Ciclismo #2

Provas:

Gerrans

Na Volta à Austrália (Tour Down Under) Simon Gerrans (Orica GreenEdge) assumiu a liderança da prova na quinta e penúltima etapa depois de um 3º lugar na tirada que ligou McLaren Vale a Willunga Hill. A etapa foi ganha por Richie Porte (Sky). Gerrans tirou a liderança a Cadel Evans (BMC).

Antevisão da época 2014:

AG2R La Mondiale

AG2R

Localização: La Motte Servolex – Savóia – Alpes Franceses – França

Site: http://www.ag2rlamondiale.fr/

Director Desportivo: Laurent Biondi

Chefe(s)-de-fila: Carlos Alberto Betancur, Rinaudo Nocentini, Doménico Pozzovivo, Christophe Riblon

Grégário de luxo\corredor de estatuto protegido: Romain Bardet, Biel Kadri, Lloyd Mondori,

Contra-relógio: Patrick Gretsch

Sprinters: Mickael Cherel, Yauheni Hutarovic,

Clássicas: Samuel Dumoulin, Sebastien Minard, Matteo Montaguti, Jean-Christophe Perraud e Julien Kern.

Gregários: Davide Apollonio, Gediminas Bagdonas, Julien Berard, Guillaume Bonnafond, Maxime Bouet, Steve Chainel, Hubert Dupont, Ben Gastauer, Damien Gaudin, Hugo Houle, Alexis Villermot, Sebastien Turgot, Maxime Daniel, Axel Dumont, Alexis Gourgeard.

Principais vitórias\conquistas em 2013:

  • 1 vitória na Etoile de Bessèges (Samuel Dumoulin)
  • 1 vitória em etapa na Roma Máxima (Biel Kadri)
  • 1 vitória em etapa no Giro Del Trentino (Maxime Bouet)
  • Vitória na geral da Juventude do Giro (Carlos Bettancourt)
  • Vitória em etapa no Tour (Christophe Riblon)
  • Vitória em etapa na Volta à Polónia (Christophe Riblon)
  • Vitória em etapa no Tour De L´Ain (Romain Bardet)
  • Vitória na Taça Nacional de França por Samuel Dumoulin

carlos betancourt

Depois de um ano 2013 com poucas vitórias, a AG2R chegou a ter a licença World Tour em risco por parte da UCI. A equipa francesa apresenta um plantel bastante interessante, com qualidade para fazer melhor do que fez em 2013. Apesar do objectivo principal ser vencer o máximo número de etapas na Volta à França (objectivo principal transversal a todas as equipas francesas) e colocar um ciclista no top-10 da prova, a AG2R também vai canalizar as suas atenções para as corridas em Itália, de forma a colocar o jovem ciclista colombiano Carlos Betancur no pódio do Giro.

O colombiano teve em 2013 aos 24 anos a sua época de afirmação. Betancur foi 3º na clássica Fleche Wallone, 4º na Liège-Bastogne-Liège e 7º na Volta ao País Basco. Para além da sua excelente prestação nas clássicas de primavera, conseguiu um fantástico 5º lugar na maior prova do ciclismo italiano, facto que aumenta a exigência para 2014. Como todos os colombianos do panorama actual da modalidade, Betancur já provou ser ciclista para todos os terrenos.

Para o Tour a aposta da equipa será outra. Christophe Riblon será a aposta principal da equipa para vitórias em etapa. Pelo meio ainda há a questão Pozzovivo. Doménico Pozzovivo teve um ano 2013 sem vitórias. Contudo, andou muito bem em várias provas: 6º na Volta à Espanha, 7º na Volta à Polónia, 10º no Giro de Itália. Ainda está por esclarecer qual vai ser o papel de Pozzovivo, ou seja, se irá continuar a fazer o Giro e a Vuelta ou se será o chefe-de-fila da equipa no Tour. Acredito mais que o italiano acabe por ser inserido na segunda opção estratégica visto que a equipa deverá querer atacar este ano um top-10 no Tour. A própria presença de Pozzovivo na prova francesa possibilitará que Riblon tenha carta branca para encetar fugas em etapas de montanha.

Nem só das grandes provas vive esta equipa. Patrick Gretsch é já neste momento um excelente especialista no contra-relógio, sendo expectável que se torne este ano o campeão nacional alemão. O jovem alemão de 25 anos já conta no seu currículo com três medalhas na especialidade nos campeonatos do mundo de sub-23 e uma vitória num contra-relógio na Volta à Andaluzia. O sprinter Bielorusso Hutarovic, apesar de não ser dos 10 melhores mundiais, é homem para conseguir algumas vitórias em provas menores, e nas clássicas, Samuel Dumoulin e Jean-Christophe Perraud são dois nomes a ter em conta. Dumoulin foi o vencedor da Taça Nacional de França, tendo conseguido 11 classificações na prova no top-10 enquanto Perraud, veterano ciclista que passou há uns anos do cross-country, especialidade onde foi medalhado e campeão do mundo várias vezes, para a estrada, é um ciclista a ter em conta visto que é capaz de executar sozinho fugas longuíssimas. Não venceu nada em 2013 portanto creio que tentará vencer este ano.

Romain Bardet e Biel Kadri são o futuro desta equipa. São de longe os ciclistas mais promissores desta AG2R. Terão carta branca para surpreender durante a época.

 

Astana

Astana

Localização: Luxemburgo (principal investidor do Casaquistão)

Site: http://proteam-astana.com/

Directores Desportivos: o mítico Alexandre Vinokourov e Giuseppe Martinelli. Tem no seu staff antigos ciclistas como Dimitry Fofonov, o antigo sprinter estono (ex-AG2R) Jaan Kirsipuu,

Chefes-de-fila: Jakub Fuglsang, Vincenzo Nibali, Michele Scarponi

Gregários de luxo\Corredores protegidos: Enrico Gasparotto, Maxim Iglinsky, Paolo Tiralongo, Janez Brajkovic

Contra-relógio: Andriy Grivko, Frederik Kessiakoff, Tanel Kangert,

Sprinters: Borut Bozic,

Clássicas: Mikel Landa, Lieuwe Westra,

Gregários: Valerio Agnoli, Fabio Aru, Aleksandr Dyachenko, Francesco Gavazzi, Dimitry Grudzev, Andrea Guardini, Jacopo Guarnieri, Valentim Iglinsky, Dimitry Muravyev, Ruslan Tleubayev, Alessandro Vanotti, Andrey Zeits, Daniil Fominkh, EvanHuffman, Arman Kamyshev, Alexey Lutsenko

Principais vitórias\conquistas em 2013:

Vincenzo Nibali

Vincenzo Nibali, vencedor do Giro 2013 e 2º classificado da Vuelta em 2013. Surpreendentemente batido no alto de l´angliru pelo magnífico Chris Horner.

  • Vitória na Geral do Giro do Adriático (Vincenzo Nibali)
  • Vitória na Geral e na classificação da Montanha no Giro do Trentino e 1 etapa (Vincenzo Nibali)
  • Vitória na Geral do Giro de Itália e 2 etapas (Vincenzo Nibali)
  • Vitória numa etapa da Volta à Bélgica (Maxim Iglinsky)
  • Tanel Kangert foi campeão nacional de contra-relógio da Estónia.
  • Alexandr Dyachenko foi campeão nacional de estrada do casaquistão
  • 2 vitórias na Volta à Áustria (Seeldrayers, entretanto transferido)
  • 1 vitória em etapas na Volta a Burgos (Simoni Ponzi, entretanto transferido)
  • 1 vitória numa etapa na Volta a Espanha (contra-relógio colectivo)
  • 2º classificado da geral na Vuelta (Vincenzo Nibali)
  • 4º classificado na prova de estrada dos campeões do mundo (Vincenzo Nibali)

A época da Astana em 2013 ficou marcada no seu ponto mais alto com a vitória de Vincenzo Nibali no Giro e com a derrota do mesmo na Vuelta no alto do Anglirú frente a um inexplicável Christophe Horner. Aos 41 anos, Horner resistiu a todas as puxadas de Nibali na mais difícil e espectacular (na minha opinião) montanha do ciclismo mundial para depois, já nos quilómetros finais, consagrar-se como o vencedor da Volta a Espanha.

A época de Nibali, em particular, teria mais um dissabor nos campeonatos do mundo. Autor do ataque a cerca de 7km da meta onde levaria consigo Purito Rodriguez, e, em que Rui Costa conseguiria fechar a muito custo nos quilómetros finais, pode-se dizer que a selecção italiana, construída ao milimetro para tentar levar Nibali ao final em condições de discutir a prova disputada em Firenze, não conseguiu o seu objectivo mínimo que era medalhar o ciclista da Astana.

Esta equipa da Astana é, poupando-me nas palavras, uma das maiores potências do ciclismo actual. Nibali será o corredor que a equipa irá apresentar ao Tour. Ponto Assente.

scarponi

A contratação de Michelle Scarponi à Lampre (Scarponi não quis ser gregário de luxo de Rui Costa, pelo que a imprensa italiana afirmou há uns meses atrás) assim indicia: Nibali voltará à prova dos reis, prova onde conseguiu um 3º lugar em 2013, para enfrentar Froome e Quintana nas montanhas francesas, Scarponi será a aposta em conjunto com Tiralongo para o Giro, e a dúvida apenas persistirá na equipa quanto aos papéis do esloveno Janez Brajkovic e do dinamarquês Jakob Fuglsang. Brajkovic deverá subalternizar-se numa das grandes provas a um dos líderes. Aposto que Fuglsang será a aposta da equipa para a Vuelta caso Nibali vá ao Tour.

No contra-relógio, a Astana tem o ucraniano Grivko e o estónio Kangert. Tanel Kangert está a crescer muito na especialidade. No ano passado já conseguiu, o estónio de 26 anos já conseguiu 2 bons lugares no top 10 da Volta à Suiça e da Volta à Polónia derivado do facto de ter ficado nos 3 primeiros nos contra-relógios realizados na prova. É expectável que comece a vencer alguns contra-relógios este ano e que melhore significativamente na média montanha.

Como Sprinter da equipa, a Astana apresenta Boruc Bozic. O esloveno não ganhou nenhuma etapa em 2013, não sendo expectável que a equipa trabalhe muito para ele ao longo da temporada.

Facilidade para os líderes tendo em conta o objectivo da equipa, a equipa dispõe de muita gente capaz para ajudar os líderes na alta-montanha: Valério Agnoli, Maxim Iglinsky, Alessandro Vanotti, Paolo Tiralongo são todos eles ciclistas capazes de ir para a frente do pelotão responder a ataques, acelerar ritmos nas ascenções ou desgastar com ataques as equipas rivais da Astana.

 

 

Advertisements

One thought on “Ciclismo #2

  1. Pingback: Ciclismo 2014 #3 | Tudo Ao Molho!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s