Da Champions #15

diego costa 3

Juntando 2 golos aquele que foi marcado em San Siro, Diego Costa foi literalmente metade do sucesso do Atlético de Madrid nesta eliminatória frente ao Milan. O avançado leva 7 golos na competição e continua a consolidar o seu estatuto como grande vedeta do futebol mundial.

Serão precisos 16 anos para que a máquina do tempo voltar a recordar o último estado de euforia colectiva dos aficionados colchoneros. Há 16 anos atrás, em 1996, na jugular da era Gil y Gil (o tal irrascível que não tinha problemas em despedir treinadores após 2 derrotas consecutivas) quando Diego Simeone dominava por completo as batalhas de meio-campo e era um dos esteios do sucesso da equipa de Radomir Antic, campeã nessa temporada de 1995\1996, o Atlético de Madrid assumia-se de forma determinante como um dos grandes do futebol espanhol e uma equipa capaz de construir uma página de história europeia para o clube da capital espanhola. 2 anos depois viriam os primeiros problemas com a destituiçao de Jesus Gil y Gil da Alcaidaria de Marbella e os processos judiciais que foram movidos pelo Ministério Público Espanhol na sequência do acto. O fosso financeiro encontrado no Atlético de Madrid chegou inclusive a motivar que os tribunais nomeassem uma comissão de administração para gerir os destinos do clube, nessa altura, em 2000\2001, na 2ª liga espanhola. Nao menosprezando as conquistas europeias de 2010 e 2012, a primeira, alcançada com uma sensacional campanha europeia realizada por Forlán e Kun Aguero e a segunda alcançada, por obra e graça de um tal de Radamel Falcão, acompanhado de perto por um conhecido nosso de nome Diego Ribas da Cunha, por sinal, de regresso ao Vicente Calderón por empréstimo do Wolfsburg. Premonição de mais uma vitória Europeia? Sim, tudo é possível. Este Atlético já se provou capaz esta época de lutar taco-a-taco contra os grandes espanhóis e fazendo minhas as palavras do lateral Felipe Luis, este Atlético “é capaz de eliminar quem quer que venha”.

O Atlético de Simeone entrou na sua máxima força. O herói da vitória de Vigo (2-o ao Celta nos Balaídos) David Villa teve que sair do 11 para entrar a grande estrela da equipa, Diego Costa. Na defesa e no meio-campo, Simeone contou com o seu arqué-tipo. Courtois na baliza; Felipe Luis na esquerda, Juanfran na direita; Godin e João Miranda no centro; como o jogo exigia um médio mais musculado ao lado de Gabi (dados os 2 panzers que o Milan iria apresentar em campo; Nigel de Jong e Essien, com Poli à frente com tarefas construtivas), Simeone optou por dar a titularidade a Mario Suarez; na frente destes, o trio de virtuosos; Turan, Koke e Raul Garcia; este último no apoio a Diego Costa.

Por seu lado Seedorf, quis encarar o desafio como uma das hipóteses concretas de, em caso de vitória, salvar uma época irremediavelmente perdida. O jogo de Madrid poderia dar ao holandês mais uma fichinha europeia ou ditar o adeus dos rossoneri às competições europeias por algum tempo. Não estando em condições de lutar pelas competições europeias na Serie A (o Milan já está a 9 pontos do 5º lugar), este Milan arrisca-se a ficar a ver as competições europeias durante alguns anos. Com uma crise directiva enorme (apesar do regresso mais ou menos tácito de Silvio Berlusconi ao gabinete de San Siro e das investidas que tem feito junto de investidores qataris para dotar novamente o Milan de condições para investir forte e feio, o que é certo é que o período em que a sua filha Barbara assumiu o clube, provocou uma autêntica rebaldaria no seio do clube, motivando inclusive a demissão do director-geral do clube Adriano Galliani, um dos vértices do sucesso da equipa Milanesa nos últimos 30 anos), com péssimas escolhas ao nível de staff técnico (continuo a afirmar que esta escolha de Clarence Seedorf para o comando técnico do Milan tem tanto de desespero como de infelicidade) e com um plantel super desequilibrado (em várias posições; existem jogadores que já estão a acusar o peso da idade; a contratação de Balotelli não resolveu nenhum problema e pelo contrário, agudizou o fraco rendimento demonstrado pela equipa; as saídas de Thiago Silva e Zlatan chacinaram por completo qualquer hipótese deste Milan voltar a ganhar o scudetto) este Milan arrisca-se a ter que começar tudo da estaca zero. Apesar da direcção dos rossoneri já ter afirmado por várias vezes que é necessária uma renovação total do balneário, pensada, estruturada, certeira (não há mais margem para erro), essa renovação tem tardado e tem sido feita de forma totalmente errada.

Em Madrid, o Milan apresentou-se também com poucas baixas. Seedorf deu a titular a Emanuelson na esquerda, Abate na direita, Bonera e Adil Rami no centro da defesa; o meio campo musculado com De Jong, Essien e Poli (o Milan precisava de mais qualquer coisinha neste campo, mas as soluções do plantel não abundam; o melhor que há por Milão neste momento para o meio-campo é Sulley Muntari, um jogador que não acrescenta literalmente nada ao futebol do Milan) Kaka na esquerda, Taarabt na direita e Mario Balotelli na frente do ataque. A meio da partida, Seedorf foi tentando revolucionar as coisas, colocando o brasileiro no apoio a Balotelli, Poli na direita, Taarabt mais ao centro e Essien mais à esquerda, embora com tarefas mais defensivas para permitir as subidas de Emanuelson, um homem que faz muito bem todo o corredor esquerdo.

Um início de jogo desastroso…

A primeira falha defensiva da partida ditou a bitola do jogo logo aos 2 minutos. Essien recuperou uma bola junto à linha lateral no flanco esquerdo dos milanistas, perdeu para Gabi, este com um toque simples fê-la chegar a Koke e Koke, com os seus prodigiosos processos técnicos colocou a bola com conta, peso e medida na área, onde, sem marcação, nas costas dos centrais apareceu Diego Costa a esticar a perna e a fazer o primeiro da partida. Não poderia começar melhor este Atlético de Madrid, perante um eufórico público de Vicente Calderón, deixando desconfiar que a eliminatória tinha sido resolvida logo ao minuto 2. Engane-se quem assim pensa… a espaços, o Milan foi reequilibrando a partida e esteve muito próximo de fazer a remontada ainda a meio do primeiro tempo.Enquanto Abbiatti berrava com os seus centrais pela falha crassa cometida, Seedorf interrogava-se no banco como é que tinha sido possível falhar daquela maneira. Imagino o que vai na cabeça de um treinador num lance destes. Todo o trabalho de dias, toda a análise que tinha sido feita à equipa de Madrid e todo o esquema consequentemente montado para anular a superioridade ofensiva dos colchoneros tinha caído ali aos 2 minutos de jogo.

Os jogadores do Atlético empolgaram-se. Diego Costa tentou rasgar pelo miolo em acções individuais. Apostando num futebol inteligente, o carrossel do meio-campo de Simeone (Gabi, Koke, Turan, Raul Garcia) começou a praticar um futebol adocicado de posse, acelerando o jogo quando mais lhe convinha ou quando uma brecha era vislumbrada na defensiva do Milan para tal. Através da sua qualidade técnica, Koke e Arda enchiam a partida de processos simples, alternando entre o passe curto e aberturas a rasgar para a entrada dos laterais nos flancos. O jovem de 22 anos formado na cantera colchonera e o turco foram de resto os melhores em campo, brindando a assistência com um futebol que tem tanto de delicioso, como de inteligente, como de matreiro. E Diego Simeone tem o mérito de puxar, para já, o melhor futebol deste quarteto de meio-campo.

Só por volta do minuto 13 é que a equipa do Milan teve alguma posse de bola no jogo. Uma posse muito tímida, a bom da verdade. Como é seu apanágio, os jogadores do Atlético recuaram e aplicaram a sua defesa profunda de linhas muito recuadas mas também muito articuladas entre si, com as unidades muito próximas e muito pressionantes e retiraram espaços para a equipa italiana poder aplicar uma resposta adequada. Os italianos foram pacientes e os seus esforços viriam a dar resultados mais tarde.

Em destaque pela positiva nestes primeiros 20 minutos esteve a arbitragem do inglês Mark Clattenburg. Perante um desafio disputado por duas equipas com jogadores ora demasiado explosivos (Balotelli, Diego Costa; capazes de passar jogos inteiros em picardias) ora com jogadores demasiado caceteiros (De Jong, Bonera, Rami, Godin, Mario Suarez), o inglês adoptou uma postura rígida de forma a poder controlar o jogo. O inglês não foi de palavreados e sacou do amarelo por duas vezes nos primeiros 10 minutos, um por Raúl Garcia por falta a meio-campo, outro para Rami por falta sobre Diego Costa. Com a atitude do inglês, ganhou o futebol.

Só depois do minuto 24 é que o futebol do Milan começou a ganhar alguma ideologia e algum nexo. Até lá, o máximo que os rossoneri iam tentando fazer no ataque era despejar bolas para as alas, à procura de Taarabt e Kaka. Se o franco-marroquino andou algo desaparecido do jogo na primeira parte (sendo substituído ao intervalo por Robinho), o futebol do Milan só ganhou expressão quando Seedorf mandou alterar a esquemática da equipa para a situação acima enunciada. Aos 24″ Abate cruzou da direita, Balotelli recebeu no peito e tentou o remate. Estorvado por Raul Garcia e Miranda acabou por cometer falta se bem que, o avançado italiano pediu penalty. A fava que saiu no jogo de Amesterdão (o Milan empatou com um penalty totalmente forjado por Balotelli nos minutos finais da partida) não saiu em Madrid. Muito atento aos lances, Clattenburg foi ajuizando com total assertividade.

Foi neste incremento de futebol do Milan que o golo do empate apareceu: aos 26″, num dos únicos momentos de desconcentração da atitude defensiva do Atlético, surgiu uma descompensação aquando de um canto do Milan. Balotelli abriu para a direita para Andrea Poli e este, aproveitando algum espaço concedido por Felipe Luís, centrou para o 2º poste onde apareceu Kaka a cabecear para o fundo das redes de Courtois com a bola a ser ressaltada na perna de Godin. Mesmo assim duvido que o belga pudesse defender a cabeçada de Kaka visto que Kaka queria cabecear por alto e o belga já estava a cair.

Empolgam-se os rossoneri…

Os vários adeptos do Milan no Vicente Calderón silenciaram a Frente Atlético e os italianos cresceram exponencialmente no jogo com o golo. Marcando um 2º golo num espaço de tempo imediato, não só passavam para a frente da eliminatória como poderiam deitar a equipa de Simeone em maus lençóis. O que é certo é que o golo desconcentrou por completo a equipa espanhola. O seu meio-campo teve o seu curto ocaso no jogo, o Milan obrigou a equipa a jogar mal, e de um desses lances, Godin vai ao meio-campo cabecear uma bola totalmente inofensiva, coloca a bola nos pés de Poli que lança de imediato Kaka num contra-ataque 2 para 2. O brasileiro avança e vê Balotelli com hipóteses de se isolar pela esquerda. Quando tenta lançar o ponta-de-lança, o brasileiro acaba por exagerar no passe e permite a saída de Courtois para controlar a posse do esférico.

Os adeptos rossoneri acreditavam. Dois minutos volvidos, o Milan tem a melhor chance para dar a remontada: canto curto batido na direita por Emanuelson para Taarabt, o franco-marroquino com um toque de classe faz o melhor lance da sua prestação da partida ao tirar um adversário da frente e centra para o coração da área para Kaka, sem marcação na cara de Courtois, a atirar por cima da barra.

Como quem não marca, sofre…

Os comandados de Simeone re-alinharam baterias e um pouco contra-a-corrente do jogo voltaram a deixar a sua pegada na partida, quando aos 39″ Koke solicita Diego Costa à entrada da área e o brasileiro, com inteligência, amortece no peito para o remate de rompante de Arda Turan contra Rami. Apesar da intencionalidade do remate em força, a bola desvia no central e trai Abbiatti. O Atlético ganha nova pujança e os colchoneros vão para cima da equipa de Seedorf: uma combinação entre Koke e Juanfran no flanco direito permite ao lateral ganhar a linha sem qualquer opositor e central para o centro da grande área para um espantoso pontapé de bicicleta de Raúl Garcia que sai ligeiramente ao lado da baliza de Abbiatti. Se esta bola entrasse, seria claramente candidata a golo do ano da prova.

Até ao final da partida, destaque apenas para o amarelo que Mark Clattenburg mostrou a Balotelli por protestos.

Ao intervalo: a equipa do Atletico foi mais feliz numa fase em que o Milan controlava a partida e estava mais próxima do 2º golo. Mais um jogão fantástico do meio-campo do Atletico, apesar do meio-campo do Milan estar a ter uma prestação também fantástica. De Jong e Essien estão a meter muito músculo no meio-campo e a tentar livrar a equipa do tenebroso jogo de passes que Gabi, Koke e Arda fazem no meio. Para mim, Arda e Koke foram claramente os melhores em campo no primeiro tempo. A quantidade de jogo que estão a criar, ora combinando com os laterais de ambos os lados, ora construído entre si, ora construído nas ligações que tentam estabelecer com Diego Costa estão a ser o principal factor desiquilibrador do jogo. Sinal mais para Kaka e Poli. Taarabt apareceu num único lance. Candidato à saída. Facto que viria a acontecer para a entrada de Robinho.

Os colchoneros iniciaram a 2ª parte a mandar no jogo. Logo aos 47″, de um canto do Milan correspondentemente cortado por Juanfran quando Kaka preparava-se para rematar, a bola chega aos pés de Diego Costa que segue em velocidade para o meio-campo do Milan. Apercebendo-se da subida em velocidade de Koke pelo flanco contrário, já em pleno meio-campo dos rossoneri Diego Costa rasga um passe para o seu colega de equipa que remate ao poste de Abbiatti.

O ritmo de jogo baixou. Entretanto Simeone ordenou novamente uma pressão a todo o terreno por parte dos seus jogadores de forma a não deixar o Milan jogar e voltar a empatar a partida. Nesta fase da partida, mais entrosado na mecânica ofensiva da equipa, Balotelli estava a ser muito mas mesmo muito pressionado. Sempre que teve bola, o avançado tentou resolver sozinho os problemas. No entanto, os homens de Simeone tinham a lição bem estudada ao ponto de, sempre que o italiano tocava na bola, via-se rodeado por 3 ou 4 adversários e, invariavelmente, os jogadores do Atlético não davam grandes abévias ao internacional italiano.

A partir dos 60 minutos, o Milan começou a perder o meio-campo. Essien perdeu a frescura física (não é fácil andar minutos e minutos a perseguir homens como Koke ou Turan).Mesmo assim, o Milan ainda tentou fazer pela vida quando Robinho sacou de duas boas jogadas individuais pela esquerda, foi para cima de Juanfran e numa delas obrigou Courtois a uma defesa apertada para a frente com um remate-cruzamento. A ideia do brasileiro era servir Balotelli na pequena área. Contudo, o remate-cruzamento obrigou o belga a uma defesa de recurso muito bafejada pela sorte: como tocou a bola para a frente, se aparecesse algum homem do Milan aquela 2ª bola poderia ter sido o golo do empate e consequentemente o relançar da eliminatória…

Aos 68″, Seedorf voltou a arriscar, colocando Pazzini em campo para o lugar de Essien. Com esta alteração, Seedorf devolveu Poli à sua posição original e colocou Kaka a jogar novamente no flanco direito, fazendo recuar ligeiramente Balotelli no terreno de forma a fazer a interligação entre o meio-campo e o homem de referência.

Contudo, a alteração pouco efeito surtiu. Decidida a terminar com a eliminatória, a equipa de Simeone deu conta do recado em dois tempos. Aos 70″, uma falta a castigar uma mão de Bonera numa posição mais descaída para o flanco esquerdo permitiu a Koke colocar a bola milimetricamente na zona de penalty para um salto monumental de Raúl Garcia sobre De Jong para o 3-1. Mais uma vez, sem marcar, Koke decidiu. E Raúl Garcia voltou a marcar de cabeça.

Até ao final do jogo, quando pouco havia a fazer Seedorf colocou Muntari em campo para o lugar de De Jong. A alteração poucos efeitos surtiu e debelou o défice de soluções de ataque existente no seu plantel. Diego Simeone fez as suas habituais alterações: as entradas de Sosa e Cristian Rodriguez.

E o jogo haveria de terminar como começou: com um brilhante lance individual de Diego Costa para o 4-1 final, coroando fantástica exibição do Atlético. Os espanhóis bem podem sonhar com o trono europeu. A Champions é pródiga em surpresas e estofo não lhes falta.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s