Crónicas do WRC #1

Sebastien Ogier estreou-se em Fafe com uma vitória.

 

Dani Sordo perante o olhar de milhares de pessoas no “confurco”.

 

“Selfie” de Ogier.

 

Salto de quase 50 metros (!!!) de comprimento de Kris Meeke.

Vai hoje para a estrada a 48º edição do Rally de Portugal, quarta prova a contar para o Mundial da especialidade.

O rally arranca oficialmente às 15 horas da tarde dos Jardins do Casino Estoril, sendo o primeiro percurso cronometrado a super especial de Lisboa que se realiza, a partir das 18 horas, na Praça do Império, nas imediações do Mosteiro dos Jerónimos.

A caravana do rally seguirá para sul, rumo ao Estádio do Algarve, local onde está montado o Rally Village. A restante prova desenrolar-se-à no Algarve e Baixo Alentejo.

 

Apesar do Rally “a sério” apenas arrancar hoje, a euforia provocada pela prova já atingiu o seu expoente máximo no passado sábado, como já é habitual, com a edição do Fafe Rally Sprint, que tem funcionado como uma espécie de aperitivo para a competição a realizar no Algarve e Baixo Alentejo.

Verdade seja dita, não há evento desportivo em Portugal que consiga atrair tantos espectadores como o Fafe Rally Sprint. Estiveram em Fafe, pelo terceiro ano consecutivo mais de 100 mil pessoas, que chegaram de todos os cantos da península ibérica. Muitos foram os que por lá pernoitaram, para reservar os melhores spots para assistir à passagem dos pilotos e suas máquinas.

A mítica classificativa de Fafe-Lameirinha é, de facto, um lugar à parte para os adeptos dos ralis. Não é à toa que é apelidada por esse mundo fora de “catedral dos ralis, e até o campeão do mundo em título não resistiu em levar uma recordação consigo, tendo tirado várias fotografias, e até uma “selfie” com a imensa moldura humana que decorava a encosta da lendária descida do confurco.

Fafe proporcionou imagens e momentos muito bonitos e espectaculares, tendo algumas delas já corrido o mundo. Fica na memória o salto dado por Kris Meeke, piloto natural da Irlanda do Norte, que atingiu os 48 metros de comprimento!

O evento contou com algumas das principais figuras da modalidade, tendo também servido, mais uma vez, de teste para o ACP preparar o muito aguardado regresso do Rally de Portugal ao Centro/Norte do país, que pode acontecer já em 2015.

A Taça, que era o que menos interessava neste evento em particular, foi levada pela dupla Sebastien Ogier / Julien Ingrassia da Volswagen, seguidos por Ott Tanak / Ralgo Molder em Ford a 0.5 segundos, tendo a dupla espanhola da Hyundai, Dani Sordo/Marc Marti, fechado o pódio a 2.2 segundos da dupla vencedora.

Quanto ao Rally de Portugal, depois de já terem vencido a prova por três edições, e face ao domínio registado na última temporada, Sebastien Ogier é naturalmente o favorito para levar de vencida a prova.

O seu colega de equipa, Jari-Matti Latvala, que poucas recordações agradáveis tem de Portugal (na memória de todos ainda está presente o célebre e aparatoso acidente em que o seu Ford Focus WRC capotou mais de uma dezena de vezes), é em teoria o mais forte opositor do Francês, quer porque é dos mais rápidos do actual plantel do WRC, quer porque está munido de uma máquina igual à de Ogier.

Andreas Mikkelsen, terceiro piloto da Volkwagen Motorsport, procura em Portugal um lugar entre o top 5. O piloto Norueguês tem vindo a evoluir nos seus cronos esta época tendo inclusive conseguido um 2º lugar no Rali da Suécia.

A Citroen sofre de uma crise de identidade desde que o campeoníssimo Sebastien Loeb terminou a sua carreira nos ralis. Mesmo assim é reconhecida a qualidade do DS3 WRC e é apontada como a principal ameaça à dupla da marca alemã.

Ninguém duvida da capacidade de Kris Meeke e Mads Ostberg para ganhar classificativas, mas a verdade é que os erros e os azares têm sido uma constante nos homens da Citroen.

Em Portugal, a equipa francesa espera reencontrar-se com os bons resultados, que permitam uma época em crescendo para os seus pilotos.

A M-Sport Ford, que no Rally de Portugal apresenta a sua dupla oficial, Mirkko Hirvonen, e Elfyn Evans, e ainda o seu “satélite” Robert Kubica, sabe que dificilmente conseguirá melhor que lutar pelo pódio.

Hirvonen continua regular, mas tem estado a anos luz do seu melhor, enquanto que Evans e o ex-piloto da Fórmula 1 ainda procuram ganhar experiência no WRC.

A Hyundai, que está na primeira época com o i20 no mundial de ralis, procura chegar a um novo pódio depois depois do 3º lugar obtido por Thierry Neuville no último Rali do México. Para isso, para além da jovem promessa belga, contam com o experiente Dani Sordo, e ainda o sempre espectacular Juho Hanninen.

Destaques ainda para o WRC 2, segunda divisão do mundial com uma excelente lista de inscritos. A dupla portuguesa Bernardo Sousa/Hugo Magalhães regressa a este campeonato aos comandos de um Ford Fiesta RRC. Os novos atletas do Sport Lisboa e Benfica apontam pelo menos a um lugar nos 3 melhores do WRC 2.

Quanto ao nacional de ralis, o favoritismo é entregue ao tricampeão Ricardo Moura que se apresenta com o habitual Skoda Fabia S2000. Ganhar é palavra de ordem para Moura, depois de em Fafe (desistência quando liderava) e em Guimarães (perdeu o rali na última classificativa para o seu principal opositor) ter desperdiçado a hipótese de ter somado duas vitórias, nas duas primeiras provas do nacional de ralis.

Pedro Meireles, também em Skoda, vencedor das duas primeiras provas do campeonato, tentará lutar pela vitória que lhe daria uma posição ainda mais favorável e confortável no campeonato.

O trio de candidatos à vitória no nacional fecha-se com João Barros, no Fiesta R5. Tendo à partida o melhor carro em pisos de terra, Barros procura chegar pela primeira vez ao lugar mais alto do pódio.

Uma referência para Adruzilo Lopes. O antigo tricampeão nacional, aos 51 anos continua um dos pilotos mais rápidos de pelotão, e apesar de ter um carro que não lhe permite lutar pelas vitórias (Subaru Impreza R4), a sua consistência e experiência fazem com que esteja sempre “pronto” para chegar ao pódio caso um dos pilotos munidos com melhores armas tenha algum deslize.

Estão lançados os dados. Um bom rali a todos, mas sempre em segurança!