Ciclismo 2014 #24

1. Tirreno-Adriático

tirreno-adriatico 4

Na última etapa do Tirreno-Adriático, a organização decidiu marcar um contra-relógio curto de 9,1 km em San Benedetto del Tronto.

Adriano Malori

Vitória para o contra-relogista italiano Adriano Malori da Movistar. O antigo campeão italiano da especialidade (2011) e bi-campeão mundial de sub-23 (Malori tem 26 anos) superou Fabian Cancellara de Trek por 6 segundos e Bradley Wiggins da Sky por 11. O bi-campeão do mundo em título da especialidade Tony Martin (Omega-Pharma-Quickstep) foi 4º a 15 segundos de Malori. Michal Kwiatkowski 7º a 22 segundos.

Na luta pela geral, Nairo Quintana superiorizou-se a Alberto Contador. O colombiano da Movistar foi 20º a 38 segundos enquanto o espanhol foi 28º a 41 segundos. O 3 segundos ganhos não puseram em perigo a vitória de Contador na geral da prova. No entanto, fica aqui mais um bom registo do trepador colombiano no contra-relógio.

contador 2

Vitória para Contador na Geral da prova, nas vésperas do primeiro embate frente-a-frente com Chris Froome, duelo que vai acontecer nas estradas da Catalunha na próxima semana. Vencendo duas vezes em alto (na 2ª, descolou do pelotão logo ao quilómetro 36) mostrou estar em forma neste início de temporada. As vitórias no Tirreno-Adriático também demonstraram que o espanhol sente-se motivado para conseguir chegar ao Tour na melhor forma, um ano depois da desilusão que foi a sua participaçao no Tour.

Nairo Quintana – Excelente participação no Tirreno-Adriático. Anteontem foi o único que conseguiu acompanhar Alberto Contador no ataque realizado pelo espanhol. É pena que a Movistar tenha outros planos para a época do Colombiano. É neste momento um dos únicos capazes de acompanhar Froome e Contador na alta-montanha. O outro é Purito Rodriguez. O espanhol ainda não realizou qualquer teste a sério nesta temporada. Vai correr o giro. Numa prova que terá, em princípio, como grandes cabeças-de-cartaz, Ryder Hesjdal, Michelle Scarponi e Chris Horner, o colombiano é para mim, neste momento, o grande favorito à vitória final.

2. Ranking UCI

Nova actualização do Ranking UCI (com Paris-Nice)

ranking

Carlos Betancur (AG2R) lidera, fruto da sua vitória na geral do Paris-Nice bem como das suas vitórias em etapas da prova. No ranking individual, destaque para os 88 pontos amealhados por Rui Costa na prova francesa, facto que lhe permite a subida para o 5º lugar da tabela.

Por equipas

ranking 2

Por Nações:

ranking 3

Portugal ocupa o 6º lugar graças aos pontos de Rui Costa. Se os campeonatos do mundo se realizassem de acordo com esta actualização de ranking, Portugal teria direito a levar 7 ciclistas à prova. O resultado é enganador. Neste momento, somos das selecções com menos corredores com possibilidades de correr provas de World Tour (Nelson Oliveira, Rui Costa, Fabio Silvestre, André Cardoso estão em equipas de World Tour; José Mendes, Tiago Machado estão em equipas de UCI Pro Continental mas tem hipóteses de correr algumas corridas World Tour).

3. Rui Costa

O Português caiu na última etapa do Paris-Nice. Felizmente não se lesionou na queda. O Português afirmou que não é nada de grave, felizmente: “ Tinha umas dores horríveis no joelho esquerdo. Penso que bati com o joelho nas grades… foi tudo muito rápido. Depois, com a ajuda do meu director Matxin, levantei-me e pude terminar a corrida, bastante dolorido. Tenho uma grande pisadura no joelho, outras nas costas e anca. Não é nada de grave, só espero poder recuperar depressa e voltar aos treinos o antes possível.”

Anúncios

Ciclismo 2014 #15

Vuelta a Murcia

vuelta a murcia

1 unica etapa na região de Murcia contou ontem com a presença de várias estrelas do pelotão internacional, a começar pelo homem da casa, Alejandro Valverde Belmonte, vencedor da prova em duas ocasiões, Nairo Quintana (Movistar) Luis León Sanchez (Caja Rural) ou David Rebellin (CCC-Polsat).

A equipa também teve a presença dos portugueses Tiago Machado e José Mendes (Net-App Endura) e das equipas portuguesas Efapel-Glassdrive e Louletano Dunas Douradas.

tiago machado

Pelo que pude aferir, a etapa desenrolou-se em pelotão compacto até à súbida final (a 4ª do dia). No último quilómetro Tiago Machado atacou e quem respondeu foi Alejandro Valverde. O espanhol haveria de ser mais rápido que o português nos metros finais. O ciclista português da Net-App endura foi 2º seguido de David Rebellin e de Luis Angel Mate da Cofidis. José Mendes, também da Net-App Endura ficou em 7º a 9 segundos do vencedor da prova.

O melhor português das equipas portuguesas em prova foi Sérgio Sousa da Efapel na 12ª posição a 17 segundos de Valverde.

2. Apresentação das equipas

Lampre-Mérida

Lampre Merida

O nosso Rui Costa é o chefe-de-fila absoluto da equipa Lampre, poucos meses depois de ter concordado fazer parte do projecto da equipa italiana numa altura em que se encontrava em final de contrato com a espanhola Movistar.

Localização: A equipa é italiana, está sediada na Federação Italiana de Ciclismo mas tem a sua sede em Lugano na Suiça.

Site: www.teamlampremerida.com

Director Desportivo: Orlando Maini, coadjuvado entre outros por antigos ciclistas como Marco Marzano ou Daniele Righi.

Chefes-de-fila: Damiano Cunego, Rui Costa, Chris Horner,

Gregários de Luxo\Corredores de estatuto protegido: Przemyslaw Niemec, (Filippo Pozzato), José Serpa, Diego Ulissi,

Contra-relógio: Nelson Oliveira

Sprinters: Sasha Modolo

Clássicas: Filippo Pozzato,

Gregários: Winner Gomez Anacona, Matteo Bono, Davide Cimolai, Luca Dodi, Krijstian Durasek, Elia Favilli, Roberto Ferrari, Manuele Mori, Andrea Palini, Jan Polanc, Maximiliano Richeze, Rafael Valls, Luka Wackermann, Xu Gang, Niccolo Bonifazio, Mattia Cattaneo, Valerio Conti,

Principais vitórias\conquistas em 2013:

  • Vitória no Troféu Laigueglia (Filippo Pozzato)
  • Vitória na Geral da Settimana Internazionale di Coppa e Bartali (Diego Ulissi) e 3 etapas (Ulissi, Cunego e Adriano Malori)
  • Vitória na Geral da Bayern-Rundfart e 1 etapa (Adriano Malori)
  • 1 etapa na Volta à Polónia
  • Vitória na Coppa Ugo Agostini (Filippo Pozzato)
  • Vitória no GP Ouest-France (Filippo Pozzato)
  • Vitória no Gran Premio della Costa Etruschi (Michelle Scarponi)
  • Vitória na Milano-Torino (Diego Ulissi)
  • Vitória na Coppa Sabatino (Diego Ulissi)
  • Vitória no Giro Dell Emília (Diego Ulissi)

Depois de um ano 2013 desastrado a nível internacional (a licença World Tour chegou a estar em risco) e de vários anos em que a equipa italiana apostou forte mas não conseguiu ter resultados coadunantes com o valor investido, tendo até dificuldades em arranjar um 2º patrocinador para a equipa (a Lampre ponderou há cerca de 3 anos atrás retirar o patrocínio à equipa), o ano 2014 assume-se como um ano muito decisivo para o futuro desta equipa.

As apostas do passado foram de certa forma apagadas. Ciclistas com estatuto dentro da equipa como David Vigano, Michelle Scarponi ou Adriano Malori rumaram a outras paragens. Rui Costa foi aliciado e ficou deleitado com o papel oferecido pela equipa dentro da mesma: chefe-de-fila no Tour e em outras provas de relevo do calendário internacional (Volta à Suiça, Volta ao Algarve, Paris-Nice, Amstel Gold Race, Volta ao País Basco, Fleche-Wallone, Tour da Romandia, Liege-Bastogne-Liege, GP Montreal) e Christopher Horner, o vencedor em título da geral da Volta à Espanha, depois de um cenário de indecisões (até final de Janeiro não tinha equipa para correr esta época) decidiu assinar com a equipa italiana. A Lampre deixou para trás corredores que não conseguiram corresponder às expectativas geradas (casos de Michelle Scarponi; venceu o Giro em 2011 mas não conseguiu repetir o feito na prova italiana e foi infeliz na passagem para o Tour em 2012 onde só foi 24º e para a Vuelta onde foi 15º da geral) e voltou a apostar forte em dois ciclistas que neste momento lhe garantem maior profundidade e combatividade no Tour (caso do português) e na Vuelta, caso do ciclista Norte-Americano, sem falar que, pelo meio existe um Damiano Cunego (deverá correr o Giro e o Tour), Filippo Pozzato (um ciclista temível nas clássicas) e um ciclista com um papel ascendente dentro da equipa (Diego Ulissi).

Comecemos então pelo português – Rui Costa aparece em 2014 com a espinhosa (mas apetecível missão) de repetir aquele que será, sem sombra para dúvidas, um dos melhores anos da sua carreira. 2013 foi o ano de afirmação do ciclista nascido na Póvoa do Varzim dentro do pelotão internacional, apesar deste já levar no seu currículo uma vitória numa etapa do Tour em 2011 e uma vitória na Geral da Volta à Suiça em 2012. Contudo, para um ciclista cujo estatuto dentro da Movistar ainda não era propriamente de destaque (só na Volta à Suiça liderou a equipa porque era o vencedor do ano anterior; no Tour teve que trabalhar para Valverde num primeiro plano e depois do azar do espanhol no qual Rui Costa também perdeu a possibilidade de lutar por um top-10 da prova, teve possibilidade de lançar as suas cartas na montanha de forma a sair vitorioso em 2 etapas) as vitórias na Geral e nas duas etapas da prova suiça, as etapas ganhas no Tour, a vitória na Klasika Primavera, o 3º lugar na Romândia e a vitória na prova de estrada dos Campeonatos do Mundo elevam a fasquia para o ano 2014, primeiro ano do português como chefe-de-fila de uma equipa. Veremos como o ciclista português vai reagir à responsabilidade acrescida granjeada pela época que realizou no ano passado, pela posse da camisola de campeão do mundo (as transmissões televisivas andam literalmente em cima dele; só ainda não tiveram tempo de mudar o banner de apresentação do nome do ciclista) e pelo estatuto detido dentro da equipa Lampre. Creio que o português irá corresponder às expectativas, irá vencer algumas provas em 2014 e irá continuar a trilhar a sua evolução dentro do Tour, prova onde se espera que consiga um lugar no top-10.

horner 2

Depois da sensacional vitória na Vuelta, Chris Horner aparece na Lampre depois de ter terminado contrato com a Radioshack e de não ter sido enquadrado no novo projecto da Trek-Leopard, a equipa que a Trek fundou com a extinta Radioshack-Leopard.

Aquando da contratação do veterano de 42 anos, o manager da Lampre Brett Copeland afirmou qual seria o papel de Horner dentro da equipa: chefiar a equipa no Giro e na Vuelta. Apesar de já não ser um ciclista capaz de fazer mais de 40 dias de prova por ano, Horner irá programar a sua temporada para atingir os dois picos de forma previstos em Maio (Giro) e Agosto\Setembro (Vuelta).

Damiano Cunego – Não sendo certa a sua inclusão no Giro, o vencedor da prova de 2014 deverá regressar à matriz inicial dos primeiros anos da sua carreira. 6º classificado na última edição em que participou, poderá ser o plano B a Horner na prova que contará também com Nairo Quintana a chefiar a Movistar e Rydel Hesjdal (vencedor em 2012). O vencedor do ano passado, o italiano Vincenzo Nibali (Astana) irá correr o Tour. Cunego poderá ser uma preciosa ajuda para Rui Costa no Tour assim como Diego Ulissi.

Filippo Pozzato – Aos 32 anos, este corredor de clássicas goza de um estatuto de corredor protegido. Em 2013 apenas venceu 2 provas. 2014 será o ano em que tentará reavivar a sua carreira ou entrar no período de decadência desta.

Sasha Modolo – O Sprinter da Lampre já conseguiu algumas vitórias em 2014. Será a grande aposta da equipa para a especialidade. Poderá fazer um excelente 2014 e inserir-se no lote dos melhores do mundo.

Przemyslaw Niemec e José Serpa – São dois grandes gregários de luxo. O primeiro será uma ajuda para o português. O segundo será destacado para o Giro e para a Vuelta.

Diego Ulissi – Aos 24 anos está a tornar-se um caso sério. Já venceu em 2014 na Volta à Austrália. Vencedor por 2 vezes da prova de estrada do campeonato do mundo de Juniores, tem provado ao longo dos anos ser um homem capaz de andar muito bem em todos os terrenos. Poderá surpreender numa ou noutra clássica. Apesar de ter corrido a Vuelta no ano passado, espera-se que a sua evolução continue nas grandes voltas como escudeiro de Rui Costa no Tour para daqui a alguns anos poder lutar pela discussão da geral da Volta à Itália.

Nelson Oliveira – O atleta natural de Anadia é um especialista em contra-relógio. Será mais uma ajuda para o seu compatriota no Tour. Poderá surpreender na especialidade de contra-relógio.

Rafael Valls – Interessante trepador que não teve o seu espaço na Fuji-Servetto e na Vacansoleil. Poderá ser uma ajuda para Christopher Horner na Vuelta.

3. A Fechar:

Fabio Silvestre

Fim de semana estupendo para os ciclistas portugueses. A acrescentar ao 2º lugar de Tiago Machado em Murcia, o jovem Fabio Silvestre da Trek-Leopard venceu a 4ª etapa da Ronde De L´Oise em França (prova menor do calendário UCI) depois de conseguir bater ao sprint os seus companheiros de fuga durante 90 km.

Ciclismo 2014 #12

Volta ao Algarve

Ontem – 2ª etapa – Lagos-Monchique 190 km

Kwiatowski 2

A opção que Rui Costa tomou no dia anterior (oferecer a vitória ao seu sprinter Sasha Modolo em cima da recta da meta) poderá não ter sido a mais a acertada. Na 2ª etapa da Volta ao Algarve, o português voltou a fazer novamente no 2º em Monchique, atrás do vencedor da etapa, o talentoso all-rounder Michal Kwiatkowski da Omega-Pharma-Lotto. O Belga já tinha triunfado numa etapa um tanto quanto semelhante no Challenge de Maiorca na semana passada. No Algarve, está a confirmar o excelente momento de forma que atravessa neste início de temporada. A Omega-Pharma-Quickstep está para já a confirmar-se como a grande dominadora deste início de temporada. Para além das vitórias individuais do ciclista polaco de 23 anos, a equipa já venceu no Dubai, no Qatar (geral inclusive) e em Oman, completando o pleno nas provas de World Tour até agora disputadas.

Depois de uma interessante primeira etapa, esperava-se que Rui Costa fosse capaz de vencer na serra de Monchique. Não se esperava que Alberto Contador quisesse entrar na luta pela vitória visto que é a primeira prova que está a realizar na presente temporada.

A etapa iniciou com uma fuga composta por ciclistas franceses. O sprinter Arnaud Demare (FDJ) Alexandre Pichot (Europcar) e Florian Senechal (Cofidis) decidiram atacar em conjunto com o primeiro de olho nas metas volantes posicionadas a meio da tirada. A Radio Popular-Boavista, líder da classificação das metas volantes através de Cesar Fonte não quis deixar escapar a oportunidade de salvaguardar a camisola no corpo do seu atleta até porque enquanto este a mantiver dá um mediatismo superior ao nome e à imagem do patrocinador da sua equipa. Fonte haveria de testar uma fuga com mais 4 ciclistas poucos quilómetros depois do trio da frente ter sido apanhado mas a Saxo-Tinkoff foi rápida a anular por completo a investida.

A presença da equipa dinamarquesa na frente indiciava que Alberto Contador tinha planos em mente para a subida final, nem que fosse apenas “esticar as pernas” para medir as respostas do corpo nestes primeiros dias de competição e o nível de preparação feita no estágio de pré-temporada. A subida esfumou-se sem existir um ataque. Na descida de 5 km até Monchique, o grupo dos favoritos entrou numa espiral de desconfiança mútua, Kwiatkowski decidiu avançar e cortou a meta em Monchique com 6 segundos de avanço para Rui Costa que bateu ao sprint os espanhóis Albert Contador e Eduard Prades da OFM-Quinta da Lixa. Mais atrás, a 17 segundos do polaco chegaria um grupo onde estavam Alexandre Geniez (FDJ) Chris Horner (Lampre-Merida) Jonathan Castroviejo (Movistar) e Edgar Pinto (LA Alumínios-Antarte).

Na geral, o polaco ficou com a liderança da prova, com Rui Costa a 4s e Alberto Contador a 12s.

3ª etapa – hoje

Contra-relógio de 13,6 quilómetros entre Vila do Bispo e Sagres. Previa-se uma interessante batalha pela geral entre Michal Kwiatkoswski e Rui Costa visto que, apesar do polaco ser um especialista nesse departamento do ciclismo, o português também tem um rendimento muito interessante no contra-relógio curto. Relembro que o português é o campeão nacional em título. No ano passado, na prova disputada em Pataias (Alcobaça), Rui não deu qualquer hipótese à concorrência interna (os principais especialistas no contra-relógio curto como Tiago Machado ou Nelson Oliveira ficaram a mais de 1 minuto do campeão do mundo em 26 km de prova). Como principal candidato para vencer a ventosa luta contra o cronómetro no Sudoeste Algarvio estava o actual bicampeão do mundo da especialidade, o alemão Tony Martin da Omega-Pharma (outra vez arroz!), curiosamente o vencedor da geral da Volta ao Algarve em 2009 e 2013. Nas duas edições, o alemão cravou a sua diferença para os demais no Contra-relógio e, no caso de particular da edição de 2009, no Alto do Malhão, principal inclinação da prova. O Malhão será a atracção da etapa de amanhã.

Desta vez o campeão do mundo não conseguiu fazer a diferença. Kwiatkowski voltou a vencer de forma categorica, deixando a 11 segundos Adriano Malori da Movistar (outro dos candidatos à vitória na etapa, o espanhol Jonathan Castroviejo não conseguiu entrar sequer no top-10) e a 13 Tony Martin. Alberto Contador perdeu 20 segundos (4º) e Rui Costa foi 11º a 34 segundos.

Com a vitória na etapa, o ciclista da Omega-Pharma-Quickstep aumentou a sua vantagem para os mais directos perseguidores. Alberto Contador ascendeu à 2ª posição da prova com uma diferença de 32 segundos para o líder enquanto o português caiu para a 3ª posição a 38 segundos.

Amanhã corre-se a etapa decisiva da prova com a chegada em alto ao Malhão (1ª categoria).

Tour de Oman

3ª etapa – na quinta

Andre Greipel

(toda a gente sabe que essas pulseiras do equilíbrio não funcionam ó Greipel)

Quando toda a gente previa que os homens mais vocacionados para a média montanha pudessem atacar nas contagens de montanha destacadas nos últimos quilómetros da etapa que ligou Bank Muscat a Al Bustan (146 km), tudo acabou por ser discutido no sprint final com o alemão André Greipel a resolver novamente para a Lotto-Belisol.

Depois de uma fuga de 5 ciclistas pouco cotados que durou quase 100 km, a segunda ascenção da etapa separou o trigo do joio. Dario Cataldo comandou o pelotão e trabalhou para Chris Froome (Sky). Na roda de Froome seguiram Peter Sagan (Cannondale) Fabian Cancellara (Trek-Leopard) e do checo Zdenek Stybar (Omega-Pharma-Quickstep). Estes quatro haveriam de atacar, sendo apanhados a cerca de 1km para a meta pelo grupo principal. Para o efeito, valeu o trabalho conjunto de BMC, FDJ e Lotto. No Sprint final André Greipel voltou a superiorizar-se a Peter Sagan e ao jovem sprinter francês Nacer Bouhanni (FDJ) e segurou a liderança da prova.

4ª etapa – Ontem

Peter Sagan 2

A etapa que ligou Wadi Al Abiyad ao Ministério da Habitação na capital Muscat, na distância de 173 km, poderia ser decisiva no que diz respeito às contas da geral. Com 4 inclinações, 1 delas com algum grau de dificuldade, quem chegasse isolado à Avenida onde se situa o Ministério da Habitação daquele estado do médio oriente poderia não só ganhar a etapa como amealhar o tempo suficiente para vencer a geral da prova, apesar de, ainda existir um contra-relógio pela frente até domingo.

A prova começou com uma fuga muito precoce nos primeiros quilómetros. Valerio Agnoli e Liewe Westra (é o homem mais combativo da época até ao momento; ambos da Astana) tentaram a sua sorte ao quilómetro 9 com o brasileiro Murilo Fischer da FDJ. A fuga durou 6 km. 2 quilómetros depois, o sprinter belga Greg Van Avermaet (BMC) Yaroslav Popovych (Trek) e Huffman (Astana) tentaram a sua sorte se bem que penso que aqui a estratégia dos directores desportivos, em particular o da Astana, era o de pura e simplesmente obrigar a Lotto-Belisol e as demais interessadas (Sky, Cannondale, Omega-Pharma) a desgastarem-se na frente do pelotão. Não sendo um trepador de excelência, a presença de Popovych na frente da corrida poderia causar alguma ameaça às pretensões destas equipas.

A fuga teve algum sucesso. O trio conseguiu amealhar 5 minutos e meio de vantagem no momento em que abordaram a primeira montanha do dia. Lá atrás no pelotão, a vantagem amealhada levou a que a Lotto-Belisol, Omega e Saxo-Tinkoff assumissem as despesas da perseguição com a BMC a colocar 2 ou 3 elementos na frente para atrapalhar a organização desta.

Na terceira incursão pela montanha do dia, Popovych foi alcançado, ficando Van Avermaet sozinho na frente com 32 segundos de vantagem para o pelotão. Entretanto, na cauda do pelotão André Greipel começou a ficar para trás e nunca mais regressou ao convívio dos grandes. No final desta colina, o colombiano Sergio Henao disferiu o seu ataque, tendo passado no alto com 18 segundos de vantagem para o pelotão e 16 de desvantagem para Van Avermaet. O último só seria alcançado a 14 km da meta por um grupo de 60 unidades.

Na última ascenção do dia, a Sky foi para a frente e deixou Chris Froome sozinho. Na perseguição ao vencedor do Tour em 2013 estavam Rigoberto Uran (agora na Omega), Roman Kreuziger (Saxo-Tinkoff), Peter Sagan e Vincenzo Nibali (Astana). Froome passou a contagem de montanha na primeira posição mas rapidamente foi alcançado na descida por Uran, Sagan e Nibali que trabalharam em conjunto para anular a diferença para o britânico. Com 18 segundos para os perseguidores, o quarteto chegou ao fim da etapa e Peter Sagan foi como seria de esperar o mais rápido no sprint final.

O eslovaco assumiu a geral da prova com 10 segundos de vantagem sobre Rigoberto Uran e 14 sobre Vincenzo Nibali. André Greipel cruzou a meta a 21 minutos do vencedor!

breves do ciclismo

Mercado de transferências no ciclismo:

Euskatel desmantelada, bem desmantelada:

Nieve

1. Mikel Nieve vai correr na Sky na próxima temporada. O basco assinou por duas temporadas. O gregário de luxo já tem no seu currículo 1 vitória em etapa na Vuelta, outra no Giro, 2 classificações no top 10 na Vuelta (dois décimos lugares) e outro no Giro. Na equipa britânica terá o papel de gregário de Chris Froome. Na equipa britânica terá o papel de gregário de Chris Froome. igor anton

Já Igor Anton assinou pela Movistar onde terá o papel de gregário de luxo, o mesmo que tinha Rui Costa na equipa espanhola. O basco tentará ajudar a dupla Quintana e Valverde no próximo tour, podendo tentar a vitória nas etapas quando Unzué o consentir.

2. Mikel Landa assinou pela Astana

TOUR DE FRANCE - STAGE FIFTEEN

3. O chefe de fila Samuel Sanchez assinou pela Saxo-Tinkoff. O campeão olímpico de estrada em 2008 será o chefe-de-fila da equipa dinamarquesa na Vuelta em 2014.

Outras transferências de realce:

uran

4. O insatisfeito (na Sky) Rigoberto Uran assinou contrato pela Omega-Pharma. O colombiano será o joker à geral da equipa Belga no próximo tour.

5. o sprinter de 20 anos Rick Zabel (filho do grande sprinter alemão Erik Zabel) será reforço da suiça BMC. O jovem sprinter alemão foi campeão de estrada alemão no escalão de sub-23 em 2012 e no ano passado obteve as suas duas primeiras vitórias enquanto ciclista profissional, uma delas numa etapa do Tour da Romandia.

6. O corredor de clássicas e contrarelogista Lieuwe Westra mudou da Vacansoleil para a Astana. Westra é o actual campeão de contra-relógio Holandês e no ano passado venceu a geral do Tour da Califórnia.

7. O argentino Mauro Richese transferiu-se para a Lampre onde terá funções na 2ª formação e na equipa continental do nosso compatriota Rui Costa.

8. O sprinter\lançador de sprinter Mark Renshaw é outra das aquisições da Omega. O australiano voltará a encontrar o seu antigo companheiro na HTC Mark Cavendish. A sua contratação terá sido uma exigência do Sprinter britânico em virtude da queda dos seus resultados desde que saiu da equipa norte-americana. Poderá também ser o 2º sprinter da equipa.

9. O estonteante all-rounder francês Tony Gallopin será reforço da Lotto-Belisol. O francês ganhou a clássica de San Sebastian no ano de 2013. Irá reforçar a poderosíssima máquina da equipa Belga nas clássicas do World Tour.

10. Adriano Malori irá correr pela Movistar. O italiano faz o caminho inverso de Rui Costa.

11. O sprinter Japonês Fumiyuki Beppu saiu da Orica e assinou pela Trek.

12. O eslovaco Peter Velits assinou pela BMC. Velits será uma das armas da equipa suiça para o contra-relógio, depois de em 2013 se ter tornado campeão eslovaco da especialidade.

santaromita

13. O all-rounder campeão italiano de estrada Ivan Santaromita protagonizou uma das maiores transferências da estação (para mim a que me causou mais surpresa neste mês de Dezembro) ao sair da BMC, onde em 2013 conseguiu ter algum destaque em algumas provas para reforçar o projecto australiano de ciclismo, a World Tour Orica GreenEdge. Santaromita será chefe-de-fila da equipa australiana no Giro e tentará vencer etapas e a geral de provas de uma semana.

14. O alemão Linus Gerdemann reforçou a continental MTK-Qubeka depois de alguns meses sem competir.

IAM Cycling

15. O projecto da IAM Cycling:

De uma assentada, esta equipa suiça da divisão continental da UCI com aspirações à vitória na divisão e subida\licença ao World Tour contratou Mathias Frank à BMC, os Franceses Sylvain Chavanel e Jerome Pineau à Omega-Pharma (Chavanel venceu em 2013 a ENECO Tour, a prova de contra-relógio dos campeonatos franceses de estrada) e o sprinter Vicente Reynès à Lotto.

16. Jon Atapuma, colombiano que surpreendeu o mundo do ciclismo ao conseguir um podio na última volta à Polónia terá a sua primeira experiência no World Tour na BMC.

Maxime Monfort

17. O trepador Belga Maxime Monfort foi outra das surpresas do mercado de transferências da modalidade ao trocar a Radioshack pela Lotto-Belisol onde será o chefe-de-fila da equipa e principal candidato à geral da equipa no Tour num ano 2014 onde Monfort aparece como candidato ao top5 da prova.

18. O trepador francês John Gadret será reforço da movistar para 2014. Gadret teve um ano 2013 para esquecer.

19. O luxemburguês Jan Bakelants (foi camisola amarela no último tour) será reforço da Omega-Pharma. A mesma equipa também adquiriu o contra-relogista Thomas DeGendt à Vacansoleil.

20. O veteraníssimo Francisco Mancebo de 36 anos transferiu-se da Americana 5-Hour para a Sky Dive do Qatar. Irá correr em provas UCI Continental Ásia. No ano passado correu provas da Continental Norte-Americana.

21. A Efapel contratou Ricardo Mestre à Euskatel. Mestre será o chefe-de-fila da equipa depois da sua curta passagem no estrangeiro ao serviço dos bascos.

22. O italiano Davide Vigano será o novo chefe-de-fila da Caja Rural. O gregario italiano foi dispensado após a contratação de Nelson Oliveira por parte da Lampre.

23. O Holandês Johnny Hoogerland assinou pela equipa continental da Androni. Hoogerland será o chefe-de-fila da equipa italiana.

scarponi

24. Sem espaço para os seus objectivos na equipa Lampre, Michele Scarponi protagonizou outra das surpreendentes transferências do defeso. O italiano mudou-se para a Astana, equipa na qual será candidato à geral no próximo giro.

25. Juan José Cobo, vencedor da Vuelta em 2012, decidiu “reformar-se” da elite do ciclismo mundial e trocou a Movistar por um contrato pela turca Torku Sekersport.

Renovaram com as suas equipas:– Ian Stannard, Chris Froome e Peter Kennaugh (Sky)
– Nicky Sorensen, Bruno Pires, Matteo Tosatto, Olivier Zaugg e Sérgio Paulinho (Saxo-Tinkoff)
– Manuele Mori,  Przemyslaw Niemec e Matteo Bono (Lampre)
– Cameron Wurf, Fabio Sabatini, Paolo Longo, Maciej Bodnar, Danielle Rato (Cannondale)
– Mickael Cherrel (AG2r)
– Davide Rebellin,  Jacek Morajko, Nikolay Mihaylov  (CCC Polsat)
– Daryl Impey (Orica)
– Cyril Gautier e Davide Malacarne (Europcar)
– Yuri Trofimov, Simon Spilak, Vladimir Isaychev (Katusha)
– Tom Danielson (Garmin)
– Javier Moreno (Movistar)
– Danilo Wyss, Marcus Burghardt (BMC)
– José Ochoa (Androni)
– Leopold Konig (Net App)