NBA 2013\2014 #53

nowitzky 2

Com os playoffs a caminho (começam no dia no próximo dia de 19; os Phoenix Suns deram um passe de gigante na última semana para serem, de forma surpreendente, os 8ºs da conferência Oeste) este final de fase regular fica marcado por mais três recordes, 2 individuais, de carreira, outro de um jogo da fase regular e pelo fim de um recorde de época.

1. O alemão Dirk Nowitzky entrou para o 10º lugar do histórico ranking de marcadores da Liga. O alemão de 35 anos, jogador dos Dallas Mavericks, detentor de um poderoso fade away shot (a sua imagem de marca), ultrapassou na lista o também histórico Oscar Robertson, considerado por muitos como um dos jogadores capazes de figurar no Mount Rushmore da NBA (a imaginária adaptação para a NBA do memorial construído nos rochedos de Black Hills of South Dakota com a figura de 4 históricos presidentes norte-americanos) com os 21 pontos obtidos na vitória dos Mavs em Utah. Nowitzy tem agora 26714 pontos, estando a 232 da antiga estrela de Houston Hakeem Olajuwon (ainda ultrapassável na presente temporada caso Nowitzky mantenha a sua pontuação regular nos 3 jogos que faltam disputar na fase regular e em 7 ou 8 jogos de playoffs) e a 599 de Elvin Hayes. Dirk é o 2º jogador com mais pontos em actividade. O primeiro é Kobe Bryant (31700) e o 3º é Kevin Garnett com 25614 pontos.

2. O quarentão de Los Angeles Steve Nash tornou-se o 3º jogador da história da liga no capítulo das assistências. Nash passou nesta madrugada Mark Jackson (actual treinador dos Golden State Warriors).

3. No jogo em Nash se consagrou no top 3 do respectivo recorde de carreira, os Lakers averbaram mais uma derrota volumosa. Derrota por inacreditáveis 145-130 contra os Houston Rockets de James Harden. A equipa de Houston apontou 49 pontos no 3º período, máximo de pontos apontados por uma equipa num período já que estamos numa de recordes. A equipa de LA somou o 3º jogo desta temporada a sofrer mais de 130 pontos. A equipa de Houston ganhou a Oklahoma no fim de semana num jogo que ficou marcado pelo record obtido por Kevin Durant. O extremo de OKC bateu um velhinho record obtido nos anos 90 por Michael Jordan: 41 jogos consecutivos a marcar 25 ou mais pontos.

4. O record de Durant terminou ontem. O jogador da equipa orientada por Scott Brooks apenas somou 23 pontos na vitória de Oklahoma frente aos Sacramento Kings.

2. Meanwhile in Detroit…

Dumars

Dumars 2

O histórico jogador e actual general manager dos Detroit Pistons Joe Dumars, poderá renunciar ao cargo que ocupa no final desta semana. Já tinha abordado aqui neste blog o facto de, para Detroit, esta ser uma temporada decisiva. Os Pistons tem sido desde o desmembramento da geração campeã em 2004 (Rashid Wallace, Ben Wallace, Richard Hamilton, Antonio McDyess, Tayshaun Prince, Chauncey Billups) uma das equipas que mais prejuízo dá dentro da liga. Ao prejuízo somam-se os péssimos resultados obtidos nas últimas 3 épocas (últimos lugares da conferência este na fase regular) e um rebuild lento e pouco eficaz face às ambições conhecidas dos Pistons: um franchise pretendente ao título da NBA pelo menos numa época por década.

Face a um crónico défice de bilheteira registado no Palace of Auburn Hills (como bem sabemos, a cidade de Detroit está perto da falência e conta neste momento com milhões de desempregados e com várias partes da cidade parcial ou totalmente desertificadas) a presidência da equipa apostou tudo este ano para chegar aos playoffs com as entradas de Brandon Jennings, o italiano Gigi Datome (via draft) e Josh Smith para uma equipa epicentrada nos postes Andre Drummond e Greg Munroe. Os próprios bilhetes para os jogos dos Pistons em casa eram oferecidos a preço de saldos. Cheguei a ver a meio da temporada, entradas individuais a 8 dólares e colectivas de 8 pessoas a 70 dolares com várias ofertas. A equipa ainda chegou a ameaçar a possibilidade de ir aos playoffs na primeira metade da época mas, na 2ª metade, sucumbiu. O presidente da equipa Tom Gores crê que está na altura de renovar os seus quadros directivos. Como nos últimos anos, Gores tem perdido imenso dinheiro na equipa, não há coisas de coração (Dumars é um dos consagrados de Detroit tanto como jogador como na pele de dirigente) que resistam a um mau investimento.

4. O segredo de Greg Popovich. Bom artigo escrito na Bleacher Report.

O segredo de Popovich é a escolha de um grande jogador por geração, assegurando a equipa que esse jogador é um jogador de franchise. Fazendo uma analogia ao lema do FC Porto, Popovich quer um jogador à Spurs. Como David Robinson, Tim Duncan, Tony Parker, Manu Ginobili ou agora Kahwi Leonard por exemplo. Ou seja jogadores com características de sucesso, prontos a vencer a qualquer momento, reservados, trabalhadores, respeitadores das suas regras (em San Antonio a coisa funciona assim: Se Pop diz x, é x e ninguém ousa contrariar Pop porque toda a gente sabe que Pop sabe bem aquilo que faz) e tecnica e defensivamente evoluídos. Não é por acaso que San Antonio é uma das raras equipas do Oeste que defende tão bem ou melhor que as habituais grandes defensoras da Liga, as equipas da Conferência Este.

Anúncios

NBA 2013\2014 #52

No United Center, os Bulls retribuíram a derrota sofrida na passada sexta-feira em Indiana. Jogo péssimo ao nível de eficácia de lançamento. A equipa de Indiana continua a viver o seu pior período da temporada. Em risco está o 1º lugar da conferência. Para além da falta de eficácia (apesar dos 21 pontos marcados, Paul George não fez uma exibição por aí alem) os comandados de Frank Vogel cometeram muitos turnovers, inclusive duas perdas de bola em duas reposições da mesma pela regra dos 5 segundos (se já é raro acontecer a violação desta regra numa jornada inteira diária da Liga, mais raro é acontecer duas vezes à mesma equipa no mesmo jogo. Nos últimos 12 jogos, Indiana venceu apenas 5.

A equipa de Chicago resolveu no 3º período depois de uma primeira parte medíocre. A alma de Joakim Noah (Roy Hibbert foi mais uma vítima do poste) com 10 pontos, 8 ressaltos, 8 assistências, 4 roubos de bola e 2 abafos (sim, Noah é um poste!), a inspiração de Mike Dunleavy (fantástico catch and shoot no 3º período que cavou a diferença nos 8\9 pontos neste período), a inteligência de Kirk Hinrich (16 dos 18 pontos na 2ª parte) em conjunto com um certeiro Taj Gibson (23 pontos) foram as chaves do jogo para a equipa de Tom Thibodeau.

Pelo que está a fazer em campo e pelo espectáculo que nos tem brindado com os seus fantásticos posters na cara dos adversários, o poste suplente de Chicago (sai do banco quase sempre para marcar mais de 15 pontos e ganhar 6\7 ressaltos) é para mim aquele que deverá receber no final da temporada o prémio de 6th man da Liga (melhor suplente do ano).

Na conferência este começam-se a fazer as contas. Indiana e Miami lutarão pela primeira posição da conferência. Chicago tem dois jogos de diferença para Brooklyn (3ºs). Knicks e Atlanta lutam pela última vaga. Os “novos Knicks” poderão ser perigosíssimos. Pela equipa que tem e pelo rendimento que tem conseguido desde que Phil Jackson assumiu a presidência do clube. Há quem afirme que no dia seguinte à sua tomada de posse, Jackson foi ao balneário falar com jogadores e treinadores. A equipa conseguiu uma série de 8 vitórias consecutivas e voltou a acreditar que os playoffs são possíveis. Para a equipa que ganhar a conferência, os Knicks em forma serão sempre perigosos. Para os Bulls interessa neste momento qualquer resultado que não faça sair os Heat (virtualmente) antes da final de conferência. Se a equipa de Miami vencer a conferência, a equipa de Chicago precisa de ficar na 3ª posição. Se os Pacers vencerem, a 4ª posição será imperiosa para as equipas se defrontarem nas meias de conferência caso passem a primeira ronda. Continuo a acreditar que no actual estado de forma dos Bulls, a equipa de Tom Thibodeau será capaz de bater os Pacers numa série de playoff. A equipa de Indiana está a perder argumentos: Paul George não está tão eficaz, Lance Stephenson e Hibbert estão abaixo de forma, Evan Turner ainda não encaixou no estilo de jogo da equipa, Luis Scola já não consegue acrescentar tantos pontos e ressaltos como conseguia no início da época. Ao invés, Chicago cresceu nos últimos 2 meses a todos os níveis: Hinrich e Augustine são dois bases completos que organizam muito bem o jogo e acrescentam muitos pontos à equipa, Jimmy Butler e Mike Dunleavy, para além de efectivos lançadores são dois jogadores que já conseguem efectuar boas penetrações ao cesto (Jimmy também tem a vantagem de ser um excelente defensor), Carlos Boozer faz os seus pontos regulares e Taj Gibson e Joakim Noah são neste momento metade do sucesso da equipa pela entrega que tem ao jogo.

O que eu ando a ver #54

Manhã de domingo nervosa e emotiva no Miribilla em Bilbao. 10 mil espectadores assistiram aquele que pode ser o último jogo da equipa do Bilbao esta temporada. A equipa da casa, o Bilbao Basket, histórico clube do basquetebol espanhol, presença habitual nos playoffs da Liga Endesa nas últimas temporadas, recebeu o líder (invicto em 24 jornadas da fase regular) Real Madrid num verdadeiro cenário de crise. O combinado de 39 pontos obtidos por Sérgio Rodriguez, Rudy Fernandez e Sérgio Lllul decidiram o jogo. Contudo, a exibição do trio dourado do Real Madrid não é o main theme deste post.

A crise económica que se vive em Espanha atingiu a maior liga europeia. No sábado, o capitão da equipa de Bilbao, o veterano internacional espanhol Alex Mumbru, anunciou a abertura de um período de greve depois do jogo contra o Real. Acontece que o principal investidor da equipa basca Gorka Arrinda retirou a sua posição de accionista da equipa basca e os restantes investidores não conseguiram até ao passado fim-de-semana angariar investimento para a equipa. Ainda se falou da possibilidade do grupo IMQ poder assumir a posição de investidor mas o conselho de administração da seguradora decidiu não avançar.

Com salários em atraso Mumbru afirmou que a situação é insustentável. Cansados de promessas, os jogadores reuniram-se e iniciaram um período de greve até que as obrigações salariais sejam cumpridas. O capitão da equipa afirmou que esta alinhou frente a Real porque seria desleal perante a “affición” não o fazer. No Miribilla, apesar da derrota, o público basco respondeu em peso e aclamou os seus jogadores. Os aficionados da equipa basca também estão a tentar arranjar uma solução que permita a continuidade do clube. Se a Liga Endesa terminasse agora, a equipa de Mumbro e do internacional belga Axel Hervelle (outrora considerado o melhor basquetebolista espanhol) estaria com a manutenção assegurada na 12ª posição com 9 vitórias e 15 derrotas.

NBA 2013\2014 #51

O buzzer-beat de Nowitzky na vitória dos Mavericks frente aos Knicks no Madison Square Garden. A forma em como o alemão recebe e pressionado por Carmelo Anthony faz rodar o corpo, tenta o drible, mete o extremo dos Knicks a dar patadas no vazio e depois aplica o seu fade away shot (é certo que não tinha pressão pois se falhasse o jogo ia para prolongamento) é pura classe!

 

Dos commercials brilhantes #7

Shaqfu: Shaquille O´Neal no seu melhor!

O jogo lançado pela SEGA e pela Nintendo em 1994, nas versões megadrive e gameboy poderá estar de volta para PC. A indiegogo, plataforma social de crowdfunding que auxilia artistas e developers a concretizar os projectos que tem na gaveta por falta de fundos, abriu uma conta para quem pretenda investir no projecto da Big Deez Productions, a equipa de developers responsável pelo desenvolvimento de jogos como Street Fighter, Max Payne ou Final Fantasy.

Se repararem bem, na barra lateral direita da página existem bonus bastante aliciantes para quem doar o seu dinheiro ao projecto. Alguns dos incentivos mais interessantes (na minha opinião) são:

  • Quem doar 475 dólares tem direito a uma bola autografada por Shaq.
  • Quem doar 550 dólares tem uma camisola autografada.
  • Quem doar 750 dólares tem direito a uma mensagem gravada no Youtube.
  • Por 3000 dólares, Shaq oferece 2 lugares na primeira fila para um jogo dos Sacramento Kings.
  • Quem doar 6500 dólares pode trabalhar como desenhista de personagens no projecto. (já tiveram 2 doadores com esse valor).
  • Quem doar 15 mil dólares tem direito a um almoço em casa de Shaq e um jogo no seu ginásio, para além de outros presentes (2 já reclamaram o prémio; quem é que com 15 mil dólares na mão que não fizessem falta não seria capaz de os doar só para estar a almoçar e lançar umas bolas com Shaquille O´Neal?!)
  • Por 25 mil dólares, o doador pode levar até 6 amigos para jantar com Shaq.
  • Por 35 mil dólares, o doador pode ir aos estúdios da TNT jantar com Shaq e assistir à emissão do programa que o canal de televisão leva a cabo nos jogos em que a antiga estrela dos Lakers está presente e participa.

NBA 2013\2014 #49

United States of Popovich.

San Antonio Spurs @ Golden State Warriors – Dois momentos na partida em que Greg Popovich faz alinhar 5 estrangeiros pelos Spurs: Patrick Mills e Aron Baynes (Austrália) Corey Joseph (Canadá) Marco Belinelli (Itália) e Boris Diaw (França) – momento nada habitual na NBA. Num plantel que tem mais estrangeiros que americanos (9-5)

NBA 2013\2014 #48

Kevin Durant

KD… Sempre KD… Não há jogo no United Center que KD não faça uma joga tremenda. 35 pontos na vitória por 97-85. Os Bulls ficam mais longe do 3º lugar da conferência este (Toronto Raptors). De nada valeu mais um jogo interessante de Joakim Noah com 12-9-9. No jogo anterior, Noah tinha feito 23-13-13. Triplo-duplo atrás de triplo-duplo. Quando não o consegue, anda lá perto. A liderança de Noah é indiscutível e está a fazer destes Bulls um caso sério.

NBA 2013\2014 #47

Phil Jackson

Notícia do dia é o regresso (os rumores foram confirmados) de Phil Jackson a Nova Iorque, como presidente da equipa. Mr Zen regressa a Nova Iorque 41 anos depois de ter saído, ainda enquanto jogador da equipa. O antigo treinador dos Bulls e Lakers, 11 vezes campeão (6 nos Bulls, 5 nos Lakers) cumpre em Nova Iorque o seu primeiro cargo desportivo, estando encarregue de todas as decisões da equipa.

Jackson tem pela frente como primeira missão impedir que Carmelo Anthony saia da equipa de Nova Iorque. Jackson afirmou que o rebuild de Nova Iorque terá como epicentro Carmelo Anthony, facto que indicia que vai iniciar pessoalmente o diálogo com o extremo\poste nas próximas semanas. Houston Rockets, Chicago Bulls e Los Angeles Lakers também estão na corrida pelo 7 de Nova Iorque. Outros dos problemas que Jackson terá que resolver nas próximas semanas são Amare Stoudamire, Andrea Bagnani e Tyson Chandler. Ambos terminam contrato no final da próxima época, o que para já, estando os Knicks com um cap de 91 milhões de dólares (30 milhões acima do que cap previsto para a próxima temporada) antecipa uma possível troca no verão envolvendo um ou todos estes jogadores. Caso não troquem um destes jogadores, o espaço de manobra para a próxima época está claramente encurtado.

Os Knicks anunciaram um contrato de 5 anos com um vencimento de 12 milhões de dólares por ano.

NBA 2013\2014 #46

Mais uma grande exibição dos Bulls. Principalmente no início do terceiro período com um parcial de 16-0 nos primeiros 5 minutos. Em particular, mais uma grande exibição de Joakim Noah. Secou praticamente Howard (nao lhe deu um milímetro de espaço para jogar), ganhou muitas faltas, assistiu bastante os seus companheiros. 13 pontos, 10 ressaltos e 9 assistências. Bem próximo novamente do triplo-duplo. Em suma, o francês é a alma da equipa.
Eficácia estonteante para os Bulls nos triplos 14\24, com a tripla Dunleavy\Augustin\Hinrich a conseguir marcar 12 lançamentos em 19 tentativas. Muito contribuiu Joakim Noah para esta eficiência com os seus preciosos bloqueios aos defensores, bloqueios que quase sempre permitiram boas situações de lançamento ao trio acima enunciado.

Mike Dunleavy ainda assustou quando no 2º período ao sofrer uma cotovelada de Chandler Parsons (foi marcada falta ofensiva; os Rockets cometeram muitas faltas ofensivas) teve que sair para o balneário para ser cozido no sobrolho. Quando regressou, brindou o público presente no United Center com uma exibição de gala no parcial do 3º período (16 pontos). Para uma equipa que apresentava algum défice na meia-distância (por norma nos últimos lugares no ranking de eficiência de 3 pts), o trabalho desenvolvido pelo staff de Chicago junto dos lançadores (Hinrich, Dunleavy, Butler, Augustine).

Péssima exibição dos Rockets. Entregaram o jogo de bandeja aos Bulls no 3º período. Foi uma equipa sem soluções, a começar pelo individualismo de James Harden. O único que escapou a este desastre foi Jeremy Lin com 21 pontos.

Anotamentos pós-jogo:

bulls 4

Momento caricato do jogo: Quando os Bulls tinham 99 pontos falharam duas ou três jogadas ofensivas. Apesar de estarem a vencer por mais de 20 pontos, no United Center o público brindava com um bruá cada um dos lançamentos falhados. Porque se os Bulls ultrapassarem os 100 pontos por partida, a McDonalds oferece um hamburguer a cada espectador. Quando os Bulls ultrapassam os 100 pontos, nas bancadas do United Center, alguns assistentes de recinto cruzam as bancadas do pavilhão com placards-foto dos hamburguers. Excelente estratégia de marketing da corporação que decerto deverá ter rendido vários milhões de euros aos cofres da equipa de Chicago.

Noah

O treinador dos Rockets Kevin McHale afirmou que Joakim Noah merece receber no final desta temporada o prémio de Defensive Player of The Year.

2. Meanwhile in Los Angeles…

Como já se previa, Kobe anunciou que não irá jogar mais esta época. Contudo, a imprensa tem especulado que o extremo não quer que Mike D´Antoni continue no comando técnico do clube. Sekou Smith no seu habitual Morning Shootaround no HangTime Blog:

Kobe 2

Numa altura em que Carmelo Anthony volta a ser equacionado pelos responsáveis dos Lakers e precisamente numa altura que se especula em Los Angeles que Steve Nash e Kobe Bryant poderão não ser capazes de voltar na próxima temporada em virtude dos multiplos períodos de lesão passados pelos dois atletas nas últimas 2 temporadas. Caso Jim Buss decida avançar para Melo, segundo Sekou Smith, sempre muito bem informado, terá concorrência apertada. O jogador entrou no radar dos Rockets como a missing thing para completar a equipa rumo ao objectivo título.

Carmelo 3

O negócio poderá ser facilitado com a troca de Jeremy Lin. Os Knicks já mostraram interesse no regresso do base a Nova Iorque. Todavia, analisando bem a possibilidade de Melo rumar a Houston, não sei até que ponto é que os Rockets estarão a dar um passo em frente ou um passo atrás. Se com Harden e Howard no rooster, Kevin McHale teve algum trabalho a conciliar o jogo destes dois jogadores (exterior e interior) com Melo, não correm os Rockets o risco de criar uma equipa excessivamente individualista?

NBA 2013\2014 #45

Os rumores que tem marcado os últimos dias da liga:

1. Agita-se a especulação sobre o futuro de Melo. No Point Forward, um dos blogs associados do site da NBA, Rob Mahoney afirma que Joakim Noah já poderá ter feito a operação de charme junto do extremo dos Knicks para se juntar à Wind City já no próximo verão.

melo anthony

Claro está que a equipa de Chicago, não terá os 22 milhões de dólares que Carmelo aufere por ano (nunca assinará pelos Bulls por menos daquilo que actualmente ganha nos Knicks, isto é, cerca de 23,5 milhões de dólares; esta é a player option que jogará terá ou não de activar no verão com a equipa de Nova Iorque) sem ultrapassar a taxa de luxo. Incluída a amnestia sobre Carlos Boozer, movimento que irá poupar cerca de 16,8 milhões de dólares à equipa de Chicago e fixar o cap space da equipa cativo para a próxima época em 46,603 milhões de dolares (cerca de 15\16 milhões de dólares a menos que o tecto salarial máximo previsto para a próxima época) com 5 jogadores a contrato (6 com Melo). Surgem então aqui vários problemas:

  • Chicago terá que investir a sério. Não só na free-agency (recrutando dois ou três jogadores para a rotação) como na renovação de casos pendentes (Augustine por exemplo, Jimmer Freddette; caso Thibodeau queira manter o jogador em Chicago) e assim ultrapassar em muito o tecto salarial máximo. O montenegrino naturalizado espanhol Nikola Mirotic, jogador cujos direitos pertencem a Chicago depois do negócio que envolveu a cedência de Kirk Hinrich e Kevin Seraphin há uns anos atrás, MVP da liga espanhola do ano passado, poderá ter que ficar mais um ano em Madrid visto que Chicago terá que lhe pagar um salário a rondar os 6\7 milhões de dólares. Apesar do proprietário dos Bulls, Jerry Reinsdorff já ter afirmado várias vezes durante esta época, a vontade de investir (significa, pagar taxas) caso lhe apresentem um projecto sólido e capaz de lutar pelo título da NBA.
  • Pessoalmente gostava de ver Carmelo Anthony nos Bulls. Acredito que com Rose totalmente recuperado, tanto o base como o extremo iriam beneficiar imenso do jogo um do outro. Enquanto o primeiro, com as suas fantásticas arrancadas pelo eixo central seria capaz de abrir muito espaço para o 2º, a marcação que é executada sistematicamente sobre o segundo iria abrir muito espaço para o primeiro. Para além do mais, dadas as evoluções que Melo fez no seu jogo, creio que iria constituir uma tripla temível com Taj Gibson e Joakim Noah na luta das tabelas.
  • Por outro lado, Melo iria roubar tempo a Jimmy Butler. Butler é uma das almas desta equipa dos Bulls. É um lutador nato que tem evoluído a pulso de ferro na equipa. Dado como um jogador sem futuro da NBA, está a tornar-se um jogador cada vez mais completo com fantásticas penetrações debaixo do cesto, boa capacidade de tiro de meia distância e de 3 pts e sobretudo uma habilidade fantástica para defender. Já é indiscutivelmente um dos melhores defensores da Liga.
  • A injustiça perante Carlos Boozer. Boozer tem as suas limitações a defender, tem. Mas Boozer está a realizar uma das suas melhores épocas na liga. O seu lançamento em arco é certinho e garante muitos pontos por jogo. Combina bem tanto com Noah como com Gibson.
  • O futuro de Mirotic: não é tarde nem é cedo para o jogador do Real vir para a Liga. A possível contratação de Melo para Chicago poderá ser nociva para o seu crescimento dentro da equipa visto que são jogadores com características muito mas mesmo muito semelhantes.

2. Phil Jackson on Knicks? Don´t shit me.

Jackson 1Jackson 2

jackson 3

Jackson 4

Se os Knicks andam completamente desesperados para conseguir os serviços de Phil Jackson no front-office (Vice-President of Basketball Operations), na minha opinião, tal escolha não se deve apenas à época desastrosa que a equipa de Nova Iorque está a realizar esta temporada e à necessidade de renovação existente no seio do franchise a partir da contratação de alguém com a credibilidade do Mr. Zen. O desespero indicia claramente que Carmelo Anthony já deverá ter dado algum recado para o gabinete da direcção. Vejo a escolha de Phil Jackson (se aceitar ser VP dos Knicks, irei considerar imperceptível porque é que não se mexeu para ser GM\treinador dos Lakers quando os fãs da equipa assim o exigiam à direcção dos Buss na época passada; recordo que Mr. Zen é casado com Jeanie Buss, filha do antigo proprietário dos Lakers, Jerry Buss e irmã do actual presidente da equipa Jim Buss) como a última cartada dos Knicks para manter Melo em Nova Iorque. Só um projecto demasiado atractivo manterá o all-star no Madison Square Garden.

3. A retirada de camisola de Zydrunas Ilgaukas:

O lituano muito pouco lituano (desde que chegou à NBA em 1996 como a 20ª escolha do draft, literalmente marimbou-se na selecção do seu país natal\quando a quis representar, lesionou-se) viu a sua camisola retirada no Quicken Loans Arena em Cleveland. Apesar de nunca ter sido uma big-star da Liga (foi all-star duas ocasiões mas nunca foi uma das enormes estrelas da liga) compreendo que a retirada de camisola tenha como fundamento as 15 temporadas que o poste lituano passou com a equipa do Ohio. Pela sua carreira na Liga (pese embora o facto de ter sido um jogador com épocas bastante homógeneas com números a rondar 15 pts\8 ressaltos, números que de resto são satisfatórios para um poste titular de equipa como o foi Ilgauskas) decerto que Ilgaukas não veria o seu número 11 retirado porque não foi demasiado importante para lhe ser cumprido o desígnio. A própria retirada de camisola foi muito precoce: apenas 3 anos depois do jogador se retirar oficialmente.

É o 7º jogador do franchise de Cleveland a ver a sua camisola retirada depois de Bingo Smith (1970-1979), Larry Nance (1989-1994), Mark Price (1986-1995), Austin Carr (1971-1980), Nate Thurmond (1975-77), Brad Daughery (1986-1994).

NBA 2013\2014 #44

Joakim Noah

Thank You Jo!

É sempre bom bater o campeão com uma atitude intensa e fantástica no final do 4º período e no prolongamento. Jogo de doidos na casa dos malucos (Madhouse on Madison). Vamos ver se os meus Bulls são capazes de repetir a gracinha nos playoffs. LeBron James foi completamente seco ora por Joakim Noah ora por Jimmy Butler. Quando não o foi, quase sempre que teve sacar de cotoveladas para ganhar no 1×1 ao defensor. Numa das jogadas, armou farinha com Jimmy Butler e na minha opinião a Liga deveria rever o lance e castigar LeBron James pela atitude que o levou a fazer uma conduta inapropriada.

bulls 3

Delicioso também foi o momento em que o pai de Joakim Noah (o antigo tenista francês Yannick Noah) marimbou-se literalmente numa entrevista que estava a ser feita em directo por uma jornaolista. Ver aqui.

NBA 2013\2014 #44

A história de Caron Butler (agora nos Oklahoma City Thunder).

Não será de espantar afirmar que pelo menos 1\3 dos actuais jogadores da NBA vieram do ghetto e de uma vida de miséria:

  • Derrick Rose por exemplo cresceu em Englewood, um dos bairros mais perigosos do South Side de Chicago, o mesmo no qual operaram no século XX as famílias de Johnny Torrio, Al Capone ou Sam Giancana.
  • Rasheed Wallace nasceu num ghetto de Philadelphia e admitiu há uns anos atrás ter sido detido várias vezes quando era adolescente por assaltos a lojas de conveniência.
  • Ron Artest (Metta World Peace) cresceu em Queens, Nova Iorque, tendo sido testemunha quando era adolescente de um assassinato num daqueles típicos courts de basquetebol existentes nas cidades norte-americanas.

Muitos outros são os casos. O caso de Butler é um dos desses casos. Uma adolescência marcada pelas dificuldades e pelo tráfico de droga. Butler começou a traficar aos 11 e aos 16 já sabia decor e salteado o que era uma casa de correcção.

NBA 2013\2014 #43

Noah, Augustin, Gibson – confiança. Pura confiança. O primeiro com mais um triplo-duplo (10 pontos\11 resssaltos\11 assistências). O segundo com 26 pontos vindos do banco. O terceiro com 22 pontos vindos do banco. Para uma equipa que era criticada por não ter soluções de banco (50 pontos\4 jogadores utilizados\Nazr Mohammed não marcou qualquer ponto) pode-se dizer que neste momento é o banco da liga com maior rendimento.

2. Apuramento com estilo.

Indiana Pacers

Pese embora o cabaz que a equipa de Indianápolis apanhou dos Bobcats (109-87 em Charlotte). Primeira equipa apurada para os playoffs. O que equivale a dizer que o primeiro objectivo programado para a época está cumprido. O segundo objectivo (vencer a fase regular da conferência este) está dificultado. Com um score de 46-15 e com Miami a apertar os calcanhares 43-15, a ver vamos se a equipa de Indiana aguenta a pressão dos bicampeões. Para aguçar ainda mais a pressão sentida pela equipa de Vogel, é bom recordar que caso Indiana vença a fase regular e caso dispute as finais de conferência como prevejo contra os Heat, terá a vantagem de realizar o 7º jogo em casa. O dito 7º jogo que escapou aos Pacers na temporada passada no duelo contra a equipa de Miami.

jefferson

Al Jefferson com 34 pontos e 8 ressaltos voltou a estar em destaque na renovada equipa de Charlotte. Jefferson está a justificar todos os cêntimos que aufere no final do mês. Está a fazer a melhor temporada da sua carreira.

3. On board

nash

No seu habitual Morning ShootAround no HangTime, Sekou Smith faz menção ao 2º episódio da saga “The Finish Line”, uma série de episódios realizados em torno de Steve Nash nos quais o canadiano fala sobre a sua vida e sobre a sua extensa carreira na NBA.

Sekou Smith vai buscar as palavras escritas no Bleacher Report por Kevin Ding para hipotetizar sobre o futuro do base canadiano nos Los Angeles Lakers. Segundo Smith, Nash não será dispensado no final do ano. Os Lakers irão dar-lhe uma última oportunidade para recuperar das lesões que tem padecido esta época.

4. Recordes

kyle korver

Terminou o recorde de Kyle Korver. O shooter de Atlanta estava há 127 jogos consecutivos a marcar pelo menos um triplo por jogo.

NBA 2013\2014 #42

1. No rescaldo dos 61 pontos de LeBron James (recorde de carreira e da história do próprio franchise):

22 field goals em 33 tentativas. Eis os spots:

james

Para quem não é um triplista nato mas vem a melhorar muito nas últimas épocas nesse sentido, os 8\10 realizado ontem beyond the arc é assustador, principalmente os 6\7 daquela posição mais à esquerda.

2. Bulls @ Brooklyn Nets

Prefiro atribuir a desastrosa exibição dos Bulls ontem no Barclays Center ao cansaço. A equipa vinha de 4 vitórias bem suadas frente a Hawks (fora 107-103), Warriors (casa 103-83), Mavericks (100-91 fora) e Knicks (casa 109-90). Denominador comum a todas essas vitórias foram as prestações dos dois postes (Noah com 2o pts e 12 ressaltos frente aos Hawks e 12 pontos, 13 ressaltos e 14 assistências; record de franchise para um poste; 5th triplo-duplo da carreira para Noah, frente aos Knicks; Taj Gibson com 21 pontos frente aos Warriors e 20 pontos e 15 ressaltos contra os Mavs; vindo do banco em ambos os jogos).

Ontem não pudemos assistir nem à boa exibição de um nem à boa exibição de outro. Com um fantástico Joe Johnson do outro lado (19 pontos\7\11 fgs e 3\4 em triplos) a exibição dos Bulls foi um desastre. A equipa cometeu 28 turnovers durante a partida, número que por si só aniquila qualquer hipótese de uma equipa de basquetebol vencer uma partida. Péssimos no capítulo do passe, péssimos a gerir o tempo de ataque, péssimos nas recepções, a cometer muitas faltas na defesa, os Bulls entregaram o jogo de mão beijada aos Nets que, por sua vez, também não fizeram um jogo por aí além na ausência de Kevin Garnett.

3. Duas notícias interessantes:

Steve Nash

Steve Nash não deverá jogar mais esta temporada. Fim de carreira à vista?

Steve Nash 2

jabbar

2.2 Steve Aschburner afirma no Hangtime que Kareem Abdul-Jabbar está a ponderar adquirir parte dos Milwaukee Bucks para terminar com a especulação em torno do futuro do franchising.Jabbar jogou os seus primeiros 6 anos da carreira em Milwaukee.

3. Antevisão da free-agency:

  • Indiana Pacers

Lavoy Allen, Rasual Butler e Orlando Johnson deverão ser jogadores livres durante o verão. Donald Sloam tem team option na ordem do milhão de dólares que deverá ser exercida

Andrew Bynum também não tem contrato para 2014\2015 mas a renovação deste será equacionada só no final da temporada pela equipa de Indianápolis.

Lance Stephenson termina contrato e é o único dossier no qual a equipa terá que ter algum cuidado. Stephenson já afirmou que qualquer mais qualquer coisa do que um contrato de 15 milhões de dólares por temporada. Poderá ser um dos free-agents mais cobiçados do verão. Indiferentemente do que proponha ao jogador, Indiana estará sempre acima do tecto salarial previsto visto que já tem cativos 63 milhões para a próxima temporada. Contudo, quanto mais oferecer ao jogador irá subir as penalizações a pagar pela equipa de Larry Bird.

  • LA Clippers

Willie Green tem team option mas não é nem de perto nem de longe um jogador fulcral na manobra da equipa. Ryan Hollins também se poderá tornar free-agent. Não são dossiers que tirem do sério os dirigentes da equipa.

  • LA Lakers

Pau Gasol, Chris Kaman, Jordan Hill, Jodie Meeks, Chris Duhon, Marshon Brooks, Jordan Farmar, Xavier Henry, Wesley Johnson e Kent Bazemore não tem contrato assegurado.

Nick Young tem player option e deverá continuar em Los Angeles a não ser que alguém lhe ofereça mais dinheiro ou um lugar no 5 titular. Os Lakers tem team option sobre Kendall Marshall e deverão exercê-la visto que o jogador tem jogado a alto nível e é até um dos melhores ao nível de assistências da liga com 9.4. Com estes dois, os Lakers tem 5 jogadores sob contrato para a próxima temporada. É praticamente certo que Jordan Hill, Jodie Meeks e Jordan Farmar renovem o que perfaz 8 jogadores. Os restantes 5 virão do draft, estando a equipa de LA em posição para ir buscar um top-5 garantidamente na 1st pick e na free-agency, onde a equipa irá querer reconstruir a equipa com algumas unidades que acrescentem valor e possam ajudar ao regresso de Kobe Bryant ao mais alto nível. Os Lakers terão 18 milhões (até ao tecto salarial) para gastar na próxima temporada.

Os Lakers irão esperar pelo verão para ver com quem é que podem reconstruir a sua equipa.

Certo é que Pau Gasol deverá mudar de ares. A família Buss bem tentou no passado mês de Fevereiro por o espanhol a andar para Phoenix por troca com Okafor mas a equipa de Phoenix acabou por roer a corda. O mesmo deverá acontecer também com Chris Kaman, Chris Duhon, Marshon Brooks, Xavier Henry, Wesley Johnson e Kent Bazemore.

  • Memphis Grizzlies

Mike Miller, Fab Melo, James Johnson, Nick Calathes, Beno Udrih (dispensado pelos Knicks nos últimos dias, assinou pela equipa de Memphios) não tem contrato previsto para a próxima época.Creio que apenas o grego irá renovar porque é visto como um jogador de futuro dentro da equipa e visto que no próximo ano a equipa não só estará acima do tecto salarial máximo como ainda tem várias questões para resolver ao longo da temporada. O regresso de Mike Miller não correspondeu às expectativas idealizadas pelos dirigentes de Memphis e Beno Udrih está claramente só de passagem.

Além do mais, para o ano os Grizzlies tem um cap subscrito de 64 milhões e ainda terão que lidar com a renovação ou não de Zach Randolph.

  • Miami Heat

Player options serão activas pelas grandes estrelas da companhia. Bosh, Wade, James e Haslem irão renovar os seus respectivos contratos mais tarde ou mais cedo. O mesmo deverá acontecer com o base Mario Chalmers e Shane Battier.

Ray Allen termina contrato, não se sabendo para já se irá renovar por mais 1 ano ou se irá terminar carreira. O jogador de 38 anos ainda não se pronunciou publicamente sobre o seu futuro.

Toney Douglas, James Jones deverão ser jogadores livres no próximo verão.

Por resolver continuarão os casos de Greg Oden (depois do período de recuperação à qual o jogador de 26 anos foi sujeito pela equipa, já alinhou 14 partidas esta temporada e está a ser inserido dentro da rotação da mesma) estando os dirigentes de South Beach à espera de observar até onde é que Oden é capaz de ir…

Michael Beasley deverá renovar com a equipa de Miami visto que foi inserido com algum exito dentro da rotação da equipa.

to be continued…

4. Stephen Curry vs Mark Jackson

Jogador e treinador entraram numa paródia numa sessão de treinos da equipa e o antigo jogador dos Knicks, Clippers, Pacers, Nuggets, Raptors, Jazz e Rockets, rookie of the year de 1988, desde 2011 o treinador da equipa de Oakland, provou que mesmo aos 49 anos ainda dava uma perninha na NBA como lançador de canto.

NBA 2013\2014 #41

Lebron 5

O CaBronco da “máscara de ferro” (aposto que nos próximos meses vai estar na moda jogar com máscara) acabou de brindar os Charlotte Hornets com 61 pontos na vitória dos Heat por 124-107 no American Airlines Center. Record de pontos de franchise, 22\23 e 8\10 em 3pts fgs. Mais 5 assistências e 7 ressaltos. Num jogo em que o poste Al Jefferson até fez 38 pontos e 19 ressaltos.

Meanwhile on Barclays Center, Brooklyn, o dito bairro do adepto ferrenho do rival dos Nets Spike Lee:

bulls 2

Alguém conhece uma equipa de iniciados capaz de fazer 28 turnovers por jogo?

2º jogo de Jimmer Freddette com os Bulls depois de ter sido dispensado pelos Sacramento Kings. Quem diria que este jogador, quando ainda alinhava no NCAA (All-American em 2010-11) sacou ao presidente Norte-Americano Barack Obama elogios deste calíbre: “Unbelievable. Best scorer obviously in the country. Great talent.

NBA 2013\2014 #40

NBA 3

Começo a gostar disto. Da atitude em campo e da moral em alta. Desde que Deng foi trocado que os Bulls não param de crescer. As lesões terminaram e os jogadores começaram a ganhar forma. Tom Thibodeau não só recusou-se a fazer tanking como moralizou imenso os jogadores a darem tudo aquilo que tem para provar a muito boa gente que mesmo sem Deng e Rose, o 5 de Chicago ainda deve ser olhado com respeito. A equipa reaprendeu novamente a jogar sem Rose. Para isso também contribuiu a contratação de DJ Augustine. O errático e inconstante basquetebol dos Bulls ganhou ordem. Ganhou alguém que pensa o jogo e também é capaz de marcar os seus triplos. Joakim Noah voltou à sua grande forma e está a adicionar um dado novo: a sua capacidade de passe, tanto para o jogo exterior dos companheiros (Augustine, Hinrich, Butler, Dunleavy) como para a agora habitual jogada de corte nas costas do defensor de Taj Gibson. Jimmy Butler tem melhorado a olhos vistos no lançamento de 3 pontos, Taj Gibson tem melhorado imenso no tiro exterior. Há uns meses atrás, toda a gente criticava Mike Dunleavy por este fazer penetrações ao cesto. Diziam alguns até que lhe estava a ser pedido fazer o seu papel e o papel de Nate Robinson e Mike Belinelli. Hoje, Dunleavy vai debaixo do cesto tranquilamente e executa esta papel. A defesa agressiva, característica da equipa na em 2010\2011 e 2011\2012 voltou a aparecer. Tom Thibodeu está claramente de parabéns. Nota-se a evolução da equipa e o dedo do treinador e do seu staff nesta mesma evolução.