NBA 2013\2014 #2

O Sr. Tom Thibodeau berra tanto e tem a voz tão rouca que qualquer dia só é ouvido com recurso a um amplificador de voz. Ou então, com recurso a uma cassette gravada em bom tempo.

Perdoem-me os Bulleanos mais fanáticos: esta equipa não joga nada. Repito. Esta equipa não joga nada. Não sei o que é que o Sr. Gar Forman faz no gabinete. Coisa boa não é. A equipa é desiquilibradíssima. Em Chicago continua a ilusão de que o 5 base da equipa é capaz de ser a fonte de resolução de todos os problemas da equipa. Não o é. A NBA não funciona nesses moldes. Ou se tem uma equipa com soluções para as mais variadas posições e para os mais variados departamentos de jogo ou então não se anda por aí a apregoar uma equipa capaz de lutar pelos anéis. É inadmissível que uma equipa com 5 jogadores iniciais com talento e 3 soluções de banco credíveis gaste nada mais nada menos que 81 milhões de dólares e esteja a gastar, segundo as minhas contas, algo como 25 milhões de dólares em luxury tax.

Como se isso não bastasse, ainda existem dois dossiers para decidir até ao final do mês: Luol Deng termina contrato no final da época. Se os Bulls assinarem uma extensão com o extremo, poderão aumentar o seu salário de 14 para 17 ou 18 milhões de dólares. Kirk Hinrich também termina contrato. Ganha 4 milhões de dólares. Não creio que exista outra opção senão baixar drasticamente o salário ao base. Richard Hamilton não é visto há anos no court. E ainda recebe 1 milhão de dólares, quase tanto como o valor que Ron Artest (Metta World Peace ou Metta War Peace, como queiram 🙂 recebe em Nova Iorque, ou por exemplo, pouco mais do que o “dispensado” Nate Robinson aufere em Denver. Para não ser mauzinho, um pouco menos do que Marco Belinelli recebe em San Antonio.

Resumindo e baralhando: no último verão, um dos motivos que levou à não-renovação dos contratos de Belinelli e Nate foi, segundo Forman, o facto dos Bulls não terem possibilidades de continuar a pagar o que pagavam a estes jogadores. Falamos de Nate Robinson, aquele que na ausência de Rose levou literalmente com a equipa às costas. Mike Dunleavy foi contratado. Nada contra. Preencheu uma das carências da equipa, o tiro exterior. Engulo o argumento dado por Chicago. Os números de Dunleavy falam por si. Nada que Nate ou Belinelli já não o fizessem. Nate e Belinelli ainda tinham a particularidade de ir debaixo do cesto com garra. Dunleavy não é feito para incursões ao jogo interior. Dunleavy é feito para catch and shoot. Só. Fazendo bem as contas, Nate e Marco recebem 4,7 milhões nas suas novas equipas. Dunleavy, Hinrich e Hamilton recebem juntos algo como 8 milhões de euros. Não havia dinheiro…

Deixo a parte economicista da gestão financeira da equipa e passo ao court. Irregulares. Defensivamente tem dias. Ofensivamente não tem um único dia. Com Rose ou sem Rose. A equipa é capaz de estar a vencer por 20 no 3º período e perder o jogo. A rotação by the book de Tom Thibodeau enoja. É prejudicial. É descabida. Perde jogos. Rose ainda não está nos seus melhores dias. Perde muitas bolas. Poderá ter que parar devido a um problema físico contraído no jogo de ontem (vitória frente aos Cavs). Deng é instável. Quando existe Rose, não existe Deng. Deng reaparece quando não existe Rose. Noah joga cheio de dores. Compreensível. Boozer ainda é o único que está a fazer pela vida. Finalmente. Está a fazer pela vida porque como se sabe termina o contrato no ano de 2016 e como fa restricted deverá ser o primeiro a rolar no próximo verão. Trocado ou amnistiado. Há um senhor em linha de espera para a posição. Um grande senhor do basket europeu que dá pelo nome de Nikola Mirotic.

Do banco dos Bulls, posso aplicar aquele célebre ditado que os portugueses aplicam aos espanhóis: “nem bom vento nem bom casamento”. Hinrich (às vezes) Gibson e Dunleavy. É escasso para uma equipa com pretensões. O resto (Snell, James, Nazr, Teague, Murphy e Hamilton) ou não joga, ou joga pouco ou é gente demasiado jovem para meter neste momento. Basta só lembrar os pobres minutos que Snell teve em campo contra Miami, tremendo como varas verdes quando teve que defender LeBron. Interrogo-me às vezes o que é o Nazr anda por ali a fazer quando já tem idade para estar em casa a tomar conta dos netos. Ter Nazr como suplente de poste alto com um Joakim Noah que vai parar bastantes vezes ao longo da época, é algo que não cabe na cabeça de ninguém. Quando olhamos aos postes que estiveram disponíveis no verão que recebem tanto como o poste de Chicago percebemos que Forman não tem jeito para a coisa: DeJuan Blair (Dallas; 941 mil dólares esta temporada) Byron Mullens (Clippers; 947 mil dólares esta temporada) Fab Melo (Memphis Grizzlies; 1,3 milhões de dólares). Não sei que tipo de contratos é que os Bulls fazem ou qual é o critério usado nas negociações mas creio que estes 3 tem muito mais talento para fazer descansar Noah mais minutos dos que descansar habitual. Isto sem contar que Kenneth Faried quer sair de Denver e está disponível por um valor acima dos 1,4 milhões de dólares, valor actual do seu salário na equipa do estado do Colorado.

Para finalizar, parece que existem outros com opiniões identicas à minha.

 

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s