O que eu ando a ver #5

Depois de um 5-0 na 1ª mão, os Jordanos foram ao Centenário de Montvideo fazer aquele que, seguramente, será relembrado por muitos anos como o melhor jogo da história do seu futebol.

Grande atitude defensiva por parte da selecção Jordana, em particular na primeira parte. É certo que os Jordanos usaram e abusaram de um estilo de jogo viril (a roçar a violência) para travar os principais craques uruguaios, virilidade que não foi devidamente travada no campo disciplinar pelo árbitro da partida, o Sueco Jonas Erikson. Contudo, fica na retina a excelente atitude da selecção asiática neste 2º jogo ao contrário do que tinha acontecido no jogo da primeira mão na capital Jordana Amã.

Recordo que esta selecção, treinada é a 70ª classificada do ranking FIFA (6ª asiática) e é treinada pelo mítico ex-internacional Egipcio Hossam Hassan.Ao nível dos seus jogadores, é uma selecção que apresenta pouca experiência ao nível internacional, tendo apenas 1 jogador a actuar na europa (o avançado Tha´er Bawab joga no Gaz Metan Médias da 1ª liga romena) e 5 jogadores a actuar em clubes Sauditas.

Quanto ao Uruguay, pode-se dizer que esta ronda de qualificação foi muito sofrida para a equipa orientada pelo eterno seleccionador Oscar Tabarez. Na janela de Junho, aquando do jogo em Caracas contra a Venezuela, se a equipa Uruguaia perdesse esse jogo estava praticamente fora do campeonato do mundo e a equipa Venezuelana garantia, pelo menos, uma vaga nestes playoffs. Num jogo muito difícil para a selecção Uruguaia, em que a selecção Venezuelana encostou a campeã sul-americana às cordas em vários momentos da partida, os Uruguaios tiveram uma pontinha de sorte no final, conseguindo ganhar o jogo aos 89″. Com uma recta final de qualificação fantástica (que não disfarça uma primeira volta de qualificação miserável; fica por exemplo na rotina o massacre que os Uruguaios levaram nos jogos contra a Argentina) a equipa de Tabarez conseguiu a qualificação para os playoffs e para o campeonato do mundo. Em muito contribuíram as exibições de Cavani, Suarez, Maxi Pereira (um cavalo à solta pela ala direita em grande parte dos jogos), Diego Forlán, Arevalo Rios, Diego Godín, Diego Lugano, Gaston Ramirez e Abel Hernandez.

Anúncios

2 thoughts on “O que eu ando a ver #5

  1. Foi o que deu o Tabarez andar com experiências com o 4-3-3. Quando voltava para o 3-4-3 a equipa começava a jogar à bola.

    Mas é uma equipa que lhe falta muita solidez e segurança defensiva. O que é estranho, para quem tem Muslera, Caceres, Godin. Se calhar o problema é o Lugano 🙂

  2. Com os jogadores que eles tem, não podem jogar senão em 3x4x3. Com os 3 centrais e com os 2 alas a fazer flanco inteiro. Não lhes faltam recursos ao nível de centrais (Coates, Scotti, Godin, Lugano, Aguirregaray, Alejandro Silva) e laterais que façam o flanco todo (Maxi, Caceres, Fucile). No miolo jogam consoante o adversário. Arevalo Rios é peça defensiva fulcral para encher a batalha de meio-campo e cobrir as dobras dos centrais. Se o adversário for uma equipa que ataque muito e pelas laterais, acabam por jogar com Rios ou Diego Perez ou Rios e Gargano. Se a equipa adversária tiver um futebol mais equilibrado joga Rios e um médio mais criativo (Ramirez, Lodeiro ou Alvaro Gonzalez). Na frente, o tridente ofensivo que bem conhecemos + Abel Hernandez, + Christian Stuani, se bem que já vi tanto o Alvaro Pereira como o Alvaro Gonzalez como o Maxi como extremos na ausência de Forlán ou Suarez.
    Apesar de terem feito uma qualificação sofrida, não devemos descartar o Uruguay como um dos favoritos à vitória no Brasil. Primeiro porque vão jogar praticamente em casa. Segundo porque já venceram um mundial no Brasil em 1950 numa final no Maracanã contra o Brasil. A história pode jogar a favor desta selecção ao nível anímico e moral. Terceiro porque tem gente em grande forma esta época.
    Quanto à questão dos centrais, o problema do Uruguai deve-se à falta de um central rápido. Tanto Godin como Scotti, Lugano ou Coates são centrais muito altos, muito posicionais (para disfarçar a sua lentidão quando o jogo é levado para as suas costas), muito duros de rins e acima de tudo muito faltosos. O único jogador que acaba por ser muito rápido quando joga a central é Martin Caceres. Contudo, gosto mais dele a lateral. Mas sabendo que na lateral está Maxi Pereira, Cáceres pode jogar como o central rápido no meio dos práticos e eficazes Lugano e Godin.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s