Superbock! Fresquinha! #94

Continuo a acreditar que as suspensões do Conselho de Disciplina da FPF a presidentes de clubes por declarações ofensivas valem o que valem: um balde de pipocas e mais uns euros para os cofres da FPF. Não é o caso da suspensão aplicada ao presidente do FC Porto. Falou e falou muito bem. A arbitragem de Rui Costa no jogo contra o Estoril na amoreira foi do mais nojento que vimos durante esta temporada.

Superbock! Fresquinha! #90

1. Notícia de Última hora: O Conselho de Justiça da FPF deu razão parcial ao Sporting no recurso apresentado quanto à decisão do Conselho de Disciplina na FPF no caso do atraso do FC Porto no jogo da Taça da Liga contra o Marítimo mas manteve a decisão desportiva tomada pela câmara baixa jurisdicional do referido órgão. O FC Porto passa às meias-finais da prova. A multa foi aumentada para cerca de 3 mil euros. Nada que não fosse esperado em Alvalade. O próprio presidente do Sporting já tinha declarado publicamente que não esperava que a decisão revertesse a favor dos argumentos apresentados pelo emblema leonino.

Creio que não preciso de adicionar mais nenhum comentário aqueles que teci nesta mesma série de posts sobre o caso.

 

2. A tal senilidade que o presidente do Sporting falava na semana passada.

Pinto da Costa 4

Nos últimos meses temos vindo a constatar que algo mudou no reino do Dragão. E não, a mudança não foi executada apenas ao nível da administração com a saída do incompetente Angelino Ferreira. As artimanhas, os esquemas de comunicação, de intimidação e de chantagem para usufruto e defesa dos interesses colectivos da entidade e até as piadas contra o presidente do Benfica mudaram. Subitamente. Se antigamente, no dito poiso de biltres do calíbre mais ordinário da história do futebol português, para se chegar ao objectivo A, usavam-se B e C, ou seja, para se atingirem certos objectivos necessários à defesa dos interesses do clube, utilizavam-se uma data de esquemas para a prossecução desse mesmo objectivo, actualmente, no seio de Dom Jorge Nuno e seus pares, reside uma tal de senilidade, chata, bacoca, ridícula.

Trocando por miúdos: se o Deco era castigado, plantava-se uma notícia no Jogo a afirmar que o Deco renunciava automaticamente à convocatória para o Euro 2004 caso fosse castigado. Se o árbitro era x, pedia-se ao Valentim para dar um toque à arbitragem para vir o árbitro y. Se certo jogador de clube rival não era castigado pela arbitragem pela atitude z, c fazia questão de mandar uns berros ao Valentim para se mexer de maneira a instaurar imediatamente um sumaríssimo. Se o Mourinho rasgava camisolas, a culpa era do roupeiro, do atrasado mental do Paulinho (com todo o respeito pela enorme dignidade que o nosso roupeiro tem). Se o Benfica perdia campeonatos em casa e tratava de ligar o sistema de rega para evitar os festejos dos jogadores do Porto, o Benfica precisava de contratar um canalizador para descobrir o furo… e por aí adiante. Sempre que Jorge Nuno Pinto da Costa ia às casas do clube, a cabeça do presidente do Benfica inchava que nem um melão.

Volto ao início: algo mudou. A desculpa esfarrapada do atraso provocado por Fernando no jogo contra o Marítimo colou porque o sistema domina os órgãos federativos. Bruno de Carvalho apelou aos sócios e adeptos do Sporting para se insurgirem e como bom filho de gente que sente decidiu queixar-se à UEFA e à FIFA sobre as arbitragens realizadas nos jogos do Sporting bem como instaurar um processo judicial junto das entidades judiciais civis (direito que a lei confere a todas as pessoas singulares e colectivas quando se sentem lesadas por algo ou por alguém). Para as “esburacadas” contas no Reino do Dragão (necessitadas da qualificação para a Champions da próxima temporada pelos motivos óbvios) tais movimentações protagonizadas pelo presidente do Sporting em benefício dos interesses do clube que dirige (se bem que o presidente do Sporting já foi altruísta o suficiente para apresentar propostas que visam a alteração de alguns dos pressupostos basilares do futebol português de forma a torná-lo efectivamente mais justo, mais equalitário e mais atractivo) soaram como uma forma de “coacção factual e coacção na sua forma tentada”.

A prova dos 9 em relação a tudo aquilo que escrevi nas últimas linhas veio da boca do presidente do Porto hoje a propósito da cena lamentável protagonizada por Quaresma no domingo. Jorge Nuno Pinto da Costa teve a nojice (desculpem mas não encontro outro termo) de relacionar a cena protagonizada pelo extremo no domingo com meia dúzia de suposições vindas do reino da teoria da conspiração que em nada abonam para justificar a falha humana protagonizada pelo jogador.

“Sou contra todo e qualquer ato racista e sei o que levou o Quaresma a momentaneamente ficar muito exaltado. Qualquer um ficaria nas mesmas condições. Tive o cuidado de ver pela televisão, que acompanhou sempre o Quaresma, de verificar que ele não agrediu ninguém e apenas quis responder a quem o insultou e portanto dou aqui a minha solidariedade ao Ricardo Quaresma. Tem é de aprender que há gente no futebol que é indigna de lá estar e tenta perturbar o adversário com insultos dos mais soezes”

Vamos por partes.

Em primeiro lugar, será que o egípcio Gomaa, residente em Portugal há cerca de 3 meses, já aprendeu de forma substantiva a língua e a cultura futebolísta portuguesa para, num laivo de loucura, insultar pejorativamente Ricardo Quaresma de “cigano”?

Segundo, se efectivamente Gomaa utilizou o termo “cigano” para provocar o extremo do Porto, pode-se dizer que o jogador está a ser insultado quase diariamente visto que toda a imprensa da especialidade (desde o comum redator do jornal diário até ao comum relatador radiofónico) escreve\diz constantemente a alcunha pela qual é conhecido nos meandros do futebolês o jogador do FC Porto.

Terceiro: Quaresma não agrediu ninguém. Porque um batalhão de gente impediu que agredisse. Nestes casos, a lei não pune o acto consumado. Pune quem tem intenta agredir.

Quarto : para que é que a selecção tem que ser chamada para a conversa? Na minha opinião, Ricardo Quaresma está a jogar o suficiente para ser convocado para a selecção. Está a fazer uma excelente 2ª metade da época. É indiscutivelmente o único jogador do Porto capaz de desequilibrar ofensivamente. Mas não foi chamado à selecção. Porque o seleccionador nacional não teve a mesma opinião que eu. Quer Pinto da Costa queira, quer não queira, quem tem o poder de convocar o jogador é o seleccionador nacional.

Quinto: A quem se refere o presidente do Porto com esta frase: “Tem é de aprender que há gente no futebol que é indigna de lá estar e tenta perturbar o adversário com insultos dos mais soezes” – será que o presidente do FC Porto se refere ao pobre jogador Gomaa do Nacional, recentemente chegado à Liga Portuguesa?

Sexto: Por muitos contentes se deviam ter dado os dirigentes do FC Porto. Que eu saiba, as regras do jogo mandam o árbitro sancionar com o cartão vermelho durante o tempo útil de jogo todo o jogador que tenha intenção de agredir outro jogador ou um agente devidamente identificado assim como sancionar esse mesmo jogador quando este consume ou manifeste intenção de agredir terceiros nos minutos posteriores ao fim do jogo bem como mencionar a ocorrência no relatório de jogo. Se os relatórios dos árbitros fossem tornados públicos, saberíamos se João Capela o fez. Se não o fez, a Comissão de Análise de Arbitragem do Conselho de Arbitragem da FPF tem por ofício lançar um processo de avaliação à omissão do árbitro em questão.

Superbock! Fresquinha! #75

Pinto da Costa 3

Não deixa de ser oportuno o timing que alguém dentro da FPF, mais concretamente do Conselho de Justiça da FPF, escolheu para voltar a mexer na fruta. Com um cenário de profunda instabilidade dentro do FC Porto (nos meandros da coisa já se fala em sucessão a partir da próxima temporada) e com um dos piores desempenhos desportivos e financeiros do clube, a direcção do clube da invicta é pródiga em arranjar assunto para realizar as habituais manobras de diversão, tão preciosas para afastar os holofotes da equipa de futebol e de outros problemas relacionados com a estrutura profissional de futebol do clube.

O CJ\FPF voltou a baixar o acórdão ao Conselho de Disciplina da FPF como mandam de resto os estatutos da FPF. Ocorre que, dadas como ilegais as escutas ao presidente do Porto, ao árbitro Jacinto Paixão e aos seus fiscais-de-linha, no CD\FPF manda um tal de Herculano Lima, o antigo juiz da Relação que segundo ditam os cânones, tem um camarote no estádio do Dragão oferecido pelo próprio clube. Está bom de ver o que vai acontecer. O Conselho de Disciplina irá referir, à boa maneira judicial portuguesa, que não existem provas para condenar o árbitro e o presidente do Porto. Ambos, lesados, irão recorrer à justiça civil, possivelmente para, processar a FPF. Ou o que nunca aconteceu: o cumprimento por parte do presidente do Porto dos 14 meses de interdição de exercício de cargos desportivos. Nesses 14 meses pudemos constatar, jogo após jogo no Dragão, o presidente do Porto no seu lugar habitual na tribuna presidencial do estádio.

Superbock! Fresquinha! #74

bruno esteves

Premissa essencial à leitura da notícia: a decisão foi tomada pelo Conselho de Disciplina da FPF, na sequência da incumbência que lhe foi empossada pelo julgamento do caso dos incidentes de Guimarães.

1. A uniformidade de critérios e práticas na arbitragem portuguesa é crassa: aquando da deslocação do Sporting a Guimarães para a Liga, Paulo Baptista escreveu no seu relatório (por indicação de um dos seus auxiliares) o facto do roupeiro do Sporting, o mítico Paulinho, se ter deslocado do sítio no qual era permitido ver a partida para abraçar o staff técnico do Sporting no golo marcado por Islam Slimani. O roupeiro do Sporting foi multado em 300 e picos euros. Basta pesquisarem aqui nos mapas de castigos deliberados no passado mês de Novembro. Bruno Esteves não fez qualquer menção no seu relatório à pouca vergonha realizada pelo treinador do Benfica na cidade vimaranense.

2. A decisão do CD\FPF abre um precedente interessante: Bruno Esteves ficará de bolsos vazios na próxima semana. Decerto que irá aprender a lição. Quando cometemos um erro (por omissão, por negligência ou por tendência) e esse erro nos sai do bolso, decerto que nunca mais iremos cometer esse erro. A ver vamos se a decisão tomada pela CD\FPF poderá um dia ser aplicada no que concerne aos erros cometidos dentro de campo pela arbitragem. Continuo a defender que essa é uma das medidas que pode alinhar a arbitragem portuguesa nos eixos. Afinal de contas, são parte integrante de uma indústria na qual os resultados desportivos influem directamente nos resultados financeiros dos clubes, que, por seu turno, influem directamente nos empregos de milhares de cidadãos.

3. Não deixa de ser interessante a postura adoptada pelo dito Conselho, algumas semanas depois de se ter “marimbado” e ter feito “marimba” nos regulamentos da Taça da Liga no caso do atraso do FC Porto frente ao Marítimo. Tratando-se de um caso resultante de um acontecimento protagonizado pelo treinador do clube rival do clube simpatizado pelo presidente do Conselho de Arbitragem, estaremos aqui perante um aviso à navegação?

com a pulga atrás da orelha

O presidente do CD\FPF Herculano Lima adiou a decisão do referido organismo relativa ao atraso do FC Porto no jogo da Taça da Liga para a próxima sexta-feira. O antigo juiz do supremo tribunal de justiça motivou “alterações processuais” para o adiamento. Toda a gente já sabe neste país que o CD\FPF decidiu em unanimidade pela prescrição de urranque de um jogo. Provavelmente ma multa ao FC Porto visto não ter encontrado dolo no acto. Bruno de Carvalho proferiu ontem algumas palavras sobre o sistema. O sistema poderá não ser a família organizada, estratificada e hierarquizada que talvez sempre imaginamos. Mas não deixa de estar bem oleado. É delicioso constatar que a atrasada decisão faz passar impune a clara violação regulamentar cometida pelo atraso no arranque de um jogo. São muitos atrasos para o meu gosto. Ou entao tudo isto não passa de um gozo.

lembrete

Está tudo explicado: nos minutos que antecederam a entrada em campo das equipas do FC Porto e do Marítimo, Manuel Mota tinha o relógio atrasado. As declarações dos delegados da Liga foram contraditórias, mas, estamos perante um caso onde alguém não quer definitivamente ver aquilo que se passou.

Ao contrário do que muitos órgãos de comunicação social escreveram hoje, a decisão que irá ser tomada amanhã pelo Conselho de Disciplina da FPF, decisão favorável ao FC Porto, não é contudo definitiva. O Sporting poderá recorrer para o Conselho de Justiça da FPF, ficando suspendos todos os efeitos produzidos pela decisão do CD\FPF.

frase do dia

marinho neves

A Bola ainda é uma ciência. Cheia de contactos e informações privilegiadas. Pelos vistos já toda a gente sabe qual vai ser a decisão do Conselho de Disciplina da FPF no caso do atraso do FC Porto na Taça da Liga. Contudo, também eu tenho acesso a algumas fontes de altíssimo nível que aqui e ali me vão dizendo que os membros do Conselho de Justiça não se fiaram muito na patranha contada por Antero Henrique na audição intercalar executada na terça-feira. A ver vamos para que lado encarriça a coisa quando for avaliado o recurso que o Sporting irá interpor.

Mal na figura irá ficar decerto o presidente da FPF. Não se pode agradar ao mesmo tempo a gregos e a troianos. Ainda para mais quando de um lado está quem deu de comer e do outro está quem pode provocar a qualquer momento um torvelinho dentro da instituição. Ciente estará o presidente da FPF que nunca se cospe no prato onde se comeu, mas, por outro lado, também não é certo que uma moção de censura não caia do céu de um momento para o outro.

Superbock! Fresquinha! #57

Esta cerveja enfeitiçou-me!

Assim se explicam algumas das manobras que são feitas nos bastidores do nosso futebol. Escreve Daniel Oliveira na edição de hoje do Record:

«[…] nestes últimos meses ficou clara para mim uma coisa: pelo menos no campo, o campeonato será decidido no confronto entre o Benfica e o Sporting. Quanto ao Porto, que nos tem presenteado com exibições abaixo de deprimentes, lá terá, se ainda souber, de voltar a tentar ganhar no campeonato da secretaria.
E, regresso ao tema, as coisas vão bem encaminhadas numa competição menor: a Taça da Liga. Herculano Lima é juiz jubilado e conhecido amigo do Futebol Clube do Porto. Em pleno processo de investigações do Apito Dourado disse, em declarações públicas, que a montanha iria parir um rato. O experiente obstetra deste mundo pouco salubre da bola viu o seu desejo confirmado. Herculano também é presidente do Conselho de Disciplina da FPF e dissipou todas dívidas logo na primeira audição sobre o caso do atraso do Porto no jogo com o Marítimo. Segundo o Record, o que o juiz queria saber de Fernando, o jogador que só se lembra das dores uma semana depois de as sentir, era se o Porto também teria vencido o jogo caso tivesse entrado em campo na hora marcada. Como a resposta é impossível de dar e a pergunta era para um jogador do FCP, fica a parecer que o objetivo destas inquirições é o convívio. Onde também participou o vogal Ricardo Pereira, que, seguramente imparcial nestas guerras, foi advogado de Lourenço Pinto contra Carolina Salgado.
Não há, portanto, qualquer ansiedade para o Sporting. Ao contrário do dérbi, o resultado é mais do que certo e parece-me que não será “limpinho”. E, no entanto, não há qualquer dúvida que o Porto quis atrasar o jogo para daí obter vantagem. E que os regulamentos punem esse comportamento com derrota. Ficam a saber os árbitros: quando marcarem uma grande penalidade ao Porto, por causa de uma rasteira na grande área, terão de perguntar ao faltoso se aquela jogada mudaria o desfecho do jogo. Porque é assim que se faz justiça no futebol nacional.»

O futebol português mete-me nojo! –

Vila do Conde em polvorosa. O Rio Ave chega pela segunda vez à final de uma competição do futebol português. A Antena 1 deslocou meios para a cidade situada no distrito do Porto e promoveu, no seu programa da manhã, reportagens da cidade vilacondense. Oba oba, Carnaval antecipado! A vitória dentro de campo foi completamente gamada. Nada disto interessa aos vilacondenses. Fazendo jus ao pensamento do comum português no que às exibições dos  apitos concerne, ganhar roubado até é mais saboroso. Perdõem-me a linguagem: o caralho é quando se perde por causa do apito.

Na conferência de imprensa do Estádio dos Arcos, o professor pardal mostrou-se indignado. Com toda a razão. Pela lógica do castigo aplicado na terça-feira a Sérgio Conceição, Jesualdo Ferreira deverá ser castigado pelas declarações que proferiu. Para a Liga castigar treinadores por declarações sobre as árbitragens, basta apenas criticar um erro de arbitragem “Foi uma meia-final de uma das três competições do calendário nacional, que o Rio Ave, a jogar em casa com um relvado mau e com vento muito mau, dos quais não tem culpa, acabou por ganhar sem que nos possam culpar de alguma coisa. A meia-final não teve uma equipa de arbitragem à altura. O Sp. Braga foi prejudicado e todas as análises que possa fazer vão sempre recair na mesma personagem e naquilo que acaba por manchar o trabalho do Rio Ave, a quem felicito por estar na final. Fomos penalizados de uma forma pouco clara e pouco nítida. Tiraram-nos uma final”

Não querendo ser o advogado do diabo, enalteço a frontalidade demonstrada pelo presidente do Sporting de Braga no final da partida quando afirmou: “Tiraram-nos uma final, mas não nos movem do sentimento de busca e luta pela verdade desportiva, pelo que vamos fazer uma exposição para o CA sobre tudo o que se passou neste jogo de má memória para o futebol português, enquanto aguardamos pela nota com que este senhor do apito será brindado. Esta Liga tem de parar de prejudicar o futebol português! Os discursos são muito bonitos e falam muito da indústria futebol, mas que serviço estão estes senhores da Liga – pagos e bem pagos, refira-se – a prestar ao nosso futebol quando autorizam que uma meia-final se realize num campo que nem de ‘batatal’ merece ser chamado? Isto é promover o espetáculo? Isto é proteger os jogadores? Não, isto é próprio de um organismo que não faz cumprir as leis e que acha que vive num mundo à parte e com regras próprias” – tais declarações só me fazem concluir que as propostas apresentadas pelo presidente do Sporting fazem todo o sentido.

rui silva

Já o adjunto do Rio Ave Rui Silva deu uma de puritano ao afirmar: O nosso líder merece esta vitória porque trabalhou muito por ela. É uma vitória do grupo e ele merece isto. Desde início do campeonato que não falamos em lances da arbitragem. Há lances difíceis de analisar e também os houve na área contrária”. – não comentar as arbitragens realizadas em jogos em que se é beneficiado pela mesma parece ser a postura politicamente correcta da actualidade do futebol português. Desculpe? Quais são os lances em que teve dificuldade de analisar? O lance em que o seu atleta caiu sozinho na área e ainda teve o displante de pedir grande penalidade? O lance em que o seu jogador corta uma bola com a mão na área? Vai-me perdoar Rui Silva, mas declarações como as suas não podem ter lugar no futebol português. Seria portanto uma atitude para com o futebol português e para com o adversário admitir aquilo que toda a gente viu.

Superbock! Fresquinha! #55

Coisas sobre as quais ninguém se parece importar no futebol Português. As velhas questões de dois pesos e duas medidas.

 – O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol sancionou Sérgio Conceição com 20 dias de suspensão devido ao facto do treinador da Académica ter dito ao árbitro da partida que tinha a informação que comprovava um golo mal anulado à académica no jogo contra o Estoril.

A decisão do CD\FPF saiu cerca de 24 horas depois dos acontecimentos.

– Jorge Jesus foi suspenso por 30 dias por ter agredido um agente da Polícia de Segurança Pública. O Conselho de Disciplina demorou 58 dias a decidir sobre os acontecimentos.

– Em virtude um protesto identico aquele que cometeu Sérgio Conceição, quando era treinador do Sporting, Paulo Bento foi castigado com 30 dias de suspensão.

Pré-Derby ou Pré-Derbys

Ainda decorre na sede da FPF em Lisboa a reunião do Conselho de Disciplina do referido organismo. Em análise está o atraso do FC Porto no jogo frente ao Marítimo a contar para a Taça da Liga. Ao que se sabe, o FC Porto veio a Lisboa defender a sua versão através de Antero Henrique e Fernando. O jogador foi o alibi utilizado pelo clube na sua defesa por escrito. Nesta, o clube alega que o atraso cometido no referido jogo se deveu ao facto de ter sido necessária a realização de exames extraordinários ao jogador nos minutos que antecederam o jogo para se ter a certeza de que poderia ser utilizado no mesmo. Boatos que tem surgido nas últimas horas dão conta que os membros do CD\FPF estão mais inclinados para a prescrição de uma multa ao clube da invicta ao invés de puni-lo com a derrota no jogo, sanção máxima que pode ser aplicada neste caso pelos regulamentos da competição.

Os filmes que não se deveriam repetir

vejam e apreciem a imbecilidade de Manuel Mota da Silva.

Mais:

«O polémico golo anulado este fim de semana ao Sporting tem uma característica muito especial: não foi polémico. Exceto meia dúzia de alminhas, não se encontra quem diga que o golo foi bem anulado. Foi golo e pronto. A única polémica foi a decisão do árbitro de o anular. O Sporting merecia ter acabado a primeira volta da Liga com mais dois pontos.
É bem verdade que, como foi dito várias vezes na conferência de imprensa de Alvalade, um jogo e uma atuação de um árbitro não podem ser resumidos num só lance. Mas é também verdade que basta um lance para mudar a história de um jogo – às vezes mesmo de um campeonato.» – Pedro dos Santos Guerreiro in Record.

Como:

o título que o FC Porto ganhou neste lance que valeu 30 dias de suspensão a Paulo Bento por ter constatado o óbvio. Já agora, a mesma suspensão Jorge Jesus levou por ter obstruído a detenção de um adepto por parte de um agente policial seguida de agressão ao mesmo.

Claro que o clubismo mexe com alguns agentes desportivos inseridos nas instituições que detém poder de decisão junto da FPF. Nestes casos, costumam aparecer papagaios a palrar uma enorme baba (de camelo):

«Esse tipo de declarações [referindo-se a Bruno de Carvalho] tem de ser punido por quem de direito, neste caso, o Conselho de Disciplina, a quem compete analisar se há ou não fundamento para um castigo pesado. Nós não procuramos castigos, procuramos sim que o futebol tenha paz e tranquilidade e não é este tipo de discurso que permite valorizar o nosso futebol […] Os árbitros aceitam bem a crítica em relação ao seu trabalho. A Associação terá o dever de defender a sua classe e o seu associado em relação a tudo aquilo que põe em causa a honestidade de uma equipa de arbitragem», José Fontelas Gomes, presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), in TSF

O que este papagaio não afirmou, ou melhor, não quis afirmar, é que pertence a uma classe profissional (ou em vias de) que em toda a sua história só agiu de forma corporativa contra o Sporting Clube de Portugal. Senão vejamos:

arbitros 1

Quando fizeram greve a um Beira-Mar vs Sporting a contar para a época 2011\2012.

arbitros 2

Quando os colegas e dirigentes federativos aplaudiram um jogo que custou uma eliminação ao clube em virtude de 2 penaltis não assinalados.

ou quando:

azia

este senhor, antigo árbitro internacional, sentiu “azia” por ter roubado de igreja o Sporting num jogo em Chaves (2-2) a contar para a época 1998\1999 com 2 grandes penalidades não assinaladas e um golo limpo anulado a Beto num jogo que o próprio confirmou se ter sentido “perturbado, agastado e aborrecido”, ao ponto de ter admitido que os seus erros de avaliação poderiam ter ”prejudicado não só o Sporting, mas a classificação global do campeonato”.

Assertivamente afirmo que se podem traçar muitas analogias entre essa época e a actual época do Sporting. O Sporting de Jozic estava, no final da primeira volta do campeonato, em 1º lugar, a jogar o melhor futebol do campeonato. Como se isso não bastasse, poderia quebrar naquele ano a hegemonia de 4 títulos obtidos pela fruta fresca vinda do Norte. Na 2ª volta foi o raro o jogo onde não foi prejudicado pela arbitragem. Qualquer semelhança com a actual época do Sporting é portanto uma pura coincidência…

Superbock! Fresquinha! #9

Que raio de cerveja é esta? – os lambuças do costume.

record 2

Jornal Record

Sinceramente ainda não consegui perceber bem o que é que os webdevelopers, os webdesigners, os jornalistas, os editores, os directores-adjuntos e o director principal deste pasquim andam a fazer durante o dia. Não sei se andam a dormir ou se esta barbaridade é um truque para fazer render mais os jornais que vendem. Todos os dias a rapaziada do Record Online brinda-nos com informações, notícias e vídeos que não lembram ao arco da velha. Num dia notíciam que a unha do pé mindinho do Fábio Coentrão rachou num cruzamento feito aos 38″. No outro dia notíciam que o Josué foi apanhado a chutar cavalo em Ermesinde. Noutro filmam durante 20 segundos a movimentação na rua onde mora o Leonardo Jardim. Não consigo nem quero acreditar que centenas de pessoas não queiram, não consigam ou não tenham a obrigação (para informar correctamente quem lhes garante o emprego) de abrir este link para verem a tabela classificativa da Liga e assim repor a verdade sobre o campeonato português.

Aqui vai a explicação aos meninos do Record para que não hajam dúvidas:

Critérios de desempate pelo Regulamento das Competições da Liga de Clubes: 

Ponto 6 do Artigo 9.º (competições por pontos) do Regulamento de Competições da Liga Profissional de Futebol:

«Para estabelecimento da classificação geral dos Clubes que no final das competições se encontrarem com igual número de pontos, serão aplicados, para efeitos de desempate, os seguintes critérios, segundo ordem de prioridade:

a) Número de pontos alcançados pelos Clubes empatados, no jogo ou jogos que entre si realizaram;

b) Maior diferença entre o número de golos marcados e o número de golos sofridos pelos Clubes empatados, nos jogos que realizaram entre si;

c) Maior número de golos marcados no campo do adversário, nos jogos que realizaram entre si;

d) Maior diferença entre o número dos golos marcados e o número de golos sofridos pelos Clubes nos jogos realizados em toda a competição;

e) Maior número de vitórias em toda a competição;

f) Maior número de golos marcados em toda a competição»

A Liga determinou, no entanto, que DURANTE a prova, para estabelecer a classificação, aplicam-se APENAS os critérios d) a f).

Tudo ao Molho! –

Os verdadeiros casuals voltaram. No Porto tudo funciona assim: à lei do petardo. Noutros carnavais da bola deste país, acusaram e acusam os dirigentes e adeptos adversários. Um agente da polícia ficou ferido. Podia ter morrido. Pior que isso: os adeptos do Porto colocaram um foguete a arder debaixo do autocarro que transportava a sua equipa. O foguete poderia ter incendiado o autocarro causando ali uma tragédia. Tudo legal, como podemos ver!

Paulo Fonseca esteve toda a noite a acertar agulhas com Antero Henrique. Deve-se ponderar seriamente a hipótese do treinador estar à condição até último jogo da Champions. Se bem conheço a metodologia de comunicação utilizada pelo Porto, tudo assim o indica. A comunicação do Porto funciona em spin-doctoring. A ideia é envenenar a informação ao ponto de a manipular de tal forma que uma mentira seja tida como uma verdade universal. Exemplo prático: Para manter uma aparente tranquilidade na estrutura, o departamento de comunicação vaza informações para os jornais que afirmam a confiança do presidente no seu treinador. Por detrás, o seu treinador já está a prazo. Outro exemplo: Fucile e Izmailov continuam “ausentes” dos treinos pois estão a tratar de assuntos pessoais. O spin-doctoring mascara a correcta informação: Fucile já disse que não quer renovar pelo clube e\ou vai ser despachado em Janeiro para o Porto lucrar algum ou vai arejar as ideias durante uns meses para renovar contrato. O russo já nem conta no baralho de Fonseca.

Esta cerveja enfeitiçou-me!

O Record mostra no seu site imagens gravadas no interior do complexo desportivo do Rio Ave que mostram Jorge Jesus a entrar numa porta cuja serventia não se conhece. Para mim quer-me parecer que a malta do Record quer tirar nabos da púcara. Depois do castigo suave com que foi presenteado há 2 semanas, não acredito que JJ quisesse arriscar entras nas chamadas “zonas interditas” do estádio a meio do castigo que actualmente está a cumprir sob pena de o agravar – contudo, não ponho as minhas mãos no fogo se tal aconteceu. Como sabemos, não seria a primeira vez que um dirigente do Benfica o faz. É de referir também que Rui Costa foi suspenso por 40 dias pelo Conselho Disciplinar da Liga (Jesus foi pelo CD da Federação) por ter insultado um dirigente da SAD do Braga e por ter sido reincidente a sua presença nas chamadas zonas proibidas, ou seja, na zona reservadas aos árbitros e ao delegado da Liga. Na mesma altura, o então director do Sporting de Braga Carlos Freitas foi suspenso por 45 dias por insultos proferidos contra o presidente do Conselho Disciplinar na Liga. Factos que mais uma vez corroboram a mão leve que o CD\FPF teve para com o treinador benfiquista.