Campeonato da Europa de Andebol #2 – 2ª jornada

Grupo A

lazarov

Depois de perder (surpreendentemente) contra a Áustria na primeira jornada da provas por surpreendentes 30-20, a República Checa de Philip Jicha haveria de anular na prática todas as hipóteses de se apurar para a 2ª fase com um empate a 24 bolas contra a Macedónia.

Num jogo que juntava dois dos melhores rematadores de meia-distância da modalidade, Jicha (Kiel) pela República Checa e Kiril Lazarov (Barcelona) pela Macedónia, acabaria por ser o jogador blaugrana a levar a melhor sobre o potente rematador checo. Lazarov apontou 12 golos enquanto Jicha apontou 6. O melhor scorer Checo haveria de ser Pavel Horak (Frisch Auf Goppingen) com 8 golos. Fico com a sensação que ambos teriam a ganhar se jogassem em selecções mais competitivas. Principalmente Lazarov.

No outro jogo do grupo desta 2ª jornada, a Dinamarca confirmou o apuramento ao vencer a Áustria por 33-29. Os Austríacos confirmaram-se como revelação desta prova, batendo-se muito bem perante a equipa da casa.

Grupo B

palmarsson

Num dos melhores jogos que assisti desta fase inicial, Húngaros e Islandeses empataram a 27 golos. Na retina ficou a brilhante exibição do lateral do Kiel Aron Palmarsson.

Hungria e Islândia tem o dom de protagonizar grandes duelos de andebol sempre que se cruzam em competições internacionais. Recuando 2 anos no tempo, memorável foi aquele encontro nos quartos-de-final dos jogos olímpicos em que os Húngaros conseguiram eliminar os checos num jogo exponentemente dramático que teve como herói o guarda-redes Nandor Fazerkas, ausente deste europeu na selecção Húngaro. No entanto, creio que a baliza Húngara está muito entregue à dupla Roland Mikler\Péter Tatai.

A primeira parte do jogo foi extremamente equilibrada e eficaz para ambas as equipas. Com um 17-17 ao intervalo, destaque para as exibições do central Lekai e de Aron Palmarsson. O lateral Islandês não criou remates, inventou remates. Palmarsson rematou com uma eficácia inacreditável de meia distância, de todos os géneros e feitios, a distâncias inacreditáveis (alguns dos remates foram dos 12 metros), na passada, em suspensão e em apoio.

Como seria de esperar, a 2ª parte arrancou com menos eficácia (17-18 aos 37m) – a Hungria iniciou o tempo com 4 ataques falhados. Nestes primeiros minutos do 2º tempo também apareceram os guarda-redes com algumas intervenções de destaque. Principalmente o guardião Islandês Edvardsson. Boa exibição do lateral Ancsis na 2ª parte com vários golos de belo efeito de meia-distância. Palmarsson continuava a inventar remates da meia distância nos mais variados estilos de remate. O jogo acabaria por terminar com um empate a 27 golos, empate que foi muito festejado pelos Húngaros no final da partida visto que depois de terem perdido contra a Espanha na primeira jornada, tal resultado permitiria sonhar com o apuramento com uma vitória sobre a Noruega, facto que viria a acontecer na 3ª jornada.

No outro jogo do grupo, a Espanha haveria de carimbar o passaporte para a 2ª fase com uma vitória difícil sobre a Noruega por 27-25.

Grupo C

No intitulado grupo da morte, a Rússia bateu a Sérvia por 27-25 num jogo em que o melhor marcador foi Marko Vujin com 6 golos.

frança 2

Sintoma de um grupo muito renhido, com 4 candidatos à final deste Europeu também foi a vitória da França frente à Polónia. Nikola Karabatic teve que puxar dos galões perante uma agressiva defensiva polaca. Quem me voltou a surpreender pela negativa foi a prestação de Karol Bielecki. O espantoso jogador do Tarje Vive Kielce que fez a diferença no andebol ao conseguir competir depois de cego num olho, voltou a não marcar qualquer golo. Defensivamente também não encaixou na marcação a Karabatic. Boa prestação também do pivot Willy Accambray.

Grupo D

Não acompanhei muito os jogos desta jornada deste grupo. Acompanhei o da 3ª jornada entre Croácia e Sérvia. Na 2ª jornada deste grupo, Croácia e Suécia venceram respectivamente Montenegro e Bielorussia por 27-22 e 30-22.

Para terminar, deixo aqui alguns lances colectivos e individuais de destaque desta fase de grupos:

Os 12 golos de Kiril Lazarov à República Checa.

O Grande remate em rotação aos 6 metros de Manaskov (Macedónia) frente à Dinamarca a passe do seu guarda-redes Ristovski.

A fantástica defesa de Darko Stanic (Sérvia) frente à Polónia. O gesto não é típico de um guarda-redes de andebol mas valeu bem pela elasticidade demonstrada pelo guarda-redes sérvio.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s