NBA 2013\2014 #45

Os rumores que tem marcado os últimos dias da liga:

1. Agita-se a especulação sobre o futuro de Melo. No Point Forward, um dos blogs associados do site da NBA, Rob Mahoney afirma que Joakim Noah já poderá ter feito a operação de charme junto do extremo dos Knicks para se juntar à Wind City já no próximo verão.

melo anthony

Claro está que a equipa de Chicago, não terá os 22 milhões de dólares que Carmelo aufere por ano (nunca assinará pelos Bulls por menos daquilo que actualmente ganha nos Knicks, isto é, cerca de 23,5 milhões de dólares; esta é a player option que jogará terá ou não de activar no verão com a equipa de Nova Iorque) sem ultrapassar a taxa de luxo. Incluída a amnestia sobre Carlos Boozer, movimento que irá poupar cerca de 16,8 milhões de dólares à equipa de Chicago e fixar o cap space da equipa cativo para a próxima época em 46,603 milhões de dolares (cerca de 15\16 milhões de dólares a menos que o tecto salarial máximo previsto para a próxima época) com 5 jogadores a contrato (6 com Melo). Surgem então aqui vários problemas:

  • Chicago terá que investir a sério. Não só na free-agency (recrutando dois ou três jogadores para a rotação) como na renovação de casos pendentes (Augustine por exemplo, Jimmer Freddette; caso Thibodeau queira manter o jogador em Chicago) e assim ultrapassar em muito o tecto salarial máximo. O montenegrino naturalizado espanhol Nikola Mirotic, jogador cujos direitos pertencem a Chicago depois do negócio que envolveu a cedência de Kirk Hinrich e Kevin Seraphin há uns anos atrás, MVP da liga espanhola do ano passado, poderá ter que ficar mais um ano em Madrid visto que Chicago terá que lhe pagar um salário a rondar os 6\7 milhões de dólares. Apesar do proprietário dos Bulls, Jerry Reinsdorff já ter afirmado várias vezes durante esta época, a vontade de investir (significa, pagar taxas) caso lhe apresentem um projecto sólido e capaz de lutar pelo título da NBA.
  • Pessoalmente gostava de ver Carmelo Anthony nos Bulls. Acredito que com Rose totalmente recuperado, tanto o base como o extremo iriam beneficiar imenso do jogo um do outro. Enquanto o primeiro, com as suas fantásticas arrancadas pelo eixo central seria capaz de abrir muito espaço para o 2º, a marcação que é executada sistematicamente sobre o segundo iria abrir muito espaço para o primeiro. Para além do mais, dadas as evoluções que Melo fez no seu jogo, creio que iria constituir uma tripla temível com Taj Gibson e Joakim Noah na luta das tabelas.
  • Por outro lado, Melo iria roubar tempo a Jimmy Butler. Butler é uma das almas desta equipa dos Bulls. É um lutador nato que tem evoluído a pulso de ferro na equipa. Dado como um jogador sem futuro da NBA, está a tornar-se um jogador cada vez mais completo com fantásticas penetrações debaixo do cesto, boa capacidade de tiro de meia distância e de 3 pts e sobretudo uma habilidade fantástica para defender. Já é indiscutivelmente um dos melhores defensores da Liga.
  • A injustiça perante Carlos Boozer. Boozer tem as suas limitações a defender, tem. Mas Boozer está a realizar uma das suas melhores épocas na liga. O seu lançamento em arco é certinho e garante muitos pontos por jogo. Combina bem tanto com Noah como com Gibson.
  • O futuro de Mirotic: não é tarde nem é cedo para o jogador do Real vir para a Liga. A possível contratação de Melo para Chicago poderá ser nociva para o seu crescimento dentro da equipa visto que são jogadores com características muito mas mesmo muito semelhantes.

2. Phil Jackson on Knicks? Don´t shit me.

Jackson 1Jackson 2

jackson 3

Jackson 4

Se os Knicks andam completamente desesperados para conseguir os serviços de Phil Jackson no front-office (Vice-President of Basketball Operations), na minha opinião, tal escolha não se deve apenas à época desastrosa que a equipa de Nova Iorque está a realizar esta temporada e à necessidade de renovação existente no seio do franchise a partir da contratação de alguém com a credibilidade do Mr. Zen. O desespero indicia claramente que Carmelo Anthony já deverá ter dado algum recado para o gabinete da direcção. Vejo a escolha de Phil Jackson (se aceitar ser VP dos Knicks, irei considerar imperceptível porque é que não se mexeu para ser GM\treinador dos Lakers quando os fãs da equipa assim o exigiam à direcção dos Buss na época passada; recordo que Mr. Zen é casado com Jeanie Buss, filha do antigo proprietário dos Lakers, Jerry Buss e irmã do actual presidente da equipa Jim Buss) como a última cartada dos Knicks para manter Melo em Nova Iorque. Só um projecto demasiado atractivo manterá o all-star no Madison Square Garden.

3. A retirada de camisola de Zydrunas Ilgaukas:

O lituano muito pouco lituano (desde que chegou à NBA em 1996 como a 20ª escolha do draft, literalmente marimbou-se na selecção do seu país natal\quando a quis representar, lesionou-se) viu a sua camisola retirada no Quicken Loans Arena em Cleveland. Apesar de nunca ter sido uma big-star da Liga (foi all-star duas ocasiões mas nunca foi uma das enormes estrelas da liga) compreendo que a retirada de camisola tenha como fundamento as 15 temporadas que o poste lituano passou com a equipa do Ohio. Pela sua carreira na Liga (pese embora o facto de ter sido um jogador com épocas bastante homógeneas com números a rondar 15 pts\8 ressaltos, números que de resto são satisfatórios para um poste titular de equipa como o foi Ilgauskas) decerto que Ilgaukas não veria o seu número 11 retirado porque não foi demasiado importante para lhe ser cumprido o desígnio. A própria retirada de camisola foi muito precoce: apenas 3 anos depois do jogador se retirar oficialmente.

É o 7º jogador do franchise de Cleveland a ver a sua camisola retirada depois de Bingo Smith (1970-1979), Larry Nance (1989-1994), Mark Price (1986-1995), Austin Carr (1971-1980), Nate Thurmond (1975-77), Brad Daughery (1986-1994).

Anúncios

NBA 2013\2014 #32

Da jornada de sexta-feira:

A fantasmagórica exibição dos atiradores exteriores dos Clippers em Chicago. Regressado de lesão, JJ Redick logrou marcar 4 triplos em Chicago logo no primeiro período. Se no final do primeiro período, com uma primeiro período bastante bom dos Bulls, os Clippers venciam por 41-26 (pontuação record num período de uma equipa a jogar no United Center desde que Tom Thibodeau é treinador dos Bulls) a meio do 2º período, para que se tenha noção da avalanche ofensiva praticada no United Center, a equipa orientada por Doc Rivers tinha uma eficácia de lançamento de 3 pts de 90% (10 em 11). Nenhuma equipa da liga seria capaz de contrariar tamanha eficácia. Também convém salientar que no primeiro período, Carlos Boozer esteve em grande evidência com 16 pontos. Só voltaria a fazer mais 6 no 3º período. Acabou o jogo com uma eficácia de 10 em 18.

No segundo tempo, os Bulls tentaram diminuir a diferença. Alavancados por uma excelente exibição de Mike Dunleavy e Taj Gibson (fez 3 lançamentos fora do seu habitual spot de lançamento) os Bulls chegaram a reduzir a diferença para 8, sucumbindo novamente no início do 4º período, onde, habitualmente, Tom Thibodeau praticou a sua rotação by the book. Os melhores marcadores da equipa na partida (Dunleavy e Boozer) acabaram por não ser utilizados no 4º período.

Curiosa stat apresentada durante o jogo revelou que Joakim Noah subiu bastante os seus números nos 9 jogos efectuados pela equipa sem Luol Deng. Dos 10 pontos de média feitos até então, o poste francês subiu para os 14. De 9.6 ressaltos de média subiupara os 12.8 nas 9 partidas realizadas.

Apesar da derrota por 112-95, a equipa dos Bulls continuou o seu bom momento de forma na última madrugada ao bater os Bobcats em Charlotte por 89-87. 8 vitórias nos últimos 10 jogos. DJ Augustin fez season-high com 28 pontos. O base contratado por Chicago nos dias seguintes à lesão de Rose, está claramente a merecer um contrato para as próximas 2\3 épocas. O mais provável é que Chicago lhe ofereça no final do ano um contrato mínimo de veterano a rondar os 1,2 milhões de euros. Por meia temporada, Augustin está a receber 403 mil euros nos Bulls.

Depois da vitória em Chicago, os Clippers foram vencer a Toronto na madrugada de ontem. Fantástica exibição individual (career-high) do sophomore Terence Ross com 51 pontos. Nos últimos dias, jogadores a fazer mais de 40 pontos é um facto banal na liga!

Viral. Os 62 pontos de Carmelo Anthony na vitória dos Knicks sobre os Bobcats no Madison Square Garden por 125-96. Completamente onfire. Para além de ter feito praticamente metade dos pontos da equipa (e de não ter feito mais porque foi poupado por Mike Woodson a 7 minutos e meio do fim da partida) na retina fica a fantástica eficácia do #7 de Nova Iorque com 23 lançamentos certeiros em 35 tentativas, 6 triplos e 13 ressaltos.

Algumas notícias sobre a Liga:

derrick rose rule

1. A Derrick Rose Rule – novas regras contratuais de protecção aos jovens atletas que se destacam nos primeiros anos na liga para efeitos de assinatura de contratos salariais máximos.

“A Designated Player may be eligible to earn 30% of the salary cap (rather than the standard 25%) if he passes certain criteria. To be eligible, the player must be voted to start in two All-Star Games or be named to an All-NBA team twice (at any level), or be named MVP. Officially titled the “5th Year 30% Max Criteria”it has been dubbed (and is more commonly known as) the “Derrick Rose Rule” after the MVP due to the fact that when the criterion was introduced, Rose was the only player in the NBA eligible to sign the maximum extension (due to his MVP award). The reasoning for the rule is to suitably reward rookie players who are considered to be of a higher “caliber” than their peers, without restricting them to the lower (25%) salary level. A player may sign a “5th Year, 30% Max” contract before the final year of his rookie contract and before fulfilling the criteria needed to receive the 30% salary grade. Should the player fail to fulfil the criteria before the start of his Designated Player contract, he will receive the standard five year, 25% Designated Player contract. James Harde of the Houston Rockets had such a clause in his contract extension, but failed to meet the criteria. The only player in the NBA currently attempting to qualify for a full 30% contract is Paul George, who signed a provisional 30%/5 year contract in September, 2013 (George requires entry into only one further All-NBA team in the 2013-14 season, having made the All-NBA 3rd team in 2012-13)”

2. Carmelo Anthony termina contrato no verão e ainda não assinou extensão com os Knicks. O Bleacher Report hipotetiza sobre o futuro do jogador dos Knicks, se bem que creio que Carmelo vai renovar com os Knicks.

Se não o fizer, a única equipa minimamente atractiva com cap suficiente para albergar o seu salário são os Lakers. A equipa de Los Angeles terá no próximo verão cerca de 27 milhões para gastar até atingir o tecto salarial máximo. Melo não irá assinar por menos de um pacote de 100 milhões por 5 anos ou 85 milhões por 4 anos. O único problema que surge para a equipa de Los Angeles é que só tem 3 jogadores subscritos para a próxima época (Kobe Bryant, Steve Nash e Robert Sacre) e uma player option nas mãos de Nick Young para a época 14\15. A contratação de Carmelo irá impreterivelmente obrigar a equipa de Los Angeles a ultrapassar o seu tecto salarial e consequentemente a ter que pagar luxury tax para compor o resto do seu plantel (8 jogadores), brincadeira que não sairá barato à família Russ.

3. A Liga aprovou excepções salariais (o jogador ser pago mas parte do seu salário ser deduzido no cap da equipa) para os Atlanta Hawks e Milwaukee Hawks em virtude das lesões prolongadas no tempo de Al-Hortford e Carlos Delfino (Adrian Wojnarowki\Yahoo Sports)

4. O fenómeno do Tanking voltou a estar em destaque nos últimos dias. Por Tanking designa-se o acontecimento em que uma equipa da NBA perde jogos de forma propositada para poder ir à lotaria do draft em condições de poder ficar num dos primeiros lugares do mesmo e assim poder começar um rebuild (reconstrução de plantel) com epicentro num talentoso rookie.

NBA 2013\2014 #29

Sem muito tempo para ver jogos, ficam alguns dos curiosos acontecimentos desta semana:

Luol Deng

1. Em Chicago terminou a “novela Luol Deng” – notícia da semana: o extremo foi trocado com os Cleveland Cavaliers.

Depois de exigir a Chicago um pacote salarial igual ou superior a 54 milhões de dólares por 4 anos (o valor de mercado estimado pelo jogador e pelo seu agente) e do General Manager Gar Forman ter feito duas propostas, uma com um pacote salarial de 30 milhões a 3 anos e outra de 40 a 4 anos que Deng rejeitou) Chicago não teve outra solução (para evitar o pagamento de luxury tax este ano\para limpar cap space do seu plantel\para evitar pagar uma penalização extra por ter utilizado 3 vezes a taxa de luxo em 5 épocas em virtude da utilização desta nesta e na próxima época\para poder ultrapassar a luxury tax na próxima época) senão trocar o seu melhor jogador (na ausência de Rose) por Andrew Bynum dos Cleveland Cavaliers e uma série de picks nos próximos drafts cujos detalhes específicos são:

– 1st round pick dos Sacramento Kings protegida (Top12 em 2014, Top10 em 2015, 2016 e 2017). Pick esta que se não der até 2017, passa, nesse ano, a 2nd round pick, desde que não seja entre a 55ª e a 60ª escolha.
– Direito de trocar a 1st round pick com os Cavs em 2015, desde que os Cleveland vão aos playoffs nesse ano (Top14 protected right).
– 2nd round pick dos Blazers em 2015
– 2nd round pick dos blazers em 2016

O sudanês com passaporte britânico abandona a equipa de Chicago 9 anos e meio depois de ter chegado à wind City em 2004 como 7ªa escolha do draft desse ano, escolha realizadae cedida pelos Phoenix Suns aos Chicago Bulls.

Cleveland Cavaliers v Washington Wizards

Sem grande vontade no Cavs, suspenso pela equipa por tempo indeterminado, com uma cláusula no contrato que permitia aos Cavs dispensar metade do seu salário deste ano caso trocassem ou dispensassem o jogador até dia 7 de Janeiro, Andrew Bynum foi a moeda de troca para a equipa do estado do Ohio adquirir Deng e assim continuar na prossecução do seu objectivo para esta época: um lugar nos playoffs.

Chicago decidiu dispensar Andrew Bynum hoje. Com a dispensa de Bynum, Chicago poupou 6 milhões de dólares, conseguindo assim baixar o tecto salarial para 71,07 milhões, abaixo do tecto salarial máximo de 71,7 milhões de dólares. Chicago evitou assim o pagamento de luxury tax esta época assim como o pagamento de uma penalização no próximo ano caso ultrapasse o tecto salarial da Liga. Contudo, com apenas 12 jogadores na Liga (a Liga obriga a que as equipas tenham 13 de mínimo) restando um cap de cerca de 630 mil dólares, os Bulls terão que acrescentar mais um jogado nos próximos dias, sendo de espectar que contratem um veterano (sem clube) ou um DLeaguer por um valor igual ou superior a esse valor.

O que é significa na prática esta troca?

1. A contratação de Luol Deng por parte dos Cavs insere-se na estratégia de playoffs definida pela equipa no início da época.

2. Para os Bulls, a troca de Deng, indiferentemente das picks (cheias de restrições e especificidades que dependem de resultados dos clubes doadores nos próximos anos) significou uma poupança salarial significativa que permitirá à equipa evitar impostos e assim preparar o seu rebuild com maior facilidade para os próximos anos. Sem grandes expectativas para esta época desde a lesão de Derrick Rose e com alguns dossiers que terão de merecer a máxima atenção na próxima época (entre os quais o salário de Nikola Mirotic, poste baixo MVP da liga Espanhola do Real Madrid que virá para Chicago receber perto de 8 milhões de dólares) os Bulls começaram a preparar o futuro. Como é mais ou menos certo que Carlos Boozer vai ser amnistiado e Kirk Hinrich não deverá renovar contrato (tornar-se-ão free agents no verão) os Bulls vão iniciar a próxima época com um cap de 45,725 milhões ( 8 jogadores) aos quais se acrescentam 8 milhões de Mirotic e um valor ainda não estimado por uma escolha de draft. Como o tecto salarial estimado para o ano é inferior ao deste ano (cerca de 62 milhões de euros), os Bulls deverão ter 7 milhões disponíveis para atacar jogadores na free-agency no imediato, podendo aumentar esse valor caso ainda consigam realizar mais trocas até ao fim do período designado pela liga para tal no final de Fevereiro. Já se comentou na liga que os Bulls ainda poderão trocar mais jogadores até ao fim do ano. Kirk Hinrich, apesar de terminar contrato este ano com a equipa poderá ser um deles, sendo que uma possível troca do veterano só será feita para efeitos desportivos (alguém que acrescente valor futuro à equipa). Especula-se já numa troca com Golden State a realizar nos próximos dias.

Quanto às picks cedidas, alguma coisa daí virá.

3. Ainda sobre Chicago.

Durante os últimos dias, várias notícias foram publicadas sobre a situação dos Bulls e as expectativas que se devem e deverão gerar para o presente da equipa nesta temporada e para o futuro. Houve quem afirmasse que a equipa vai fazer tanking até ao final do ano, ou seja, perder jogos para cair o mais fundo possível na classificação para conseguir, na lottery dos lugares do próximo draft uma 1st pick alta (primeiros 8). Tom Thibodeau também não terá ficado satisfeito ao perder o seu melhor jogador disponível. O técnico afirmou que compreende a estratégia (financeira) da direcção (Gar Forman e John Paxson) mas apontou algumas críticas à troca na sua óptica de rendimento desportivo da equipa. O que quer dizer que o treinador de Chicago ainda pretende fazer qualquer coisa desta época.

No primeiro jogo sem Deng, os Bulls venceram os Suns.

4. Nova Iorque

Momento alto da época dos Knicks:

No jogo contra Dallas, o maluco beleza JR Smith entrou para fazer das suas ao desatar os atacadores do adversário Shaun Marion. Embora não me pareça maldoso, o acto destraiu Marion no ressalto! Quem não teve a mesma opinião foram os comissários da Liga, tendo multado pela segunda vez o shooting guard dos Knicks esta época. Se na primeira multa, Smith foi castigado em 25 mil dólares por ter escrito palavras pouco simpáticas no twitter de Brandon Jennings (Detroit Pistons) nesta situação, a Liga resolveu ter uma mão mais pesada sobre o jogador: 50 mil euros de multa.

Como as exibições dos Knicks andam um pouco descoloridas, a animação é feita nas bancadas. A actriz Michelle Rodriguez, actriz que participou em filmes como Fast and Furious, Avatar, S.W.A.T e na Série Lost, bissexual assumida, foi apanhada visivelmente embriagada nas primeiras filas do Madison Square Garden a beijar uma modelo de nome Cara Delevingne.

NBA 2013\2013 #21

Durante a quadra natalícia, o melhor campeonato do mundo não parou e trouxe momentos de grande espectacularidade.

1. Jogos:

Vitória tranquila para os Pacers frente aos Nets na 2ª feira por 103-86. Lance Stephenson, embalado por uma grande partida frente a Boston, coroada com triplo-duplo, fez o seu career-high com 26 pontos frente a uns Nets que voltaram a baquear por completo no 3º período, período esse que costuma ser muito forte para a equipa de Indiana e em particular para Paul George.

Na primeira parte assistiu-se a um jogo muito lutado mas pouco esclarecido e pouco eficaz. Sinal negativo (mais uma vez) para Deron Williams (péssimo a organizar, cometeu muitos turnovers) e para Paul Pierce, este último, por uma falta anti-desportiva sobre George Hill na fase de descalabro da equipa nova-iorquina que valeu a expulsão ao poste e uma multa de 15 mil dólares por parte da liga num jogo em que o extremo fez o 2º jogo da sua carreira sem pontuar (em mais de 1100 jogos na NBA).

Neste jogo também assistimos a mais duas decisões erradas por parte de Jason Kidd: o regressado Jason Terry esteve disponível para o jogo, entrou muito bem com 3 triplos mas só entrou quando o jogo já estava decidido para a equipa orientada por Frank Vogel. Reggie Evans voltou a ficar no banco de suplentes. No jogo seguinte contra Chicago (em baixo) fez 9 ressaltos só no primeiro tempo, controlando os postes de Chicago. Quando saiu, Boozer e Gibson cresceram no jogo e os Nets voltaram a perder.

No dia de Natal, Bulls e Nets encontraram-se no Barclays Arena. Camisolas especiais para a ocasião. Estas camisolas valeram de resto muitas críticas entre os adeptos da liga. Pessoalmente creio que o seu uso deve considerar-se uma aberração para o basquetebol. Tenho dúvidas que qualquer atleta se sinta confortável a jogar com estas camisolas que, são muito aplaudidas em modalidades como o rugby visto que o seu tecido fino torna mais difícil o acto de placagem. O primeiro jogador a protestar foi o alemão Dirk Nowitzky:

Dirk

Os Bulls venceram por 95-75 num jogo em que os Nets voltaram a perder o jogo no 3º período. Mérito para a defesa de Chicago nesse período, fazendo valer o estatuto (esquecido esta época) de equipa defensora. Kirk Hinrich, Carlos Boozer e Taj Gibson estiveram em destaque.

Mais uma vez se provou que no seio dos Nets, vive-se a ferro e fogo: num desconto de tempo Kevin Garnett sentou-se e deu a táctica enquanto Jason Kidd estava de mãos atadas no banco de suplentes a observar. No final do jogo, os adeptos dos Nets assobiaram a equipa.

Na passada madrugada, LeBron James fez uma exibição monumental (33 pontos, 8 ressaltos e 8 assistências) tendo passado Larry Bird e Gary Payton na lista de melhores pontuadores da história da Liga – King James é agora 29º nessa lista. Neste momento, LeBron tem 21819 pontos. Em actividade só é suplantado por Vince Carter (22532; 27º, a cumprir a sua 15ª temporada na liga), Ray Allen (24086; 22º, a cumprir a sua 17ª temporada na liga) Tim Duncan (24165; 21º; a cumprir a sua 16ª temporada na liga) Paul Pierce (24317; 20º; a cumprir a sua 15ª temporada na liga) Kevin Garnett (25451; 15º; a cumprir a sua 18ª temporada na liga) Dirk Nowitzky (25564; 13º; a cumprir a sua 15ª temporada na liga) e Kobe Bryant (31700; 4º; a cumprir a sua 18ª temporada na liga) – pode-se dizer que Bryant está a dois anéis e 592 pontos de suplantar Michael Jordan.

A megalómana exibição de James não foi suficiente para a equipa de Miami levar de vencida a modesta equipa dos Kings (9-19) recentemente reestruturada com a troca que efectuou com Toronto e da qual resultou a contratação de Rudy Gay. Gay marcou 26 pontos. O destaque da partida vai para a melhor exibição de carreira do poste DeMarcus Cousins (já esteve várias vezes em cima da mesa para ser trocado de forma a promover um novo rebuild para a equipa de Sacramento) com 27 pontos, 17 ressaltos e 5 assistências. O base Isiah Thomas fez 22 pontos, 11 assistências e 7 ressaltos. Dados os últimos resultados dos Kings, pode-se dizer que a continuar assim vão construir uma boa equipa para o próximo ano.

No dia de ontem, ao contrário do que tem feito este ano, Seth Curry até marcou menos pontos dos que costuma marcar nos jogos dos Warriors na vitória sobre os Suns por 115-86. Apenas 14 pontos para o sg num jogo brilhante onde conseguiu um triplo-duplo com 14 assistências e 13 ressaltos. Grande jogo do base num jogo em que fez assistências capazes de levantar pavilhões. Voltou a sacar rogados elogios da boca do seu treinador Mike Jackson: “It was spectacular. Awfully impressive running a team. Kept his foot on the gas pedal. Rebounded the basketball. Defended at a high level. Made shots. I mean, the guy is playing at an all-time level for himself, and that’s saying a lot. He’s been spectacular and continued it tonight. I just loved the way he competed.”

Na quinta-feira Clippers e Trail Blazers protagonizaram aquele que podia bem ser uma partida de jogo 7 dos próximos playoffs. Cheia de intensidade entre duas equipas que estão a protagonizar uma boa época (os Clippers em crescendo) valeu por meia dúzia de jogos o final sensacional protagonizado por LaMarcus Aldridge e Blake Griffin. Se aquela bola de Jamal Crawford entra (com falta) é um dos momentos mais brilhantes desta fase regular.

2. Momentos:

em particular para o fantástico abafo realizado pelo lituano Donatas Montijunas seguido de contra-ataque pela sua equipa (Houston Rockets) e para o buzzer-beat vitorioso de Jeff Teague na vitória sobre os Oklahoma City Thunder.

O Shaqtin´a´Fool de 26 de Dezembro. A reacção de Chandler Parsons à backcourt violation do israelita Omri Casspi é awesome!

3. Notícias e rumores:

1. John Schumann escreve no Hang Time uma das bombas deste 28 de Dezembro de 2013 – Os Cleveland Cavaliers suspenderam Andrew Bynum por tempo indeterminado em função da sua conduta na equipa. Andrew Wojnarowski afirma na Yahoo Sports que o motivo que levou à suspensão do poste foi a sua falta de vontade em render mais. Os Cavaliers pagam 12,25 milhões este ano ao poste que foram resgatar aos 76ers. Na minha opinião acho muito dinheiro (e desperdicio de tempo) tentar reabilitar uma estrela que não apresenta indices físicos que lhe permitam ter regularidade na liga. Bynum tem mais um ano de contrato a receber 12,54 milhões se bem que especialistas afirmam que o contrato de Bynum em Cleveland tem várias cláusulas que podem amenizar perdas para os Cavaliers caso o poste não cumpra certos objectivos.

2. Em Brooklyn, Kidd continua com a vida muito difícil. Sekou Smith afirmou hoje no habitual Shootaround report pelas equipas, citando o infalível Woj do Yahoo Sports que agora são os responsáveis do franchise que já não acreditam no técnico: ” From management to players, Kidd has shown an inability to manage crisis and keep the respect of his players.” – Kidd nunca perdeu o balneário porque nunca o teve. Prova disso foi o discurso de Garnett num dos timeouts contra Chicago.

3. O Bleacher Report fez a cobertura do shootaround dos Heat em Sacramento no dia do jogo contra os Kings, vincando o esforço que Greg Oden e os fisios de Miami estão a fazer para que o #1 em 2006 volte à competição.

4. A lesão de Bradley Beal dos Washington Wizards.

5. A lesão de Russell Westbrook dos Thunder.

6. Durante a semana, falou-se na hipótese de Clippers e Knicks trocarem Carmelo Anthony por Rajon Rondo. O rumor não ganhou força.

 

NBA 2012\2013 #17

1.O viral poster cartão de visita de LeBron James a0 rookie Ben McLemore na vitória de Miami frente aos Sacramento Kings. Tudo legal visto que o jogador dos Kings estava a pisar a linha da área restritiva, logo, estava dentro.

2. O cabaz que Indiana aplicou a Houston na sexta-feira:

1. Os Rockets até vinham de uma vitória confortável sobre Chicago. Em Indiana, perante a equipa que está a jogar o melhor basket desta temporada, ainda deram luta na primeira parte, tendo sucumbido nos primeiros minutos do 3º período com um parcial de 25-10 (12 pontos de Paul George nesse parcial). O sg de Indiana deu uma lição a todos os jogadores de basquetebol nessa semana ao afirmar que ao contrário do que todos os analistas da liga afirmam, não é incompatível com o jogo do regressado (bem regressado) Danny Granger. Lição de maturidade de George:

Noutras declarações ao site dos Pacers, Paul George afirmou que o que interessa é que ele George irá fazer de tudo para aumentar os seus números e ao mesmo tempo poderá aumentar o rendimento de todos os colegas. “Quando existem jogadores bons, nada mais importa” – afirmou.

2. De realçar também são os máximos de carreira de Dwight Howard no que toca ao lance livre. 61% nos jogos realizados esta temporada. Os treinadores de Houston estão finalmente a fazer o trabalho que Howard não deverá ter feito em Orlando e Los Angeles. O jogador aumentou a eficácia, já é capaz de marcar lances livres sem espinhas e isso irá beneficar em muito a equipa de Houston visto que é um dos jogadores que mais vezes vai para a linha de lance livre. Existe quem já tenha adoptado propositadamente uma postura faltosa perante o base para tirar partido da situação. Bom trabalho por parte do staff técnico de Houston.

3. Ainda por Indiana:

A meio desta semana, os Pacers perderam com Miami num jogo em que os Pacers ficaram a reclamar uma falta de LeBron James no acto de lançamento de Paul George. Clara falta jogador de Miami, se bem que antes do acto lançamento, logo, passível de dar dois lançamentos livres ao jogador de Indiana.

Indiana é na minha opinião a única equipa capaz (até agora) de ter condições para rivalizar com os Heat no Este.

Os Bulls acabaram ontem com o streak negativo que a equipa acumulou nas últimas semanas ao vencer os Cavaliers por 100-84.

O que é que ressalta da partida? O que escrevi aqui na passada sexta-feira.

DJ Augustin marcou 18 pontos e continua a lutar pelo sucesso da equipa.

O rookie Tony Snell saiu do banco e facturou 18 pontos. Thibodeau teima em amarrar à cadeira certos jogadores. Se os colocasse mais no court, teria surpresas mais agradáveis e resultados mais favoráveis.

Na altura em que continua a novela Deng:

Deng

4. Para finalizar, duas notícias:

1. Patrick Beverley (Houston Rockets) poderá ficar de fora entre 4 a 6 semanas devido a uma lesão na mão. 

Depois de ter iniciado a época com uma lesão, o rápido base dos Rockets estava a crescer a olhos vistos nesta que é a sua segunda época na liga.

2. O poste do Nuggets Kenneth Faried lesionou-se ontem na anca. Ainda não existe previsão quanto ao tempo que irá parar.

NBA 2013\2014 #16

Da vitória de Houston pouco há a dizer. Vitória fácil para uma equipa que nunca teve de subir o ritmo para fazer sucumbir os mortiços Bulls. Tecnicamente, Beverley e James Harden fizeram ponta e mola de Marquis Teague e DJ Augustin (se bem que o segundo voltou a demonstrar que quer agarrar um contrato com os Bulls nesta fase em que se encontra apenas com contrato a 10 dias) e Dwight Howard trocou as voltas a um desinpirado Joakim Noah que só entrou para distribuir pancada. Com Boozer e Gibson na marcação, o poste ex-Lakers piou mais fino. Ofensivamente, foi mais uma péssima exibição a juntar à colecção de más exibições que Chicago leva este ano. A equipa tem momentos em que para no marcador, não tem qualquer critério no ataque, em particular no lançamento, não tem fio de jogo e isso por si leva a que hajam ataques iniciados pelos postes, continua com muitos turnovers (maior parte deles cometidos por erros de amador) e é, portanto, uma presa fácil para qualquer adversário até porque não está a defender bem.

O impasse continua em Chicago. Juntei-me aqueles que proclamam a saída de Tom Thibodeau. Os Bulls foram de facto apanhados psicologicamente pela lesão de Derrick Rose. Volto ao passado. A direcção no ano passado conseguiu formar uma equipa competitiva na ausência do seu melhor jogador. Para além de se ter construído um colectivo, haviam soluções que permitiam outros voos (Nate Robinson; Marco Belinelli) não sendo positivo pedir a Kirk Hinrich ou Mike Dunleavy truques fora do seu reportório (Hinrich será um bom organizador que lança de vez em quando e Dunleavy é um lançador catch and shoot) para igualar as incursões ao cesto que tanto o base como o shooting guard italiano faziam bem como o poderoso jogo exterior que faziam acrescentar à equipa. No Verão, Nate foi dispensado. Para além de questões salariais, os responsáveis dos Bulls pensaram que o base não tinha lugar na equipa com a entrada de Rose. De nada valeu a Nate Robinson a evidência de ter levado a equipa às costas nos momentos decisivos da época como os jogos contra Brooklyn na primeira ronda dos playoffs. Derrick Rose voltou e os responsáveis de Chicago pensaram que a sua estrela estaria em condições de voltar a entrar na dinâmica da Liga. Até ao momento em que o base se lesionou e com a época em risco, abateu-se a melancolia nos jogadores de Chicago na medida em que se lhes vai ser exigido todo o sacrífico que fizeram na temporada passada. Ocorre porém que a resposta dos jogadores não está (para já) a ser à altura do desafio, ainda para mais quando existem situações no plantel por clarificar como as de Luol Deng e Carlos Boozer.

Deng ainda não o renovou e não é esperado que o faça até ao deadline de Fevereiro. Até lá qualquer cenário poderá acontecer, inclusive a de uma troca. No entanto, avaliando pelo que vai acontecendo noutras equipas da liga, o seu poder de troca está incurtado e não existem candidatos (para já) dispostos a avançar pelo jogador até porque o seu salário é pesado. Do ponto de vista financeiro da equipa de Chicago, a renovação com Deng irá implicar obrigatoriamente a saída de Carlos Boozer visto que a equipa arrisca-se a levar com uma dura penalidade fiscal caso mantenha os seus gastos acima do tecto salarial pelo 3º ano consecutivo. A direcção dos Bulls já afirmou que não quer trocar o extremo.

A equipa não reage aos parcos estímulos de um Tom Thibodeau que está efectivamente a passar pelo seu pior período em Chicago. O energético treinador é no banco o espelho de uma equipa triste. Ao invés dos constantes berros vemos um Thibodeau calado, impotente e sem soluções para dar a volta à situação. O despedimento do treinador parece-me certo se os Bulls ainda quiserem fazer alguma coisa desta época. Lionel Hollins, Doug Collins e George Karl são alguns dos treinadores que se encontram à espera de um possível desfecho desta história. Estou certo que se Hollins e Karl pegarem nestes Bulls com os recursos que a equipa apresenta (muito superiores aos que tinham em Memphis e Denver) poderão fazer milagres maiores do que aqueles que fizeram nas equipas do estado do Tennessee e do Colorado.

Como um mal nunca vem só, Luol Deng está novamente lesionado e junta-se a Kirk Hinrich no lote dos indisponíveis. O plantel dos Bulls é curto e como se isso só não bastasse, Thibodeau tem um amontado de jogadores que não utiliza no banco como Tony Snell, Mike James, Erik Murphy e Marquis Teague.

Do outro lado da Liga:

Mais seis semanas para paragem para Kobe. As lesões não estão a deixar a humilde equipa dos Lakers ir mais longe.

Em Houston, Omer Asik só sairá no momento em que a equipa encontrar o jogador que necessita para reforçar a equipa.

NA NCAA:

ncaa

Já quem lhes chame o fab three do futuro da liga. Os 3 rookies do campeonato universitário (da esquerda para a direita Jabari Parker da Universidade de Duke, Andrew Wiggins de Kansas e Aaron Gordon da Universidade do Arizona) + Julius Randle de Kentucky e Tyler Ennis de Syracuse estão a dar que falar na imprensa norte-americana pela qualidade dos seus números no seu ano de estreia no campeonato universitário e já existe quem os aponte lugar específico na NBA: o primeiro em Chicago em 2015 por via da troca que está prometida com Charlotte caso Derrick Rose não volte na condição que lhe reconhecemos, o segundo em Toronto também em 2015 visto que é o próximo wannabe vindo do Canadá, o terceiro em Sacramento já no próximo ano caso a equipa troque Cousins.

A ler:

NBA 2013\2014 #11

Then…

and now…

Vitória na quinta sobre Miami com duas exibições monumentais de Carlos Boozer (27 pontos) e Luol Deng (20). Volta-se a confirmar a ideia que há muito manifesto: quando Rose sai de cena, Deng reaparece. Vitória seguida de uma derrota colossal em casa frente aos Pistons, equipa à qual os Bulls venceram há menos de duas semanas por 59-79 precisamente no Palace of Auburn Hills.

Situação actual da equipa:

1.Rose out até ao final da temporada. Culpas no cartório para Gar Forman, o General Manager da equipa. No início da época pensou-se: “bem, o Rose regressa, Rose e Hinrich dão prós gastos e extravaganzas, vamos mandar o Nate Robinson embora” – o Rose lesionou-se novamente, o Hinrich não vale ponta de um peido, e o Nate, que até levou Chicago às costas na ausência de Rose (e em certa maneira de Deng) está lentamente a fazer em Denver aquilo que fez na última época em Chicago: saltar do banco, tomar conta da equipa e resolver jogos de forma espectacular.

2. O fantástico ambiente que reina no seio do franchise. Esta semana confirmaram-se os rumores de que há muito se suspeitava – Gar Forman e o treinador Tom Thibodeau não se falam há meses. Zangaram-se porquê? Porque passou uma núvem pelo homem que comanda o destino dos Bulls e este despediu o adjunto responsável pelo departamento defensivo e pela fantástica defesa que Chicago apresentou nos últimos anos. Depois da saída de Adams, a equipa nunca mais voltou a defender da forma implacável como defendia há ano e meio atrás.

3. Dwayne Wade voltou a comprar casa na sua cidade natal. O acontecimento levou toda a imprensa especializada a afirmar que Wade (tacitamente poderá terminar contrato com os Heat se assim o entender no final da próxima temporada) poderá estar a caminho dos Bulls na próxima época. Tal assumpção levanta-me várias questões:

3.1. Em primeiro lugar, estarão os Heat dispostos a abdicar da sua fórmula de sucesso?

3.2. Apesar de ter nascido em Chicago, Wade é um jogador de franchise de Miami. Um símbolo de equipa, o pilar em que assenta o triunfo da equipa da Flórida nas últimas duas épocas. Estará Wade disposto a abdicar da vida que fez em Miami para ir para uma equipa sem rei nem roque?

3.3. Wade não caminha para novo. Tal crença agudizou-se recentemente com a utilização a conta gotas que os Heat estão a fazer do seu base em virtude das lesões que tem padecido ultimamente. Se os Bulls afirmaram não ter dinheiro para manter Robinson e Belinelli, se os Bulls já pagam luxury tax com a medíocre equipa que tem, se os Bulls ainda não conseguiram resolver os dossiers Boozer e Deng, terão capacidades para atacar um jogador que não virá ganhar menos de 20 milhões de dólares para Chicago caso esteja interessado em assinar?

4. Deriva do ponto 3.3. Esta época está feita para os Bulls. Apuramento à rasquinha para os playoffs, isto é, se o conseguirem de facto. A falta de estratégia a médio prazo do franchise é um problema gritante. Não vem de agora. Vem desde a contratação de Thibodeau e Boozer. A estratégia (ou a falta dela) está assente na premissa: “formamos uma equipa e pró ano é que é” – “O Rose lesionou-se mas quando voltar, pro ano é que é” – “O Rose voltou a lesionar-se mas pró ano com o Mirotic e com um bom free-agent é que é” – assim se queimam épocas atrás de épocas sem qualquer critério e com uma lista de pagamentos altíssima.

5. Os postes. Boozer está a exibir-se a alto nível no ano em que pode estar de malas aviadas. Boozer não é parvo nenhum. Sabe perfeitamente que esta época pode ser a montra ou para renovar com a equipa com valores aproximados aos que actualmente aufere ou com outra equipa com um salário minimamente elevado (9 a 12 milhões).

Noah está a subir de forma depois de ultrapassadas as dificuldades físicas sentidas no crónico problema na planta do pé.

Taj Gibson está a subir de forma e parece ser o candidato natural à posição 4 se Boozer sair.

Nazr Mohammed é uma nódoa. Ainda não consegui perceber o que é os responsáveis de Chicago vêem nele para o manterem na equipa.

6. Rose ainda acredita que vai voltar. Ao site\rádio dos Bulls disse: Dead serious. I know I’m going to be alright. It shouldn’t be hard for me at all, I don’t have anything to complain about. I think the hard part that I had to go through in life, period, is living in poverty and not being able to get what I want. I’ve got everything that I want and I just can’t play the game that I love playing. But I have my son and I think he’s going to be huge in this process. I’ll be around him a lot. “I just turned and this happened, kind of like a freak accident, If this were to happen 10 more times, I’ll be able to deal with it. I did all that I could do. I’ll put everything I have into coming back.” 

Pessoalmente acredito que regresse, mas dúvido que regresse ao nível que esperamos dele.

Vou ainda abordar mais duas questões:

Kobe

O regresso de Kobe.

8 meses depois da horrível lesão no tendão de aquiles, é expectável que regresse à competição hoje no jogo contra os Raptors (2 e meia da manhã). Os Lakers bem o merecem pelo esforço que a sua pobre equipa está a fazer neste início de temporada para manter o barco minimamente estável na ausência das suas principais figuras (Kobe, Nash, ultimamente Kaman).

Se por um lado reconheço, olhando para a equipa de LA que existe gente com muito talento – Gasol, Nick Young, Jodie Meeks – na ausência dos 3 lesionados – por outro, existe ali gente que apesar de não ter um talento compatível ao ponto de se dizer que tem estatuto de jogador médio ou médio\alto – Steve Blake, Jordan Farmar, Xavier Henry, Wesley Johnson, Robert Sacre – há que reconhecer que tem feito das tripas coração para manter o franchise perto dos lugares de playoff e, neste momento, até estão a conseguir esse objectivo (score 10-9).

Espero mesmo do fundo do coração que Kobe regresse em força e dentro de meses volte a mostrar a fera que existe dentro de si. Para bem da equipa e dos seus pobres adeptos que, em certa medida, tem sido aqueles que tem sofrido mais com o percurso da sua equipa. (Os adeptos dos Bulls não andam longe!)

Rubio

É sensacional, é brilhante e ver um jogo da sua equipa (Timberwolves) é um prazer. Ricky Rubio. Só lhe falta melhorar o capítulo do lançamento. Gosto muito destes Timberwolves. Tem um base de sonho, um 5 de sonho (Corey Brewer, Nikola Pekovic, Kevin Love, Kevin Martin) e para dar o passo decisivo para o sucesso só lhes falta um banquinho melhor – José Barea é outro base que aprecio muito, muito energético, bom distribuir e bom lançador se bem que a malta de Minesota não concorda com a minha opinião e assobia constantemente o seu número 6. Luc Mbah-a-Moute é um jogador interessante. Alexei Shved é um jovem com muito potencial que não está a ser aproveitado pela equipa e o rookie Senegalês Gorgui Dieng parece-me ser um jogador capaz de se tornar um poste muito interessante.

A equipa combina muito bem o jogo exterior de Brewer, Love, Martin com o poderosíssimo contributo interior do Montenegrino Pekovic. Esse facto deve-se à excelente leitura de jogo que Rubio faz de cada ataque. A Nikola Pekovic falta melhorar a sua eficácia perto do cesto. É o grande défice deste jogador que recentemente vi estar a fazer uma média pontual de 15 e tal. Trabalho satisfatório (para já) de Rick Adelman.

Para finalizar, aproveitando a deixa do último ponto, Wolves e Spurs foram fazer na quarta-feira um jogo à Cidade do México.

Eis o que aconteceu:

Incêndio no pavilhão obrigou à evacuação do mesmo.

A ler:

NBA 2013\2014 #6

Ao 10º jogo, a primeira derrota de Indiana. No United Center está claro.

Facto 1: Pontuação alta de Chicago. Não é todos os dias que os Bulls passam dos 100 pontos. 110 pontos pode-se tornar, ao 8º jogo, a maior pontuação de Chicago num jogo da fase regular.

Facto 2: Primeiro jogo em anos em que vejo Luol Deng (23 pontos e 7 assistências) combinar bem com Derrick Rose (20 pontos\4 assistências) – a experiência dos últimos anos diz-me que quando um está, o outro apaga-se.

Facto 3: Primeira grande contribuição na época vinda do banco dos Bulls – Hinrich, Snell, Dunleavy, Gibson e Nazr Mohammed acumularam 40 pontos, 11 assistências e 17 ressaltos.

Facto 4: Primeiro jogo de Rose sem turnovers nesta época. Quando Rose faz poucos turnovers, a equipa ganha. Quando Rose inventa, a equipa não ganha.

NBA 2013\2014 #2

O Sr. Tom Thibodeau berra tanto e tem a voz tão rouca que qualquer dia só é ouvido com recurso a um amplificador de voz. Ou então, com recurso a uma cassette gravada em bom tempo.

Perdoem-me os Bulleanos mais fanáticos: esta equipa não joga nada. Repito. Esta equipa não joga nada. Não sei o que é que o Sr. Gar Forman faz no gabinete. Coisa boa não é. A equipa é desiquilibradíssima. Em Chicago continua a ilusão de que o 5 base da equipa é capaz de ser a fonte de resolução de todos os problemas da equipa. Não o é. A NBA não funciona nesses moldes. Ou se tem uma equipa com soluções para as mais variadas posições e para os mais variados departamentos de jogo ou então não se anda por aí a apregoar uma equipa capaz de lutar pelos anéis. É inadmissível que uma equipa com 5 jogadores iniciais com talento e 3 soluções de banco credíveis gaste nada mais nada menos que 81 milhões de dólares e esteja a gastar, segundo as minhas contas, algo como 25 milhões de dólares em luxury tax.

Como se isso não bastasse, ainda existem dois dossiers para decidir até ao final do mês: Luol Deng termina contrato no final da época. Se os Bulls assinarem uma extensão com o extremo, poderão aumentar o seu salário de 14 para 17 ou 18 milhões de dólares. Kirk Hinrich também termina contrato. Ganha 4 milhões de dólares. Não creio que exista outra opção senão baixar drasticamente o salário ao base. Richard Hamilton não é visto há anos no court. E ainda recebe 1 milhão de dólares, quase tanto como o valor que Ron Artest (Metta World Peace ou Metta War Peace, como queiram 🙂 recebe em Nova Iorque, ou por exemplo, pouco mais do que o “dispensado” Nate Robinson aufere em Denver. Para não ser mauzinho, um pouco menos do que Marco Belinelli recebe em San Antonio.

Resumindo e baralhando: no último verão, um dos motivos que levou à não-renovação dos contratos de Belinelli e Nate foi, segundo Forman, o facto dos Bulls não terem possibilidades de continuar a pagar o que pagavam a estes jogadores. Falamos de Nate Robinson, aquele que na ausência de Rose levou literalmente com a equipa às costas. Mike Dunleavy foi contratado. Nada contra. Preencheu uma das carências da equipa, o tiro exterior. Engulo o argumento dado por Chicago. Os números de Dunleavy falam por si. Nada que Nate ou Belinelli já não o fizessem. Nate e Belinelli ainda tinham a particularidade de ir debaixo do cesto com garra. Dunleavy não é feito para incursões ao jogo interior. Dunleavy é feito para catch and shoot. Só. Fazendo bem as contas, Nate e Marco recebem 4,7 milhões nas suas novas equipas. Dunleavy, Hinrich e Hamilton recebem juntos algo como 8 milhões de euros. Não havia dinheiro…

Deixo a parte economicista da gestão financeira da equipa e passo ao court. Irregulares. Defensivamente tem dias. Ofensivamente não tem um único dia. Com Rose ou sem Rose. A equipa é capaz de estar a vencer por 20 no 3º período e perder o jogo. A rotação by the book de Tom Thibodeau enoja. É prejudicial. É descabida. Perde jogos. Rose ainda não está nos seus melhores dias. Perde muitas bolas. Poderá ter que parar devido a um problema físico contraído no jogo de ontem (vitória frente aos Cavs). Deng é instável. Quando existe Rose, não existe Deng. Deng reaparece quando não existe Rose. Noah joga cheio de dores. Compreensível. Boozer ainda é o único que está a fazer pela vida. Finalmente. Está a fazer pela vida porque como se sabe termina o contrato no ano de 2016 e como fa restricted deverá ser o primeiro a rolar no próximo verão. Trocado ou amnistiado. Há um senhor em linha de espera para a posição. Um grande senhor do basket europeu que dá pelo nome de Nikola Mirotic.

Do banco dos Bulls, posso aplicar aquele célebre ditado que os portugueses aplicam aos espanhóis: “nem bom vento nem bom casamento”. Hinrich (às vezes) Gibson e Dunleavy. É escasso para uma equipa com pretensões. O resto (Snell, James, Nazr, Teague, Murphy e Hamilton) ou não joga, ou joga pouco ou é gente demasiado jovem para meter neste momento. Basta só lembrar os pobres minutos que Snell teve em campo contra Miami, tremendo como varas verdes quando teve que defender LeBron. Interrogo-me às vezes o que é o Nazr anda por ali a fazer quando já tem idade para estar em casa a tomar conta dos netos. Ter Nazr como suplente de poste alto com um Joakim Noah que vai parar bastantes vezes ao longo da época, é algo que não cabe na cabeça de ninguém. Quando olhamos aos postes que estiveram disponíveis no verão que recebem tanto como o poste de Chicago percebemos que Forman não tem jeito para a coisa: DeJuan Blair (Dallas; 941 mil dólares esta temporada) Byron Mullens (Clippers; 947 mil dólares esta temporada) Fab Melo (Memphis Grizzlies; 1,3 milhões de dólares). Não sei que tipo de contratos é que os Bulls fazem ou qual é o critério usado nas negociações mas creio que estes 3 tem muito mais talento para fazer descansar Noah mais minutos dos que descansar habitual. Isto sem contar que Kenneth Faried quer sair de Denver e está disponível por um valor acima dos 1,4 milhões de dólares, valor actual do seu salário na equipa do estado do Colorado.

Para finalizar, parece que existem outros com opiniões identicas à minha.