Superbock! Fresquinha! #90

1. Notícia de Última hora: O Conselho de Justiça da FPF deu razão parcial ao Sporting no recurso apresentado quanto à decisão do Conselho de Disciplina na FPF no caso do atraso do FC Porto no jogo da Taça da Liga contra o Marítimo mas manteve a decisão desportiva tomada pela câmara baixa jurisdicional do referido órgão. O FC Porto passa às meias-finais da prova. A multa foi aumentada para cerca de 3 mil euros. Nada que não fosse esperado em Alvalade. O próprio presidente do Sporting já tinha declarado publicamente que não esperava que a decisão revertesse a favor dos argumentos apresentados pelo emblema leonino.

Creio que não preciso de adicionar mais nenhum comentário aqueles que teci nesta mesma série de posts sobre o caso.

 

2. A tal senilidade que o presidente do Sporting falava na semana passada.

Pinto da Costa 4

Nos últimos meses temos vindo a constatar que algo mudou no reino do Dragão. E não, a mudança não foi executada apenas ao nível da administração com a saída do incompetente Angelino Ferreira. As artimanhas, os esquemas de comunicação, de intimidação e de chantagem para usufruto e defesa dos interesses colectivos da entidade e até as piadas contra o presidente do Benfica mudaram. Subitamente. Se antigamente, no dito poiso de biltres do calíbre mais ordinário da história do futebol português, para se chegar ao objectivo A, usavam-se B e C, ou seja, para se atingirem certos objectivos necessários à defesa dos interesses do clube, utilizavam-se uma data de esquemas para a prossecução desse mesmo objectivo, actualmente, no seio de Dom Jorge Nuno e seus pares, reside uma tal de senilidade, chata, bacoca, ridícula.

Trocando por miúdos: se o Deco era castigado, plantava-se uma notícia no Jogo a afirmar que o Deco renunciava automaticamente à convocatória para o Euro 2004 caso fosse castigado. Se o árbitro era x, pedia-se ao Valentim para dar um toque à arbitragem para vir o árbitro y. Se certo jogador de clube rival não era castigado pela arbitragem pela atitude z, c fazia questão de mandar uns berros ao Valentim para se mexer de maneira a instaurar imediatamente um sumaríssimo. Se o Mourinho rasgava camisolas, a culpa era do roupeiro, do atrasado mental do Paulinho (com todo o respeito pela enorme dignidade que o nosso roupeiro tem). Se o Benfica perdia campeonatos em casa e tratava de ligar o sistema de rega para evitar os festejos dos jogadores do Porto, o Benfica precisava de contratar um canalizador para descobrir o furo… e por aí adiante. Sempre que Jorge Nuno Pinto da Costa ia às casas do clube, a cabeça do presidente do Benfica inchava que nem um melão.

Volto ao início: algo mudou. A desculpa esfarrapada do atraso provocado por Fernando no jogo contra o Marítimo colou porque o sistema domina os órgãos federativos. Bruno de Carvalho apelou aos sócios e adeptos do Sporting para se insurgirem e como bom filho de gente que sente decidiu queixar-se à UEFA e à FIFA sobre as arbitragens realizadas nos jogos do Sporting bem como instaurar um processo judicial junto das entidades judiciais civis (direito que a lei confere a todas as pessoas singulares e colectivas quando se sentem lesadas por algo ou por alguém). Para as “esburacadas” contas no Reino do Dragão (necessitadas da qualificação para a Champions da próxima temporada pelos motivos óbvios) tais movimentações protagonizadas pelo presidente do Sporting em benefício dos interesses do clube que dirige (se bem que o presidente do Sporting já foi altruísta o suficiente para apresentar propostas que visam a alteração de alguns dos pressupostos basilares do futebol português de forma a torná-lo efectivamente mais justo, mais equalitário e mais atractivo) soaram como uma forma de “coacção factual e coacção na sua forma tentada”.

A prova dos 9 em relação a tudo aquilo que escrevi nas últimas linhas veio da boca do presidente do Porto hoje a propósito da cena lamentável protagonizada por Quaresma no domingo. Jorge Nuno Pinto da Costa teve a nojice (desculpem mas não encontro outro termo) de relacionar a cena protagonizada pelo extremo no domingo com meia dúzia de suposições vindas do reino da teoria da conspiração que em nada abonam para justificar a falha humana protagonizada pelo jogador.

“Sou contra todo e qualquer ato racista e sei o que levou o Quaresma a momentaneamente ficar muito exaltado. Qualquer um ficaria nas mesmas condições. Tive o cuidado de ver pela televisão, que acompanhou sempre o Quaresma, de verificar que ele não agrediu ninguém e apenas quis responder a quem o insultou e portanto dou aqui a minha solidariedade ao Ricardo Quaresma. Tem é de aprender que há gente no futebol que é indigna de lá estar e tenta perturbar o adversário com insultos dos mais soezes”

Vamos por partes.

Em primeiro lugar, será que o egípcio Gomaa, residente em Portugal há cerca de 3 meses, já aprendeu de forma substantiva a língua e a cultura futebolísta portuguesa para, num laivo de loucura, insultar pejorativamente Ricardo Quaresma de “cigano”?

Segundo, se efectivamente Gomaa utilizou o termo “cigano” para provocar o extremo do Porto, pode-se dizer que o jogador está a ser insultado quase diariamente visto que toda a imprensa da especialidade (desde o comum redator do jornal diário até ao comum relatador radiofónico) escreve\diz constantemente a alcunha pela qual é conhecido nos meandros do futebolês o jogador do FC Porto.

Terceiro: Quaresma não agrediu ninguém. Porque um batalhão de gente impediu que agredisse. Nestes casos, a lei não pune o acto consumado. Pune quem tem intenta agredir.

Quarto : para que é que a selecção tem que ser chamada para a conversa? Na minha opinião, Ricardo Quaresma está a jogar o suficiente para ser convocado para a selecção. Está a fazer uma excelente 2ª metade da época. É indiscutivelmente o único jogador do Porto capaz de desequilibrar ofensivamente. Mas não foi chamado à selecção. Porque o seleccionador nacional não teve a mesma opinião que eu. Quer Pinto da Costa queira, quer não queira, quem tem o poder de convocar o jogador é o seleccionador nacional.

Quinto: A quem se refere o presidente do Porto com esta frase: “Tem é de aprender que há gente no futebol que é indigna de lá estar e tenta perturbar o adversário com insultos dos mais soezes” – será que o presidente do FC Porto se refere ao pobre jogador Gomaa do Nacional, recentemente chegado à Liga Portuguesa?

Sexto: Por muitos contentes se deviam ter dado os dirigentes do FC Porto. Que eu saiba, as regras do jogo mandam o árbitro sancionar com o cartão vermelho durante o tempo útil de jogo todo o jogador que tenha intenção de agredir outro jogador ou um agente devidamente identificado assim como sancionar esse mesmo jogador quando este consume ou manifeste intenção de agredir terceiros nos minutos posteriores ao fim do jogo bem como mencionar a ocorrência no relatório de jogo. Se os relatórios dos árbitros fossem tornados públicos, saberíamos se João Capela o fez. Se não o fez, a Comissão de Análise de Arbitragem do Conselho de Arbitragem da FPF tem por ofício lançar um processo de avaliação à omissão do árbitro em questão.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s