Bidone D´Oro #1

A Viola recupera de uma derrota caseira na passada quarta-feira contra o Napoli em casa (1-2 com um péssima arbitragem do internacional Gianpaolo Cavaresi) com a habitual vitória em San Siro (já no ano passado venceu o Milan no seu reduto por 1-3). Juan Vargas e o fantástico Borja Valero marcaram os golos do triunfo Viola, mas…

Max Allegri está novamente com a cabeça a prémio em Milão. Nunca vi um treinador de uma equipa europeia tão pouco apoiado e ouvido pela direcção desse mesmo clube, e, tantas vezes com a cabeça a prémio. Se fizermos uma breve pesquisa no google, contamos pelos dedos de várias mãos os episódios da vida recente do clube milanês em que o seu treinador (campeão em 2011) esteve com as malas aviadas do clube liderado por Adriano Galiani e cuja propriedade pertence a Silvio Berlusconi. Se ainda dúvida da minha palavra, veja aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, as vezes em que Allegri teve a porta da rua aberta ou viu alguém com passado no clube milanês incitar a direcção milanesa a fazê-lo. Seedorf é o mais incontrolável. O internacional Holandês, agora no Botafogo, tem trazido a lume recentemente as histórias que envolveram a sua saída do clube milanês.

O futebol é uma coisa deliciosa por estas novelas que se criam à volta dele. Allegri foi campeão em 2011. Não conseguiria renovar o título no ano seguinte. Como tal, viu a direcção vender-lhe os dois melhores jogadores nesse verão quando ninguém o esperava. Zlatan e Thiago Silva foram para Paris e em troca, Allegri não viu qualquer investimento significativo no plantel apesar das palavras de Adriano Galiani, que, prometia na altura, uma renovação a fundo no Milan. A renovação a fundo acabaria por cifrar-se nas contratações de Mario Balotelli, Christian Zapata, Matías Silvestre, Andrea Poli, Kaka Alessandro Matri e Valter Birsa. Por outro lado, a direcção milanesa consegue dar outro tiro nos pés com a venda do seu melhor jogador (Prince Boateng) ao Schalke por 10 milhões de euros.  Exceptuando os três italianos (Poli é um centrocampista de qualidade reconhecida) pode-se dizer que a renovação foi muito curta para um clube que tem aspirações no campeonato italiano e na liga dos campeões. O Brasileiro voltou com algum destaque mas não acredito que seja para durar. A lesão de Stephen El-Sharaawy tratou de completar o pesadelo que o treinador actualmente vive e que de resto admitiu ontem.

A questão Berlusconi. Em Abril Allegri afirmava (como puderam ler num link acima) que o proprietário “Sílvio Berlusconi já não lhe telefonava”. Em Maio, após uma discussão táctica da equipa com o proprietário, Allegri foi readmitido para época, meses depois de tanto Galiani como Berlusconi terem afirmado que Allegri ficava até ao final da época e que, segundo palavras de Galiani só lhe era pedido acelerar a renovação da equipa e o apuramento para a Liga dos Campeões, facto que Allegri conseguiu sem dificuldades de maior. Mesmo na Europa, é de recordar que este Milan teve a um passo de eliminar o poderoso Barcelona. Não fosse aquela perdida de Niang em Nou Camp depois daquela espantosa cavalgada de campo-a-campo…

Táctica. Falei em táctica. Allegri está a cometer o pecado capital na equipa do Milan. 3x5x2. O tendão de Aquiles do Milan é a defesa. Aproveito Zaccardo (mal) e Mèxes. Se bem que o francês é tanto capaz de marcar grandes golos de bicicleta do fundo da área como é capaz de cortar de calcanhar em zona proibida e colocar as bolas nos pés dos adversários contrários. Abate não é ala, é extremo. Ataca muito bem e defende mal. Mattia De Sciglio e Kevin Constant são esforçados mas não encantam. Quando maior parte dos treinadores italianos estão a abandonar o velhinho 3x5x2 (excepção feita a Antonio Conte na Juve; com os resultados que isso está a ter este ano) Allegri aposta num modelo previsível, flanqueado sem ter grandes flanqueadores e com a necessidade extra de ter que entrar em campo com dois poços de força como são Nigel De Jong e Sulley Montari para compensar as subidas dos laterais, o que, tira capacidade ofensiva ao meio-campo milanês.

O resultado disto tudo é óbvio: uma equipa sobre brasas, um treinador sobre brasas (um pouco à imagem do que se tem passado na vida privada de Berlusconi nos últimos meses), um 11º lugar na Serie A e um percurso na Champions literalmente aos repelões… O que é que faz a direcção do Milan? Dá novo voto de confiança a Allegri, funcionando totalmente em contra-ciclo com as atitudes tomadas quando o técnico desenvolvia um bom trabalho em Milão…

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s