Ciclismo 2014 #15

Vuelta a Murcia

vuelta a murcia

1 unica etapa na região de Murcia contou ontem com a presença de várias estrelas do pelotão internacional, a começar pelo homem da casa, Alejandro Valverde Belmonte, vencedor da prova em duas ocasiões, Nairo Quintana (Movistar) Luis León Sanchez (Caja Rural) ou David Rebellin (CCC-Polsat).

A equipa também teve a presença dos portugueses Tiago Machado e José Mendes (Net-App Endura) e das equipas portuguesas Efapel-Glassdrive e Louletano Dunas Douradas.

tiago machado

Pelo que pude aferir, a etapa desenrolou-se em pelotão compacto até à súbida final (a 4ª do dia). No último quilómetro Tiago Machado atacou e quem respondeu foi Alejandro Valverde. O espanhol haveria de ser mais rápido que o português nos metros finais. O ciclista português da Net-App endura foi 2º seguido de David Rebellin e de Luis Angel Mate da Cofidis. José Mendes, também da Net-App Endura ficou em 7º a 9 segundos do vencedor da prova.

O melhor português das equipas portuguesas em prova foi Sérgio Sousa da Efapel na 12ª posição a 17 segundos de Valverde.

2. Apresentação das equipas

Lampre-Mérida

Lampre Merida

O nosso Rui Costa é o chefe-de-fila absoluto da equipa Lampre, poucos meses depois de ter concordado fazer parte do projecto da equipa italiana numa altura em que se encontrava em final de contrato com a espanhola Movistar.

Localização: A equipa é italiana, está sediada na Federação Italiana de Ciclismo mas tem a sua sede em Lugano na Suiça.

Site: www.teamlampremerida.com

Director Desportivo: Orlando Maini, coadjuvado entre outros por antigos ciclistas como Marco Marzano ou Daniele Righi.

Chefes-de-fila: Damiano Cunego, Rui Costa, Chris Horner,

Gregários de Luxo\Corredores de estatuto protegido: Przemyslaw Niemec, (Filippo Pozzato), José Serpa, Diego Ulissi,

Contra-relógio: Nelson Oliveira

Sprinters: Sasha Modolo

Clássicas: Filippo Pozzato,

Gregários: Winner Gomez Anacona, Matteo Bono, Davide Cimolai, Luca Dodi, Krijstian Durasek, Elia Favilli, Roberto Ferrari, Manuele Mori, Andrea Palini, Jan Polanc, Maximiliano Richeze, Rafael Valls, Luka Wackermann, Xu Gang, Niccolo Bonifazio, Mattia Cattaneo, Valerio Conti,

Principais vitórias\conquistas em 2013:

  • Vitória no Troféu Laigueglia (Filippo Pozzato)
  • Vitória na Geral da Settimana Internazionale di Coppa e Bartali (Diego Ulissi) e 3 etapas (Ulissi, Cunego e Adriano Malori)
  • Vitória na Geral da Bayern-Rundfart e 1 etapa (Adriano Malori)
  • 1 etapa na Volta à Polónia
  • Vitória na Coppa Ugo Agostini (Filippo Pozzato)
  • Vitória no GP Ouest-France (Filippo Pozzato)
  • Vitória no Gran Premio della Costa Etruschi (Michelle Scarponi)
  • Vitória na Milano-Torino (Diego Ulissi)
  • Vitória na Coppa Sabatino (Diego Ulissi)
  • Vitória no Giro Dell Emília (Diego Ulissi)

Depois de um ano 2013 desastrado a nível internacional (a licença World Tour chegou a estar em risco) e de vários anos em que a equipa italiana apostou forte mas não conseguiu ter resultados coadunantes com o valor investido, tendo até dificuldades em arranjar um 2º patrocinador para a equipa (a Lampre ponderou há cerca de 3 anos atrás retirar o patrocínio à equipa), o ano 2014 assume-se como um ano muito decisivo para o futuro desta equipa.

As apostas do passado foram de certa forma apagadas. Ciclistas com estatuto dentro da equipa como David Vigano, Michelle Scarponi ou Adriano Malori rumaram a outras paragens. Rui Costa foi aliciado e ficou deleitado com o papel oferecido pela equipa dentro da mesma: chefe-de-fila no Tour e em outras provas de relevo do calendário internacional (Volta à Suiça, Volta ao Algarve, Paris-Nice, Amstel Gold Race, Volta ao País Basco, Fleche-Wallone, Tour da Romandia, Liege-Bastogne-Liege, GP Montreal) e Christopher Horner, o vencedor em título da geral da Volta à Espanha, depois de um cenário de indecisões (até final de Janeiro não tinha equipa para correr esta época) decidiu assinar com a equipa italiana. A Lampre deixou para trás corredores que não conseguiram corresponder às expectativas geradas (casos de Michelle Scarponi; venceu o Giro em 2011 mas não conseguiu repetir o feito na prova italiana e foi infeliz na passagem para o Tour em 2012 onde só foi 24º e para a Vuelta onde foi 15º da geral) e voltou a apostar forte em dois ciclistas que neste momento lhe garantem maior profundidade e combatividade no Tour (caso do português) e na Vuelta, caso do ciclista Norte-Americano, sem falar que, pelo meio existe um Damiano Cunego (deverá correr o Giro e o Tour), Filippo Pozzato (um ciclista temível nas clássicas) e um ciclista com um papel ascendente dentro da equipa (Diego Ulissi).

Comecemos então pelo português – Rui Costa aparece em 2014 com a espinhosa (mas apetecível missão) de repetir aquele que será, sem sombra para dúvidas, um dos melhores anos da sua carreira. 2013 foi o ano de afirmação do ciclista nascido na Póvoa do Varzim dentro do pelotão internacional, apesar deste já levar no seu currículo uma vitória numa etapa do Tour em 2011 e uma vitória na Geral da Volta à Suiça em 2012. Contudo, para um ciclista cujo estatuto dentro da Movistar ainda não era propriamente de destaque (só na Volta à Suiça liderou a equipa porque era o vencedor do ano anterior; no Tour teve que trabalhar para Valverde num primeiro plano e depois do azar do espanhol no qual Rui Costa também perdeu a possibilidade de lutar por um top-10 da prova, teve possibilidade de lançar as suas cartas na montanha de forma a sair vitorioso em 2 etapas) as vitórias na Geral e nas duas etapas da prova suiça, as etapas ganhas no Tour, a vitória na Klasika Primavera, o 3º lugar na Romândia e a vitória na prova de estrada dos Campeonatos do Mundo elevam a fasquia para o ano 2014, primeiro ano do português como chefe-de-fila de uma equipa. Veremos como o ciclista português vai reagir à responsabilidade acrescida granjeada pela época que realizou no ano passado, pela posse da camisola de campeão do mundo (as transmissões televisivas andam literalmente em cima dele; só ainda não tiveram tempo de mudar o banner de apresentação do nome do ciclista) e pelo estatuto detido dentro da equipa Lampre. Creio que o português irá corresponder às expectativas, irá vencer algumas provas em 2014 e irá continuar a trilhar a sua evolução dentro do Tour, prova onde se espera que consiga um lugar no top-10.

horner 2

Depois da sensacional vitória na Vuelta, Chris Horner aparece na Lampre depois de ter terminado contrato com a Radioshack e de não ter sido enquadrado no novo projecto da Trek-Leopard, a equipa que a Trek fundou com a extinta Radioshack-Leopard.

Aquando da contratação do veterano de 42 anos, o manager da Lampre Brett Copeland afirmou qual seria o papel de Horner dentro da equipa: chefiar a equipa no Giro e na Vuelta. Apesar de já não ser um ciclista capaz de fazer mais de 40 dias de prova por ano, Horner irá programar a sua temporada para atingir os dois picos de forma previstos em Maio (Giro) e Agosto\Setembro (Vuelta).

Damiano Cunego – Não sendo certa a sua inclusão no Giro, o vencedor da prova de 2014 deverá regressar à matriz inicial dos primeiros anos da sua carreira. 6º classificado na última edição em que participou, poderá ser o plano B a Horner na prova que contará também com Nairo Quintana a chefiar a Movistar e Rydel Hesjdal (vencedor em 2012). O vencedor do ano passado, o italiano Vincenzo Nibali (Astana) irá correr o Tour. Cunego poderá ser uma preciosa ajuda para Rui Costa no Tour assim como Diego Ulissi.

Filippo Pozzato – Aos 32 anos, este corredor de clássicas goza de um estatuto de corredor protegido. Em 2013 apenas venceu 2 provas. 2014 será o ano em que tentará reavivar a sua carreira ou entrar no período de decadência desta.

Sasha Modolo – O Sprinter da Lampre já conseguiu algumas vitórias em 2014. Será a grande aposta da equipa para a especialidade. Poderá fazer um excelente 2014 e inserir-se no lote dos melhores do mundo.

Przemyslaw Niemec e José Serpa – São dois grandes gregários de luxo. O primeiro será uma ajuda para o português. O segundo será destacado para o Giro e para a Vuelta.

Diego Ulissi – Aos 24 anos está a tornar-se um caso sério. Já venceu em 2014 na Volta à Austrália. Vencedor por 2 vezes da prova de estrada do campeonato do mundo de Juniores, tem provado ao longo dos anos ser um homem capaz de andar muito bem em todos os terrenos. Poderá surpreender numa ou noutra clássica. Apesar de ter corrido a Vuelta no ano passado, espera-se que a sua evolução continue nas grandes voltas como escudeiro de Rui Costa no Tour para daqui a alguns anos poder lutar pela discussão da geral da Volta à Itália.

Nelson Oliveira – O atleta natural de Anadia é um especialista em contra-relógio. Será mais uma ajuda para o seu compatriota no Tour. Poderá surpreender na especialidade de contra-relógio.

Rafael Valls – Interessante trepador que não teve o seu espaço na Fuji-Servetto e na Vacansoleil. Poderá ser uma ajuda para Christopher Horner na Vuelta.

3. A Fechar:

Fabio Silvestre

Fim de semana estupendo para os ciclistas portugueses. A acrescentar ao 2º lugar de Tiago Machado em Murcia, o jovem Fabio Silvestre da Trek-Leopard venceu a 4ª etapa da Ronde De L´Oise em França (prova menor do calendário UCI) depois de conseguir bater ao sprint os seus companheiros de fuga durante 90 km.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s