Da Champions #22

Terminou há minutos (no Vicente Calderón e no Allianz Arena) mais uma eliminatória da Champions. Arrisco-me a dizer, em breves palavras, que os quartos-de-final da edição deste ano poderão ficar na história como uma das melhores rondas de sempre da história da prova. Não posso dizer que a ronda tenha tido um único jogo desinteressante nos 8 jogos disputados.

No frenético, entusiasta e saudosista Vicente Calderón, a abarrotar de vermelho, 40 anos depois, o Atlético de Madrid (do mago Simeone; que deliciosa ironia!) volta a atingir as meias finais da prova. 40 anos depois do feito histórico protagonizado por um dos seus maiores símbolos, o recém falecido Luis Aragonés, um dos grandes craques da equipa colchonera que disputou a final da Taça dos Campeões Europeus na época 1973\1974 precisamente contra o Bayern de Munique, um dos possíveis adversários colchoneros nas meias-finais da prova ou até mesmo na final.

Não tenho qualquer pejo em afirmar que, caso este Atlético consiga vencer campeonato e champions, o triunfo é absolutamente merecido. O trabalho que Diego Simeone tem feito numa equipa teoricamente considerada por grande parte da imprensa internacional como um eterno candidato ao 3º lugar em Espanha, está, de que maneira, a baralhar as contas de meia europa.

A crónica mais detalhada sobre a partida do Calderón fica para amanhã. Como amante da arte do futebol, preciso de rever o jogo (ou grande parte deste) para o poder descrever minuciosamente. Acredito que para descrever um jogo destes, ou se descreve com minúcia ou então é preferível não o descrever de todo. Em traços gerais, a entrada do Atlético na partida, ao contrário do que previa (previa um Atlético capaz de colocar um ritmo lento na partida para impedir que o Barça entrasse a todo o gás e pudesse marcar cedo) foi demolidora. Não só pelo golo obtido por Koke, pelas 3 bolas aos ferros da baliza de Pinto mas pela desconcentração pura e pelo nervosismo miudinho que o jogo rápido e açucarado praticado pela equipa de Simeone provocou na incipiente (no jogo desta noite) equipa de Tata Martino. Assertivo também creio afirmar que os catalães sentem algum nervosismo quando não tem bola nos pés. Naturalíssimo dada a matriz em que assenta a sua filosofia de jogo: a posse de bola. Contudo, o nervosismo sentido por Xavi, Messi, Iniesta e seus pares no rectângulo plantado a meio da onda vermelha madridista, resultou, em traços largos, numa enorme quantidade de disparates defensivos na primeira parte (a pressão alta executada pelos colchoneros no meio-campo catalão seguida quase sempre de um recuo das linhas sempre que a equipa da cidade condal conseguia cruzar o meio-campo com bola, obrigou o Barça a jogar mal na saída de bola e a não conseguir meter a bola entre linhas como de resto costuma fazer; Iniesta-Messi-Iniesta com entrada do espanhol em zona de finalização; Iniesta-Messi-Neymar com entrada do brasileiro no espaço livre) numa dificuldade enorme que os catalães tiveram em conseguir arranjar espaço para criar desiquilíbrios (Neymar foi o único capaz de desequilibrar) – por seu turno, o Atlético sempre que foi lá à frente criou perigo. Com Villa a receber mais jogo nos flancos e Adrian com um hábil jogo de área (o avançado também procurou empurrar várias vezes a equipa lá para a frente através de arrancadas individuais quando conseguia ganhar a bola no meio-campo) a equipa ganhou uma enorme mobilidade (com Diego Costa, apesar de Gabi, Koke e Arda serem os mágicos que bem conhecemos, o jogo torna-se ligeiramente mecanicizado para a corrida do avançado naturalizado espanhol) e uma enorme profundidade, que, a bom da verdade, foi a chave do sucesso desta passagem histórica do Atlético. Outra das chaves do sucesso foi a colocação do brasileiro Diego na 2ª parte e o fantástico golo apontado pelo antigo jogador do FC Porto em Camp Nou. Em Madrid começa-se a acreditar que a presença de Diego Ribas no clube é sinónimo de conquistas!

P.S: Monstruosa exibição do nosso Tiago. Posicionamento perfeito do português em campo. É pena o facto do antigo jogador de Benfica, Lyon e Chelsea já ter renunciado à selecção. Na forma em que se encontra é uma mais valia de caras para o meio campo da nossa selecção.

P.S 2: Messi e Iniesta – O primeiro eclipsou-se por completo. Nem pareceu estar em campo. O 2º foi mais marcado que o quinto dos infernos. Quando tinha bola caiam imediatamente três jogadores do Atlético. Simeone sabia perfeitamente que era daqui que vinha metade do perigo deste Barcelona.

No Allianz Arena vi que o Bayern sofreu a bom sofrer para bater o Manchester United. Deixo o comentário para o meu colega de blog André Simões. Não vi o jogo mas gabo desde já David Moyes. Fiquei com a ilacção que contra o Bayern, toda a gente poderá ter visto o melhor Manchester United da temporada.

Anúncios

O que eu ando a ver #33

As duas equipas finalistas da Copa Del Rey 2013 defrontaram-se hoje para a 1ª mão das meias-finais da edição 2013\2014 no palco onde em Maio o Atlético de Madrid festejou nas barbas do seu rival, o Real Madrid, a conquista do seu 10º troféu na prova. No dia em que Cristiano Ronaldo celebrou os seus 29 anos de idade, mote não faltou para os merengues aplicarem uma revancha como deve ser nos vizinhos colchoneros.

Quente. Quentinho. Feios, Porcos e Maus seria o epíteto mais adequado para a pelicula do filme da primeira meia-hora de jogo no Santiago Bernabéu. A roçar os duelos protagonizados nos anos 90 entre Buyo e Paulo Futre. Para o lado do Atlético de Madrid, as coisas já tinham aquecido na 1ª mão da eliminatória anterior no Vicente Calderón frente ao Athletic de Bilbao. Diego Costa voltou a “bancar o bobo” nos primeiros minutos da partida. Teve azar. Acabou por sair muito mal na figura, até porque no outro lado da barricada apanhou pela frente quem já é batido nesse tipo de jogo: um tal de Pepe e um tal de Arbeloa, dois mestres na arte de provocar. Diego Costa provocou, foi provocado, foi agredido e do jogo do empurrão não sacou nada aos dois defesas do Real Madrid. Padeceu do seu próprio veneno e como se diz na gíria “foi enpacotado no bolso” do central português e “não tocou na xixa”.

A inteligência – Carlo Ancelotti reflectiu sobre a essência deste Atlético de Madrid e encontrou a fórmula ideal para bater a equipa de Diego Simeone. Nos primeiros minutos compreendi que os traços da defesa profunda de Simeone estavam lá todos: a cambada a defender atrás da bola com as linhas médias do Atlético a vascular consoante a circulação de bola e a acompanhar a subida das linhas médias do Real Madrid de forma a obrigar a equipa de Ancelotti a circular bola, a desgastar-se e a optar por um futebol pouco objectivo de cruzamento para as zonas onde Ronaldo costuma aparecer. Se assim resultasse, s Contudo, Ancelotti foi mais inteligente. Colocou Luka Modric e DiMaria no miolo para tentar rachar a coisa pelo meio e deu ordens a todos os jogadores do ataque para tentarem colocar o seu drible no espaço curto. Por várias vezes assistimos Luka Modric a escaparem (em drible) que nem enguias ao bloco de pressão efectuado por Gabi e Diego bem como às tentativas de drible nas alas em espaços onde não cabia uma cabine telefónica por parte de Jesé e Ronaldo. O português haveria de ter uma noite de aniversário muito desinspirada.

Carlo Ancelotti foi obrigado a uma alteração de última hora no onze: Gareth Bale voltou a lesionar-se (espero bem que a lesão não seja nos genitais), obrigando o italiano a colocar Jesé numa ala. Há males que vem por bem. Já Diego Simeone optou por fazer uma alteração em táctica em relação ao jogo contra a Real Sociedad, colocando o regressado Diego no apoio directo a Diego Costa. A opção pelo brasileiro indicava a necessidade do argentino dispor em campo um meio-campo reforçado com Gabi, Koke, Diego, Raul Garcia e Arda Turan.

O início do jogo provou ser muito quezilento. Diego Costa começou a bater a eito. Primeiro envolveu-se com Xabi Alonso mas Alonso, um índie no meio-campo do Real Madrid, manteve a classe senhorial que o caracteriza, e em bom português “cagou literalmente no bota-chinelo”. Qual cadeirudo, Diego Costa procurou a próxima vítima. Pepe. E mais uma vez não passou do nível do chão. Numa disputa de bola no ar logo ao minuto 2, Sérgio Ramos deu um chega para lá em Raúl Garcia e o médio espanhol caiu no chão a queixar-se das viseiras. Tudo isto aconteceu perante a passividade de Clai Gomez, o árbitro natural de Saragoça destinado pela Real Federación Española. Com medo de estragar o espectáculo, Gomez permitiu que o jogo fosse disputado num eminente cenário de batalha campal na primeira meia-hora.

Quanto ao futebol jogado, uma excelente combinação entre DiMaria, Benzema e Arbeloa permitiu ao lateral cruzar para a área onde iria aparecer Ronaldo nas costas de Juanfran. Olhando pelo retrovisor, o lateral viu a aproximação do astro português e decidiu dar canto. Com uma entrada de leão, os jogadores do Real trataram de pressionar alto de forma a não deixarem os jogadores do Atlético respirar. Aos 8″ Modric cobra um canto na direita para uma cabeçada de Sérgio Ramos no coração da área direita ao peito de Gabi. Os jogadores do Real reclamaram grande penalidade mas a repetição demonstrou que a bola foi ao peito do internacional espanhol. Com uma fantástica exibição de Xabi Alonso e Modric na fase de construção do jogo e com um irrequieto DiMaria à sua frente, seria o argentino a fabricar meio-golo para Pepe ao desenvencilhar-se de dois jogadores com um drible e, perante a oposição de um terceiro (Arda Turan) a disferir um toque subtil para o lado onde apareceu o brasileiro naturalizado Português a mandar um bilhete para o fundo da baliza de Thibault Courtois com escala na bacia do azarado Emiliano Insúa.

O golo do Real avivou novamente o pior que o jogo tinha para oferecer na primeira parte, a querela entre jogadores. Aos 18″ começou o triângulo amoroso entre Diego Costa, Pepe e Alvaro Arbeloa: o espanhol foi amassar o capot a Arbeloa e Pepe no mesmo lance quando o jogo se encontrava parado. O espanhol acusou tarde o toque e quando Costa e Pepe se travavam de razões, decidiu presentear o seu próximo colega de selecção com uma sarrafada dentro da área. Clos Gomez não viu aquela que seria, pelas regras da FIFA, a primeira grande penalidade do jogo com correspondente expulsão para Arbeloa. No minuto seguinte, Diego Costa é carregado por Xabi Alonso. Do livre batido por Koke resultam vários puxões e Arbeloa comete a segunda grande penalidade ao puxar Diego Costa, impossibilitando-o como tal de disputar o lance. Mais uma vez o lateral escapou-se de boa.

Aos 23″ Diego Costa é pisado por Pepe. O central é admoestado com um amarelo. Segundos depois manda uma joelhada em cheio em Diego Costa. Clos Gomez não vê ou finge que não vê. E o central internacional português escapa à expulsão. O Real Madrid. Nesta fase de jogo, de forma meritocrática pelo que fez nestes primeiros 20 minutos, João Miranda estava a ser bastante eficaz na defesa de Simeone. Com 2 cortes fantásticos, um a Coentrão e outro a Benzema haveria de cometer grande penalidade quando empurrou Álvaro Arbeloa na área. Para compor o ramalhete, o lateral haveria de trocar umas palavras mais azedas com o argentino Germán Burgos, antigo guarda-redes do Atlético de Madrid que agora é membro do staff de Simeone.

courtois

Os comandados de Ancelotti trataram de refrear os ânimos com uma lenta circulação de bola. Sem efeito. Aos 26″ Diego fez uma entrada sobre Ronaldo e recebeu amarelo. Aos 29″ Courtois recolheu uma bola aos pés de Benzema. Do choque inevitável entre o francês e o guarda-redes redes belga ficou o segundo a queixar-se de uma pisadela propositada. Bola cá, bola lá. Na jogada seguinte, Arda Turan ficou aos berros com Clos Gomez depois de ter sido carregado em falta por Fábio Coentrão num lance na linha lateral.

modric

Depois do caos, o futebol – Apareceu Modric. Elegante. De processos simples. Eficaz no passe. Disponível para auxiliar no meio-campo. Cheio de pulmão. Com um futebol demasiado sensual para um clube como o Real Madrid. O croata pautou a construção como quis e não se coibiu de criar desiquilíbrios pelo miolo e aplicar a sua forte meia distância.

Aos 31″, o antigo jogador do Tottenham Hotspurs serviu Jesé na esquerda e o jovem internacional sub-21 pela Espanha tratou de tirar Turan da frente com 1×1 e atirar para uma defesa a punhos de Thibault Courtois. Mal pode o belga respirar pois a bola sobrou para o centro onde Luka Modric apareceu a chutar para nova intervenção do guarda-redes emprestado pelo Chelsea aos Colchoneros.

Pelo meio, Arbeloa voltou a picar a burra. Aproveitando um alinhamento na área, voltou a pisar Diego Costa e pela terceira vez no jogo, escapou-se a uma anotação disciplinar por parte de Clos Gomez.

Jesé continuava endiabrado. Aos 38″ trocou as voltas a Juanfran e tentou servir DiMaria na pequena área. A bola seria aliviada para canto por um adversário. 3 minutos depois seria o argelino a solicitar Cristiano Ronaldo na esquerda. CR7 executou o bailado dos cisnes em frente a Juanfran e atirou rasteiro para defesa fácil de Courtois. Como é habitual na estratégia de Simeone, o Atlético subiu ligeiramente as suas linhas nos minutos finais e tentou acercar-se da área do Real Madrid. Sem efeito. Clos Gomez iria apitar para o intervalo sem ter dado qualquer minuto de descontos.

Ao intervalo, justificava-se a vantagem do Real Madrid. Sem tecer demais considerações sobre o quezilento jogo que estava a ver, o Real foi a única equipa que justificou a vantagem na primeira parte em virtude do caudal ofensivo que logrou construir e das oportunidades de golo que teve no tempo. A equipa de Simeone foi completamente inofensiva. Sem bola nos pés, não conseguiu por no terreno de jogo o seu fortíssimo contragolpe. Gabi e Koke tiveram pouca ou nenhuma posse de bola no primeiro tempo. Arda, Raúl Garcia e Diego Costa estavam a ser nulos. Em destaque estavam apenas os centrais Godín e Miranda. Efectivos no desarme, tanto o uruguaio como o brasileiro evitaram males maiores no primeiro tempo. Esperava-se portanto uma reacção diferente dos jogadores de Simeone no recomeço da partida.

Diego Simeone quis agitar as águas ao intervalo. Colocou Cristian Rodriguez no lugar de Diego, fazendo passar Arda Turan para o lugar do brasileiro. O Atlético entrou mais forte na 2ª parte com 2 remates e 2 cantos. O Atlético subia paulatinamente as suas linhas. Do canto, Benzema aliviou ao primeiro poste para trás onde apareceu Diego Godín a saltar mais alto do que Pepe e a cabecear por cima de Casillas. No seu regresso à titularidade, o guarda-redes assistiu praticamente a toda a partida como um espectador.

Jesé rodrigues 2

O jogo continuava faltoso. Perante uma maior posse por parte dos homens de Simeone, reapareceu Modric. O croata voltou a pegar na batuta. Aos 51″ Ronaldo rematou para defesa de Courtois. No minuto seguinte, Modric teve um momento de eleição quando com a classe que o caracteriza pegou na bola no miolo e com algumas simulações conseguiu furar entre 4 jogadores do Atlético de Madrid para de seguida distribuir para a esquerda para DiMaria. O 2º golo do Real avizinhava-se. Aos 56″ Di Maria recebeu na esquerda e fez um passe a rasgar para o coração da área onde apareceu Jesé Rodriguez numa fantástica diagonal (ultrapassando em velocidade os dois centrais do Atlético) a chutar para o 2º golo da equipa de Carlo Ancelotti na partida, com muitas culpas para Thibault Courtois no lance. O belga ficaria de resto afectado pelo golo, coisa que não é normal no seu jogo: dois minutos depois DiMaria rematou uma bola cheia de efeito que o belga não conseguiu defender à primeira.

Enquanto os adversários capitalizavam, Diego Costa continuava no jogo de provocações: aos 60″ reagiu mal a uma entrada de DiMaria e recebeu cartão amarelo de Clos Gomez. Como não poderia deixar de ser, Pepe aproveitou a deixa para se rir na cara do avançado do Atlético de Madrid. Diego Costa não gostou da atitude muito feia do central e já na área, quando os jogadores se alinhavam para o livre, decidiu dar uma tapa no titular da selecção nacional. Minutos depois seria Insúa a fazer uma falta muito feia sobre Jesé que seria passível de cartão vermelho.

Os ânimos voltaram a subir. O Atlético tentou esboçar uma reacção ao 2º golo do Real. Simeone tirou Arda e colocou Adrián junto de Diego Costa. Bola cá bola lá. Num canto aos 70″ Pepe esteve perto do dois zero. 2 minutos depois num canto no lado oposto, Modric salvou na linha uma cabeçada triunfal de Diego Godín com Iker Casillas completamente partido. Mais uma vez o croata seria providencial. Se a cabeçada do central uruguaio, a história poderia ser outra.
Para terminar com as dúvidas aos 74″ Angel DiMaria iria selar o jogo com mais um remate que iria ressaltar num defesa do Atlético de Madrid, neste caso, no central Miranda.

Como uma joelhada nunca vem sozinha, no minuto seguinte foi a vez de Sérgio Ramos quebrar mais uma vértebra costal de Diego Costa num lance passível de cartão vermelho. Até ao final da partida, o Real limitou-se a circular bola, facto que provocou os habituais “olés” da aficción e Ronaldo tentou almejar a baliza de Courtois por duas vezes. Noite desinpiradíssima de CR7 numa importante vitória do Real Madrid que assim assegura praticamente o passaporte para a final da prova. Será muito difícil para a equipa de Simeone executar a remontada no Vicente Calderón.

Exibição péssima do árbitro Clos Gomez do Colégio de Aragão. Se tivesse iniciado o jogo a punir severamente as fitas de Diego Costa e as agressões dos defesas do Real teríamos visto um jogo mais espectacular. Um bocado de picardia não faz mal a um jogo mas não foi isso que vimos no Bernabéu. Arbeloa passou impune a uma grande penalidade num lance de bola corrida, a outra por agressão dentro da área e a outra agressão quando pisou Diego Costa. As joelhadas de Pepe e Sérgio Ramos a Diego Costa roçaram a violência. O brasileiro naturalizado espanhol só se prejudicou ao provocar este circo. Foi uma sombra do Diego Costa que pudemos apreciar no início desta temporada. Completamente encolhido no meio de Pepe e Sérgio Ramos. Mais grave que isso é o facto do brasileiro andar jogo após jogo a praticar este tipo de atitudes nos relvados.