o poder e o brilho” que tinha no antigamente… Menos Tiago, menos é só o que me ocorre dizer. Quem és tu para falar o quer que seja da Liga de Clubes, essa instituição no que no passado a que te referes tinha um presidente que decidia ao telemóvel os árbitros enviados para os jogos de 2 clubes em particular, o do amigo Jorge Nuno e aquele que tinha sido presidente e cujo filho era na altura presidente? Qual é o conhecimento histórico que o Tiago tem do futebol português para afirmar o que afirmou?

máquinas de fazer dinheiro

barcelona 3

a simpsonização do quarteto de luxo rendeu aos cofres do clube catalão cerca de 25 milhões de euros.

os 25 anos da famosa série da 20th Century Fox criada por Matt Groening terão uns episódios dedicados ao futebol, sendo cartoonizados jogadores do FC Barcelona, Zenit de São Petersburgo, Corinthians, Juventus, Boca Juniors e Futebol Clube do Porto.

pelo que pude pesquisar, enquanto alguns dos contratos tem como cláusulas gerias apenas a cartoonização de alguns atletas para os referidos episódios, outros, como no caso do Corinthians, Boca Juniors ou Barça incluem a venda de merchandizing da série nas stores dos clubes. os valores pagos pela empresa cinematográfica às equipas não é igual e varia consoante os conteúdos firmados contratualmente.

Sondagem #5

sondagem 13

sondagem 14

Quando já se joga no Dragão (e em outros 7 estádios) os oitavos-de-final da competição publico os resultados da sondagem que levamos a cabo nas últimas semanas.

À pergunta “Quem irá vencer a Liga Europa?”, a esmagadora maioria dos votantes escolheu Benfica e Juventus. Os italianos obtiveram vantagem de 1 voto em relação aos encarnados. Como irão receber no Dell´Alpi a final da competição, pode-se mesmo dizer que obtiveram uma “ligeira vantagem” por factor casa. Ambas as equipas terão que suar muito para passar os quartos-de-final da prova: os italianos batem-se contra a Fiorentina enquanto os encarnados tem confronto marcado contra o Tottenham.

Os restantes 18 votos penderam para as seguintes equipas: Fiorentina (4 votos), Red Bull Salzburg (4 votos), Tottenham (3 votos), FC Porto (3 votos), Napoli, Ludogorets, Valência e Sevilla (1 voto).

imbecilidade do dia

«A arbitragem de Vasco Santos foi prejudicial para ambos os lados e não beneficiou ninguém. Poder-se-á dizer que houve uma arbitragem não com dualidade de critérios, mas infeliz e tanto alarido só pode ser a pensar nos próximos jogos. O Sporting está a fazer campanha para as próximas jornadas, mas é um problema deles e não tenho nada a ver com isso. Cada um gere a sua casa como entende», – Fernando Oliveira, presidente do Vitória de Setúbal.

Ponto 1: Depois de refectir sobre as declarações proferidas por António Oliveira no Dia Seguinte, escritas aqui, cada vez sou mais de acordo, à semelhança daquilo que é regulamentado noutras ligas, como a dita Premier League, aquela Liga cujas regras são muitas vezes postas em analogias baratuchas à realidade da merda do nosso futebol, à proibição dos empréstimos de jogadores entre equipas do mesmo escalão. O problema vem detrás. Muito se falou no passado do facto de Porto, Benfica e Sporting terem dezenas de jogadores emprestados às equipas da primeira Liga. A própria Liga de Clubes tentou, em Junho de 2012, infrutiferamente, incluir esta proibição. Levantou-se de imediato um torvelinho. Aqui d´El Rey que me roubam o palco e o microfone, os talheres, os pratos e os copos. Ai de mim sem as minhas sandes. Curiosamente, as equipas que nesse verão, armaram literalmente o escambau contra a medida foram aquelas que me disseminam a sua prole pelas equipas de primeira Liga: o FC Porto e o Benfica. Coincidências, portanto…

O Benfica chegou mesmo a apresentar recurso da decisão e com o seu poder de influência vetou a decisão tomada em Assembleia-Geral da Liga.

Um dos clubes que mais beneficia de empréstimos dos grandes é precisamente o Vitória de Setúbal. Não querendo relativizar tal facto, parece-me, à luz das declarações de Fernando Oliveira, um assunto de lana caprina tendo em conta a última frase… porque…

existem dirigentes que mais valiam manter a sua boca calada em determinados momentos. não, não me refiro apenas a José Eduardo Simões quando este se mascarou de Capitão de Abril e pediu a revolução dos cravos no futebol português. refiro-me sim ao presidente do setúbal, mais concretamente, à gestão que ele está a fazer na sua casa.

não é por nada, mas subitamente apareceu na terra do Elmano Sadino, um médico de nome Júlio Adrião, a encabeçar um movimento peticionário de associados do clube setubalense, a bater com a boca no trombone e a denunciar aquilo se vem passando desde há alguns anos atrás no Bonfim. Bonfim para alguns. Outros vão directamente para o olho da rua sem receberem um tostão e não falo apenas dos empregados do clube, gente que fica 10 e 11 meses sem receber os seus ordenados porque, um dito Fernando Oliveira, não cumpre com as obrigações mais básicas do clube e da SAD que dirige sob um Plano Especial de Revitalização.

Endureço o tom.

Esse tal de Júlio Adrião tem proferido aqui e ali alguns coisas bem interessantes sobre a gestão de Fernando Oliveira. Uma delas é o facto do dito não pagar a horas, ou melhor, só pagar a quem tem poder para manter o clube activo. O médico também disparou que a direcção presidida por Fernando Oliveira quis construir um complexo desportivo no Vale da Rosa que nunca se concretizou mas que resultou na alienação de património do clube, incluíndo os direitos de superfície dos terrenos do Bonfim. Desconhece-se para quem foi o pagamento mas conhece-se que o presidente do Vitória de Setúbal utiliza contas bancárias muito pouco fidedignas para realizar pagamentos relativos à vida do clube. Outras histórias são contadas por quem afirma que actuais dirigentes do clube setubalense lucraram com as vendas de determinados jogadores.

A bom da verdade, se a Liga fizesse cumprir todas as suas regras, estaria o Vitória de Setúbal nas condições exigidas para permanecer na 1ª divisão, sabendo por exemplo, que é um dos clubes que chantageia os jogadores a assinar os documentos em como receberam os seus salários mas de facto não os receberam? Estaria o Vitória de Setúbal na primeira divisão sabendo que é dos clubes que mais deve à Segurança Social e ao Fisco?

Superbock! Fresquinha! #78

Segundo o Jornal A Bola, em Fátima o presidente do Marítimo chamou “velho gaga” e “imbecil” a Pinto da Costa, que, por seu turno ripostou que a formação que tinha não era essa. O presidente do Marítimo contra-atacou com “não é não, pois a minha formação é diurna” – Carlos Pereira cruzou os insultos, ao chamar “pau mandado dos interesses do FCP” ao presidente do Vitória de Guimarães Julio Mendes. Recordo que Julio Mendes foi um dos presidentes que manifestou maior conexão com as propostas apresentadas pelo Sporting para alterar o estado de sítio actual do futebol português na reunião de presidentes realizada em Alvalade em meados de Janeiro. Ao contrário de outros como António Salvador, conheço perfeitamente a posição do líder vitoriano: como nos últimos anos recebe jogadores por empréstimo do FC Porto assim como dispensados do Sporting (casos de Amido Baldé, Nii Plange ou André Santos; são cedidos ao Vitória a custo zero, ficando o Sporting com percentagens do passe), Julio Mendes sabe que tem a ganhar caso vá satisfazendo aqui e ali os interesses de ambas as partes.

As razões apontadas para o abandono de Bruno de Carvalho e Luis Filipe Vieira da reunião foram simples: pensavam que iam a Fátima dialogar sobre as questões que realmente interessam para o futuro do futebol português (redução do IVA no preço dos bilhetes, redução da carga fiscal aplicada à indústria do futebol, tabelamento unificado do preço dos bilhetes, publicação dos relatórios dos observações dos árbitros, sistema de nomeação dos árbitros por sorteio, redefinição dos poderes da Liga de Clubes, entre outras questões) e acabaram por assistir a uma reunião marcada para decidir o que fazer com o actual presidente da Liga na próxima assembleia-geral do organismo. Como escrevi ontem, os poderes instalados no futebol português estão a mexer-se. Bastante bem e com passos visíveis e previsíveis. Mário Figueiredo já sabe a quem se agarrar em caso de problemas. Segundo o que foi dito pelo presidente da Liga na quinta-feira, alguns dos clubes aliados do FC Porto e do Braga (não é estranho e ao mesmo tempo delicioso observar que Antonio Salvador é parceiro de negócios de Luis Filipe Vieira mas ao mesmo tempo também negoceia benefícios futebolísticos com Jorge Nuno Pinto da Costa?) andam a beneficiar da ajuda de alguém, parafraseando o advogado conimbricense, “detentor de uma posição ” no sector, para, adiar o pagamento de alguns instrumentos financeiros que vão contraíndo nos últimos meses junto da banca.

Daqui pode-se retirar uma conclusão: há uns anos atrás, nos meandros do futebol, era vendida a ideia que os clubes grandes dominavam os pequenos consoante a quantidade de jogadores e “técnicos emprestados” – o Porto chegou a ter há uns anos mais de 30 jogadores emprestados a clubes de 1ª liga assim como meia dúzia de antigos treinadores ao serviço desses mesmos clubes. Actualmente, seguindo a charada do presidente da Liga, esse domínio vai bem mais além dos simples empréstimos.

Superbock! Fresquinha! #77

Da reunião dos presidentes de clubes profissionais em Fátima:

Bruno de Carvalho foi o primeiro a sair da reunião. O presidente do Sporting não aguentou mais que 1 hora dentro da sala. Luis Filipe Vieira seguiu-lhe os passos minutos depois e afirmou: «Para bem do futebol é melhor nem dizermos nada. Espero que quem ficou assuma as responsabilidades do que vai acontecer no futebol português. O futebol português está acima de tudo e não com guerras pessoais. O futuro do futebol português terá que passar pelo Benfica e pelo Sporting. Não vamos aturar guerras de pessoas » – ora bem, as dúvidas ficaram aqui esclarecidas: Mário Figueiredo tem aqui os seus dois maiores aliados. Ainda não sabe é até que ponto Bruno de Carvalho alinha na bitola de Luis Filipe Vieira.

Dentro da sala ficaram os restantes presidentes, existindo relatos que afirmam que Carlos Pereira e Jorge Nuno Pinto da Costa insultaram-se durante toda a sessão. Cansado do bate boca, Carlos Pereira também haveria de abandonar a sala. A atitude do presidente do Marítimo em alguns momentos deixa a desejar. O clube madeirense está de costas voltadas para a direcção portista desde o caso Kléber. Contudo, aquando do atraso alegadamente provocado por Fernando no jogo a contar para a Taça da Liga, a direcção maritimista não só ficou calada durante todo o processo desencadeado pela Comissão de Instrução e Inquéritos da Liga\Conselho de Disciplina, como negou categoricamente as palavras de um jogador do plantel do clube madeirense à imprensa (sob anonimato) que consideravam o atraso provocado pelos portistas como deliberado. No mesmo dia, Carlos Pereira teceu os comentários que teceu sobre o alegado interesse do Sporting em Heldon e Sami e no dia seguinte vendeu o cabo-verdiano por 1,5 milhões de euros.

O que é que mudou nisto tudo? Foi a posição do Sporting como comprador? Se o Sporting não tivesse comprado o jogador cabo-verdiano, de que lado estaria Carlos Pereira neste momento?